Cruzeiro 4 x 1 Atlético/MG – Futebol moderno

Intensidade. Os leitores mais assíduos já devem ter reparado que essa palavra é muito usada por aqui. Naturalmente, o futebol moderno exige intensidade — não confundir com velocidade. Eduardo Cecconi, grande blogueiro tático deste país e atualmente analista de desempenho das categorias de base do Grêmio, recentemente escreveu em um post no seu blog:

“Hoje no futebol, talvez muito mais importante que os sistemas táticos e os principais movimentos sincronizados entre os jogadores esteja a INTENSIDADE. Se houver intensidade de TODOS os jogadores em TODAS as cinco fases da partida que se alternam constantemente (e são elas, repetindo: posse de bola, recomposição defensiva, posse para o adversário, contra-ataque e bola parada) tudo é possível.”

De fato, foi o que o Cruzeiro procurou fazer desde o início da partida contra o Atlético Mineiro, reservas ou não: marcar com intensidade, encurtando espaços, e se movimentar com intensidade quanto tinha a bola. Futebol moderno, que culminou em mais uma goleada em cima do rival e na liderança do certame.

Formações

A intensidade do 4-2-3-1 cruzeirense do primeiro tempo foi o fator mais claro para o domínio do jogo

A intensidade do 4-2-3-1 cruzeirense do primeiro tempo foi o fator mais claro para o domínio do jogo

O Cruzeiro veio a campo no seu 4-2-3-1 de sempre, com Fábio no gol, Mayke e Egídio flanqueando Dedé e Bruno Rodrigo. Mais à frente, Nilton e Souza protegiam a área e se alternavam na ajuda ao trio de meias, formado por Everton Ribeiro na direita, Ricardo Goulart no centro e Luan à esquerda. Na frente, Vinicius Araújo.

Cuca poupou seus titulares, mas mandou o Atlético no mesmo sistema. O goleiro Giovane foi protegido pelos zagueiros Rafael Marques e Lucas Cândido, com Michel na lateral direita e Junior César na esquerda. Gilberto Silva comandou a volância, ajudado por Rosinei que saía um pouco mais para o ataque. A linha de três tinha Luan pela direita, Marcos Rocha no meio e Richarlyson na esquerda, atrás do centro-avante Alecsandro.

De ponta a ponta

Logo nos primeiros minutos já se via qual seria o padrão da partida: o Cruzeiro dominando as ações e tendo muito mais volume de jogo — também conhecido como posse de bola — e o time adversário mais recuado, se defendendo pra sair em contra-ataques. Esta marcação era feita com encaixe individual — não é por setor, é cada um no seu com um na sobra, como no time titular. E por essa razão que foi Richarlyson quem ocasionou a lesão de Mayke no início: o lateral cruzeirense nem estava na sua posição inicial, estava no círculo central, mas Richarlyson, que nesse jogo foi o ponteiro esquerdo e, portanto, o marcador de Mayke, foi atrás do garoto e fez a falta.

Logo após a substituição forçada, Dedé se viu sem cobertura numa despretensiosa cobrança de lateral e deu um bote errado dentro da área. O pênalti convertido assustou um pouco o time, e a intensidade se transformava em pressa por mais vezes do que o necessário. Alguns passes forçados demais, mais longos e errados. Já o Atlético queria proteger a todo custo a vantagem alcançada e se retraiu ainda mais, com Alecsandro recuando até a linha divisória e fazendo um quarteto com os ponteiros e Marcos Rocha, tentando bloquear os passes nos pés dos volantes cruzeirenses.

Passado o susto, o jogo voltou ao seu padrão inicial: Cruzeiro intenso e se movimentando. Com a bola nos pés, Everton Ribeiro e Ricardo Goulart alternavam tentando desorganizar a marcação no meio. Chegou duas vezes, em jogada de Everton Ribeiro para Ceará em velocidade pela direita, cruzando para Vinicius Araújo, e em passe de Egídio para Luan, que deixou passar inteligentemente para Everton Ribeiro emendar, mas em cima de Giovane.

Virada com autoridade

Mas foi com intensidade em outra fase do jogo que saiu o empate. Quando perdia a bola, os jogadores celestes tentavam asfixiar o time adversário, forçando o chutão ou o passe errado. Alecsandro, ajudando na defesa, sofreu a pressão e tentou fazer uma jogada forçada, perdendo a dividida para Egídio. A bola sobrou na frente, Luan e Vinicius Araújo duelaram com Gilberto Silva, com o primeiro ganhando o lance e achando Everton Ribeiro dentro da área. Cercado por três, Ribeiro limpou todos com um toque e mandou no canto.

O gol não só tranquilizou como animou ainda mais o Cruzeiro, que continuou intenso e criando chances: Everton Ribeiro em passe preciso para Vinicius emendar, e depois Souza em cruzamento de Vinicius Araújo. A virada chegou numa cobrança de escanteio de Egídio, que resvalou na defesa e parou em Vinicius Araújo do outro lado. O garoto dominou com tranquilidade e cruzou rasteiro para Ricardo Goulart completar para o fundo do gol. E ainda havia tempo pra mais um lance, em que o Cruzeiro finalizou pelo menos três vezes ao gol, com nove jogadores do time adversário dentro da área — um lance que ilustrou bem a intensidade cruzeirense do primeiro tempo.

Jovens e atropelados

No segundo tempo, Cuca tirou Richarlyson da ponta esquerda e lançou Leleu em seu lugar. Mas a troca que delatou seu esquema defensivo foi a segunda: Jemerson na vaga de Rosinei, com o jovem zagueiro foi jogar no meio-campo, ao lado de Lucas Cândido, que inverteu com Gilberto Silva. Mas a intenção de usar a experiência do pentacampeão mundial na zaga, como Luxemburgo fez com sucesso no Grêmio no ano passado, saiu pela culatra, já que a volância é um dos setores onde se precisa de mais experiência para o combate direto no meio-campo. O ataque celeste simplesmente não tomou conhecimento dos dois jovens volantes, e já aos 7 Nilton aumentaria a vantagem em cobrança de escanteio, novamente, de Egídio, que já havia cruzando na cabeça de Dedé em tiro esquinado anterior.

Vinicius Araújo atrai Gilberto Silva para fora da área e abre espaço para Ricardo Goulart aproveitar ótimo passe de Everton Ribeiro

O lance do quarto gol exemplifica bem estes conceitos todos aqui postos. A marcação individual do Atlético fez com que Gilberto Silva, agora zagueiro, abandonasse a área e viesse acompanhar Vinicius Araújo, que havia recuado para receber um passe mais longo. O garoto dominou com o peito, a bola escapou um pouco, mas Everton Ribeiro vinha chegando e fez um passe de primeira para Ricardo Goulart, que vinha em velocidade exatamente na área que Gilberto Silva havia deixado. Jemerson tentou acompanhar, mas Goulart protegeu bem e tirou de Giovane.

Outras trocas

Muito para a infelicidade da torcida, que gritava “Eu acredito” no Mineirão, em alusão ao épico 6 a 1 de 2011, este gol resolveu a partida e, finalmente, o Cruzeiro respirou. Nem o Atlético se interessou por tentar diminuir a diferença nem o Cruzeiro em aumentá-la, e com os passes de Dedé pra Bruno Rodrigo e vice-versa, vieram os primeiros gritos de “olé”, aos 20 minutos da etapa final — o Cruzeiro terminaria com quase 60% de posse de bola, um número pouco comum em clássicos.

Marcelo Oliveira ainda trocaria Luan por Martinuccio, também ponteiro esquerdo, e Vinicius Araújo pelo estreante Willian, que foi para a direita, mandando Everton Ribeiro para o centro, com Ricardo Goulart se tornando o centro-avante. Cuca também lançou Elder na vaga de Luan, mas sem mudar posições, e nada mais interessante aconteceu na partida. Sinal disso é que o segundo tempo terminou sem acréscimos, aos 45.

Pés no chão

A sequência de 5 vitórias seguidas no Brasileiro e na Copa do Brasil, marcando 16 gols e sofrendo apenas um, sem dúvidas é um fator que anima o cruzeirense a sonhos mais altos nessa temporada. No entanto, mais importante que isso é a consistência tática do time, fruto do trabalho de Marcelo Oliveira. Insistir sempre no mesmo esquema pode tornar a equipe previsível para o adversário, mas a movimentação e intensidade “bagunçam” tudo de novo.

Assim, acredito que o Cruzeiro esteja taticamente bem servido. Entretanto, é preciso testar outros limites deste time, que já fogem ao escopo deste blog: o limite psicológico, o limite físico, a pressão de se brigar pelo título, de manter a liderança, o ambiente no vestiário. O próximo jogo contra um Fluminense em crise será um bom termômetro.

E se o Cruzeiro foi aprovado em todos os testes até agora, não há razão para não crer que não passará por estes outros.

2 observações em “Cruzeiro 4 x 1 Atlético/MG – Futebol moderno

  1. Rodrigo disse:

    Uma imprensa menos atleticana chamaria o que aconteceu de “massacre”. A intensidade, que você bem mencionou, impressionou. Acontecia um passe errado, batia no adversário e lá estava um cruzeirense de novo com a bola. Um desarme do adversário e 2 cruzeirenses já pressionavam. Destaco também o ótimo trabalho defensivo de Luan, que ajuda Egídio e torna mais fácil entender a relutância de MO tirá-lo do time titular.

    Como você havia dito há 3 posts, vitórias contra o SP e o rival credenciam o time a brigar pelo título. Não tanto pelos resultados contra adversários frágeis e sim pela forma do time jogar. Solidez defensiva, ataque impiedoso e elenco forte (alguém sentiu falta de Borges, Dagoberto, Diego Souza ou Ceará?).

  2. Bruno disse:

    Continuo crítico de Luan: por mais que ele se mate em campo marcando, ele não tem velocidade e drible para jogar na ponteira esquerda. Dagoberto e Martinuccio tem essas duas qualidades (Dagoberto faz mais a diagonal, enquanto Martinuccio busca mais a ponta) mas não marcam. Já Lucca talvez não seja tão talentoso quanto esses dois, mas é capaz de recompor a defesa tanto quanto Luan e dar mais qualidade na frente.

    Porém, dá pra entender a coerência de M. Oliveira em manter Luan após os 3 gols contra o São Paulo e a boa fase do time.

    O mesmo vale para Bruno Rodrigo, que para mim não seria o parceiro ideal de Dedé (os dois tem características parecidas), mas vem marcando gols e a defesa tem se portado bem, a ressaltar os grandes méritos de Fábio e Nilton.

    Sobre Dedé, talvez um recondicionamento físico seria o ideal. Vale lembrar que, ainda no Vasco, especulou-se que o Mito poderia ser operado, se não me engano, no púbis. E que ele se lesionou tb no amistoso nos EUA.

    Acho que a busca pelo título passa justamente por esse gerenciamento de elenco e vestiário. Ricardo Goulart, p.ex., vinha bem desde o ínicio do ano e só virou titular com a saída de Diego Souza. Agora chega J.Baptista para jogar na mesma posição. Quem joga?
    E Paulão, que era titular no Campeonato Mineiro e tinha agradado, mas com a chegada de Dedé foi para o banco e algumas vezes nem é relacionado, devido ao revezamento no banco.

    Faria bem ao Cruzeiro uma enxugada no elenco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *