Chapecoense 1 x 1 Cruzeiro – O pasto e as vacas magras

A péssima condição do gramado da Arena Índio Condá, em Chapecó, não escondeu a atuação ruim do Cruzeiro no empate de 1 tento com a Chapecoense. Walter empatou usando a arma do adversário, a bola aérea, muito porque o gramado não deixava a bola rolar e prejudicava a equipe mais técnica. Mesmo assim o Cruzeiro teve mais chances de fazer o gol.

A formação inicial do Cruzeiro, desta vez com Everton na esquerda, que tende a centralizar mais, e DR na direita sendo atrapalhado pela má atuação de WP

Vágner Mancini escalou o Cruzeiro no 4-2-1-3 habitual, mas com uma mudança nas laterais: provavelmente devido à má atuação no Superclássico, Marcos foi sacado para dar lugar a Everton, mudando Diego Renan de lado. Com a alteração, o técnico esperava diminuir a desvantagem numérica no meio-campo, com Everton tendendo a centralizar mais e deixar Wallyson mais aberto. A Chapecoense lotou o meio com 6 homens num 3-4-2-1, com João Paulo à frente de Athos e Neném.

No encaixe de marcação, o lateral direito William ficou responsável por vigiar Wellington Paulista, e por isso ficou mais plantado, enquanto Eliomar teve mais liberdade, batendo com Everton; os três zagueiros marcavam Wallyson e Anselmo Ramon; Wanderson perseguia Montillo em qualquer lugar do campo; os dois meias, Athos e Neném, observavam mais de longe os volantes cruzeirenses; e João Paulo tentava sair da marcação de Léo com Victorino na sobra. Diogo Roque, volante da Chapecoense, não tinha a quem marcar e muito menos tinha marcação, por isso ficou à vontade com a bola.

Do lado do Cruzeiro, esse homem era Diego Renan pela direita. O lateral até tentou apoiar, mas foi impedido de ter uma atuação melhor por causa de Wellington Paulista, que fez um péssimo primeiro tempo. o camisa 9 não conseguiu ganhar praticamente nenhuma bola de William, e quando Diego Renan ou outro jogador aparecia para ajudar, ele nunca passava a bola. Foi uma surpresa ele não ter sido substituído já no intervalo. Do outro lado, Wallyson recuava e abria para sair da marcação de Fabiano. Mas o jogo não fluiu pelo lado direito no primeiro tempo, pois os Leandro Guerreiro e Marcelo Oliveira estavam preferindo o setor central, abusando das bolas longas.

Mesmo com inferioridade numérica no meio-campo, o Cruzeiro acabou criando mais chances de gol que o adversário. A pontaria dos atacantes, principalmente de Anselmo Ramon, no entanto, não estava ajudando. A Chapecoense conseguiu seu gol numa jogada de bola parada, chuveirinho na área – e todos no Cruzeiro disseram que sabiam que esse era o ponto forte do time do Sul. Falha de marcação de Marcelo Oliveira, que era o responsável pela marcação no zagueiro Souza, autor do gol. Ele nem chegou a subir para disputar a bola.

A entrada de Walter no lugar de Wallyson no intervalo foi uma surpresa. Não pela entrada de Walter, mas sim pelo jogador substituído: o homem certo a deixar o campo seria Wellington Paulista. Mancini justificou após o jogo que, como o campo era ruim, o jogo passou a ser muito aéreo e de força, ao invés de técnica, o que desfavorecia o camisa 7 cruzeirense. Discordo, pois na verdade o Cruzeiro é que escolheu não jogar pelo setor esquerdo, onde Wallyson ficava livre de marcação quando recuava.

Com Walter, Anselmo Ramon passou para a esquerda e disputava espaço com o lateral direito Rafael Mineiro, que tinha substituído William, amarelado, no intervalo. Com Neném recuando para a terceira linha pela esquerda, a Chapecoense efetivamente fez as famosas duas linhas de quatro, com Athos articulando para João Paulo no 4-4-1-1. No Cruzeiro, Walter foi para a referência, e o Cruzeiro passou a jogar mais pela canhota. Do outro lado, Diego Renan teve mais liberdade, pois Neném não é bom marcador, é mais articulador. Ele recebeu uma bola pelo alto de Léo, explorando espaço aberto por WP, que recuou puxando a marcação – um dos poucos acertos dele na partida. O lateral tinha a opção de servir o camisa 9, mas (talvez sabiamente) optou por cruzar a bola diretamente na área. Walter apareceu no meio dos zagueiros da Chapecoense para empatar. Muito se falou sobre a estatura e a força dos zagueiros catarinenses antes e durante a partida, mas este gol prova que posicionamento conta mais do que estatura.

Depois de mais uma jogada errada de WP, Mancini finalmente percebeu o óbvio e tirou o atacante do jogo, lançando Roger. O esquema tinha mudado para 4-2-2-2, mas com dois homens de área. Roger não jogou como volante como nas partidas iniciais do Campeonato Mineiro, mas sim como um meia de ligação. O jogo ficou mais truncado, com o Cruzeiro com mais posse mas sem conseguir penetrar nas duas barreiras catarinenses, e a Chapecoense ameaçando com Athos, o jogador mais lúcido do time. Vágner Mancini lançou, então, Élber no lugar de Diego Renan, plantou Leandro Guerreiro à frente da zaga e deslocou Marcelo Oliveira para a direita, para cobrir as investidas do garoto. Era uma espécie de losango super ofensivo, montado para pressionar e buscar a vitória.

Após as alterações, o 4-2-2-2 com Elber cuidando de todo o setor direito e MO cobrindo seus avanços; após a expulsão de Leo, LG na zaga e Élber mais plantado

Mas a expulsão de Léo, com cartão vermelho direto, atrapalhou os planos. Élber ficou bem mais plantado do que o planejado pela lateral direita, e Leandro Guerreiro foi para a zaga ao lado de Victorino. Marcelo Oliveira teve a companhia de Roger, e Montillo voltou a ficar sozinho na criação. O 4-2-1-2 cruzeirense levou sustos, pois Élber não é lateral e muito menos marcador, e por ali a Chapecoense deu um certo trabalho para Fábio. Mas não produziu gols, e forçou o segundo jogo com um empate na bagagem.

É fato que o campo atrapalhou, mas a atuação ruim de WP e a boba expulsão de Léo atrapalharam ainda mais. A qualidade do campo não pode servir de desculpa, e nem esconder que o Cruzeiro não fez uma boa atuação. Fosse a Chapecoense um pouco mais ofensiva e não tão previsível, sairia do jogo com uma vitória. Ainda há muito o que melhorar: WP precisa voltar a jogar e parar de reclamar; Anselmo Ramon, como homem de referência, não pode perder tantos gols; as marcações individuais têm conseguido diminuir o poder de ataque de Montillo, que parece desinteressado; e os atacantes abertos têm que ajudar mais na recomposição, já que Montillo praticamente não volta.

Mesmo num pasto, o jogo foi de vacas magras. Mas a continuar assim, talvez as vacas fiquem magras durante toda a temporada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *