Cruzeiro 0 x 1 Corinthians – Uma questão (de) central

O Cruzeiro tem o melhor elenco do Brasil. Uma frase que é unanimidade entre os analistas, e até entre torcedores de outros times. Mas nem mesmo o melhor elenco do Brasil teve reposição à altura quando todos os jogadores de uma mesma posição não estão aptos.

Ricardo Goulart, o titular, está no DM. Seu reserva imediato, Júlio Baptista, também. Éverton Ribeiro, que também sabe jogar na posição, está na China com a Seleção. Até mesmo Tinga, se recuperando de uma fratura, seria uma opção. A solução foi improvisar – em termos.

Onzes iniciais

Times no 4-2-3-1: no começo da partida, o Cruzeiro até levava vantagem pelos lados, já que Malcom não acompanhava Egídio e Petros tinha dificuldade com as bolas longas de Lucas Silva para Mayke

Times no 4-2-3-1: no começo da partida, o Cruzeiro até levava vantagem pelos lados, já que Malcom não acompanhava Egídio e Petros tinha dificuldade com as bolas longas de Lucas Silva para Mayke

Como Marcelo Oliveira não tinha opções de meia central, optou por Marlone para a função. Com isso, o Cruzeiro foi a campo com Fábio no gol, Mayke e Egídio nas laterais, e Manoel e Léo no miolo de zaga. Lucas Silva e Henrique fizeram a parceria usual na volância, e fazendo companhia a Marlone estavam Marquinhos à direita e Willian à esquerda. Moreno ficou na referência.

Mano Menezes escolheu o mesmo 4-2-3-1. Protegendo a meta de Cássio, Fagner fechava o lado direito, Felipe e Anderson Martins fizeram a zaga e Fábio Santos ficou do lado esquerdo. Bruno Henrique e Guilherme Andrade fizeram a proteção atrás do trio formado por Malcom à direita, Renato Augusto centralizado e Petros à esquerda. Solitário à frente, Mano optou por Romero.

Um começo promissor

O Cruzeiro começou o jogo dando pinta de que não sentiria a falta dos selecionáveis e lesionados, chegando principalmente pelos lados do campo. Na direita, Petros marcava o avanço de Mayke quando a jogada era no setor, mas se fosse na esquerda, ele se juntava a Renato Augusto no centro. Assim, quando a bola chegava em Lucas Silva, ele tinha espaço para inverter a jogada e achar Mayke livre e com espaço para avançar. Ele e Marquinhos combinaram bem por ali para criar algumas boas jogadas.

Já no outro flanco, Malcom foi orientado a não voltar com Egídio, numa tentativa de usar de sua velocidade quando o Corinthians recuperasse a bola. A estratégia se revelou quando, após uma falta, a transmissão da TV fechou em uma imagem de Renato Augusto, que fez um claro sinal para Malcom com a mão, como quem diz: “vai, corre”. Era a ideia de Mano, igual à de todos os outros times que enfrentam o Cruzeiro no Mineirão.

Passes de Lucas Silva (à esq.) e de Renato Augusto (à dir.) nos 20 primeiros minutos: volante celeste preferindo inversões para Mayke aproveitar o espaço; Renato Augusto sempre procurando Malcom

Passes de Lucas Silva (à esq.) e de Renato Augusto (à dir.) nos 20 primeiros minutos: volante celeste preferindo inversões para Mayke aproveitar o espaço; Renato Augusto sempre procurando Malcom

Corinthians equilibra

Porém, Egídio fez várias vezes dois contra um junto com Willian em cima de Fagner, fazendo o Cruzeiro ter grande volume por ali. Mano ficou preocupado e a todo momento dava orientações para que seu time se organizasse defensivamente, sendo que uma dessas instruções foi pedir a Malcom que voltasse com Egídio. O Corinthians perdeu a jogada óbvia de velocidade, mas equilibrou seu lado direito.

Com isso, o Cruzeiro passou a ficar sem opções. Marlone até que se movimentou no início do jogo, assim como Willian e Marquinhos, que por vezes invertiam o lado, mas não foi suficiente para sair da marcação por zona disciplinada do time paulista. Lucas e Henrique tinha dificuldades em achar alvos para bons passes e acabavam por forçar alguns, elevando os erros.

A partir daí, o jogo ficou equilibrado, entre as duas intermediárias, pois o Cruzeiro também não dava chances. Os únicos momentos de maior tensão foram nos erros do próprio Cruzeiro, em passes displicentes ou desnecessariamente enfeitadas, como a letra de Marlone que gerou um contra-ataque desperdiçado por Malcom. Parecia ser um aviso do que estaria por vir.

Trocas por opção, ou não

No intervalo, Marcelo queria aumentar a intensidade na frente, e para isso ele tinha o jogador certo: Alisson. O garoto entrou no jogo, mas não na vaga de Marlone como a torcida esperava, e sim na de Willian — o que é natural, já que Alisson é muito mais ponteiro do que meia central. Mas nem bem começou o segundo tempo e Marcelo foi obrigado a queimar a segunda troca, pois Egídio sofreu pancada nas costas e não conseguiu prosseguir. Ceará foi improvisado do lado esquerdo.

Alisson até deu mais intensidade como esperado, mas o jogo seguiu equilibrado, sem chances claras de parte a parte. A estratégia do Corinthians ia dando certo, mas Mano quis timidamente arriscar um pouco mais, lançando Luciano na vaga de Romero, mantendo o 4-2-3-1. Sem opções, Marcelo tentou um movimento novo, mandando Dagoberto a campo na vaga de Marlone. O atacante foi jogar na direita do ataque, com Marquinhos invertendo o lado e Alisson centralizando.

Desorganização e erro

Com a vantagem no placar, Corinthians se fechou e resistiu a um desorganizado Cruzeiro, que sentiu falta de um central típico: Alisson também não conseguiu fazer a função

Com a vantagem no placar, Corinthians se fechou e resistiu a um desorganizado Cruzeiro, que sentiu falta de um central típico: Alisson também não conseguiu fazer a função

A alteração não funcionou bem, como o próprio Marcelo admitiu na coletiva pós-jogo. Nas palavras dele, o time “ficou um pouco desorganizado”. Isso porque Alisson tende naturalmente a cair pelas pontas, mas era acompanhado pelos volantes. Na teoria, isso abriria espaço para Lucas e Henrique avançarem, mas Renato Augusto e o próprio Luciano fechavam nos volantes celestes e, ao contrário do primeiro tempo, não os deixavam jogar. O resultado era um espaço vazio no meio-campo central, perto da área corintiana.

Com o Cruzeiro sem inspiração e totalmente neutralizado, bastou ao Corinthians aproveitar só um dos muitos erros de passe cometidos. Henrique sofreu pressão dos volantes paulistas, e Lucas Silva apareceu pra salvá-lo. Mas Henrique tentou dar um passe de letra que foi interceptado por Petros. O avanço do adversário não foi contido, e Luciano achou um espaço do lado direito para passar por Léo – que nitidamente evitou o pênalti ao recolher a perna – e bater no canto oposto de Fábio.

Fim de jogo

Já não havia muito mais o que fazer, pois o Corinthians já controlava o jogo com o placar em branco. Com a vantagem, concentrou toda a sua atenção em conter o Cruzeiro. Conseguiu na maior parte do tempo, só levando perigo no chute cruzado de Moreno que Cássio mandou a escanteio com a ponta dos dedos, e nos acréscimos, quando Dagoberto cabeceou pra fora totalmente livre na pequena área.

Mano ainda colocaria Danilo na vaga de Bruno Henrique, aberto pelo lado direito, nitidamente para segurar a posse de bola. Com isso, Petros recuou para a volância e Malcom inverteu de lado. E no fim, trocou Guilherme Andrade por Ferrugem, que nem teve trabalho.

Opções (ou a falta delas)

Ficou claro que o Cruzeiro teve dificuldades ofensivas por não ter um meia central típico. As ausências de Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart, por si só, não seriam um problema grande, se o Cruzeiro ainda tivesse Júlio Baptista ou Tinga disponíveis. Portanto, coube a Marlone a tarefa de ser este jogador. Ele já vinha sendo preparado por Marcelo Oliveira para jogar assim em alguns jogos anteriores, mas ontem não teve uma boa atuação.

Dessa forma, o mais coerente seria sacá-lo do time para a partida contra o Flamengo. Mas Marcelo literalmente não tem alternativas se quiser manter o 4-2-3-1. Se houvesse mais tempo para treinar, Alisson poderia ser o meia central, fazendo a função com uma característica ligeiramente diferente. Mas como não há, isso seria reproduzir a desorganização que o time demonstrou no final do jogo.

Outra opção seria lançar Nilton e abdicar da função, efetivamente mudando para um 4-1-4-1, com Henrique e Lucas na dupla função de marcar e passar. O Cruzeiro já jogou assim antes, mas sempre no fim dos jogos e quando já estava em vantagem no placar. Iniciar uma partida nessa formação seria muito arriscado, pois mexe na estrutura do time.

Marlone, Alisson ou Nilton? Pois é. Às vezes, até a vida do treinador do melhor time é difícil.



Corinthians 0 x 0 Cruzeiro – Igualdade desigual

Num duelo de dois treinadores com boa leitura de jogo, nenhum deles levou a melhor. Marcelo venceu o primeiro tempo, mas Cássio impediu que o Cruzeiro abrisse vantagem. Na etapa final, Tite ajustou peças e Marcelo foi obrigado a trocar uma das suas, mas enviando o jogador “errado”, passando por 15 minutos que quase colocaram a invencibilidade a perder até “consertar” e reequilibrar a partida.

No fim da contas, o empate foi um resultado que ilustrou bem a partida, mas o Cruzeiro esteve bem mais perto da vitória.

Sistemas de jogo

Ambos os times no 4-2-3-1, mas no Cruzeiro os três meias estreitavam fazendo maior número no meio-campo central e complicavam a rigidez defensiva do Corinthians

Ambos os times no 4-2-3-1, mas no Cruzeiro os três meias estreitavam fazendo maior número no meio-campo central e complicavam a rigidez defensiva do Corinthians

O Cruzeiro entrou no habitual 4-2-3-1 de Marcelo Oliveira em sua rotação “titular”. Do gol, Fábio viu Dedé e Bruno Rodrigo fazendo a dupla de área, com Ceará no flanco direito e Egídio pela esquerda. A proteção ficou por conta de Nilton e Lucas Silva, este último ligeiramente mais solto e próximo do setor mais fluido da equipe, o trio de meias. Éverton Ribeiro, Ricardo Goulart e Willian partem da direita, centro e esquerda respectivamente, mas promovem muitas trocas entre si e tendo ainda a ajuda do centroavante Borges neste carrossel.

Tite “enganou” a imprensa inteira, que, pela suspensão de Guerrero e com Alexandre Pato fora do time titular, dizia que seria um Corinthians sem centroavante. É a velha mania da mídia de olhar apenas a posição de origem do jogador e dar a informação sem olhar sua função em campo. Acabou sendo o mesmo 4-2-3-1 que o Corinthians usou durante toda a era Tite, com Cássio no gol, Edenílson na lateral direita, Gil e Paulo André no miolo e Igor na esquerda. Ralf foi o primeiro volante, com Maldonado a seu lado e atrás de Danilo à direita, Douglas pelo centro e Emerson à esquerda, deixando Romarinho para brigar com os zagueiros.

Defendendo

Saída de bola do Corinthians. Dois passes para trás e Paulo André já faz o chutão para se livrar da pressão de Borges (assista o início deste vídeo para ver). É a característica deste Cruzeiro 2013: marcação pressão no alto do campo no início das partidas, recuperando a posse no campo adversário ou forçando o erro — algo que era característico do Corinthians de Tite no ano passado. A forte marcação imposta mal deixava Fábio aparecer na transmissão, pois o Corinthians sequer conseguia chegar perto da área celeste.

Além disso, posicionar Romarinho entre os zagueiros cruzeirenses não foi a melhor opção, já que o corintiano desapareceu nos quinze primeiros minutos. Logo Tite “corrigiu” isso invertendo o jovem com Emerson, que estava travando — e perdendo — um duelo intenso com Ceará na esquerda. O time da casa passou a ter uma presença melhor na faixa central, principalmente quando Douglas e Emerson trocavam passes, mas a zaga cruzeirense levou a melhor sempre.

Atacando

Um belo exemplo do quarteto ofensivo cruzeirense elouquecendo a retaguarda corintiana (veja o vídeo no link do texto)

Um belo exemplo do quarteto ofensivo cruzeirense elouquecendo a retaguarda corintiana (veja o vídeo no link do texto)

Quando roubava a bola, o Cruzeiro promovia a tradicional aproximação dos três meias — Ribeiro, Goulart e Willian se procuram em campo, gerando jogadas como esta. Essa aproximação, uma coisa que Michael Cox, do excelente Zonal Marking, chama de narrowness“estreiteza”, numa tradução livre — tem duas consequências. Uma é povoar o meio-campo central, causando superioridade numérica no setor e levando a uma tendência de ganhar a batalha pela posse de bola. Outra é abrir os corredores para o apoio dos laterais, que vem sendo uma das principais armas ofensivas do Cruzeiro nesta temporada (leia o artigo sobre a vitória do City sobre o United escrito por Michael onde ele fala exatamente dessas duas coisas).

Aqui vemos os três meias novamente bem centralizados, indefinindo a marcação do lado direito e fazendo o lateral esquerdo corintiano ficar totalmente fora da jogada

Aqui vemos os três meias novamente bem centralizados, indefinindo a marcação do lado direito e fazendo o lateral esquerdo corintiano ficar totalmente fora da jogada

Só o primeiro fator, porém, foi efetivamente usado a favor. Pois o Corinthians se defendia com uma rigidez defensiva não muito vista no Brasil. A equipe de Tite talvez seja a única no país que exerce um tipo de marcação diferente, com uma estrutura sólida, sem que as linhas se quebrassem, quase uma marcação por zona que é muito comum no futebol inglês. Os laterais não saíam para acompanhar os ponteiros quando eles centralizavam, e isso causou problemas para a retaguarda paulista, como no lance já citado e numa metida de bola de Goulart para Willian, que concluiu tão mal que a bola saiu pela lateral. Raridade.

Os laterais não subiram tanto porque Ceará tinha uma preocupação muito mais defensiva, enquanto Egídio não conseguia avançar com frequência devido à presença de Danilo no seu setor. O camisa 6 só subia na boa, e assim mesmo conseguiu criar duas boas chances, um cruzamento que Willian completou para um milagre de Cássio, e em um lançamento primoroso de Lucas Silva numa inversão de jogada que pegou o lateral sozinho dentro da área. Ele só teve uma opção, que era bater para o gol, e assim o fez, mas Cássio novamente desviou. Em ambos os lances, podemos ver Danilo voltando para marcar Egídio.

Saída de Borges

A primeira etapa terminou com 6 finalizações celestes (metade delas no alvo) e contra 3 paulistas (todas erradas), de acordo com o WhoScored.com. Infelizmente não foi possível converter ao menos uma delas em gol, muito graças à excelente tarde de Cássio. Depois do intervalo, Júlio Baptista entrou no jogo na vaga de Borges, empurrando Goulart para o fronte — uma substituição que já critiquei aqui no Constelações. Borges, apesar de ter feito um primeiro tempo apenas razoável do ponto de vista técnico, é uma peça fundamental no sistema de Marcelo Oliveira, pois seu bom posicionamento de área causa preocupação para os zagueiros adversários e acaba abrindo espaços para os três meias jogarem seu melhor futebol.

Já Goulart não tem essa característica, e fica apenas ocupando um dos zagueiros, jogando de costas para o gol. E ainda por cima, a presença de Júlio no meio-campo central, mesmo melhorando a presença física e ganhando experiência no setor, faz o time perder um pouco a mobilidade e a velocidade, a principal característica de ataque do Cruzeiro. O resultado foi que o time passou a perder o meio-campo e o Corinthians cresceu.

Cópia, mas nem tanto

Mas o time da casa não melhorou apenas por causa da troca. Tite provavelmente viu que estava perdendo o meio-campo porque tinha menos jogadores no setor, e acabou por “copiar” o modelo cruzeirense, fazendo os ponteiros Danilo e Romarinho se aproximarem de Douglas. Assim, não só o Cruzeiro parou de ganhar a batalha da posse quando atacava como também quando defendia, já que Egídio e Ceará preferiam esperar a subida dos laterais para fazerem o combate.

O gráfico de posicionamento médio mostra o constraste dos quartetos ofensivos: a rigidez corintiana (em azul) e a fluidez celeste (em laranja); no segundo tempo, os ponteiros do Corinthians se aproximaram mais do centro

O gráfico de posicionamento médio mostra o constraste dos quartetos ofensivos: a rigidez corintiana (em azul) e a fluidez celeste (em laranja); no segundo tempo, os ponteiros do Corinthians se aproximaram mais do centro

Quinze minutos se passaram, com o Corinthians chutando a gol com uma frequência assustadora, até que Marcelo “corrigiu” o erro, tirando Goulart e colocando Anselmo Ramon, centroavante de ofício. Anselmo praticamente não participou do jogo — a não ser nos acréscimos, com um passe que deixou Júlio Baptista cara a cara com Cássio e que acabou por consagrar a tarde do goleiro corintiano — mas sua presença de área ocupou os zagueiros e o Cruzeiro reequilibrou o jogo.

Na linha do tempo do site WhoScored.com, vemos claramente o período perigoso do jogo: exatamente entre a primeira e a segunda substituições

Na linha do tempo do site WhoScored.com, vemos claramente o período perigoso do jogo: exatamente entre a primeira e a segunda substituições

Pato e Dagoberto

Após quinze minutos sem chutes a gol, Tite fez sua única troca na partida inteira. Tirou Emerson da referência e lançou Alexandre Pato, provavelmente para ter um ganho técnico no ataque. Porém, logo em seu primeiro lance o atacante pisou na bola — um lance que ilustra bem a má fase do jogador. Já Marcelo fez seu último movimento com Dagoberto na vaga de Willian — uma ousadia, já que o camisa 11 não marca tanto quanto o 41. Uma prova de que ele não tem o famoso “medo de perder que tira a vontade de ganhar”.

Mas o jogo não se desequilibrou novamente, e o zero a zero só persistiu porque Júlio Baptista perdeu a bola do jogo no fim, numa típica jogada “fominha”, já que Dagoberto entrava livre pela área de frente para o gol e já sem Cássio à sua frente. O goleiro corintiano “adivinhou” o canto e garantiu a igualdade.

Um tropeço menor que o dos outros

Com sempre digo, não acredito em resultados injustos, pois o zero só não saiu do placar porque o Cruzeiro não teve a eficiência costumeira nas conclusões (foi o menor número de arremates do Cruzeiro no certame até aqui) e Cássio esteve em uma tarde inspirada. Portanto, o zero a zero é justo. Mas o primeiro tempo celeste foi digno de um time líder, se impondo tanto no ataque como na defesa, e por isso merecia ter marcado mais de uma vez.

Por sorte, mas também por competência de Fábio e cia., o Cruzeiro não sofreu o gol nos 15 minutos iniciais da segunda etapa, no período “sem centroavante”. Infelizmente, Borges sentiu dores e teve que sair, mas não entendi porque Marcelo não levou Vinícius Araújo ou já promoveu a entrada de Anselmo logo de cara. A experiência com Goulart na frente já não havia dado certo antes, e não entendo porque insistir nisto. Mesmo o líder tem mistérios.

A sequência de vitórias foi interrompida, mas os deuses do futebol nos sorriu e nos deu a derrota em casa do perseguidor mais próximo, aumentando a vantagem na ponta. Passando sem derrota no próximo fim de semana, contra um Internacional desfalcado de seu principal jogador e cansado pelo jogo da Copa do Brasil no meio de semana, acredito que as chances de campeonar chegam perto de 100%.

Com todo esse cenário, como torcedor, é preciso muita força de vontade para não cravar o título…



Cruzeiro 1 x 0 Corinthians – A defesa avançada e a velocidade

Com gols de Fábio e Dagoberto, o Cruzeiro venceu o Corinthians por 1 a 0 na Arena do Jacaré e voltou provisoriamente à liderança. Não, eu não escrevi errado. O jogo teve a contagem mínima com gol de Dagoberto, mas Fábio garantiu o placar em branco no primeiro tempo com ótimas defesas em chutes de Alexandre Pato.

O Cruzeiro teve muitas dificuldades em passar pela excelente defesa do Corinthians, e também sofreu em alguns momentos defensivamente no primeiro tempo, mas conseguiu uma vitória importante, mas que não pode esconder alguns defeitos táticos que devem ser corrigidos.

Sistemas iniciais

No primeiro tempo, a defesa alta foi explorada pela velocidade de Pato, e o quarteto ofensivo ficou estático demais

No primeiro tempo, a defesa alta foi explorada pela velocidade de Pato, e o quarteto ofensivo ficou estático demais

Ambos os treinadores optaram pelo mesmo esquema: o 4-2-3-1 tradicional das duas equipes. O Cruzeiro de Marcelo Oliveira tinha Fábio no gol, com Ceará à sua direita e Egídio à sua esquerda, flanqueando a dupla de zaga Dedé e Bruno Rodrigo. Leandro Guerreiro, mais plantado, e Nilton, um pouco mais à frente, eram os volantes que davam suporte ao trio de meias ofensivos, com Diego Souza centralizado e com a companhia de Everton Ribeiro mais contido à direita e Dagoberto mais espetado à esquerda. Na frente, Anselmo Ramon duelando com os zagueiros.

No Corinthians, a linha defensiva que protegeu o gol de Cássio foi armada por Tite com Paulo André e Gil na zaga, flanqueados por Alessandro na lateral direita e Fábio Santos do outro lado. Ralf foi o primeiro volante, tendo a seu lado Guilherme Torres mais solto. Na linha de três, Emerson pela direita, Danilo pela esquerda e Douglas por dentro procurando Alexandre Pato à frente.

Bola nas costas

O jogo começou com a marcação bem encaixada, com duelos bem definidos em campo — como é costume quando dois times postados num 4-2-3-1 se enfrentam. Quinze minutos se passaram com a ação totalmente concentrada do lado esquerdo do Cruzeiro, e sem nenhum dos oponentes levando clara vantagem sobre seu marcador, precisou acontecer algo diferente para que o primeiro lance de perigo fosse criado. Emerson recebeu a bola pela esquerda, e ao invés de tentar o fundo, trouxe para o meio. A marcação cruzeirense se indefiniu: Nilton deixou o atacante passar por ele, Diego estava muito avançado e Leandro Guerreiro do outro lado, mas longe. Quando Bruno Rodrigo subiu o bote, Emerson já estava à frente da área e passou a Alexandre Pato, nas costas de Dedé. Ali começava o pesadelo do atacante corintiano na noite, com Fábio como protagonista.

Depois desse lance, Pato começou a tentar explorar a velocidade. Primeiro saiu da área, tabelou com Danilo e entrou com velocidade, novamente nas costas de Dedé, mas concluiu pra fora. Depois, Recebeu uma ligação direta de Alessandro, ganhou na corrida do camisa 26 e parou novamente em Fábio. E por fim, em um lance de erro de domínio de Dedé, Pato recolheu um passe que nem era pra ele e novamente Fábio pegou.

Essas chances expuseram uma vulnerabilidade da defesa celeste: o posicionamento avançado, necessário para a compactação do time, mas que deixa espaços atrás para onde bolas incisivas, pelo chão ou pelo alto, podem ser tentadas. Contra um centroavante mais “tradicional”, ou seja, mais forte mas não tão veloz (por exemplo, Fred, Damião, Anselmo Ramon), é aceitável, pois Dedé e Bruno Rodrigo são zagueiros rápidos e conseguem se recuperar com facilidade. Mas Pato era um atacante de movimentação, veloz, e a característica muda. Contra jogadores rápidos na frente, a defesa não pode ficar tão alta.

Cruzeiro atacando

Com a bola, o Cruzeiro não conseguiu sair da forte marcação imposta pelos defensores corintianos, muito bem treinados por Tite. Os quatro defensores à frente de Cássio permaneceram alinhados durante quase todo o jogo, muito próximos e compactados do lado da bola, e ainda tinham o auxílio de Ralf, patrulhando a entrada da área e negando espaços a Diego Souza. Danilo acompanhava as subidas de Mayke pela direita e Emerson auxiliava Alessandro na marcação.

Com os três meias presos na marcação, sobrava aos volantes pensarem no jogo. Como já dissemos várias vezes aqui no blog, entretanto, o Cruzeiro não tem esse volante passador, que avança ao ataque. Nilton ficou no suporte para o giro da bola de um lado para o outro, mas não arriscava um passe mais vertical. Guerreiro ficou mais atrás na proteção e cobertura de contra-ataques. Mesmo assim, o Cruzeiro chegava perto da área corintiana, mas erros no último passe impediram o Cruzeiro de criar mais chances e o placar permaneceu em branco.

Segundo tempo

Com a correção do posicionamento defensivo, Marcelo usou a velocidade com Élber e Dagoberto nas pontas

Com a correção do posicionamento defensivo, Marcelo usou a velocidade com Élber e Dagoberto nas pontas

Já tendo feito uma troca, Marcelo Oliveira resolveu voltar com o mesmo time, assim como Tite. Mas algo havia mudado: o posicionamento da defesa. Um pouco mais recuada, atenta a eventuais infiltrações de Alexandre Pato e com mais vigor na marcação à frente da área. Com essa opção, o Cruzeiro dava campo para o Corinthians trabalhar mais a bola, e o time paulista não soube o que fazer com ela. Douglas pouco apareceu na partida, e Danilo e Emerson, pelos lados, estavam novamente bem marcados.

Assim, o Cruzeiro foi aos poucos dominando as ações. Aos 15, Marcelo trocou Anselmo por Luan. Com isso, Diego Souza passou a ser o homem mais avançado, Dagoberto foi temporariamente para a direita do ataque e Luan ficou na sua posição tradicional, ponteiro pela esquerda, com Everton Ribeiro como meia central. Era a tentativa de abrir ainda mais o jogo pelos lados, já que pelo centro era bem mais difícil com Ralf protegendo bem o setor.

Élber

Dez minutos depois, Everton Ribeiro daria seu lugar a Élber, que foi jogar na sua posição de costume: ponteiro direito. Dagoberto de voltaria ao lado esquerdo, e Luan recuaria para ser o meia central. O plano de atacar pelos lados ficava ainda mais claro, com dois jogadores velozes nas alas. E o plano funcionou, também porque o Cruzeiro subiu a marcação de novo, mas dessa vez com muito mais ímpeto, forçando o chutão corintiano. Em poucos minutos, Dagoberto seria derrubado pela esquerda e Élber teria duas chances para marcar, a segunda num domínio de bola magistral do passe pelo alto de Diego Souza, mas com uma conclusão horrorosa.

O pênalti pode não ter acontecido, mas o lance que o antecedeu foi um bom resumo do domínio territorial azul no segundo tempo. Passe para Luan, no círculo central, que girou e imediatamente lançou o garoto Élber ganhar na corrida de Fábio Santos e cair dentro da área, causando não só o pênalti mas a expulsão do lateral corintiano por acúmulo de amarelos.

No fim, o Corinthians ainda tentou o empate meio que no desespero, partindo para o ataque com tudo como não tinha feito no jogo todo, mas com um a mais o Cruzeiro não levou mais sustos.

Problemas novos e velhos

É preciso valorizar a vitória, porque foi construída primeiro com um grande goleiro, que evitou os gols que fatalmente mudariam o rumo do jogo, e depois com os acertos de Marcelo Oliveira, no posicionamento da defesa e principalmente nas substituições. Mas o resultado poderia ter sido bem mais tranquilo se tanto o treinador como os jogadores tivesse uma leitura de jogo melhor e mais rápida, reposicionando a defesa para evitar as chances de Pato. Ontem Fábio defendeu tudo, mas em outros dias e contra outros atacantes, isso pode não acontecer.

E, novamente, faltou criatividade ante uma defesa bem posicionada. O Cruzeiro tem boas armas ofensivas, como a movimentação dos meias, bolas aéreas e o jogo pelos lados. Mas o jogo central não flui, pois Diego Souza não é um meia de criação e sim de chegada, e os volantes são muitos mais marcadores que passadores. Não raro era ver o Cruzeiro atacando por um lado, com um dos ponteiros, e Diego Souza e Anselmo Ramon enfiados na área, sem ninguém para receber um passe na entrada da área.

O primeiro problema será resolvido com o tempo, já que é típico de falta de entrosamento e pouca experiência, do treinador e jogadores. Já o segundo pode ser resolvido com a contratação de Souza, apresentado hoje. Então a tendência é melhorar ainda mais, principalmente com a parada para a Copa das Confederações.

A vitória veio. Mas diferente do que a maioria pensa, não é só isso que importa.



Cruzeiro 2 x 0 Corinthians – Feliz 2013

Em uma partida bem sonolenta, o Cruzeiro conseguiu marcar gols na fraca defesa reserva do Corinthians e ainda contou com a falta de ímpeto do ataque adversário para sair com a vitória. Destaque mais uma vez para Martinuccio, autor de uma assistência e um gol, mostrando que deve ser titular jogando pelo lado do campo.

O 4-3-1-2 losango costumeiro sofreu com a falta de compactação no meio quando o Corinthians fez pressing. E quem joga pela direita do ataque neste time?

Celso Roth não abriu mão do sistema e mandou um 4-3-1-2 losango a campo, com Fábio no gol, Ceará e Everton nas laterais e Léo e Thiago Carvalho no miolo de zaga. Leandro Guerreiro protegia a defesa e era ajudado por William Magrão pela direita e Marcelo Oliveira pela esquerda. Montillo mais uma vez foi escalado na ligação para Martinuccio aberto pela esquerda e Anselmo Ramon na referência.

O Corinthians de Tite esteve longe de ser o time com muita movimentação tática da Libertadores. Dentre jogadores poupados, lesionados e convocados, o imutável 4-2-3-1 corintiano veio com Wallace e Paulo André protegendo no gol de Cássio e flanqueados por Weldinho na direita e Guilherme Andrade na esquerda. Guilherme e William Arão na dupla volância suportavam o trio de meias composto por Edenílson na direita, Douglas centralizado e o experiente Danilo na esquerda. À frente, Romarinho tentava ser um atacante de movimentação.

Pressing

Logo de cara já dava para ouvir os gritos de Tite na transmissão do jogo pela TV, dizendo para o time encurtar os espaços. É a característica da equipe paulista sob a batuta do técnico gaúcho: pressionar a saída de bola adversária. E nos primeiros minutos isso funcionou muito bem. O quarteto ofensivo do Corinthians subia a marcação e fazia os zagueiros e volantes do Cruzeiro cederem a posse da bola com chutões ou passes ruins. Assim, o Cruzeiro teve menos a bola no início do jogo, com muita dificuldade de saída.

Isto também acontecia porque, como já explorado neste blog antes, o losango de Celso Roth com Marcelo Oliveira e William Magrão pelos lados faz o time ficar “divorciado”, já que a principal função desses jogadores é a de marcar. Porém, os volantes do Corinthians também não se juntavam à movimentação ofensiva, e o Cruzeiro conseguia repelir os ataques adversários pelo simples fato de ter maior número de jogadores. Os volantes faziam dois contra um junto com os laterais nos meias abertos, Romarinho sofria ante a marcação dos dois zagueiros e Douglas era vigiado com qualidade por Leandro Guerreiro, fazendo com que a bola passasse pouco pelos pés do meia. Apenas Danilo conseguia levar algum perigo quando conseguia se desvencilhar de Ceará.

Cruzeiro ataca

Ofensivamente, o Cruzeiro jogou como sempre no início: bola longa para Anselmo Ramon, que disputa no alto para que a sobra fique com Montillo ou Martinuccio, ou então faz o pivô esperando a chegada dos companheiros. Aos poucos, a pressão alta corintiana foi arrefecendo e o Cruzeiro foi tendo mais espaços para jogar, principalmente pelo lado esquerdo com Martinuccio. Foi por ali que saiu o primeiro gol: o argentino recebeu passe de Montillo e fez assistência rasteira para Anselmo Ramon, no meio dos zagueiros, completar.

Porém, o outro lado do ataque era praticamente abandonado pelo Cruzeiro. Montillo preferia cair pelo lado esquerdo, uma vez que tinha companhia pra jogar no setor. Ceará pouco apoiava, principalmente por estar vigiando Danilo, e William Magrão, mais uma vez, fez uma partida ruim, sem saber se atacava com profundidade, marcava no meio-campo ou marcava o lateral esquerdo. Ainda não está claro qual é a função do volante neste esquema de Celso Roth. Provavelmente o jogo seria mais fácil se Élber estivesse jogando naquele setor, dando amplitude e profundidade ao mesmo tempo.

Ainda no primeiro tempo, Montillo sentiria uma fisgada na coxa e seria substituído por Souza. Dois jogadores com características bem diferentes, já que um parte com a bola dominada e é intenso, enquanto o outro cadencia mais, toca a bola e faz o time rodar. E foi exatamente isso que aconteceu: o primeiro tempo acabou cadenciado, sem intensidade.

Segundo tempo

Após o intervalo, os treinadores pareceram ter dito a seus times para continuarem assim, porque nenhuma mudança foi feita. Nem mesmo tática ou de postura. Assim, Cruzeiro mais com a bola no pé, mas procurando o gol da tranquilidade, e o Corinthians seguro, repelindo as investidas celestes numa tentativa de achar um gol num erro do adversário.

Ironicamente, foi num contra-ataque que o Cruzeiro ampliou. Bola roubada ainda dentro da grande área de defesa, sobrando para Souza. Bem ao seu estilo, o veterano meia conduziu, olhou, levantou a cabeça e viu Martinuccio do lado esquerdo. O argentino, destaque do jogo, cortou pra dentro do campo e tabelou com William Magrão, numa das poucas ações ofensivas produtivas do volante. Na cara do gol, Martinuccio deu uma cavadinha para vencer Cássio e consolidar a vitória.

As alterações promovidas pelos treinadores pouco mudaram taticamente, e o jogo seguiu para um final melancólico, só quebrado com a inusitada estreia do chinês Zizao no time adversário. Ele é ponteiro, jogou aberto pela esquerda. Mas pura jogada de marketing do time paulista para vender camisas no país mais populoso do mundo.

Conclusão

O Cruzeiro venceu o jogo, e até com certa facilidade, mas é preciso entender que este time do Corinthians está longe de ser o mesmo que venceu a Libertadores, com muita movimentação do quarteto ofensivo, tanto com quanto sem a bola. Talvez a pressão alta seja a característica mais marcante do time de Tite, e que só esteve presente no início do jogo.

E, enquanto foi feita, funcionou, demonstrando a dificuldade que o Cruzeiro tem em fazer ligação do meio com o ataque quando recupera a bola. Montillo não volta para buscar a bola e armar o time, essa não é a característica dele. Talvez por isso não seja tão bom escalá-lo na função de ponta-de-lança do losango de meio. Só faria sentido se os volantes pelos lados fosse bons com a bola e participassem constantemente das ações ofensivas, o que não é o caso de Marcelo Oliveira e William Magrão.

Com a vitória, enterramos de vez qualquer possibilidade de irmos parar no mesmo lugar que nossos rivais já foram. Assim, já é o caso de se pensar neste problema para 2013, ou seja, é preciso ter um volante-meia que tenha qualidade de chegada no ataque, ou então dois, para fazer este losango funcionar.

Entretanto, como vocês sabem, eu prefiro outro sistema de jogo. Mantenho as esperanças de que, um dia, um treinador do Cruzeiro perceberá que Montillo não é camisa dez como os brasileiros pensam: ele é ponteiro. E assim será feito o 4-2-3-1 com ponteiros argentinos de pés invertidos. Será que o Sampaoli faria isso?

Tomara que sim.



Corinthians 2 x 0 Cruzeiro – Xeque-mate

No jogo de xadrez que a partida contra o Corinthians certamente seria, Celso Roth perdeu para Tite. O treinador corintiano mostrou que, mesmo sem brilho, um time aplicado taticamente consegue controlar o jogo e errar menos para construir a vitória.

Na volta do 4-2-3-1 diagonal, WP e Magrão mal como ponteiros, e Sandro Silva se preocupando somente com Paulinho sem sair para o jogo

Celso Roth “atendeu” aos meus apelos e voltou ao 4-2-3-1 diagonal, mas um pouco diferente dos anteriores: a meta de Fábio foi defendida por Ceará pela direita e Diego Renan pela esquerda, flanqueando Léo e Mateus; estes eram protegidos por Leandro Guerreiro, ligeiramente pela direita, Sandro Silva um pouco mais avançado e mais à esquerda, e William Magrão, fazendo um híbrido de meia e terceiro volante, mais aberto pela direita. Montillo articulava pelo centro caindo pelas pontas, Wellington Paulista caía mais pela esquerda mas ficava mais avançado — daí o “diagonal”.  No centro do ataque, Borges.

Tite mandou um 4-2-3-1 “clássico” a campo, mas sem um centroavante de área, por vezes parecia um 4-2-4-0, devido à intensa movimentação do quarteto ofensivo. O goleiro Cássio viu sua dupla de zaga Chicão e Paulo André formarem a linha defensiva com Alessandro pela direita e Fábio Santos do outro lado. Ralf e Paulinho na dupla volância, o primeiro mais preso, à esquerda, o segundo saindo mais para o jogo, à direita. Jorge Henrique e Romarinho fechavam os lados do campo e Emerson e Danilo alternavam entre o comando do ataque e a criação central.

Quando dois 4-2-3-1 se enfrentam, os duelos naturais são: lateral contra ponteiro nos quatro cantos do campo, dois zagueiros contra um centroavante nas duas áreas e dois trios no meio, normalmente com um volante se ocupando do meia central adversário e o outro volante mais livre. Assim foi: Guerreiro se ocupava com Danilo e Ralf com Montillo: sobravam Sandro Silva e Paulinho. Teoricamente, ambos deveriam sair mais para o jogo, mas o que aconteceu foi que Sandro ficou por conta de marcar as investidas de Paulinho quando o Corinthians tinha a bola. Até funcionou, mas isso deixou o Cruzeiro sem muitas opções de saída, já que os laterais apoiavam pouco, presos pelos ponteiros adversários, e William Magrão marcava mais do que jogava. WP recuava para buscar o jogo mas ficava isolado contra dois ou três corintianos e perdia a bola.

Por isso, até os 20 minutos, o jogo seguiu equilibrado, sem muitas chances de gol para cada lado. Mas havia uma diferença clara: ambos os times marcavam muito, mas enquanto o Cruzeiro era forçado ao erro quando era pressionado, o Corinthians conseguia encaixar uma sequência de passes, fazendo os jogadores cruzeirenses correrem mais atrás da bola do que os adversários. Assim, o Corinthians conseguia impedir as jogadas adversárias forçando o passe ruim ou a devolução da posse, enquanto o Cruzeiro chegava atrasado e fazia mais faltas. Sandro Silva, sem ritmo de jogo, seria amarelado já aos 14 minutos por cometer seguidas infrações consecutivamente.

Este amarelo viria a ser crucial na partida momentos depois. Sandro Silva, em um lance em que tinha a bola controlada e era só clarear para frente, tentou sair jogando, errou o tempo da bola e ela escapou, muito mais para Jorge Henrique, já dentro da área, do que para ele próprio. Assim que ele partiu para tentar dividir a bola, este blogueiro previu o pênalti acontecendo. Carrinho imprudente, pênalti indiscutível. Só não foi pior porque o árbitro da partida, Leandro Vuaden, errou ao não mostrar o segundo amarelo para o jogador.

Chicão converteu o pênalti e pôs o time da casa em vantagem. E se o juiz não expulsou Sandro do jogo quando deveria, foi o próprio técnico Celso Roth quem o fez: “expulsou” o jogador via substituição, temendo o inevitável cartão vermelho, e lançando Fabinho em seu lugar. Com isso, Magrão foi para a esquerda segurar Paulinho e Fabinho foi jogar aberto pela direita, mas como atacante. O Cruzeiro se configurava num 4-2-1-3 ainda no primeiro tempo.

Tite respondeu mudando seus jogadores de posição. Romarinho inverteu para tentar jogar mais avançado às costas de Diego Renan, e Jorge Henrique veio para o lado esquerdo mais recuado, fazendo um 4-2-3-1 diagonal que era quase um losango de meio-campo. A intenção era clara: dominar a posse de bola no meio-campo, fazendo quatro jogadores contra três, e foi isso o que aconteceu. Depois do gol o Cruzeiro passou a ser pressionado em sua própria área, e não conseguia sair dela. Todas as segundas bolas eram dos mandantes, e o segundo gol só não saiu ainda na primeira etapa porque temos Fábio debaixo das traves: o camisa 1 fechou em cima de Romarinho, que tentou encobri-lo ao receber lançamento de Emerson.

Os times voltaram do intervalo sem mudanças. Talvez Celso temesse queimar a segunda substituição ainda no intervalo, o que é um argumento plausível, mas era hora de arriscar. Para a sorte do treinador, Tite desconfiou do poderio de ataque celeste e recuou seu time para jogar em velocidade nos contra-ataques. Os volantes cruzeirenses tiveram mais tempo na bola em algums momentos, com a marcação corintiana variando na pressão alta e no bloco médio. Porém, novamente os passes errados apareceram novamente, e o Corinthians jogava extamente aí: em um lance, a bola já havia sido perdida pelos atacantes da casa, mas ainda estava em disputa. Magrão recuou para Diego Renan, que recuou de primeira para Fábio, sob pressão de Fábio Santos. O goleiro tentou dar um chutão para frente, a bola pegou na mão do lateral corintiano, o juiz nada marcou e ele cruzou para Emerson, sozinho e sem goleiro, furar.

O estreito e cambaleante 4-2-2-2 do fim da partida, com WP e Borges de vez no ataque, Souza tentando passar mas errando e com os laterais apoiando pouco; Fabinho entrou, mas saiu e por isso não está neste diagrama

Celso esperou 15 minutos para tirar Ceará do jogo e lançar Marcelo Oliveira, com Diego Renan indo para a direita. O treinador revelou na entrevista coletiva após o jogo que Ceará havia se contundido. Portanto, substituição nula em termos táticos. Somente aos 25 ele tentaria mudar novamente a partida, com sua última troca: Souza na vaga de Fabinho, que havia entrado no primeiro tempo. O resultado foi um estreito 4-2-2-2, com Borges e WP se transformando em centroavantes de vez e com os flancos teoricamente abertos para os laterais apoiarem, e fazer cruzamentos na área. Mas Tite plantou seus laterais e, com os ponteiros recuando para ajudar na marcação, fazendo dois contra um de cado lado, as chances de cruzamento se tornaram raras. Mesmo quando o jogador conseguia chegar ao fundo para cruzar, errava.

Só aos 38 do segundo tempo é que Tite foi fazer a primeira mudança — sinal de que as coisas iam bem para ele, e mal, muito mal para nós. Edenilson entrou no lugar de Romarinho para fazer um losango no meio: Ralf atrás, Edenilson na direita, Paulinho na esquerda e Danilo à frente, com Emerson e Jorge Henrique no ataque. Foi o movimento final para matar a tentativa de apoio pelos lados do Cruzeiro: com dois atacantes, pelo menos um dos laterais tinha que ficar para fazer a sobra, diminuindo muito o já baixo poderio ofensivo do Cruzeiro. Guerrero, centroavante de ofício peruano, ainda estrearia pelos paulistas no lugar de Emerson, para tentar fazer o pivô e reter a bola no ataque para chegada dos seus companheiros.

O jogo caminhou para seu final melancólico, com o Corinthians dominando as ações e o Cruzeiro já entregue. O gol de Paulinho foi só a ilustração do que aconteceu durante todos os 90 minutos: com facilidade, Jorge Henrique achou Danilo no meio, que tocou de primeira a Paulinho, já partindo para receber e enganando a marcação. Com espaço, encaixou um chute tão rente à trave que Fábio nem foi na bola. O jogo terminou sem a terceira substiuição de Tite.

A impressão que ficou é que o Cruzeiro perdeu a chance de vencer um jogo teoricamente difícil. Afinal, perder para o Corinthians em São Paulo tem que estar nos planos de qualquer clube do Brasil, por isso o jogo de ontem foi uma chance de ouro para ganhar pontos certamente não previstos. Entretanto, o Corinthians, mesmo não jogando todo o seu potencial — assim como o Cruzeiro — conseguiu vencer o Cruzeiro até com certa facilidade. A culpa cai sobre Sandro Silva, claro, mas também sobre Roth, que escalou o volante sem ritmo para atuar desde o início. Se a intenção era parar Paulinho, porque não escalar Marcelo Oliveira ou Magrão? Porque deixar Fabinho no banco, que faz a função de ponteiro muito melhor do que WP ou Magrão? Ou ainda pior: porque escalar WP e Borges no mesmo time num 4-2-3-1? São perguntas difíceis de explicar.

Na última substituição, poderia ter sido melhor lançar Souza no lugar de um dos centroavantes ao invés de sacar Fabinho. Souza entraria centralizado e Montillo poderia jogar aberto, tendo uma única referência no ataque. Acredito que assim o Cruzeiro teria força tanto pelo chão quanto pelo ar. Porém, Celso disse, após o jogo, que precisava de um passador, e eu concordo; mas ao mesmo tempo, optou por deixar dois centroavantes dentro da área para aproveitar uma jogada aérea que nunca aconteceu. Passador e jogadas aéreas — não me parece coerente.

Por fim, deixo as seguintes estatísticas do jogo, de acordo com números da ESPN Brasil, para reflexão: quem mais desarmou foi Jorge Henrique — um ponteiro — 4 vezes; Quem mais finalizou foi Danilo, apenas 2 vezes; e a mais incrível de todas: das 6 finalizações do Cruzeiro, 6 foram erradas.

Isso mesmo. Aproveitamento zero.

Evolução da porcentagem de acerto de finalizações do Cruzeiro: nota zero no último jogo