O sol e os planetas (ou: A anatomia de um gol coletivo)

Futebolisticamente, sou um coletivista convicto. No sentido de ser anti-individualista. Ou seja, sempre vou dar prioridade ao coletivo sobre o individual, em qualquer aspecto. E não poderia ser diferente quando o assunto é uma jogada de gol.

Não me entendam mal, também gosto de gols de técnica individual. O voleio do Arrascaeta contra o América é qualquer coisa. Outro gol que me marcou muito é o primeiro do Brasil na Copa de 2006, um chute do Kaká de esquerda contra a Croácia. Lembro da minha cara “derretendo” naquele dia depois daquele lance. E vários outros, desnecessário citar.

Mas curto muito mais um gol coletivo, desses em que as movimentações e escolhas dos jogadores simplesmente desorganizam e deixam as defesas perdidas. É tão atordoante que nem é preciso técnica muito apurada para executar. É só fazer “mais ou menos”, porque as ações coletivas tornam tudo mais fácil. Sempre me lembro do segundo gol do Goulart contra o Náutico em 2013. Eu estava no estádio no dia, depois revi o gol em vídeo umas mil vezes. É incrível como a defesa pernambucana simplesmente não vê como Goulart foi parar ali.

Mas esse texto, como podem imaginar, é sobre o golaço do Cruzeiro contra o Villa Nova no sábado. Vou tentar dissecar os movimentos ofensivos pra tentar mostrar porque eu gosto muito mais de gols assim.

(os créditos de todas as imagens abaixo são do globoesporte.com)

Rafinha, sozinho, não tem opção senão cruzar. Por sorte, a bola volta pra ele

Ironicamente, tudo começa com um erro. Rafinha, aberto na direita, recebe lançamento de Egídio. Henrique e Fred já estão na grande área, e Mancuello corre pra lá. Ninguém se aproxima de Rafinha para o jogo apoiado, de forma que só resta a ele tentar o cruzamento. Ele erra.

Mancuello se desloca e leva dois com ele, abrindo espaço na meia-lua

Por sorte, a bola volta pra ele. E aí é que começa a trama bem feita. No momento em que Mancuello percebe que o cruzamento falhou, muda a direção de sua corrida, para sair do centro ao invés de dar profundidade. Esse movimento puxa a marcação de um jogador do Villa Nova, que depois “transfere” a responsabilidade para outro mais atrás com um gesto. E isso é suficiente pra deixar Fred e Henrique no mano a mano dentro da área e abrir um espaço próximo à meia-lua.

Fred percebe o espaço e vai até ele, atraindo todo o lado direito da defesa do Villa para o centro

Rafinha, então, escolhe centralizar com a bola. Nesse momento, vemos Edilson avançando aberto pra ser opção, mas não é acionado. Ao mesmo tempo, Fred percebe o espaço aberto por Mancuello e se movimenta até ele. Rafinha já percebeu e toca. Dois jogadores do Villa também percebem e saem à caça: um era o marcador “original” de Fred, e outro é um volante que está chegando. Mas já é tarde: a bola chega em Fred, que já sabe o que vai fazer. Ele tinha a opção de Arrascaeta que chegava logo atrás dele, sem marcação. Mas ele já havia escolhido tocar de primeira para Henrique, ainda na área.

Henrique recebe e tem várias opções, inclusive Cabral totalmente livre pelo movimento de Fred

Esse movimento de Fred desorganiza totalmente a defesa do Villa Nova. Henrique fica sozinho com um marcador, que não está totalmente em cima dele, permitindo receber o passe. Nesse momento, Henrique já tem várias opções. Devolver no Fred, tentar um passe de efeito para Mancuello atrás dele, ou amortecer pro Rafinha chegar. Mas talvez a melhor opção ali fosse abrir para Ariel Cabral. Note o argentino se movimentando ali com muita tranquilidade, devido ao espaço aberto pela movimentação de Fred.

Henrique escolhe Rafinha, que também tem opções: Cabral, Fred ou finalizar

A opção é escolhida é a deixadinha. Rafinha, depois de iniciar a jogada lá atrás, é simplesmente ignorado pela defesa do Villa, pois a atenção de todos os jogadores está voltada para Fred e Henrique, as maiores ameaças. Rafinha sequer é incomodado. Ele também tinha algumas opções além de chutar: também poderia tentar dar o passe pra Ariel Cabral, que se sofresse de agorafobia estaria com problemas. Ou para Fred, que passava às costas do seu confuso marcador, na dúvida entre acompanhar o camisa 9 ou tentar parar Rafinha.

Rafinha escolhe finalizar e o faz com maestria: o gesto técnico mais “difícil” da jogada

Rafinha escolhe finalizar, e o faz com categoria no canto direito do goleiro — no que talvez seja o único gesto que exigiu um pouco mais de técnica.

Fora da bola

Como diz a música do Skank, “olhando para a bola eu vejo o sol”. Ela é a estrela do espetáculo e é natural que chame todas as atenções. Mas é importante ver o movimento dos jogadores que não estão com ela, ou até mesmo longe dela. A movimentação destes, se bem feita, no fim das contas acaba facilitando as coisas para os companheiros. Afinal, jogar com espaço é muito mais fácil.

Jogadores de futebol jogam (muito) mais sem a bola no pé do que com ela. Façamos uma conta bem tosca: um jogo tem 90 minutos, mas em média só 60 de bola rolando. Considerando 30 pra cada time, e que não dá pra dois jogadores terem a posse ao mesmo tempo, divida 30 por 11 em campo e você terá aí uma média de 2:44 de tempo na bola pra cada jogador. Isso sem contar o tempo de bola viajando no ar ou pelo chão, além de ignorar que os jogadores de defesa ficam muito mais com a bola do que os atacantes.

Ok, dois minutos e meio na bola. E o que os jogadores fazem nos outros 27:30 da posse do seu time? Se movimentando e abrindo espaço. Como no lance acima: Mancuello sequer fica próximo à bola, mas sua movimentação é fundamental pra abrir o espaço que Fred enxerga. Fred, por sua vez, movimenta-se de forma inteligente, arrastando mais dois consigo. Cabral só fica totalmente livre por isso. E Rafinha é ignorado também por isso: a atenção da defesa estava totalmente voltada para outros jogadores. Isso é jogar futebol, sem a bola.

Então, Samuel Rosa que me perdoe: de fato, o “sol” chama toda a atenção, mas ele não seria a mesma coisa sem os “planetas” que orbitam a seu redor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *