Cruzeiro 1 x 1 Atlético/MG – Zero a zero com gols

No primeiro clássico do ano, o Cruzeiro voltou a apresentar os mesmos problemas em encontrar espaços diante de defesas fechadas no Mineirão. A partida contra o Huracán já havia mostrado essa deficiência criativa, mas naquela partida o Cruzeiro pelo menos chegou fácil pelos lados. Neste jogo o excesso de cruzamentos não aconteceu, também por causa do pouco ímpeto dos laterais, que são os responsáveis pela amplitude no ataque.

Foi um jogo concentrado no terço central, já que ambas as equipes pouco criaram: o Cruzeiro por não ter mobilidade suficiente para criar os espaços e o Atlético por proposta de jogo.

Os escretes

Times no 4-2-3-1: Cruzeiro sem muito apoio dos laterais e sem mobilidade, Atlético bem compactas negando espaços entre as linhas e Luan responsável pela ligação

Times no 4-2-3-1: Cruzeiro sem muito apoio dos laterais e sem mobilidade, Atlético bem compactas negando espaços entre as linhas e Luan responsável pela ligação

Marcelo Oliveira não fez nenhum mistério e escalou o time no 4-2-3-1 esperado, com o gol do capitão Fábio sendo protegido por Léo e Paulo André, com Mayke fechando pela direita e Mena pela esquerda. A dupla volância teve Willians e Henrique mais uma vez, no suporte ao trio formado por Marquinhos na direita, Willian à esquerda e De Arrascaeta centralizado atrás de Leandro Damião, o centroavante.

Levir Culpi tinha muitos desfalques e armou seu time no mesmo 4-2-3-1, mas que virava um 4-4-2 em fase defensiva, que foi na maior parte do tempo. Victor tinha Patric à direita e Douglas Santos à esquerda flanqueando a dupla de zaga formada por Edcarlos e Jemerson. Na frente da área, Rafael Carioca e Leandro Donizete faziam a proteção, deixando os corredor esquerdo para Carlos e o direito para Cesinha, o que dava liberdade para Luan se juntar a Dodô na frente.

Posse e recomposição

Com os desfalques e na condição de visitante, era esperado que o Atlético se preocupasse mais em marcar o Cruzeiro e partir em contras. Nas duas últimas visitas ao Cruzeiro no Mineirão, foi exatamente o que o Atlético fez, e nas duas saiu com a vitória. Querendo evitar novo revés, Marcelo armou seu time para atacar, mas também preocupado com os contragolpes, principalmente pelos lados, e por isso prendeu um pouco mais os laterais. A primeira função de Mayke e Mena era acompanhar os ponteiros adversários, e depois subir.

Mas os ponteiros do Cruzeiro tem a característica de centralizar o jogo, se aproximar do centro. Foi assim em 2013 e 2014, e assim é em 2015, ainda que com jogadores diferentes. E dessa forma, o Cruzeiro pouco chegou pelos lados, diferente da partida contra o Huracán. O Atlético marcava bem compacto, negando espaços entre as duas linhas, dificultando as ações do trio ofensivo atrás de Damião.

Flagrante do posicionamento ofensivo do Cruzeiro: laterais dão amplitude, mas não profundidade; trio de meias bem próximos, mas sem espaço entre as duas linhas do Atlético (foto: @rodrigodeaf)

Flagrante do posicionamento ofensivo do Cruzeiro: laterais dão amplitude, mas não profundidade; trio de meias bem próximos, mas sem espaço entre as duas linhas do Atlético (foto: @rodrigodeaf)

Sem opções, o Cruzeiro chegava perto da área do Atlético até com facilidade, mas a partir dali não sabia bem o que fazer com a bola. Diante de um time bem postado taticamente, cabe ao time com a bola se movimentar e aproximar, tentando desmontar a defesa para criar os espaços e usá-los. Mas para isso é preciso que os jogadores se conheçam bem, saibam a característica de cada um: onde preferem a bola, em que pé, de que forma, como se movimentam. É o tal entrosamento, que, como sabemos, ainda está sendo construído.

Defesa e transição

Quando o Atlético recuperava a bola, o Cruzeiro não fazia pressão alta. Recompunha-se e marcava a partir do meio-campo, usando a mesma estratégia do adversário. Quem fazia a transição era sempre Luan. Ele buscava a bola atrás e carregava para o campo de ataque, aparecia pelos lados e tentava encontrar os companheiros no meio da defesa celeste. Os avançados atleticanos até tinham mais mobilidade, mas não achavam o passe e entregavam a posse de bola.

Mas ao invés de partir na transição rápida, o Cruzeiro não aplicava velocidade suficiente e deixava a defesa adversária se recompor também. O único lance em que isso aconteceu foi uma jogada de Marquinhos pela direita, mas Damião não chegou a tempo e a zaga afastou.

Com as defesas levando vantagem sobre os ataques, não por acaso o primeiro tempo só teve uma grande chance, e de bola parada: escanteio do Atlético que Fábio fez dois milagres. E foi só: basicamente, um jogo de uma intermediária à outra.

Segundo tempo

Após o intervalo, o panorama pouco mudou. De Arrascaeta passou a se movimentar e aparecer mais para o jogo, e com isso o Cruzeiro teve mais volume, mas ainda sem ter o passe final qualificado. Aos 15, Marcelo fez troca dupla: tirou o uruguaio e Willian, lançando Alisson e Judivan — as mesmas duas trocas do jogo contra o Huracán. Alisson foi à esquerda e Judivan ficou pelo centro. Quatro minutos depois, Levir respondeu com Danilo Pires e Maicosuel nas vagas de Cesinha e Dodô. Danilo entrou para segurar mais a bola, e Maicosuel para dar velocidade aos contras.

Se no jogo contra o time argentino as alterações de Marcelo deram um certo resultado, nesta partida nem tanto. As mexidas de Levir acabaram por neutralizar as de Marcelo: o Atlético de fato passou a ficar mais com a bola, e foi saindo aos poucos para o ataque, principalmente com Patric pelo lado direito — de onde começou a jogada do gol bizarro que Fábio sofreu.

Marquinhos volante

No fim, Cruzeiro se lançou em busca do empate com Marquinhos armando de trás e Judivan e Alisson nas pontas, e quase virou o jogo, mas cedeu espaços importantes que o Atlético não aproveitou

No fim, Cruzeiro se lançou em busca do empate com Marquinhos armando de trás e Judivan e Alisson nas pontas, e quase virou o jogo, mas cedeu espaços importantes que o Atlético não aproveitou

Atrás no placar, Marcelo não viu alternativa senão a de abrir o time de vez, e fez a substituição esperada: recuou Marquinhos para armar de trás na vaga de um dos volantes, que desta vez foi Willians, por precaução, entrando Joel pelo centro e abrindo Judivan à direita. Novamente, uma substituição arriscada, pois sem a bola Marquinhos era o segundo volante e tinha que marcar as saídas de bola atleticana no contra ataque.

O Cruzeiro não teve o volume esperado com a alteração, mas o gol de empate acabou saindo por causa dela. Joel, se movimentando, ganhou uma jogada de Luan pela direita e achou Marquinhos na posição de armador central. Ele tocou pra Damião, que a partir daí fez todo o trabalho sozinho: protegeu no pivô, girou em cima de Jemerson, ganhou no pé de ferro de Douglas Santos e finalizou cruzado por baixo das pernas de Jemerson, longe do alcance de Victor. A bola morreu mansinha nas redes azuis do Mineirão.

O gol deu força para o Cruzeiro que foi com tudo, até com uma certa ansiedade, se desorganizando atrás e dando o contra-ataque. Chegou mais uma vez com Alisson pela esquerda, num cruzamento rasteiro que nem Damião nem Judivan alcançaram, mas também correu riscos. Mena e Léo tiveram que parar contragolpes com faltas e por isso foram advertidos, mas nenhum dos dois times levou mais perigo à meta adversária.

Devagar, devagar

Quem conhece este blogueiro sabe que sempre acredito na justiça do placar. Pelo que foi o jogo, considerando as propostas e estratégias, o empate foi um resultado que espelha bem o equilíbrio que houve na partida. O Atlético se limitou a repelir as ações ofensivas celestes e atacar poucas vezes, e o Cruzeiro teve a bola mas pouca criatividade para furar o bloqueio defensivo adversário. Talvez só o zero a zero fosse um placar melhor.

As marcas azuis indicam as finalizações do Cruzeiro e as vermelhas as do rival; o baixo número de acertos (em cores mais escuras) ilustra bem o que foi a partida

As marcas azuis indicam as finalizações do Cruzeiro e as vermelhas as do rival; o baixo número de acertos (em cores mais escuras) ilustra bem o que foi a partida

Está claro que o Cruzeiro tem um problema de criatividade na fase ofensiva, mas que tem que ser relativizado pelo fato de ter enfrentado duas defesas muito fechadas. Nem sempre os adversários se comportarão desta forma; o Cruzeiro será atacado em alguns momentos. Porém, é um problema de fato, e pode ser resolvido de várias formas.

Vi gente nas redes sociais clamando por mudanças no sistema tático, ao que sou frontalmente contrário. Para enfrentar adversários organizados, só existe um jeito: intensidade de movimentação, seja em qual esquema for. Também vi mais pedidos por mais um meia criativo, o que pode resolver, mas talvez também não seja a solução. Como sempre digo: não adianta ter um bom passador se todos os alvos de passe ficam estáticos e marcados. Os bons passes são responsabilidade tanto de quem os executa quanto de quem os recebe.

Assim, o meia ideal para o Cruzeiro é o Entrosamento da Silva. Esse aí, não tem como contratar. Ele só vem com o tempo. Hoje, Ricardo Drubscky foi demitido do Vitória, porque segundo a diretoria do clube baiano, o time não vinha convencendo em campo. Ricardo só tinha um mês de trabalho. Depois da demissão, Ricardo disse: “Eu não consigo ver um trabalho com alguma substância com menos de três meses.”

Parece muito? Pois já vi treinadores consagrados dizendo que às vezes precisa de um ano inteiro. A hora agora é de paciência.

Uma observação em “Cruzeiro 1 x 1 Atlético/MG – Zero a zero com gols

  1. João Paulo disse:

    Prezado, em 2013/2014 tínhamos um bom entrosamento e muita movimentação, mesmo assim tivemos serias dificuldades em lidar com times mais bem postados, principalmente defensivamente, chegando ao ponto de perdermos ou empatarmos todos os duelos mais truncados que tivemos. Você não acha que essa dificuldade também passa pela questão da formação? Outro ponto que chamou a minha atenção é que no passado tínhamos os dois laterais e os dois volantes bem ofensivos, o que fazia a reposição dos meias fundamental. Hoje nossa defesa está fortalecida, tanto o Mena quanto o Willians dão mais sustentação, isso não deveria acarretar em maior liberdade para um dos meias que jogam pelos lados?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *