Cruzeiro 5 x 0 Goiás – Erros e acertos

Com dois gols de Nilton, que somado aos de Bruno Rodrigo e Diego Souza somam quatro em jogadas de bola parada, o Cruzeiro goleou o Goiás na estreia do Brasileirão e já contabiliza uma rodada na liderança.

Muitos disseram que o Goiás errou muito, e por isso o resultado. Os erros na marcação contribuíram, mas não há como negar o mérito cruzeirense em provocar estes erros: os escanteios não aconteceram porque o Goiás errou, mas sim porque o Cruzeiro atacou com qualidade. Não fosse uma ótima atuação do goleiro Harlei, o placar poderia ser ainda maior.

Escretes iniciais

O 4-2-3-1 costumeiro, mas com Egídio e Dagoberto se alternando como quarto homem de meio e Borges fugindo da zaga goiana

O 4-2-3-1 costumeiro, mas com Egídio e Dagoberto se alternando como quarto homem de meio e Borges fugindo da zaga goiana

Marcelo Oliveira parece ter se decidido num time titular e repetiu a escalação da partida contra o Resende: Fábio; Ceará, Dedé, Bruno Rodrigo e Egídio; Leandro Guerreiro e Nilton; Everton Ribeiro, Diego Souza e Dagoberto; Borges. O mesmo 4-2-3-1 usual, que você leitor, já está acostumado a ver por aqui.

Foi difícil precisar o sistema tático do Goiás. O goleiro Harlei teve uma linha de quatro na defesa: Vítor na lateral, Ernando e Valmir Lucas no miolo e William Mateus na esquerda. À frente da defesa, Amaral fazia a proteção. Na frente Walter atuava centralizado, tendo o suporte de Araújo pela esquerda e Renan Oliveira partindo da direita e se movimentando. Na recomposição, Renan Oliveira fechava o lado direito e Hugo ficava centralizado, formando uma linha de três. A dúvida ficou por conta do posicionamento de Thiago Mendes. Então é provável que fosse um 4-2-3-1, ou no máximo um 4-1-4-1 desconjuntado, com o camisa 8 do time goiano mais recuado que o normal.

O sistema foi difícil de identificar o meio-campo do Goiás praticamente não participou do jogo. O time visitante optava pela ligação direta com Walter, que não conseguiu vencer nenhum duelo contra Dedé e Bruno Rodrigo, muito seguros. Araújo foi bem marcado por Ceará e nada fez, e Renan Oliveira, que em teoria era o principal articulador, pouco tocou na bola ante a forte marcação de Leandro Guerreiro.

Forte lado esquerdo

Quando o Cruzeiro tinha a bola, vários foram os fatores para que a meia cancha esmeraldina ficasse perdida na marcação. Os três meias fizeram as trocas de posição habituais, e os ponteiros do Goiás não acompanhavam as descidas dos laterais celestes: nem Araújo voltava com Ceará, nem Renan Oliveira ou Hugo desciam com Egídio.

O mais interessante, entretanto, foi um padrão que já havia acontecido no fim do jogo contra o Resende: as rotas de Egídio. O lateral esquerdo tem frequentemente procurado o centro enquanto Dagoberto dá amplitude pela esquerda, num movimento “inverso” ao que fazem Everton Ribeiro e Ceará na direita. Assim ele conseguiu ficar sozinho para arriscar a primeira finalização do jogo, e assim ele deu a assistência para o gol de Borges, o terceiro do Cruzeiro.

Mas o camisa 6 não deixa de fazer a ultrapassagem quando Dagoberto tenta cortar pra dentro para usar a sua melhor perna, a direita. Essa variação confundiu totalmente o lateral direito Vitor, que ficou sobrecarregado na marcação e não foi ao apoio uma única vez.

Foi daquele lado que veio a falta que originou o primeiro gol. Diego Souza aproveitou a lambança da zaga do Goiás pra fazer o primeiro gol celeste no Brasileirão. Erro do adversário, sim, mas mérito de Diego que ali estava no lugar certo. É possível notar que Diego pára de ir em direção ao gol, enquanto a defesa goiana continua correndo pra trás.

Borges

Também foi do lado esquerdo que saiu a jogada que originou o escanteio do segundo gol. Dagoberto recebe, procura o centro e aciona Borges. O camisa 9 quase sempre vencia os zagueiros do Goiás no giro quando duelava no um contra um. A finalização saiu forte, mas Harlei espalmou. Na cobrança do tiro esquinado, Bruno Rodrigo ganhou pelo alto e aumentou a contagem.

Borges também saía da área e fugia da marcação dos zagueiros goianos. Em contra-ataque puxado por Nilton, ele vinha correndo pelo lado esquerdo, longe do alcance de Ernando e Valmir Lucas. Como é de sua característica, assim que chegou perto o suficiente, mandou a bomba, para mais uma vez Harlei espalmar para escanteio. Desta vez foi Nilton quem apareceu para completar a cobrança de escanteio e fazer o terceiro.

O quarto gol foi tanto um prêmio pela boa movimentação de Borges quanto uma boa ilustração dos dois conceitos aqui expostos: Dagoberto e Egídio tabelam pela esquerda, com o lateral correndo para o centro e destruindo a marcação goiana. Borges fugiu de seu marcador e apareceu livre para receber o passe. A defesa ficou pedindo um impedimento que não existiu e Borges fuzilou. Desta vez Harlei não conseguiu espalmar para escanteio.

Entrando com a garotada

O intervalo veio com o jogo já definido. Mas Enderson Moreira ainda tinha esperança de diminuir o prejuízo e tirou Hugo, inoperante no meio-campo, para a entrada do meia Ramon. Era uma tentativa de dar um pouco mais de posse de bola e criatividade no meio-campo, para evitar as ligações diretas. A grande vantagem que o Cruzeiro tinha no placar fez com a equipe naturalmente tirasse o pé, e com isso a alteração surtiu algum efeito, no sentido de que o Cruzeiro parou de jogar na intensidade que vinha jogando e o Goiás tinha mais a bola, mas sem ter chances reais.

Mas o Cruzeiro chegava facilmente quando acelerava, pelos mesmos atalhos do primeiro tempo. E foi cozinhando o jogo dessa forma. Fábio era um espectador privilegiado, praticamente não sujou o uniforme. Marcelo Oliveira, porém, queria mais, e com o jogo controlado, lançou os garotos para tentar reacender o time: Élber entrou na vaga de Diego Souza e Lucca na de Everton Ribeiro. No início Élber foi ser ponteiro esquerdo e Lucca o direito, ao contrário do esperado, mas poucos minutos depois inverteram. Com isso Dagoberto passou a ser o meia central, uma posição diferente da que está acostumado.

No Goiás, os leves e rápidos Júnior Viçosa e Eduardo Sasha entraram nas vagas dos pesados Araújo e Walter — neste último caso, literalmente. O ataque do Goiás passou a se movimentar mais, e Eduardo Sasha chegou a finalizar duas vezes à direita de Fábio. Se Enderson Moreira tivesse começado com eles, talvez os zagueiros do Cruzeiro teriam mais problemas.

A última alteração foi a entrada de Ricardo Goulart na vaga de Dagoberto, completando a troca da linha de três meias. À exceção do gol de Nilton, em mais um cabeceio de escanteio, nada de mais importante aconteceu no jogo.

Erros e acertos

É claro que os erros de marcação do Goiás, principalmente nas bolas paradas, contribuíram para o resultado. Mas estamos vendo por aí favoritos ao título jogando contra times que também erram muito, e no entanto o placar não foi tão elástico, ou sequer favorável. O Cruzeiro só fez o que todo time em busca do título deve fazer: aproveitar destes erros sem dó nem piedade. Além disso, o outro time só erra quando o adversário causa as situações para o erro.

Assim, podemos dizer que, se o Goiás errou muito, o Cruzeiro acertou muito. Tanto tecnicamente (vitórias em disputas pessoas, por exemplo) como taticamente (a movimentação ofensiva que anulou a retaguarda goiana). Neste aspecto, aliás, Marcelo parece ter arrumado uma solução para o volante ofensivo que o Cruzeiro não tem, e que este blog vem levantando há algumas partidas. Ao invés de escalar um volante com chegada e perder o poder de marcação no meio, este papel pode ser exercido alternadamente por Everton Ribeiro ou Egídio, quando centralizam, ou Dedé, quando vai à frente.

Esses movimentos mostram que o encaixe do time está vindo bem mais rápido que o esperado. Estamos no caminho certo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *