Cruzeiro 1 x 0 Fluminense – Blasé

O Cruzeiro voltou a vencer. Mas não da mesma forma que vencia antes no Mineirão, envolvendo e acuando o adversário, bombardeando o goleiro visitante com finalizações de todos os lados, construídas com jogadas de aproximação e toques curtos e rápidos pelo meio. Foi uma vitória simples, com um gol de puro faro de centroavante, e com o time numa rotação abaixo do que se espera dele. O desgaste da temporada parece estar cobrando seu preço.

Não foi sem correr riscos, no entanto. O Fluminense teve chances e só não empatou porque Samuel, por incompetência, e Fábio, por excelência, não deixaram.

Formações

No início, ambos os times no 4-2-3-1 encaixado, mas com o Cruzeiro levando vantagem pela direita em cima de Ailton

No início, ambos os times no 4-2-3-1 encaixado, mas com o Cruzeiro levando vantagem pela direita em cima de Ailton

Marcelo Oliveira poupou Ceará e escalou Mayke em seu lugar na lateral direita do 4-2-3-1 usual. O goleiro Fábio capitaneou o time que tinha a defesa formada por Léo e Bruno Rodrigo, com Mayke do lado direito e Egídio pela esquerda. NA proteção, Nilton e Lucas Silva mais uma vez fizeram parceria, com o segundo chegando mais próximo do trio articulador formado por Éverton Ribeiro à direita, Ricardo Goulart de central e Willian à esquerda. Na frente, Borges duelava com os zagueiros cariocas.

Diferente do confronto no primeiro turno, quando mandou um losango a campo, Vanderlei Luxemburgo escalou o Fluminense no mesmo 4-2-3-1. A meta de Kléver foi defendida por Bruno na lateral direita, Gum e Leandro Euzébio centralizados e Aílton à esquerda. Mais à frente, Edinho e Jean davam suporte a Rafinha na ponta direita, Wagner mais centralizado e Rafael Sóbis mais agudo à esquerda, próximo de Samuel.

 

 

Ataque pela direita

Tanto o mapa de calor da Footstats quanto o indicador do WhoScored confirmam: o Cruzeiro adorou procurar o lado direito neste jogo (veja as imagens abaixo). Tudo porque Luxemburgo estava sem laterais esquerdos de origem e optou por Aílton naquele lado da defesa, mas o jovem foi mal defensivamente. A troca de posições entre os três meias, uma característica imprescindível para um 4-2-3-1 ofensivo como é o do Cruzeiro funcionar — e que, por sinal, tem acontecido menos do que em partidas anteriores — acabou por confundir a marcação de Ailton.

O mapa de calor da Footstats mostra o Cruzeiro com mais posse pela direita; o índice de ataques do WhoScored.com diz que quase metade dos ataques foram por aquele lado

O mapa de calor da Footstats mostra o Cruzeiro com mais posse pela direita; o índice de ataques do WhoScored.com diz que quase metade dos ataques foram por aquele lado

E após um começo nervoso, com muitos erros de passe pela ansiedade em contra-atacar, o Cruzeiro aproveitou o quarteto ofensivo encaixou alguns passes e abriu o placar com Borges. O passe de Éverton Ribeiro, aqui aparecendo de central, teve como alvo Ricardo Goulart, às costas de Aílton. Goulart avançou cortando pra dentro, mas se enrolou com a bola, que sobrou na entrada da área. Borges foi mais esperto que a cobertura de Bruno e colocou no canto direito de Kléver.

Fluminense muda

Wagner se lesionou e deu seu lugar ao veterano Felipe. Com isso, Luxemburgo reorganizou a equipe no 4-4-2, mandando Felipe para a ponta esquerda para proteger Aílton e dando liberdade a Rafael Sóbis para circular. Funcionou em certa medida, já que Sóbis causou problemas do lado esquerdo da defesa celeste, principalmente com Egídio tendo dificuldades de marcação. Daquele lado, o atacante finalizou uma vez, com certo espaço, e deu uma assistência para Samuel errar o gol dentro da pequena área. Sorte.

Mas se a marcação do lado esquerdo ficou reforçada com Felipe, necessariamente ela foi diminuída em algum outro setor da equipe. E esse setor era o meio-campo ofensivo. Sem um meia central, Nilton e Lucas Silva ficaram sem perseguidores diretos — Jean optava por recuar próximo a Edinho para ter uma sobra no meio-campo. Não por acaso, os volantes celestes tiveram liberdade para avançar e chutar, uma vez cada um.

Luxa queima a regra três

Insatisfeito, Luxemburgo usou de um expediente que lhe é bem característico: queimar todas as substituições no intervalo. Rhayner entrou na vaga de Rafinha para jogar na mesma ponta direita, mas com mais ofensividade; e Igor Julião, lateral direito de origem, entrou na lateral esquerda no lugar de Aílton, mal no primeiro tempo. Além disso, Luxemburgo soltou Jean de vez, que chegava ao ataque com frequência. Vendo que poderia ter problemas com o amarelo que Egídio levou ainda no finzinho do primeiro tempo, Marcelo diminuiu os riscos tirando o camisa 6 e mandando Ceará a campo, novamente na lateral esquerda.

O jogo ficou morno, com o Cruzeiro se contentando em defender a vantagem e o Fluminense arriscando o mínimo possível para não sofrer contra-ataques. Marcelo agiu novamente, tirando Borges e lançando Dagoberto na partida. O camisa 11 foi para a direita, centralizando Ribeiro e mandando Goulart para o ataque — uma substituição que este blogueiro particularmente não gosta, como dito em outros textos. Mas o fato é que Goulart passou a finalizar vária vezes, mas sempre para fora. Talvez pelo fato de não ser um centroavante típico e se movimentar mais, Goulart tenha confundido os zagueiros cariocas.

Sóbis no chuveiro: nada mudou

Com a lesão de Wagner, Luxemburgo repaginou o Fluminense num 4-4-2 reforçando o lado esquerdo com Felipe e dando liberdade para Sóbis, que causou problemas até a expulsão

Com a lesão de Wagner, Luxemburgo repaginou o Fluminense num 4-4-2 reforçando o lado esquerdo com Felipe e dando liberdade para Sóbis, que causou problemas até a expulsão

De toda forma, a partida começou a ficar perigosa demais, já que o Cruzeiro claramente dava indícios de que não iria correr mais do que estava correndo para ampliar o placar. O Fluminense se soltou de vez, chegando com perigo: Fábio chegou a salvar espetacularmente um cabeceio de Samuel, em cruzamento de Bruno da direita.

Mas o ímpeto de empatar acabava dando mais espaço ao Cruzeiro, que contra-atacava. E em um destes contra-ataques, puxado por Dagoberto, Rafael Sóbis fez falta para o segundo amarelo. Parecia que o jogo tinha acabado ali, já que com um a menos o Fluminense parecia não ter mais como reagir. E nos primeiros minutos do novo 4-4-1, o Cruzeiro até ensaiou uma pressão para ampliar, mas esbarrou nas más finalizações de Goulart novamente.

Marcelo Oliveira tentou aproveitar a vantagem numérica e promoveu a reestreia de Élber depois de longo tempo lesionado, na vaga de Willian. Entretanto, a expulsão de Sóbis fez mal ao Cruzeiro, que relaxou demais, e Élber quase não teve tempo na bola. Os jogadores do Fluminense conseguiram perceber este relaxamento e se soltaram novamente, enquanto o Cruzeiro se contentava em deixar o tempo passar. Teria sido uma atitude imperdoável, não fosse Samuel ter perdido mais uma vez um gol dentro da pequena área após chegada pela esquerda.

O lance pareceu ter selado o destino da partida. Mesmo correndo riscos, o Cruzeiro deixou o tempo passar, e sem ser incomodado pelo Fluminense, se reencontrou com a vitória.

O físico e o psicológico

Este blog é sobre tática, mas é claro que esta parte do futebol é também influenciada por outros fatores, e dentre eles estão a questão física e a mental. O desgaste dos jogos em sequência claramente tem emperrado a atuação de alguns jogadores. Além disso, os dois resultados ruins em sequência causaram uma certa ansiedade nos atletas, que por sua vez afetou a parte técnica — muitos erros de passe na ânsia de marcar gols logo e quebrar a sequência negativa. O próprio Marcelo Oliveira mencionou isto.

Entretanto, esses fatores não podem servir de desculpa para o relaxamento celeste no segundo tempo. Com a vitória, este aspecto pode ter ficado em segundo plano para muita gente, mas não aos olhos deste escriba. Claro que o importante era vencer novamente para retomar o caminho do título. Mas o risco de deixar de ganhar três pontos foi grande demais, mesmo em vantagem numérica.

É preciso retomar o futebol de outrora para que a torcida celeste não passe tanto sufoco. Quem sabe agora, com os jogos sendo somente aos fins de semana — exceto contra o Vitória na 34ª rodada — a questão física deixe de ser um fator e o Cruzeiro mostre a intensidade ofensiva que encantou o Brasil no primeiro turno.

A confiança no título segue inabalável, mas o Cruzeiro pode sim jogar mais do que o que jogou. Basta fazer, literalmente, um pequeno esforço a mais.

Uma observação em “Cruzeiro 1 x 0 Fluminense – Blasé

  1. Marcelo Albuquerque disse:

    É hora de mudar o time. O desgaste físico e mental do time que se firmou como titular é nítido. De que adiante termos um banco como o nosso, se o Marcelo desistiu de fazer o revezamento que fazia no começo do campeonato. Dagoberto, Vinícius Araújo, Élber, Henrique, Souza, Tinga (sem falar os atualmente lesionados Júlio Baptista e Martinuccio)… Jogadores que podem entrar jogando para tirar um pouco o peso (físico e psicológico) das costas dos “titulares”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *