Cruzeiro 0 x 0 Internacional – Pé na forma

Finalizações sem qualidade resultaram em um placar em branco numa batalha tática padrão, ontem em Varginha.

No primeiro tempo, Éverton mais solto que Ceará e Marcelo Oliveira e Diego Árias indo e voltando como manda o figurino do 4-3-1-2 losango, mas com dois centroavantes muito estáticos

Se as voltas de Everton à lateral esquerda e de Leandro Guerreiro à base do losango do 4-3-1-2 já eram esperadas, Celso Roth surpreendeu nas outras posições: mandou Léo de volta à zaga ao lado de Thiago Carvalho e voltou com Ceará para a lateral direita; escalou Diego Árias — sim, ele mesmo — do lado direito do losango (o outro lado teve Marcelo Oliveira) e lançou Anselmo Ramon ao lado de Borges no ataque, municiados, obviamente, por Montillo no topo do meio-campo.

O Internacional veio no mesmo 4-3-1-2 losango, encaixando a marcação: Muriel teve Nei à direita e Fabrício à esquerda, com Rodrigo Moledo e Índio como dupla de zaga. No meio, Ygor foi o volante mais preso, e Guiñazu pela esquerda e Élton pela direita davam suporte ao jovem Fred, posicionado na ligação para os astros Damião e Forlán.

Sistemas iguais, estilos diferentes

Ambos os times tinham quatro defensores, com um lateral mais preso (Ceará e Fabrício) para fazer a sobra contra os dois atacantes adversários, e o outro (Everton e Nei) com mais liberdade para avançar para o ataque. No meio-campo, os “lados” do losango se pegavam: Guiãazu x Diego Árias e Marcelo Oliveira x Élton. Os cruzeirenses levaram vantagem sobre os gaúchos e se juntavam ao ataque com mais frequência, com Diego Árias fazendo bons cruzamentos e Marcelo Oliveira se entendendo bem com Everton pela esquerda.

A diferença estava no estilo dos outros jogadores. Montillo caía mais pelos lados — jogando com uma característica que Michael Cox, do excelente site Zonal Marking, cunhou como ponteiro central — enquanto Fred permanecia centralizado e dominado pela marcação de Leandro Guerreiro. No ataque, Anselmo Ramon e Borges ficavam mais parados pelo meio, enquanto no Internacional Forlán e Damião tentavam sair da marcação cerrada da defesa celeste. Apenas Damião conseguiu, em finalizações de longe e até em uma jogada típica de meia criativo, driblando dois jogadores. Ele parou em Fábio na maioria das vezes.

O cruzamento que originou o pênalti veio numa combinação de Árias e Ceará como homem surpresa pela direita. Pênalti duvidoso, que Borges converteu sem valer devido à invasão dupla. A bola por cima na segunda cobrança não abalou o Cruzeiro, que continou melhor durante todo o primeiro tempo mas não conseguiu finalizar com mais perigo.

Segundo tempo

 

Fernandão tinha que fazer alguma coisa, qualquer coisa, pois a tendência era que o Cruzeiro ganhasse o meio-campo novamente se nada fosse feito. Ele lançou o jovem meia Lucas Lima no lugar de Élton, desfazendo o losango e montando um quadrado, ou 4-2-2-2. Ele foi jogar de meia-direita, prendendo Marcelo Oliveira e liberando Ygor para ser a sombra de Montillo sem ter que se preocupar com as investidas do volante cruzeirense. Diego Árias e Guiñazu continuavam travando um duelo particular como volantes soltos.

O Internacional dominou a posse de bola por uns 10 minutos, quando Celso Roth resolveu novamente igualar as coisas, com Souza no lugar de Árias. O efeito foi exatamente o mesmo: Guiñazu teve que ficar mais preso para se preocupar com Souza e o meio-campo do Cruzeiro voltou a ter o controle do setor, principalmente com Marcelo Oliveira e o suporte de Everton pela esquerda. Mas faltava abrir o time, que tinha pouca amplitude no ataque.

Martinuccio e o sonhado 4-2-3-1

O melhor momento do Cruzeiro nas últimas partidas: o 4-2-3-1 com Martinuccio, Montillo e Souza se movimentando e confundindo a marcação gaúcha

Após substituições por contusão ou cansaço (Ceará por Diego Renan na lateral direita do Cruzeiro, e Índio por Jackson na zaga do Internacional), Celso Roth promoveu a estreia de Martinuccio, meia canhoto que jogou pela direita no Peñarol vice-campeão da Libertadores em 2011 — um ponteiro de pé invertido, como Franck Ribery (destro na esquerda), Arjen Robben e Hulk (canhotos na direita). Quem saiu foi o apagado Anselmo Ramon. Desta vez, porém, Martinuccio foi jogar pela esquerda,  com Souza pela direita e Montillo centralizado, mas com troca constante de posições.

Já no primeiro lance após a substituição é possível ver a zaga do Internacional se confundindo na marcação de Montillo, deixando Diego Renan e Borges sem marcação para cruzar e cabecear para fora, respectivamente. Depois, foram quase 20 minutos de domínio do Cruzeiro, com os ponteiros cruzeirenses amassando os laterais do Internacional em seu próprio campo e tentando confundir a marcação adversária. Muriel e as finalizações ruins impediram uma vitória que certamente viria fosse esta a formação inicial.

É preciso insistir

Não há como negar que o Cruzeiro evoluiu muito com a entrada de Martinuccio e o 4-2-3-1. Foi o melhor momento da equipe na partida, que — tomara — deve ter colocado um ponto de interrogação na cabeça de Celso Roth. O sistema com dois centroavantes não funcionou muito bem. Martinuccio, Souza e Montillo atrás de Borges é a formação mais promissora até agora, principalmente se os meias inverterem a posição: Martinuccio pela direita e Montillo pela esquerda, com Souza ditando o ritmo, acelerando e cadenciando de acordo com a necessidade.

A estreia (!) de Diego Árias também foi animadora. Quando chegou, o colombiano disse ser inspirado por Claude Makelele, volante marcador clássico, dono do espaço à frente da área. Era um forte indicativo de que ele veio para ser primeiro volante. Entretanto, no jogo de ontem, foi escalado como volante-meia pela direita do losango, e foi muito bem, marcando e participando do ataque. Realmente, não está claro porque Árias não teve chances até agora. Aposto em um novo onze inicial para ele contra o Grêmio em Porto Alegre.

Para esta partida, entretanto, a julgar pelo estilo de Roth, ele deve manter o losango. É o sistema que vem sendo usado desde a partida contra o Bahia no Pituaçu, na 16ª rodada, exceção feita ao estranhíssimo 3-4-2-1 contra o Figueirense em Florianópolis na 24ª.

É coerente, sim. Mas não me tira da impressão de que o 4-2-3-1 com os ponteiros argentinos seria a melhor formação para formar a base de 2013.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *