Cruzeiro 5 x 0 Santa Rita – Tinha que ser de mais

Todo mundo sabia que seria o duelo mais desigual das oitavas da Copa do Brasil. Afinal, tratava-se do atual campeão e melhor time do país, enfrentando uma equipe que não joga nenhuma das quatro divisões do nacional. Talvez por isso havia a expectativa de que o Cruzeiro jogaria sem correr tanto, sem marcar pressão, deixando o tempo passar e resolvendo sem pressa. Mas não foi isso o que aconteceu.

O Cruzeiro entrou em campo como se estivesse jogando contra um time de Série A. E isso foi a maior demonstração de respeito ao modesto Santa Rita, antigo Corinthians Alagoano. O Cruzeiro marcou, correu atrás da bola e não deixava os jogadores do time visitante trocarem passes tranquilamente. E assim construiu o placar, que poderia ser ainda maior não fosse uma certa displicência dos finalizadores.

Escalações

O 4-3-1-2 losango do Santa Rita sofreu para segurar o 4-2-3-1 celeste, principalmente pelos lados com Mayke e Samudio tendo muita liberdade

O 4-3-1-2 losango do Santa Rita sofreu para segurar o 4-2-3-1 celeste, principalmente pelos lados com Mayke e Samudio tendo muita liberdade

O Cruzeiro entrou em campo com peças diferentes, mas manteve o 4-2-3-1 tradicional. O gol de Fábio foi protegido por Dedé e Manoel, com Mayke fechando a linha defensiva pela direita e Samudio do outro lado. Henrique e Lucas Silva fizeram a proteção, ajudando o ponteiro direito Alisson, o central Júlio Baptista e o ponteiro esquerdo Dagoberto. Na frente, sempre ele, Marcelo Moreno. Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart foram poupados.

Já o Santa Rita foi armado por Eduardo Neto num 4-3-1-2 losango. O goleiro Jeferson teve sua última linha formada por Edir na lateral direita, Júnior Carvalho e Selmo Lima no miolo e Jeanderson na esquerda. Na frente da área, Adriano, Edson Magal e Cristiano Fontes fizeram a tríplice volância, deixando Lucas na ligação para Rafael Silva, mais pela esquerda, e Reinaldo Alagoano, na frente.

Superioridade técnica e tática

A saída era do time visitante. Tão logo apitou o juiz uma horda de azuis partiu pra cima dos adversários querendo a bola a todo custo. Para surpresa deste, os jogadores do Santa Rita conseguiram tocar a bola e sair da marcação pressão, ficando mais tempo com a bola do que nas outras oportunidades de posse. E ainda finalizou primeiro, um chute pra fora de Lucas aos 3 minutos. Porém, o time de Alagoas só finalizaria pela segunda vez 75 minutos depois.

O domínio celeste foi flagrante, mas as razões não são puramente técnicas. Primeiro porque o Santa Rita deixava espaço entre o sistema defensivo e os três homens de frente, exatamente onde o Cruzeiro jogava. O Santa Rita até tinha mais jogadores no setor, mas Lucas não fazia muito o trabalho defensivo e assim ficou três contra três. Só que os três celestes tinham muito mais técnica e velocidade e ocupavam melhor os espaços, ganhando a posse de bola facilmente.

Além disso, um sistema sem jogadores abertos, como é o 4-2-3-1 losango, expõe os laterais. Dessa forma, o Cruzeiro fazia dois contra um dos dois lados: Mayke e Alisson em cima de Jeanderson e Samudio e Dagoberto pra cima de Edir. Não foi à toa que os gols saíram em jogadas pelo lado. O primeiro numa falta sofrida na esquerda que Moreno cabeceou pro gol; o segundo num escanteio conseguido após jogada de Alisson pela direita; e o terceiro em cruzamento de Mayke.

Mas o Cruzeiro teve chance pra fazer muito mais. Moreno acertou a trave duas vezes, Dagoberto concluiu jogada de Mayke dentro da pequena área mas parou em Jeferson, que também defendeu um chute certeiro de Lucas Silva do meio da rua. Isso sem falar nas bolas que foram pra fora. Talvez esse tenha sido o único pecado do Cruzeiro na noite de ontem: finalizar mal. Fazer 3 gols em 45 minutos foi ótimo mas não traduziu a superioridade celeste, foi pouco.

Segundo tempo

Do intervalo em diante, o Santa Rita marcou num 4-2-3-1, fechando os lados mas abrindo o meio: melhor para os volantes celestes

Do intervalo em diante, o Santa Rita marcou num 4-2-3-1, fechando os lados mas abrindo o meio: melhor para os volantes celestes

Nenhum treinador mudou peças no intervalo, mas o Santa Rita voltou marcando diferente. Edson Magal saiu da linha dos volantes e centralizou entre os meias. Lucas abriu pela direita e Rafael Silva oficializou seu posicionamento na esquerda: estava formado um 4-2-3-1.

A mexida deu certo — por assim dizer. No segundo tempo, Mayke e Samudio já não tinham tanta liberdade assim e apoiaram bem menos do que na etapa inicial. Além disso, as linhas ficaram ligeiramente mais próximas, diminuindo um pouco o espaço no meio. Mas isso foi “compensado” com menos gente no centro do meio-campo. Se com três volantes o Cruzeiro já era bem superior, com dois volantes ficou ainda mais fácil. Tanto que Lucas Silva arriscou do meio da rua, Jeferson rebateu pra frente e Moreno não perdoou.

O quarto gol deu a tranquilidade necessária para rodar o elenco. Marcelo tirou Moreno e lançou Marlone, e depois, a pedidos da torcida, estreou o garoto Neílton no lugar de Alisson. Neílton veio para a direita, Marlone ficou centralizado, Dagoberto passou à esquerda e Júlio avançou para o ataque. Com Marlone e Neílton, a intensidade, que naturalmente já começava a cair, voltava com a necessidade de mostrar serviço. Neílton deu velocidade mas não conseguia passar pelos marcadores, perdendo bolas sem falta. E Marlone participou bastante da construção mas chegou pouco à área, papel fundamental para um central. Na vez em que chegou, mandou um balaço no travessão.

Já as mexidas do Santa Rita não mudaram o sistema até o fim do jogo. Assim, o Cruzeiro continuou dominando o meio-campo com facilidade. O maior sinal disso era a posição dos volantes: Willian Farias, que entrou na vaga de Lucas Silva, aparecia pra jogar bem próximo da grande área adversária, quase como um meia armador. Já Henrique estava dentro da área quando marcou o quinto e último gol.

 

Sobre as conclusões

O placar foi dilatado, mas poderia ter sido ainda mais. O Cruzeiro concluiu a gol nada menos do que 30 vezes, sendo 16 delas (53,33%) certas e 5 gols (16,67%). É uma taxa de acerto e de conversão maior do que as do time no Brasileirão até a 17ª rodada (44,59% e 14,86% respectivamente), mas o que deixa com a pulga atrás era a qualidade das chances. Contando somente as três bolas na trave e um cabeceio de Júlio Baptista pra fora, sozinho dentro da pequena área, já seriam mais quatro gols. Isso sem falar nos vários chutes fracos em cima do goleiro e pra fora em posições muito boas de chute.

O mapa de finalizações mostra como o domínio foi maior que o placar final mostrou: 30 chutes a gol, 16 certos (Footstats)

O mapa de finalizações mostra como o domínio foi maior que o placar final mostrou: 30 chutes a gol, 16 certos (Footstats)

Mas isso me parece cornetar demais. De toda forma, o resultado largo permite agora ao Cruzeiro poupar jogadores na partida de volta em Alagoas. Chance para rodar ainda mais o elenco e dar ritmo, pois confirmada a classificação às quartas, a próxima possibilidade de semana livre será somente entre os dias 26 de outubro e 2 de novembro — isso se o Cruzeiro não se classificar para as semifinais da Copa do Brasil.

Como ninguém quer isso, é quarta e domingo até dezembro — por isso, rodar o elenco não será importante: será uma necessidade.

Uma observação em “Cruzeiro 5 x 0 Santa Rita – Tinha que ser de mais

  1. Bruno R. disse:

    Foi interessante para observar um possível time sem os selecionáveis, especialmente visando a partida contra o Fluminense.

    Júlio Baptista até consegue chegar bem na área como Goulart, mas não tem o mesmo toque rápido e rasteiro, a verticalidade de jogo e não busca tanto a bola no meio.

    A maior preocupação é que sem E. Ribeiro, o Cruzeiro jogue menos pelo meio e dependa muito do apoio dos laterais. Projetando o confronto com o Fluminense, Mayke não terá tanto espaço para avançar, com Sóbis e Carlinhos no seu setor. Samúdio já não apoia tanto, mas pode dar o equilíbrio defensivo para deixar Dagoberto solto, circulando para compensar a ausência de E. Ribeiro.

    A entrada de Nilton talvez libere um pouco mais o Henrique (como aconteceu com o William Farías em campo ontem), fazendo também o time jogar um pouco pelo meio também.

    Gostei do Marlone ontem. Pra mim, é o mais técnico dos reservas ofensivos, e o mais armador também. Seria bom vê-lo mais no time, especialmente na ausência de E.Ribeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *