Super-especialistas? Só os extraordinários

Alex, o segundo maior camisa 10 da história do Cruzeiro — atrás de Dirceu Lopes — vai se aposentar neste domingo. Um exemplo de jogador, dentro e fora de campo. Sua visão de jogo era tão grande que eu costumava brincar que ele tinha na cabeça aqueles mapinhas dos vídeo-games de futebol, indicando a posição dos jogadores em tempo real. Sem precisar olhar, ele parecia saber onde estavam seus companheiros e adversários, e assim conseguia encaixar passes quase inacreditáveis.

Mas o Talento Azul faz parte de uma classe de jogadores em extinção. Nela estão nomes como Zlatan Ibrahimovic, Miroslav Klose, Juan Roman Riquelme e Claude Makélélé. São os últimos representantes dos super-especialistas, aqueles que fazem uma única função tática dentro de campo e nada mais. E este processo de desaparecimento não é uma questão de formação, e sim da exigência do futebol moderno.

Não há dúvidas que Ibra é um exímio finalizador, e qualquer time do mundo gostaria de contar com os gols do atacante sueco. É um centroavante camisa 9 típico. No entanto, dificilmente você o verá perseguindo o lateral, destruindo jogadas, recompondo no meio-campo para abafar a saída de bola. O mesmo se pode dizer de Klose, a quem Michael Cox, do site Zonal Marking, chamou de “the last goal-poacher” (“o último finalizador”, numa tradução livre). Maior artilheiro da história das Copas, não foi titular na campanha do tetra em terras brasileiras exatamente por isso: só fazia uma função tática.

Não raro, vemos em mesas de discussão na mídia esportiva brasileira um brado saudosita pelos camisas 10 “das antigas”. Um jogador cerebral, que joga com a cabeça em pé, recebe o passe, pensa, cadencia. Riquelme e Alex são os últimos representantes deste naipe de jogadores, e que tem, inegavelmente, cada vez menos espaço no futebol moderno, muito mais rápido e físico: um jogador mal pega na bola e já tem um ou dois adversários em seu encalço para lhe roubá-la. Não há mais tempo para pensar como antes. E pior: quando surge um jogador que pode vir a se tornar um desses, como Paulo Henrique Ganso, por exemplo, a mídia logo celebra, e fica aumentando o ego do jogador, prejudicando sua formação e até o seu futebol em campo.

Mais atrás no campo, temos os famosos volantes “brucutus”: marcadores implacáveis, roubadores de bola que dariam inveja a muitos larápios profissionais por aí. São os “cães-de-guarda” das defesas. Claude Makélélé foi um exemplo tão marcante desse tipo de jogador que a função foi apelidada de “Makelele role”. No entanto, com cada vez menos espaço no terço final do campo, a responsabilidade de dar o primeiro passe e começar o jogo ofensivo recai cada vez mais sobre esses jogadores. Volantes sem qualidade de passe e visão e jogo estão sendo preteridos em favor de jogadores mais técnicos.

Em suma, a era dos jogadores super-especialistas já terminou. Não há mais espaço para o atacante que só fica dentro da área esperando a bola para finalizar; não há mais espaço para o meia-armador que só joga com a bola no pé e quer tempo para “pensar o jogo”; não há mais espaço para os volantes que só destroem jogadas, e assim que roubam a bola já se livram dela, passando a um companheiro próximo, pois não tem técnica alguma.

A única exceção que podemos abrir para estes super-especialistas é se eles forem jogadores, de fato, excepcionais — como os citados Ibrahimovic e Alex. Pois no futebol de hoje, estamos caminhando para a universalização: todos os jogadores fazendo todas as funções com qualidade. Até chegar lá, veremos cada vez mais em campo centroavantes que marcam, armadores que correm pra trás e dão bote, volantes com bom passe. São jogadores que antigamente eram chamados de “curingas”.

Inclusive, é bem provável, em um futuro próximo, que vejamos zagueiros armadores e até goleiros jogando com a bola nos pés, no melhor estilo goleiro-linha do futsal — Manuel Neuer que o diga. Com o “esgotamento” das revoluções táticas no futebol indicado pelas últimas Copas, o próximo grande passo é fazer com que, literalmente, todos marquem e todos joguem.

Uma observação em “Super-especialistas? Só os extraordinários

  1. Rodrigo disse:

    Por mais que seja uma heresia (por se tratar de um dos maiores craques que já passaram pelo Cruzeiro), questiono se Alex teria condição de continuar jogando em alto nível até hoje se não estivesse em times de segundo escalão (Fenerbahce, Coritiba). Honestamente, teria ele lugar no time bicampeão brasileiro?

    Na minha opinião, somente como um reserva de luxo. Ou seria necessário mudar muito do estilo de jogo desse time ao ponto de descaracterizá-lo: torná-lo menos intenso e menos vertical e aumentar a marcação no meio pra compensar a falta de contribuição defensiva de Alex.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *