Náutico 0 x 0 Cruzeiro – Em branco de novo

Mostrando evolução defensiva mais uma vez, mas com uma queda brusca de criatividade, o Cruzeiro não sofreu gol de um esforçado Náutico no Recife. Mas também não fez, num jogo fraco tecnicamente pela segunda rodada do Brasileirão 2012.

O 4-2-2-2 torto cruzeirense da primeira etapa: quem dá amplitude de ataque pela direita?

O esquema de jogo mudou de Celso Roth mudou em relação à primeira rodada, com Everton saindo para a entrada do recém-contratado Tinga. Ambos são volantes de origem que jogam como meias, mas a diferença é que Everton joga mais aberto, e Tinga centraliza mais – região onde Montillo atua mais costumeiramente. A solução encontrada por Celso Roth para escalar ambos foi adiantar o argentino, transformando-o num segundo atacante. Souza trocou de lado e foi para a esquerda, e o Cruzeiro ficou num 4-2-2-2 torto, com Charles novamente tendo mais liberdade do que Amaral para sair com a bola.

O Náutico de Alexandre Gallo entrou num 4-2-2-1. Não, eu não errei a conta: somente 9 dos jogadores de linha guardavam posição. Araújo era servido por Cleverson e Ramon, e os 4 defensores tinham a proteção de Elicarlos e Glaydson. Derley, o jogador que faltou, ficou com a missão de ser a sombra de Montillo, e perseguia o camisa 10 por todo o campo, onde quer que fosse, até mesmo quando a posse de bola era do time da casa. O resultado é que o esquema do Náutico ficou bem difícil de definir. Por vezes parecia mais um 3-4-1-2, já que Derley afundava na caça à Montillo e com isso os laterais puderam atuar bem avançados, alinhados aos volantes.

Com o recuo de Derley no encalço de Montillo, os laterais avançavam, quase se alinhando ao dois meias atrás de Araújo no 4-3-2-1 (3-4-2-1) do Náutico

O Cruzeiro começou o da mesma forma que contra o Atlético/GO: marcando alto no campo. Deu certo, pois ora o Cruzeiro retomava a posse em uma posição melhor, ora a qualidade do passe do time da casa era muito reduzida, ocasionando chutões ou passes afoitos, facilitando os desarmes. O resultado foi mais posse de bola, e como a escola Barcelona nos ensina, consequentemente mais passes e mais finalizações, correto? Errado. O Cruzeiro teve um aproveitamento tanto de passes quanto de finalizações menor do que na primeira rodada. Das 9 conclusões, só uma foi ao alvo, o pior aproveitamento entre todos os times nas duas rodadas, de acordo com números da ESPN Brasil.

Ainda, com Souza preso do lado esquerdo, Tinga mais por dentro e Montillo tentando ser um segundo atacante, o time pouco usava o lado direito do ataque. Quando Montillo caía por ali, sempre acompanhado de Derley, acabava cercado por mais adversários. Lúcio, sem ter a quem marcar, jogou avançado e prendeu Diego Renan. O resultado é que, neste jogo, o Cruzeiro concentrou 10,6% da sua posse de bola na ponta esquerda contra 6,39% do outro lado. Contra o Atlético/GO, estes números eram 5,6% e 12,21% respectivamente, um indício de quanto Souza é atualmente responsável por fazer a bola chegar ao ataque.

O Náutico, sem opções, optou por esperar o Cruzeiro em seu campo para jogar na transição ofensiva, também conhecida como contra-ataque. Mas não obtinha muito sucesso, já que a defesa azul estava bem postada e não deixava espaços aos atacantes pernambucanos. Além disso, o Náutico conseguiu ter um aproveitamento de passes ainda pior que o Cruzeiro: apenas 80,4% de acerto (contra 82,68%).

A solidez defensiva é boa notícia, mas isso se refletiu na criatividade do time. Como já dito, poucos passes trocados, pouca qualidade nos que eram e poucas finalizações no alvo, apesar da maior posse de bola no primeiro tempo. Souza se movimentava pouco, preso na esquerda, Montillo parou na marcação implacável de Derley e Tinga foi um lutador, aparecendo para jogar em todos os setores do campo, mas recebendo poucas bolas e dando passes mais seguros (como se espera dele). Assim, foi uma primeira etapa chata, a não ser por uma bobeada de Fábio ao dominar com os pés que o Náutico não conseguiu aproveitar, e por um lance curioso do juiz que “desexpulsou” Charles ao transferir o que seria o segundo cartão amarelo do volante para Diego Renan, que também estava no lance. Sorte do camisa 7, pois foi ele de fato quem fez a falta.

No fim, Cruzeiro num 4-3-1-2 muito defensivo, com vários jogadores recuando demais

No segundo tempo o Náutico veio com mais gás, ou o Cruzeiro veio com menos, e a pressão alta já não era exercida. Com William Magrão, mais um estreante, no lugar do amarelado e “desexpulso” Charles, o Cruzeiro manteve o esquema, mas decidiu se afundar e sair na boa, dando liberdade para o primeiro passe dos volantes do Náutico. Derley até esqueceu Montillo por alguns momentos para tentar uma jogada mais profunda para seus companheiros, que agora tinham Rhayner e Souza nos lugares de Cleverson e Glaydson. O primeiro jogou como meia-atacante, fazendo mais companhia a Araújo; o segundo entrou como volante pela esquerda, no mesmo local onde Glaydson atuava: seis por meia dúzia em termos táticos, mas com pernas descansadas e com mais liberdade para infernizar a vida de Diego Renan e Amaral. Era um 4-3-2-1 com cara de 4-3-1-2.

A qualidade defensiva mostrada no primeiro tempo aos poucos foi sendo minada, com algumas falhas individuais que poderiam comprometer todo o plano. O trio ofensivo do time de Pernambuco promovia movimentação e atuavam sempre próximos, tentando confundir a marcação azul. Diego Renan ficou cada vez mais preso, e os volantes já não tinham liberdade para manter a posse da bola, mesmo que ineficiente, como no primeiro tempo. A situação estava se invertendo.

Aos 15, Celso Roth enxergou o óbvio e sacou Souza, mais lento, e promoveu a entrada de Everton. O volante foi jogar na mesma posição que jogou no primeiro jogo, aberto pela esquerda. Mas infelizmente a situação não mudou: o Náutico continuava encurtando os espaços e até obrigou Fábio a fazer algumas defesas difíceis. Alexandre Gallo então soltou o time de vez, com Rodrigou Tiuí na vaga de Ramon para fazer um 4-3-3, e Celso Roth respondeu logo em seguida lançando Wallyson no lugar do cansado Tinga. Wallyson foi fazer companhia ao inoperante WP e Montillo recuou para sua posição de origem. O Náutico tinha, de fato, apenas um volante, principalmente se considerarmos que Derley continuava vigiando Montillo de perto, e o argentino o arrastava para fora de posição (se é que havia uma para o camisa 150).

O Cruzeiro só foi ter uma posse de bola mais tranquila aos 29 minutos, que parou num impedimento de WP. Pouco para quem marcava pressão com sucesso no início da partida a agora recuava suas linhas para tentar um chutão de contra-ataque para os atacantes. Até Montillo, que normalmente não recua tanto, estava jogando à frente da sua própria área cercando os espaços do trio ofensivo.

6-3-1?

Mas não teve de fazer muito esforço, já que o Náutico martelava, mas já não finalizava tanto e se contentava com jogadas de bola parada. Talvez pelo cansaço do adversário, nos últimos minutos o Cruzeiro conseguiu segurar mais a bola, mas sem o ímpeto do ataque. Só podia dar em um zero a zero entediante.

Jonathan Wilson, autor do livro Inverting the Pyramid: A History of Football Tactics, disse bem em seu blog no The Guardian: “Simetria não é essencial, mas o equilíbrio é”. O Cruzeiro jogou sem simetria mas mostrou que agora sabe se defender melhor. Mas agora precisa encontrar equilíbrio e mostrar que sabe atacar também, como o próprio Roth disse na coletiva após o jogo.

Melhor pra ele, pois aqui é Cruzeiro: futebol ofensivo sempre foi a nossa marca. Chega de zero a zero, eu quero é ver gol.



Sobre as análises táticas da grande mídia

O futebol moderno hoje impõe versatilidade aos jogadores. É fato que o Barcelona, sob a batuta de Pep Guardiola, acaba por ditar a filosofia do futebol ofensivo em todo o mundo: todos jogam, mas todos marcam. Não existe mais aquele jogador que não tem obrigações defensivas, que fica esperando a bola para poder num lance decidir o jogo. Assim como também não existe mais aquele jogador super-defensivo, que “carrega o piano” para o craque do time poder jogar mais tranquilo.

Portanto, é mais do que natural, e cada vez mais comum, que jogadores joguem em posições que não são a sua de origem. Um caso emblemático é o de Marcelo Oliveira, que com a chegada de Celso Roth, foi parar na lateral esquerda. O volante de origem vinha jogando como segundo volante, ou pelo lado esquerdo do losango no 4-3-1-2 de Vagner Mancini, ou como vértice esquerdo do triângulo de base baixa quando num 4-3-3.

Estes jogadores comumente são taxados de “improvisos” pela grande mídia brasileira, como se a opção pela escalação do jogador naquele setor fosse um remendo que não necessariamente durará. Não raro, comentaristas gostam de dar ênfase a isto, para evidenciar que um determinado time precisa de reforços naquela posição ou que o técnico está inventando. É claro que jogar em sua posição de origem é melhor, pois o jogador está mais acostumado às funções que este papel lhe impõe. Mas ninguém pode guardar posição e ficar estático em sua zona – a Holanda de 74 foi a pioneira neste quesito, e o Barcelona atual aperfeiçoou o conceito.

Pois bem, para se fazer uma boa análise tática de uma partida, é preciso diferenciar bem três conceitos: posição, posicionamento e função. Como o excelente blog do Eduardo Cecconi já explicou:

“POSICIONAMENTO é a região do campo de onde o atleta parte NO JOGO em análise, a sua ZONA. Somados os posicionamentos de cada jogador chegamos ao sistema tático base da equipe. POSIÇÃO diz respeito à característica do jogador, é a ‘profissão’ dele, INDEPENDENTEMENTE da partida em andamento. É imutável. E a FUNÇÃO é o conjunto de atribuições que o jogador cumpre também NO JOGO observado.”

Entretanto, mesmo com essa clareza, algumas vezes percebo análises táticas muito ruins de comentaristas tarimbados, que não conseguem ir além da posição do jogador. Apresento dois casos para o mesmo jogo: Cruzeiro 0 x 0 Atlético/GO, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro 2012.

Como este blog já disse, o Cruzeiro jogou num 4-2-3-1, que variava para um 4-4-1-1 na fase defensiva com o recuo dos alas do meio-campo, como se pode ver em dois momentos do primeiro tempo, abaixo:

Dois momentos das duas linhas de quatro do Cruzeiro na fase defensiva

O 4-2-3-1 com a posse também fica evidenciado quando se vê o gráfico de passes recebidos pelos 5 jogadores do meio-campo no primeiro tempo:

Locais onde os jogadores de meio estavam posicionados quando receberam um passe: Amaral (vermelho), Charles (verde), Souza (branco), Montillo (azul) e Everton (amarelo)

Durante o jogo, era claro o posicionamento: Everton aberto pela esquerda, Souza pela direita, Montillo se movimentando por dentro mas caindo mais pela direita, e Charles e Amaral fazendo a dupla volância, com Charles tendo mais liberdade e Amaral mais preso na cobertura a Marcos. Até a própria abertura da transmissão acertou na hora de apresentar o gráfico com a escalação, pelo menos no sistema, pois os alas apareceram invertidos:

Até a abertura da transmissão acertou na disposição tática do time celeste, apenas invertendo os alas de lado

Durante o jogo, o comentarista Leonardo Figueiredo, durante a transmissão do pay-per-view, dizia que os dois times se posicionavam taticamente iguais, o que não é verdade. Disse que o Cruzeiro jogava com dois meias – o que é meia verdade, se consideramos apenas a posição dos jogadores, e não seu posicionamento. Mas se assim fosse, teríamos que dizer que o Cruzeiro jogou com 4 volantes, pois Marcelo Oliveira estava na lateral esquerda. Certamente o Cruzeiro não jogou num 3-4-2-1.

Dias depois, o mesmo comentarista apresentou uma análise tática muito equivocada do meio-campo cruzeirense. Ele posicionou Souza pelo lado esquerdo, plantou Amaral à frente dos zagueiros e deslocou Charles para a direita. Ora, as imagens acima desmentem isto. O que houve? Ele simplesmente não conseguiu (ou se recusou a) enxergar as atribuições de articulação de Everton, cuja POSIÇÃO é volante, mas cujo POSICIONAMENTO neste jogo era aberto pela esquerda na linha de 3 do 4-2-3-1, e sua FUNÇÃO foi de meia-esquerda. Da mesma forma, Marcelo Oliveira é volante, mas neste jogo jogou do lado esquerdo da defesa e tinha como função fechar aquele setor, deixando as atribuições ofensivas daquele lado para o camisa 11, mais à frente.

Também, o comentarista Bob Faria, em seu programa noturno “MG Esporte Clube”, apresentou uma arte onde posicionava o Cruzeiro num 4-3-2-1, da mesma forma. Pelo menos ele não colocou nomes nas bolinhas que representavam os jogadores. Correu menos risco. Ainda assim, apresentou uma análise errada.

Esta é uma das razões pelas quais decidi iniciar este blog. O nível de expertise dos ditos comentaristas na imprensa (principalmente mineira) é deplorável. Alguns se destacam e fazem excelentes análises, mas são raras exceções. A grande maioria se limita a comentar a parte técnica, dizendo que o jogador está mal ou bem na partida. Pouco ou nada sobre a parte tática.

Por isso, quando descobri, nas minhas leituras sobre o assunto, que o excelente site de análises táticas Zonal Marking também foi motivado pelas mesma razões, eu me encho de esperanças…



Cruzeiro 0 x 0 Atlético/GO – Anselmo e o Bandeirinha

A passagem de Celso Roth no comando do Cruzeiro começou com um empate sem gols contra o Atlético/GO em Uberlândia. Com atuações tecnicamente ruins de alguns jogadores, o aspecto tático também sofreu e o time celeste teve dificuldades defensivas no início, se acertou aos poucos mas foi prejudicado por um palavrão de Anselmo Ramon ao bandeirinha, que dedurou.

O 4-5-1 de Celso Roth (4-2-3-1 com a bola, 4-4-1-1 sem ela), mas com problemas pelo lado direito: Souza sem profundidade ofensiva e a deficiência técnica de Marcos obrigando Amaral a fazer a cobertura, abrindo espaços no meio

Celso Roth escalou um 4-2-3-1, com Charles e Amaral fazendo a dupla volância e Souza, Montillo e Everton atrás de Wellington Paulista. Sem a bola, Everton e Souza recuavam até a linha de volantes, fazendo um 4-4-1-1. Adilson Batista armou o Atlético Goianiense num 4-3-2-1: Pituca, Marino e Fernando Bob eram os volantes, Bida era o articulador principal e Elias era quase um segundo atacante atrás de Diogo Campos.

Dois aspectos devem ser considerados no esquema azul. O primeiro é que Souza, sendo um meia de ligação cadenciador, tendia a centralizar e não abria pela direita. Além de deixar a equipe sem poderio ofensivo por aquele lado, já que Montillo, quando caía por ali, era cercado facilmente por dois ou três jogadores adversários, essa movimentação desguarnecia aquele flanco. Além disso, Marcos não fez uma boa partida nem tecnicamente nem taticamente, tendo que receber a ajuda de Amaral para fazer a marcação pelo setor.

Estes dois efeitos combinados geravam espaços generosos na defesa cruzeirense. Com Marcos e Amaral no posicionamento “normal”, o lateral ficava constantemente no um contra um. Quando Amaral recuava para fazer a cobertura a Marcos, este avançava um pouco, mas continuava aberto pela direita, abrindo um buraco onde Amaral deveria estar. E foi pelo lado esquerdo do ataque que o Atlético/GO criou as melhores chances. Fernando Bob, volante esquerdo dos visitantes, combinava bem com Bida e ofereceu muito perigo nas costas de Marcos. Ainda, estes buracos faziam o Cruzeiro perder praticamente todas as segundas bolas, gerando longos períodos de posse dos visitantes e tirando a possibilidade de contra-ataques.

Do outro lado, Everton e Marcelo Oliveira não reeditaram algumas boas parcerias que tiveram na temporada. Isto porque Marcelo jogou como lateral zagueiro, plantado, fechando o setor, e pouco se aventurou no ataque. Isto, teoricamente, liberava Everton para fazer a meia extrema esquerda. Mas este jogou recuado demais, e por vezes era visto afundado na esquerda, empurrando Marcelo Oliveira para o meio e fazendo uma linha de cinco na defesa. O Atlético não jogou muito por ali, exatamente pela super-população de defensores, mas isso fazia com que Everton deixasse de ser uma opção de saída de jogo e o Cruzeiro ficava ainda mais previsível.

Essa previsibilidade facilitava a pressão alta do Atlético/GO. Amaral e Charles não eram os responsáveis pelo primeiro passe, como deve ser um 4-2-3-1, e o Cruzeiro teve pouca posse de bola e passes ruins. Porém, nas poucas vezes que chegava, conseguiu criar algumas boas chances. Montillo tentava o que podia: caía pelos lados – como lhe é característico, mais pelo lado direito, onde Souza não chegava ao fundo e Marcos tinha dificuldades de apoio. Foi justamente numa combinação com Souza por aquele setor que saiu a melhor chance azul no primeiro tempo: Montillo recebeu em boas condições na grande área e inverteu o jogo para Everton, que demorou na conclusão, dando chance para o bom goleiro Roberto. No rebote, Charles também mandou em cima do arqueiro visitante.

No intervalo, Celso Roth acertadamente tirou Marcos e lançou Diego Renan, perfazendo duas substituições sem mudar o esquema tático, pois Victorino já havia entrado na vaga de Alex Silva, contundido. O 4-2-3-1 se manteve, mas com muito mais segurança pelo lado direito. O efeito imediato foi que Amaral pôde voltar ao posicionamento inicial, e o meio-campo do Cruzeiro conseguiu ter mais presença, sem tantos espaços. Tanto é que, se no primeiro tempo o time visitante trocava passes na intermediária ofensiva, desta vez eram os zagueiros que jogavam a bola um para o outro, tentando achar uma brecha. Mas ofensivamente o problema da saída ruim persistia: o Atletico insistia na marcação mais adiantada e os jogadores cruzeirenses ofereciam facilmente a bola.

Roth então decidiu que WP seria uma melhor opção de saída se abrisse pela ponta esquerda, pois podia reter uma bola e girar para servir um companheiro. O treinador queimou sua última substituição tirando Everton, lançando Anselmo Ramon na referência e espetando o camisa 9 pelo lado sinistro, mas com liberdade para chegar dentro da área e concluir como centro-avante. A alteração surtiu efeito e o Cruzeiro criou excelentes chances, apenas para ser parado pelo goleiro Roberto.

Adilson Batista, então, foi para sua primeira mudança no jogo, tirando o meia Elias e colocando o centro-avante trombador William. Bida passava a ser o único articulador, e agora eram 4 contra 4 no meio-campo. O jogo se equilibrou um pouco, com chances de parte a parte, mas o Cruzeiro ainda tinha mais posse de bola. Aos 31, Anselmo Ramon reclamou “inapropriadamente” de um arremesso lateral com o bandeira. Foi dedurado e expulso de campo.

Uma das duas variações do 4-4-1 do Cruzeiro no fim da partida; a outra variação é ilustrada pelas setas amarelas

Logo após a expulsão, Adilson mandou Felipe a campo na vaga de Diogo Campos: outro centro-avante. O losango do meio se manteve, o Atlético-GO tinha um homem a mais: os volantes e laterais passaram a avançar com muito mais frequência. O Cruzeiro teve de abdicar da vitória para proteger seu próprio gol, e o fez com autoridade. Com as duas linhas do 4-4-1 bem compactadas, com Montillo e WP alternando para ser o homem mais avançado, o Atlético-GO não conseguiu entrar no bloqueio e nada fez. Adilson Batista ainda tentou mandar mais um atacante, Juninho, no lugar do volante Marino, fazendo um 4-2-1-3, quase um 4-2-4 devido ao posicionamento ofensivo de Bida, mas o substituto mal viu a bola. Fábio sequer encostou na bola até o apito final.

A conclusão é de que, obviamente, ainda há muito trabalho pela frente. Mas, diferentemente de muitos comentaristas esportivos, não acredito que o Cruzeiro tenha tomado sufoco. Foi um jogo equilibrado, com o Cruzeiro claramente ainda tentando se entender novamente após a troca de comando, contra um adversário já entrosado e bem treinado. Foi dominado, sim, mas nem sempre o time dominado vence ou merece vencer – vide Chelsea, justo campeão da Europa. Nosso time demonstrou evolução, pelo menos defensivamente, e com os novos contratados melhorará ainda mais. Tinga chega para ser titular, e já deve entrar no próximo fim de semana contra o Náutico nos Aflitos.

A aplicação tática defensiva após a expulsão demonstra que a equipe tem sim capacidade. Acredito que as vitórias virão. Claro, desde que não se xingue o bandeirinha – ou quem quer que seja.



Atlético/PR 1 x 0 Cruzeiro – Hipertensão

Um pouco de pressão alta do Atlético Paranaense no início do jogo mais uma certa incompetência nas finalizações foi a receita amarga da terceira derrota seguida do Cruzeiro. Se Vágner Mancini já tinha de colocar as orelhas em pé, agora então precisa vencer e convencer para ter sobrevida no cargo. Não que eu concorde, pois a má fase não é culpa inteiramente do treinador, mas sabemos que no futebol, principalmente aqui em terras tupiniquins, o resultado importa muito mais do que o planejamento e o trabalho.

O 4-3-1-2 losango inicial do Cruzeiro, com Roger e Amaral invertendo e sem força pelo lado esquerdo

O Cruzeiro foi a campo no 4-3-1-2 losango, mas com Roger recuando pela direita e invertendo com Amaral. Na zaga, Alex Silva estreou no lugar de Victorino, vetado. Já o Atlético-PR veio no 4-3-3 com triângulo alto (4-1-2-3) armado pelo técnico uruguaio Juan Carrasco, com o veterano Paulo Baier num posicionamento interessante: o camisa 10 recuava para ser o primeiro volante, liberando seus companheiros de meio-campo Deivid e Liguera para atacar.

Logo de cara, o Atlético partiu para a marcação no alto do campo quando perdia a bola, sufocando os defensores cruzeirenses. Foram 20 minutos de uma excelente execução de pressing. Os três atacantes pressionavam os quatro defensores e os volantes eram perseguidos pelos dois meias. Paulo Baier regia de trás.

Nas raras vezes em que o Cruzeiro conseguia passar pelo meio-campo, o Atlético imprimia velocidade no contra-ataque, com intensa movimentação do trio ofensivo. Foi justamente num destes contra-ataques que saiu o gol da partida. Roger e Amaral estavam na ponta direita disputando a posse, mas perderam a bola, que chegou para o ex-cruzeirense Guerrón, desta vez aparecendo pelo lado esquerdo. O veloz equatoriano tinha a marcação de Diego Renan, mas sem cobertura. Leandro Guerreiro tenta chegar para fazer a sobra, mas Diego Renan já havia sido driblado e Guerrón já partia em velocidade. Antes do camisa 5 alcançá-lo, ele cruzou rasteiro para dentro da área azul. Alex Silva, o homem da sobra, não conseguiu cortar e Edigar Junio conseguiu aparecer entre Léo e Everton para completar. Méritos de Guerrón, mas houve falha na cobertura a Diego Renan e na hora de cortar a bola no cruzamento.

Do outro lado do campo, Anselmo Ramon ainda nem tinha visto a cor da bola. O centro-avante azul ficou esperando a bola chegar, mas o Atlético continuava a pressão. Do lado esquerdo, Marcelo Oliveira se preocupava em marcar Deivid, e Everton segurava o atacante que caísse por ali, na maioria das vezes Guerrón. O lado esquerdo ofensivo do Cruzeiro ficou novamente deserto. Roger recuava para buscar o jogo e tentar dar qualidade à saída, numa tentativa de cadenciar o jogo, para frear a velocidade que o time mandante queria impor. Mas foi dele o lance mais bizarro do jogo: num passe muito displicente para Léo, acabou entregando para o centro-avante Patrick avançar sozinho. Fábio cresceu, o camisa 11 se assustou e desperdiçou.

A partir dos 20 minutos, a pressão atleticana foi arrefecendo. Aos poucos o Cruzeiro foi ganhando espaço, mas os atacantes estavam muito bem marcados. O Cruzeiro tentava bolas longas para os atacantes, principalmente partindo de Roger. O repórter da TV até conseguiu pegar uma conversa do camisa 7 com Vágner Mancini, reclamando que não tinha alvos para fazer lançamentos. De fato, os dois atacantes azuis estavam encaixotados na defesa paranaense: Wellington Paulista até tentava se esquivar, mas foi bem vigiado pelo lateral esquerdo Héracles. Anselmo Ramon não caía pelo lado esquerdo e ficava tentando brigar com o zagueiro Manoel, com Bruno Costa na sobra.

Aos poucos o Cruzeiro foi equilibrando as ações, mas muito mais porque o Atlético já não conseguia pressionar no campo adversário (nenhum time no mundo consegue fazer isso durante os 90 minutos com tal intensidade). Quando a bola passava pelos meias atleticanos, o Cruzeiro levava mais perigo. Isso porque  Paulo Baier já não tem mais energia para ser o único volante à frente de sua zaga, e com o avanço de Amaral pela direita, as jogadas começaram a sair. As melhores chances foram com Roger, aos 29, quando WP tirou um zagueiro da área e o meia recebeu um lançamento longo de Diego Renan mas mandou para fora, e aos 47, em cobrança de falta cujo rebote WP não conseguiu aproveitar.

No intervalo, Vágner Mancini tirou Amaral, pouco produtivo no primeiro tempo, e estreou o veterano Souza. A equipe passou a um híbrido de 4-2-2-2 e 4-3-1-2 pelo posicionamento variável de Roger. Juan Carrasco tirou Liguera e lançou o volante Zezinho, mudando para um 4-2-1-3, talvez tentando liberar Paulo Baier para se aproximar mais da área adversária. Também trocou seu centro-avante: Bruno Mineiro na vaga de Edigar Junio.

A combinação das três alterações do intervalo resultou em um Cruzeiro com mais espaço para tocar a bola no meio campo e um Atlético-PR “divorciado”, com uma enorme distância entre os três atacantes e os três jogadores de meio. Um filme que já vimos antes no nosso próprio time. O Atlético parou de pressionar alto e deixou o Cruzeiro jogar. Os laterais azuis começaram a aparecer mais à frente, e aos poucos o Cruzeiro foi desequilibrando a balança da posse a seu favor. A explicação era simples: com Souza e Roger, o time conseguia reter mais a posse de bola, e os volantes do time da casa tinham de se preocupar com os dois. Paulo Baier ficava sozinho e ainda tinha a companhia de LG e MO: 4 contra 3 no meio. Uma situação pela qual o Cruzeiro passou várias vezes no ano, dessa vez estava do lado contrário.

Até os 15 minutos, só o Cruzeiro havia criado chances. Juan Carrasco viu que seu time não ia sair do lugar, mas não tentou corrigir o erro: queimou a regra 3 lançando mais um volante marcador, Renan Teixeira, no lugar de Paulo Baier, efetivamente fazendo um bizarro 4-3-0-3. Sim, o time da casa ficou sem nenhum homem de ligação. É claro, essa função foi designada para os atacantes mais abertos, mas eles não conseguiram executá-la. O Atlético se defendia com 7 homens atrás da linha da bola, tentando partir em contra-ataques com bolas longas para a velocidade de seus pontas.

Era em vão. Marcelo Oliveira e Everton estavam combinando bem pelo lado esquerdo. Do lado direito, Wallyson foi a campo no lugar de WP para dar mais velocidade à saída. O esquema se manteve, mas o Cruzeiro agora tinha muito mais largura de ataque. Foi de Marcelo Oliveira a melhor chance do Cruzeiro para o empate. Everton mandou a Anselmo Ramon, que protegeu, fez o pivô e lançou ao camisa 8, entrando nas costas do lateral atleticano. Ele avançou até dentro da pequena área mas conseguiu mandar por cima do goleiro.

Após as alterações, a volta ao losango inicial, com muita posse de bola mas sem eficácia na criação e na conclusão

O lateral direito Gabriel Marques, que havia caído e deslocado o ombro, voltou para jogar no sacrifício, já que o Atlético já havia feito suas três alterações. Vágner Mancini, então, tentou aproveitar-se da situação lançando Gilson no lugar de Roger, empurrando Everton para o meio e mudando Marcelo Oliveira de lado, voltando ao losango no meio. Mas o tiro saiu pela culatra, pois Marcelo Oliveira não se aventurou tanto pela direita, e Gilson e Everton não conseguiram combinar tão bem e explorar a condição física debilitada de Gabriel Marques. O lateral do Atlético fez um fim de partida heróico, segurando seu próprio braço e não saindo de nenhuma dividida.

O Atlético viu que não conseguiria mais se impor e postou seus 11 homens atrás da linha da bola, dificultando de vez as ações do time celeste. Mesmo com mais posse de bola (cerca de 60% aos 30 do segundo tempo), o Cruzeiro não conseguiu mais criar boas chances e ainda tomou uma bola na trave num rápido contra-ataque rubro-negro. Mas uma coisa boa pode ser tirada desse final: o Cruzeiro não se desesperou e lançou chuveirinho na área (como é costumeiro com times que estão tentando o gol de qualquer jeito). A organização tática se manteve até o fim.

Talvez o empate fosse o resultado mais justo, pelo volume de jogo das duas equipes nas pontas do tempo da partida. No início, um Atlético elétrico, e no fim um Cruzeiro mais calmo, com mais posse, mas não tão elétrico. Porém, o Cruzeiro só jogou quando o adversário deixou. Mais uma vez. Souza deu qualidade ao meio-campo, pode ser titular. Alex Silva, apesar da falha no gol, também deu mais segurança em bolas aéreas. WP e Anselmo Ramon não jogaram bem. Talvez seja a hora de usar um ataque mais móvel. Os dois são centro-avantes, homens de referência: não podem mais jogar juntos.

Portanto, talvez o resultado mais “justo” fosse mesmo a derrota, mas com o Cruzeiro marcando gols. E, na Copa do Brasil, isso faria muita diferença para o jogo da volta.