Diagnósticos e perspectivas

O inverno acabou (inVerno, com V). Ele foi longo e tenebroso. Mas acabou, e aqui estamos.

Este espaço não é atualizado desde a final do Campeonato Mineiro, e muita coisa aconteceu desde então. O Brasileirão começou, técnicos já caíram, jogadores foram convocados para a Copa (ou não), e a Libertadores entrou em sua fase eliminatória, nas oitavas e quartas de final.

Brasileirão: dois estilos

Taticamente, alguns pontos chamam a atenção. No Brasileiro, o 4-2-3-1 se manteve como sistema base, mas com o time alternativo, as características dos jogadores são diferentes, e portanto, o time tem um estilo distinto do considerado titular.

Primeiro, a diferença nas laterais. Ceará e Samudio são mais marcadores do que apoiadores — ainda que o paraguaio tenha surpreendido com a qualidade na frente — e contrastam com os estilos ofensivos de Mayke e Egídio. Assim, os volantes tem que ficar um pouco mais presos para fazer a cobertura, e por isso Nilton e Souza são os escolhidos.

Mais à frente, temos Tinga como central, um jogador que ocupa bem os espaços e sempre está perto da bola para ajudar um companheiro, mas que não possui a mesma visão de jogo e qualidade de passe de Ricardo Goulart. Como ponteiros, Marlone e Willian são mais incisivos e verticais, no que se assemelham a Dagoberto, mas Luan é mais trombador e também é muito ofensivo, diferente de Éverton Ribeiro.

Todas essas diferenças acabam por favorecer Marcelo Moreno, que é um centroavante diferente de Borges ou Júlio Baptista. Com jogadores ofensivos e verticais pelos lados, o jogo celeste acaba sendo muito pelos flancos e pouco pelo meio. O resultado é um número maior de cruzamentos na área, o que favorece o boliviano pelo seu bom posicionamento na área: nos dois primeiros jogos, contra Bahia e Atlético/PR, o gol da vitória veio num cabeceio de Moreno. Não é por acaso.

O time titular jogou na segunda rodada contra o São Paulo: o número de cruzamentos em relação ao time alternativo da primeira e terceira rodadas é bem menor

O time titular jogou na segunda rodada contra o São Paulo: o número de cruzamentos em relação ao time alternativo da primeira e terceira rodadas é bem menor

Já na última partida, contra o Coritiba, o Cruzeiro jogou mais no estilo 2013, já que estavam em campo Éverton Ribeiro, Goulart, Dagoberto e Borges — o quarteto “clássico”. Um estilo que pode ser resumido no lance do segundo gol: Goulart recebe de Fábio, avança, passa a Borges e imediatamente começa a corrida para entrar na área, lendo a jogada que se desenhava. Borges, o único jogador do elenco que faz o pivô com qualidade, segura o zagueiro e toca de primeira para Éverton Ribeiro na direita. Livre, o camisa 17 acha Goulart dentro da área, que entrou livre de marcação para concluir e recolocar o Cruzeiro na frente.

 

Este gol é simbólico porque ilustra bem o papel de Goulart e o de Borges, não só taticamente como em termos de estilo de jogo. Não consigo enxergar Júlio Baptista fazendo nenhum dos dois papéis, por exemplo. Nem mesmo Marcelo Moreno fazendo esta jogada pivô, pois a sua característica seria dominar e tentar girar no zagueiro para poder concluir. Em suma, Borges é o melhor centroavante para o estilo de jogo de 2013, mas Moreno é o mais adequado para o estilo do time reserva.

O aspecto mental

Já na Libertadores, porém, o time não foi tão bem, em termos de resultados. Isso, na modesta opinião deste escriba, se deve muito mais ao fator psicológico e mental do que propriamente ao técnico ou tático, dentro de campo. É um característica, não da Libertadores, mas sim de torneios neste formato eliminatório, com uma partida de ida e volta.

Explico: em um torneio de pontos corridos, com 38 rodadas, ao sofrer um gol por um erro de tempo de bola, um desarme mal sucedido, enfim, um lance bobo, o impacto psicológico não é tão grande. Isso porque cada partida se encerra em si mesma, no sentido de que não importa quantos gols foram sofridos, o que importa é vencer aquela partida em questão e somar três pontos. O impacto de um gol sofrido, seja em casa ou fora, é diluído ao longo das rodadas.

Porém, num torneio de mata-mata, o impacto de um gol é altíssimo. Pois um erro pode decidir o confronto e a permanência ou não na competição. Isso acontece em todos os torneios que usam este formato: Copa do Mundo, Liga dos Campeões e, é claro, a Libertadores da América. Isso ainda é agravado pela regra do gol fora de casa, o famoso gol qualificado como critério de desempate — uma regra da qual este blogueiro discorda frontalmente.

Cerro Porteño

Foi o que aconteceu com o Cruzeiro nos dois confrontos. Contra o Cerro, uma partida boa até o momento do gol dos paraguaios, praticamente na única vez em que foram ao ataque, numa jogada de escanteio inexistente. Ao sofrer o gol em casa, o time se enervou e começou a falhar também tecnicamente. No fim, nada de tática: blitz na área adversária até o gol no apagar das luzes de Samudio, que minimizou o prejuízo.

No jogo da volta, o Cruzeiro escapou de sofrer gols no primeiro tempo. Os paraguaios estavam em ritmo mais acelerado, e o Cruzeiro tentando tirar a velocidade do jogo, mesmo com o zero a zero desfavorável. Estratégia ou imposição do adversário? Não saberemos. Mas na etapa final o Cruzeiro entrou correndo mais, disputando mais bolas. Não é o “espírito de Libertadores” que todos pregam, não; isso vale para qualquer campeonato. É a tal intensidade, tanto ofensiva quanto defensiva, que o Cruzeiro tanto usou em 2013 para sobrar no Brasileiro, que faltou no jogo.

A expulsão de Bruno Rodrigo por acúmulo de advertências parecia selar a eliminação, mas o gol de Dedé numa bola improvável reacendeu este espírito. Com a vantagem, o Cruzeiro se imbuiu em defender, mesmo com dez em campo um 4-4-1 que, com as câimbras de Samudio, teve Éverton Ribeiro na lateral esquerda, com o paraguaio indo ser o centroavante. Era praticamente 11 contra 9, mas o Cruzeiro se defendeu bem e ainda marcou mais um em erro da defesa do Cerro.

San Lorenzo

A classificação para as quartas veio, e ainda com a pressão adicional de ser o único brasileiro ainda vivo na competição. Porém, a forma como ela veio indicava que não estava tudo bem. Algo precisava ser feito, principalmente na parte mental. Desta vez, o primeiro jogo foi fora de casa, e foi, sem dúvida, a pior partida da equipe no certame continental. O Cruzeiro quis garantir um resultado médio para poder resolver em casa, mas pagou o preço de ficar atrás, jogando contra sua própria natureza de jogo.

As estatísticas da Conmebol provam: apenas 4 finalizações, todas de média e longa distância e erradas; apenas 174 passes, muito abaixo da média da equipe; e 8 desarmes contra 23 do time do Papa.

É claro que o resultado era plenamente reversível. Mas mais uma vez o impacto psicológico do gol sofrido fez a diferença. Nesta partida, Marcelo resolveu lançar Nilton e Marcelo Moreno na equipe titular, sacando Lucas Silva e Ricardo Goulart. A princípio, achei que fosse para liberar os laterais para o ataque e sufocar o San Lorenzo, mas depois da partida Marcelo Oliveira revelou que queria aproveitar a bola aérea do volante — a mesma explicação podia ser dada para a entrada de Moreno e a permanência de Júlio.

Até os 10 minutos, o Cruzeiro amassava o San Lorenzo, mesmo sem finalizar muito. Nilton e Moreno entraram na equipe para disputarem pelo alto, mas a bola não chegava por ali. Com Ribeiro e Júlio Baptista, a bola não rodava tanto pelos lados e os cruzamentos não saíam, e tampouco o Cruzeiro chegava pelo centro, pois Éverton Ribeiro não tem o mesmo entendimento com Júlio do que com Goulart, já que o primeiro segura mais a bola e cadencia.

O gol do San Lorenzo, porém, destruiu o espírito da equipe. Samudio saiu por lesão, piorando ainda mais a situação. Bruno Rodrigo, Marcelo Moreno e Éverton Ribeiro tentaram: o primeiro sendo absoluto na defesa, o segundo com muita luta e várias finalizações que pararam no goleiro adversário, e o terceiro sem medo de chamar a responsabilidade e tentar conduzir a equipe à frente. Mas o nervosismo atrapalhou, e quando o Cruzeiro chegava, o goleiro adversário estava em noite inspirada. O empate saiu, só aos 30 do segundo tempo, mas ainda era preciso mais dois gols. Não deu tempo.

Nas coletivas pós-jogo, tanto na ida quanto na volta, Dedé e Marcelo Oliveira se referiram à postura do Cruzeiro na Argentina. O zagueiro dizia que era estratégia, já era esperado que eles atacassem e a ordem era segurar. Já o treinador disse que nem sempre isso acontece porque o time quer, mas sim porque o adversário impõe a condição. Então fiquei na dúvida: quem está certo? Foi o San Lorenzo que impôs ao Cruzeiro a condição de apenas se defender, ou o Cruzeiro que escolheu assim para poder decidir a vaga no Mineirão?

Não há como responder, mas meu palpite era de que a ordem era sim se defender, pois era sabido que o ponto forte do time argentino é não sofrer gols, o que indica que o ataque não é tão poderoso assim. É claro que não é tão simples, mas partindo disso, o mais ousado seria atacar o San Lorenzo em sua própria casa, mesmo correndo o risco dos contra-ataques.

Pode parecer fácil falar depois dos jogos, mas a verdade é que o Cruzeiro, enquanto equipe, ainda carece de experiência para não se enervar com resultados adversos em torneios eliminatórios. A Copa do Brasil, no segundo semestre, será mais uma boa oportunidade para medir este aspecto.

Perspectivas

Uma formação possível, bem ousada, que privilegia o ataque: um 4-1-4-1 que aproxima Goulart e Ribeiro, com laterais ofensivos e ponteiros verticais

Uma formação possível, bem ousada, que privilegia o ataque: um 4-1-4-1 que aproxima Goulart e Ribeiro, com laterais ofensivos e ponteiros verticais

Olhando para frente, nas partidas em que precisava construir um resultado (a volta contra o San Lorenzo e contra o Coritiba, após sofrer novo empate), o Cruzeiro apresentou uma formação interessante, que eu gostaria muito de ver iniciando um jogo. Um dos volantes saía para a entrada de mais um ponteiro: com isso, Éverton Ribeiro recuava e fazia o segundo volante, para tentar construir o jogo de trás. Na prática, era um 4-3-3/4-1-4-1, com Ribeiro e Goulart próximos no centro do campo, Willian e Dagoberto pelas pontas e um centroavante.

Uma formação bem ofensiva, especialmente na partida contra o Coritiba, quando Mayke e Egídio estavam em campo. Atacar com 7 jogadores (2 laterais, 4 meias e o centroavante) é uma postura muito ousada e que pode dar certo para resolver as partidas o quanto antes. Seria um sistema ideal para usar nos pontos corridos, sem correr o risco de um gol sofrido dar um choque psicológico grande na equipe. É improvável, porém, que Marcelo Oliveira abandone o bom e velho 4-2-3-1, pelo menos para iniciar as partidas.

Assim, mesmo fora da Libertadores, a perspectiva ainda é boa. Mas fica a lição: em mata-mata, o fator psicológico conta muito mais do que em pontos corridos. E é preciso aprimorar esta aspecto enquanto equipe, mesmo que individualmente o Cruzeiro possua jogadores experientes. É errando que se aprende. Já foram duas (Copa do Brasil 2013 e Libertadores 2014). Na próxima, com certeza, será melhor.



Defensor 2 x 0 Cruzeiro – A diferença é menor do que se pensa

Muito se fala na diferença entre as equipes brasileiras e as dos outros países sul-americanos, tanto financeiramente quanto tecnicamente. De fato, essa distância existe, mas o fato de aqui no Brasil a técnica ser muito mais valorizada do que qualquer outra coisa — em detrimento, por exemplo, da tática e até da parte psicológica — acaba-se por ter a ilusão de que as equipes brasileiras são muito melhores e deveriam vencer com um pé nas costas as equipes de outros países.

Mas essa não é a verdade. No futebol, nem sempre dois mais dois é quatro, e uma diferença técnica, por maior que seja, pode ser reduzida ou até anulada com uma tática bem encaixada, com uma estratégia acertada e até mesmo com uma boa dose de ânimo e espírito de luta. Para que a parte técnica faça de fato a diferença, a equipe também tem que ser igualmente aplicada tática e psicologiamente, mas não foi isso que o Cruzeiro fez na noite de terça em Montevidéu.

Titulares

Desta vez, 4-2-3-1 celeste tinha dois volantes marcadores e pouca intensidade á frente; Defensor em duas linhas de quatro e contra-atacando pelas pontas

Desta vez, 4-2-3-1 celeste tinha dois volantes marcadores e pouca intensidade á frente; Defensor em duas linhas de quatro e contra-atacando pelas pontas

A grande novidade foi a opção de Marcelo por uma dupla de volantes mais pesada no 4-2-3-1 habitual. Rodrigo Souza e Nilton jogaram à frente da linha defensiva, formada por Ceará à direita, Egídio à esquerda e Dedé e Bruno Rodrigo protegendo o gol de Fábio. À frente, era o de sempre: Éverton Ribeiro partindo da direita e procurando mais o central Ricardo Goulart, deixando Dagoberto mais aberto pela esquerda, com Marcelo Moreno na referência.

O Defensor veio com a estratégia clara de jogar no erro do Cruzeiro e contra-ataques, mesmo em casa. Armou-se num 4-4-2 em linha, com a baliza de Campaña defendida pelos zagueiros Arias e Malvino, com Zeballos e Herrera nas laterais. A segunda linha era composta pelos volantes Cardaccio e Fleurquin, e pelos ponteiros De Arrascaeta e o brasileiro Felipe Gedoz. À frente, Olivera se movimentava mais do que Risso, mas ambos permaneciam à frente.

Estratégias

Até os quinze minutos o time uruguaio ensaiou aplicar mais intensidade, mas o Cruzeiro controlou bem as ofensivas adversárias e Fábio nem aparecia. A partir de então, o Defensor se contentou em colocar jogadores atrás da bola e deixava os zagueiros celestes tocarem entre si. Os atacantes subiam a pressão de vez em quando, mas não era bem coordenada e facilmente os laterais encontravam os volantes para fazer o primeiro passe.

E nesse ponto é que a opção de Marcelo por uma dupla de marcadores não foi boa. O time ficou sem o passe e o ímpeto que Lucas Silva certamente daria, sobrecarregando os volantes adversário junto com Ribeiro e Goulart. Sem um segundo volante, porém, a marcação ficou mais “curta” e houve menos espaço. Some-se a isso a falta da movimentação característica que o Cruzeiro mostrou no ano passado, a famosa intensidade ofensiva, e o resultado foi um domínio estéril, com muita posse no campo adversário, mas poucas chances criadas.

Contra-ataque uruguaio

Defensivamente, a estratégia do time da casa era claríssima: defender-se, tirar todos os espaços possíveis e esperar o melhor momento para partir em velocidade. Não foi à toa que o treinador Fernando Curuchet colocou dois velocistas nas pontas. Do lado direito, De Arrascaeta era também o responsável por armar o jogo nas raras vezes em que o time uruguaio tinha a posse, centralizando a partir da direita — no estilo Éverton Ribeiro. Do outro lado, Felipe Gedoz ficava mais aberto em cima de Ceará, dando muito trabalho para o lateral celeste, que com isso pouco apoiou.

Assim, ficava para Egídio tentar sair com a bola e ajudar o ataque, e para isso contava com a cobertura de Nilton. Mas o camisa 19 ainda não está na sua melhor forma física, e o lado esquerdo acabou sendo o mapa da mina para o time uruguaio. Felizmente, no primeiro tempo De Arrascaeta não teve grandes oportunidades de explorar este espaço. Sem intensidade, o Cruzeiro ainda tomou um susto no final da primeira etapa, em bola parada, um dos pontos fortes da zaga celeste: o desvio bateu na segunda trave e o rebote dentro da pequena área foi bloqueado por Bruno Rodrigo.

Segundo tempo

Os times voltaram sem mudanças para a etapa complementar, o que considero foi mais um erro de Marcelo. Ele poderia ter colocado Lucas Silva já, mesmo que o time fosse perder combatividade no meio-campo — o que não seria verdade, pois Lucas é bom marcador também. O jogo se desenhava para continuar igual, e por isso a substituição poderia não só ter dado mais volume e controle do meio-campo ao Cruzeiro como também ter desafogado a surpreendente pressão que o time da casa fez no começo da segunda etapa. Sim, pois Lucas Silva daria uma opção a mais de saída de bola, dificultando a marcação alta do adversário e assim o Cruzeiro manteria a bola por mais tempo.

A intensidade foi passando aos poucos, e o jogo foi voltando ao padrão da primeira etapa. Porém, a estratégia dos uruguaios funcionou, sempre pelo lado esquerdo celeste. Os espaços às costas de Egídio, desta vez, foram bem aproveitados por De Arrascaeta. Primeiro, condução rápida pela esquerda em erro de passe celeste, obrigando Nilton a usar todo o fôlego que ainda não tem para desviar a finalização no último momento. Depois, sem opções, Egídio forçou a conexão com Dagoberto, mas De Arrascaeta interceptou o passe, e levou até a entrada da área de Fábio com muita velocidade, sendo parado apenas pela falta de Rodrigo Souza. Na cobrança, Gedoz marcou um belo gol — mérito do cobrador, mas também falha da barreira e de Fábio, que a posicionou mal.

O efeito de um erro

O gol assustou o Cruzeiro. Tanto que, a essa altura, Willian já havia entrado na vaga de Moreno, com Goulart avançando, mas mesmo assim o time começou a levantar bolas na área, quando o correto era baixar a tensão e entrar por baixo. Ironicamente, foi uma bola levantada na área que originou o lance capital do jogo. O zagueiro Arias levantou demais o pé dentro da área e atingiu o Goulart, levando o segundo amarelo. O empate com um a mais certamente animaria o Cruzeiro e as chances de uma virada aumentariam consideravelmente.

Mas o futebol é feito de acertos e de erros, e Dagoberto perdeu seu primeiro penal em um ano e quatro meses vestindo a camisa celeste. O desperdício teve o efeito contrário ao esperado: o time da casa se animou e defendeu com muito mais afinco — em um 4-4-1 recomposto com a entrada do zagueiro Correa na vaga do atacante Olivera — diante de um Cruzeiro já semi-desesperado. É impressionante como a parte mental pode afetar uma partida.

Dez contra onze

Marcelo tentou soltar o time totalmente colocando Marlone na vaga de Rodrigo Souza — o escolhido era o Nilton, mas Rodrigo já tinha cartão amarelo. Nilton ficou plantado, mas desta vez tinha Éverton Ribeiro a seu lado, numa espécie de 4-3-3 super ofensivo, com Willian, Dagoberto, Goulart e Marlone mais à frente. O perigo era abrir o time demais, o que ficou claro quando Ribeiro era o último homem, responsável pela cobertura, em um escanteio cobrado.

A postura desesperada cobraram o seu preço quando, novamente em contra-ataque de bola parada, De Arrascaeta aplicou dois chapéus e lançou Gedoz, desta vez aparecendo atrás de Egídio, que ganhou na corrida e tocou na saída de Fábio. Mesmo com um a menos, o Defensor matou o jogo ali.

No fim, Marcelo tentou consertar o meio-campo com Tinga na vaga de Ribeiro, mas o Defensor já estava satisfeito e não partiu mais para o contra-ataque, se contentando em proteger o resultado — coisa que conseguiu fazer com relativa facilidade. O Cruzeiro terminaria o jogo sem acertar nenhuma das 15 tentativas ao gol (Footstats).

Nenhum chute foi no alvo. Em destaque, o pênalti desperdiçado por Dagoberto

Nenhum chute foi no alvo. Em destaque, o pênalti desperdiçado por Dagoberto

Evoluir, mas fugir do lugar-comum

Quando falamos em dar intensidade, principalmente na parte ofensiva, estamos falando de movimentação e passes velozes. É bom não confundir com a velha “raça”, de se entregar, dar o sangue. Isso é um velho clichê da Libertadores e não há melhor time para destruir este lugar-comum do que o Cruzeiro, um time que joga tecnicamente solto. Bastava impor o ritmo no primeiro tempo que a velha máxima de que “a Libertadores é guerra” não se realizaria: o time uruguaio sairia de suas trincheiras e facilitaria ainda mais o jogo celeste.

Isto posto, esta partida deve servir para tirar algumas conclusões em relação ao time. Marcelo Oliveira ainda tem muito crédito, e normalmente realiza suas trocas quando o time já está à frente no placar. Desta vez, porém, não conseguiu mudar a cara do jogo. Além disso, a opção pela escalação de dois volantes fortes se provou equivocada ao menos para este jogo, e a ousadia demonstrada ao deixar apenas Nilton no time logo após sofrer o primeiro gol não apareceu no intervalo, quando Lucas Silva deveria ter entrado na vaga do próprio Nilton, mesmo com Rodrigo Souza amarelado.

A classificação ficou mais difícil, e agora depende de um bom resultado na quinta rodada, fora de casa, contra o time mais difícil do grupo: a Universidad do Chile.

O Cruzeiro perdeu quando podia? Num Brasileiro com 38 rodadas, talvez sim. Na Libertadores, de tiro curto, nem tanto.