Cruzeiro 2 x 1 América/MG – Gol de treinador também vale

Sem perder nem o controle do jogo nem a cabeça, o Cruzeiro passou com louvor no seu teste mais difícil na temporada, ontem na Arena do Jacaré, com gols de Anselmo Ramon e Vágner Mancini (Walter). Alessandro descontou para o América.

Cruzeiro no 4-3-3 anunciado, com Wallyson invertendo constantemente de lado com WP nas parcerias pelos flancos com os laterais e Montillo

O Cruzeiro foi a campo no 4-3-3 anunciado durante a semana, o mesmo esquema dos últimos jogos. Um movimento acertado, já que a equipe vem dando boas respostas com esta formação. Já o América veio num 4-2-2-2, tendo Fábio Jr. e Alessandro à frente de Luciano e Kaio na articulação.

No embate dos dois esquemas, vários duelos naturais se formaram. Anselmo Ramon batia de frente com os dois zagueiros americanos; Wallyson e Wellington Paulista seguravam os laterais adversários, que mal participavam do jogo; Montillo tentava (e conseguia) fugir da marcação dos dois volantes; Leandro Guerreiro e Marcelo Oliveira se encarregavam dos meias de criação e Fábio Jr. e Alessandro duelavam com a zaga azul. Os laterais cruzeirenses ficavam mais livres, e ajudavam os zagueiros.

O resultado é que, sem a bola, o Cruzeiro se defendia muito bem, tendo sempre um homem a mais na defesa – até mesmo quando um dos laterais do América avançava, deixando os atacantes azuis às suas costas. Assim, os dois volantes adversários (que não são jogadores criativos) ficavam procurando companheiros para passar a bola e não achavam, frequentemente tentando jogadas infrutíferas. O América só ameaçava quando o Cruzeiro errava no bote, e perdia o homem a mais. Em um desses lances, Léo tentou tirar de cabeça uma cobrança de lateral e não alcançou a bola, que sobrou para Luciano, pelo lado esquerdo. O meia ainda driblou Marcelo Oliveira, que foi cobrir, e concluiu para Fábio defender.

Ofensivamente, o Cruzeiro se aproveitou das saídas rápidas pelos lados, nas costas dos laterais americanos, com as excelentes parcerias que têm se formado neste esquema com três atacantes. Duplas e até trios se agrupam constantemente pelos flancos, sufocando a marcação adversária. Do lado esquerdo, Diego Renan tem sempre a opção de passar para o atacante que abre – Wallyson reveza com Wellington Paulista – ou para Montillo um pouco mais centralizado, e também pode ir para a diagonal para concluir. Do outro lado, Marcos tem as mesmas opções, e todos eles podem fazer uma tabelinha de pivô com Anselmo Ramon. Foi assim no lance em que Diego Renan concluiu de fora da área, e na tabelinha Montillo/WP (que desta vez estava na referência) para a linda conclusão de Montillo no ângulo, ambos os lances defendidos por Neneca.

WP não fechou a linha e Luciano recebeu livre nas costas dos volantes para sofrer a falta que originou o gol

O Cruzeiro tinha mais posse e o América não conseguia criar, pois Luciano e Kaio eram bem vigiados por Leandro Guerreiro e Marcelo Oliveira. O gol americano saiu numa tentativa mal executada de exercer marcação sob pressão. Como manda o figurino neste tipo de situação, os volantes azuis se encontravam bem avançados, empurrando os adversários para trás. Mas WP não fechou a linha de passe do volante do América, que achou Luciano livre atrás da dupla. De repente, o camisa 10 deles estava de frente pro gol com dois companheiros como possíveis alvos de passe. O Cruzeiro tinha 4 defensores: Diego Renan marcava Fábio Jr. e Marcos segurava Alessandro, com Léo na cobertura. Victorino, que estava “sobrando”, deu um passo à frente e retardou o ataque de Luciano, mas foi driblado, e Marcelo Oliveira, que teve de correr para trás para chegar no lance, acabou cometendo falta. A falta originou o gol num lance em que Victorino errou a linha de impedimento e deu condições a Alessandro.

Diferentemente do ano passado, quando o Cruzeiro tomava gols jogando melhor e se descontrolava emocionalmente, o time manteve a postura e continuou fazendo sua proposta. O time americano ganhou confiança com a vantagem no placar e tentou passar mais a bola, cozinhar mais o jogo, mas o time celeste continuou fechando os espaços e atacando com ainda mais veemência. Porém, pecava no último passe, oferecendo o contra-ataque. Os dois laterais azuis foram amarelados em lances desse tipo, e o segundo gol do América quase veio em outro. O erro de Luciano foi ter dado um drible a mais quando tinha condição de finalizar. Há que se destacar a recuperação da defesa justamente neste tempo “a mais” que o drible de Luciano proporcionou. Quando Fábio Júnior concluiu, já havia quatro defensores na área.

O dois a zero não teria refletido o que foi o primeiro tempo, injustiça que frequentemente acontece no futebol. Mas, pelo menos desta vez, o esporte foi justo: o empate chegou numa jogada de Wallyson, que recebeu a bola num duelo um contra um pelo lado esquerdo. Ele venceu Rodrigo Heffner na velocidade e cruzou para Anselmo Ramon marcar um gol típico de centro-avante, dominando de costas para a meta na pequena área e girando em cima do marcador.

O segundo tempo começou como terminou o primeiro: Cruzeiro em cima, com muita posse, e América sem criatividade, já que Luciano e Kaio continuavam bem marcados. O técnico Givanildo, vendo que nada mudaria, tirou Luciano e colocou o volante China, repaginando o América num 4-3-1-2 losango. A intenção era dupla: sufocar Montillo fazendo um 3 contra 1, e dar mais opções para a saída de bola americana quando a posse voltasse. Até que deu semi-certo: o ritmo cruzeirense diminuiu e partida ficou mais morna. O América conseguiu equilibrar as ações e teve algumas chances em bolas paradas.

Vágner Mancini tirou WP, amarelado infantilmente, e lançou Walter, mantendo o esquema. A situação do jogo não mudou, inclusive com o América tendo um gol anulado com justiça. O treinador celeste, então, lançou Élber no lugar de Anselmo Ramon, fazendo um 4-2-2-2, que virava um 4-2-3-1 com Wallyson recompondo. Agora eram dois (três) meias contra três volantes, e o jogo voltou ao que era antes: Cruzeiro com mais posse e América sem opções de criatividade, já que o jovem Kaio ficou encaixotado no meio do experientes volantes cruzeirenses. Na primeira bola do garoto Élber, uma enfiada digna de trequartista para Walter, que correu nas costas do zagueiro. Ele bateu de primeira, cruzado, e Neneca não conseguiu repelir. Gol do treinador do Cruzeiro.

A árvore de natal azul (4-3-2-1) após as alterações, Everton na proteção a Diego Renan contra Kaká e Montillo e Élber suprindo Walter

Givanildo, agora atrás no placar, tratou imediatamente de agir e mandou o atacante Adeilson no lugar do volante Moisés. Os esquemas agora estavam invertidos em relação ao início do jogo. Porém, o quarteto ofensivo cruzeirense, agora mais móvel do que nunca, continuava infernizando a zaga do América e criando chances. O técnico do América então lançou sua última cartada, sacando Alessandro, atacante mais central, e colocando o veloz Kaká (não aquele) para jogar nas costas de Wallyson pela direita do ataque, confrontando diretamente com Diego Renan. O jogador ofereceu bastante perigo por aquele lado, conseguindo inclusive uma jogada em que driblou o camisa 6 cruzeirense e centrou para Fábio Jr. mandar para fora. Mancini não tardou a responder com Everton no lugar de Wallyson, fechando o lado esquerdo na árvore de natal (4-3-2-1). Kaká deixou de ser uma ameaça e o Cruzeiro tocou a bola até o fim do jogo.

O técnico Vágner Mancini disse, após o fim do jogo, que foi o teste mais difícil do Cruzeiro na temporada. De fato: sair atrás no placar, manter o controle emocional e virar a partida com autoridade fazem deste jogo a melhor apresentação azul no ano (ainda melhor que as goleadas). No entanto, Mancini também disse que ninguém ainda está no ápice. Ou seja, na visão do treinador celeste, ainda há muito o que melhorar. E realmente há: é preciso ser menos afobado no último passe, tocar a bola com mais paciência – por mais que Montillo seja um jogador incisivo, que pega e parte. E defensivamente, melhorar o entrosamento da dupla de volantes e não pecar tanto em botes errados, pois podem ser fatais contra times mais técnicos.

Não chega a empolgar. Mas já dá uma esperança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *