Atlético/MG 2 x 2 Cruzeiro – Fraqueza nos flancos mas força na cabeça

Vulnerável em seus dois flancos no primeiro tempo, o Cruzeiro teve frieza ártica para se reequilibrar e empatar o primeiro Superclássico do ano.

Note o posicionamento recuado de Guilherme e a liberdade de Bernard pela esquerda no mesmo lance

Nenhum dos dois treinadores mexeu no esquema de costume de suas equipes: o Cruzeiro no 4-2-1-3, com Wallyson pelo lado esquerdo e Wellington Paulista do lado oposto, e o Atlético Mineiro no 4-2-2-2, que com a presença de Bernard aberto pela esquerda e Danilinho um pouco mais centralizado, mas pela direita, por vezes variava para um 4-2-3-1, com Guilherme vindo jogar mais recuado na articulação central.

Além disso, para compensar a agressividade de seu lateral direito Marcos Rocha, Cuca orientou Richarlyson a ficar mais plantado, vigiando WP. Com mais os dois zagueiros, o Atlético Mineiro ficava numa situação de mano-a-mano em sua defesa contra o trio de ataque azul. Porém, isso não chegou a ser um problema, pois como havíamos previsto no fim do último post como um potencial problema, o Atlético pressionou os laterais e os volantes cruzeirenses e matou a saída de bola adversária. Marcos, que deveria vigiar Bernard, não fez uma boa partida, e cedeu bastante espaço ao meia atleticano. Do outro lado, Diego Renan e Marcelo Oliveira não se acertavam na marcação de Marcos Rocha e Danilinho, que centralizava mais. Pierre ficou no encalço de Montillo, liberando Filipe Soutto para duelar com Leandro Guerreiro. Eram 7 contra 7 no campo ofensivo, com ou sem posse de bola.

O domínio territorial e de posse de bola, no entanto, não vinha se traduzindo em chances para a equipe do Atlético Mineiro. A rigor, a maior chance de gol saiu em uma jogada de contra-ataque que Marcelo Oliveira salvou, não sendo, portanto, resultado direto da maior imposição em campo. O gol saiu numa movimentação inteligente de Bernard e numa falha de marcação de Diego Renan. O meia atleticano arrastou Marcos consigo para dentro da área, liberando um mundo de espaço para Richarlyson avançar e cruzar. Se um baixinho como Danilinho teve que se agachar para cabecear a bola dentro da pequena área, isso indica falha de marcação.

Bernard arrastou Marcos para o meio da área, abrindo espaço para Richarlyson cruzar para Danilinho, que se livrava de Diego Renan

Mesmo depois do gol, o panorama não mudou muito. Porém, a pressão na saída de bola finalmente deu resultado no lance do segundo gol. Fábio tentou sair pelo lado, mas o Atlético Mineiro conseguiu recuperar a posse de bola com André, que arrastou Leo para fora da área. Ele passa a Danilinho, que passa para Guilherme – novamente mais recuado para fazer o último passe – que devolve para Danilinho, novamente livre da marcação de Diego Renan. Leo, que deveria estar acompanhando André, preferiu encurtar em Guilherme, deixando André livre para invadir a área. Danilinho conseguiu passar a bola por baixo de Fábio e achar André livre para completar.

Léo é tirado da área por André, e Danilinho tabela com Guilherme sem que Diego Renan o acompanhasse; Léo prefere marcar Guilherme do que acompanhar André, que invade a área sem ser incomodado

Ao final da partida, Vágner Mancini negou que o esquema tivesse sido o culpado pela má atuação do Cruzeiro no primeiro tempo. Eu concordo com ele: se existem só três homens no meio-campo, é preciso que os atacantes abertos recuem para ajudar a recomposição, mas WP e principalmente Wallyson não fizeram isso. Assim, o Cruzeiro ficou virtualmente com 3 (LG, MO e Montillo) contra 6 (Marcos Rocha, jogando bastante avançado, Pierre, F. Soutto, Danilinho, Bernard, e por vezes, Guilherme). A má atuação dos laterais Marcos e Diego Renan, e dos ponteiros Wallyson e WP é que contribuiu para a fraqueza celeste nos flancos.

O 4-2-2-2 celeste após as alterações, com Roger ao lado de Montillo e os volantes mais livres

No intervalo, Wallyson saiu para entrada de Roger, desfazendo o 4-3-3. Além disso, Vágner Mancini lançou Everton no lugar de Marcos, mandando Diego Renan para a direita. A diferença é que Roger não foi jogar como volante, como nas primeiras partidas do ano, e sim como meia, um pouco mais recuado mas ao lado de Montillo. Essa simples mudança reequilibrou o meio-campo: com dois meias avançados, os volantes do Atlético Mineiro já não tinham tanta liberdade para apoiar o ataque. Everton vigiava Danilinho, Diego Renan seguia Bernard e os dois zagueiros cuidavam da dupla de ataque adversária. Leandro Guerreiro e Marcelo Oliveira estava, de repente, livres para apoiar mais ou dobrar a marcação nos meias abertos.

Com a marcação encaixada, o jogo ficou equilibrado, com chances de parte a parte. Pierre já não tinha tanto êxito em marcar Montillo, que agora tinha mais liberdade com Roger a seu lado. Numa das arrancadas, o argentino tabelou, invadiu a área e driblou Renan Ribeiro. Sem ângulo, cruzou de esquerda para Anselmo Ramon, que conseguiu perder.

Com o jogo equilibrado, os laterais passaram a avançar um pouco mais. Depois de Marcelo Oliveira recuperar uma bola ainda no campo de ataque, ele passou a Diego Renan, aparecendo na frente. O lateral fez o cruzamento, mas a bola desviou no zagueiro atleticano e chegou até Anselmo Ramon, que, como um bom centro-avante, acreditou na jogada e mandou pro fundo das redes, depois da falha do goleiro. Mas é preciso destacar que também há méritos para o cruzamento: o goleiro só falha em bolas que vão até ele. Se o cruzamento fosse evitado, a falha não existiria.

Bola roubada por Marcelo Oliveira e o posicionamento avançado de Diego Renan, o que não ocorreu no primeiro tempo, logo antes do cruzamento para o primeiro gol celeste

O gol assustou um pouco o time atleticano. Cuca tirou Bernard, que já não conseguia mais levar vantagem em cima de Diego Renan e espetou Neto Berola pela esquerda em seu lugar. Apesar de ser um meia no lugar de um atacante, o esquema praticamente se manteve. Depois, Cuca tirou André, bem anulado pela zaga celeste, para a entrada de Mancini. Este passaria à articulação junto com Danilinho e Guilherme se tornaria atacante clássico ao lado de Neto Berola, um 4-2-2-2 sem muita variação, espelhando o esquema do adversário.

A máxima no futebol é: se espelhar o esquema, a técnica sobressai. E a técnica, no time celeste, tem nome e sobrenome: Walter Montillo. O meia argentino, que já havia forçado um cartão amarelo de Pierre, roubou uma bola no meio-campo, avançou atraindo a marcação de dois atleticanos e mandou uma cavadinha espetacular achando Anselmo Ramon dentro da área. O centro-avante dominou com um pé e chutou com o outro, no giro. O justo empate havia chegado.

Montillo atrai a marcação de dois adversários e dá a cavadinha no meio dos zagueiros atleticanos achando Anselmo Ramon para o empate

Walter já havia entrado no lugar de WP antes do gol, mas não alterou muito o esquema. Montillo continuava vencendo Pierre, que acabaria levando o segundo amarelo e sendo expulso. Vendo que perderia o meio-campo, Cuca lançou um terceiro zagueiro, Luiz Eduardo, no lugar do atacante Guilherme, alterando o esquema para uma espécie de 3-5-1. Os laterais passaram a jogar no meio-campo e, incrivelmente, o Atlético Mineiro voltava a ter um homem a mais no setor, mesmo com dez homens em campo. O resultado foi mais posse de bola, mas sem ter referências na frente. O Cruzeiro não teve dificuldades para segurar o adversário, mas tampouco se lançou à frente para tentar vencer a partida.

As duas conclusões mais importantes a serem tiradas deste jogo são: primeiro, o esquema com três atacantes é sim muito interessante, mas serão necessárias muitas correções para levar este esquema ao Brasileirão e às fases finais da Copa do Brasil. Ou Vágner Mancini cobra aplicação tática de seus jogadores, ou então abandona o esquema e volta com quatro no meio. Segundo, há que se destacar o fator psicológico do Cruzeiro na recuperação durante o segundo tempo. Com frieza, como deve ser, diminuiu o ritmo do jogo e se impôs aos poucos.

Vágner Mancini soube cobrar de seus comandados e fazer as mexidas certas. Mas podia tê-las feito ainda no primeiro tempo. Portanto, nota 7 para ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *