Exaltando a escola cruzeirense de futebol

Depois de um jogo em que poderia ter vencido não fosse o goleiro adversário ter gasto suas últimas fichas para fechar a meta, o Cruzeiro não deu chances ao azar e venceu outros dois adversários. Internacional e Portuguesa usaram estratégias e estilos de jogo diferentes para tentar surpreender Marcelo Oliveira, mas o estilo leve e rápido do ataque cruzeirense sobressaiu sobre ambas as equipes.

Como não sou pago para escrever e não posso tirar meu sustento do blog, não posso me dedicar a ele como gostaria. Por isso não foi possível postar uma análise separada para os dois jogos. Assim, o blogueiro vai tentar ser menos prolixo e condensar as duas partidas em apenas uma postagem.

Internacional 1 x 2 Cruzeiro

O 4-2-3-1 do Internacional tentou explorar a velocidade com um quarteto leve, principalmente com Otávio às costas de Egídio; já o Cruzeiro sentiu um pouco a falta de Goulart e não teve tanta presença no meio-campo central

O 4-2-3-1 do Internacional tentou explorar a velocidade com um quarteto leve, principalmente com Otávio às costas de Egídio; já o Cruzeiro sentiu um pouco a falta de Goulart e não teve tanta presença no meio-campo central

Para o jogo contra o Internacional, Ricardo Goulart e Lucas Silva estavam suspensos, e por isso Marcelo optou por lançar Henrique de volante mais solto e Dagoberto de ponteiro direito no 4-2-3-1 habitual. Com isso, Éverton Ribeiro foi deslocado para a posição de central — mas essa é só uma referência inicial neste Cruzeiro de 2013, onde os três meias circulam por todos os setores. Porém, mais do que o ponto de partida de Ribeiro, o estilo do quarteto ofensivo também mudou. Com Goulart, o time tem mais presença próximo ao círculo central e por isso as jogadas saem de trás com mais fluência. Já Dagoberto tem tendência de ser mais agudo, como Willian do outro lado. Com isso o Cruzeiro fica mais vertical e incisivo, mas perde em volume no meio-campo.

A jogada do primeiro gol merece destaque. Nas partidas contra o Atlético/PR e Botafogo, Nilton “inverteu” de papéis com Dedé — ou seja, o volante fechava na segunda trave enquanto Dedé puxava a marcação. Normalmente é o volante que segura os marcadores do zagueiro, numa jogada inspirada no pick-and-roll do basquete. Porém, depois de dar certo duas vezes, a dupla voltou ao modo “normal”, e o cruzamento de Egídio na primeira trave achou a cabeça de Nilton.

No lance seguinte o Inter empataria, tirando a vantagem psicológica que o Cruzeiro acabara de construir. Com a igualdade de volta ao placar, o estado inicial do jogo foi recolocado. Sem D’Alessandro, Dunga — agora ex-técnico do Inter — armou um 4-2-3-1 com Jorge Henrique pela esquerda, Otávio na direita e Alan Patrick de central, com Caio na frente — quatro jogadores leves, tentando surpreender a defesa celeste na base da velocidade. Otávio foi quem melhor aproveitou a estratégia, aproveitando espaços às costas de Egídio. Foi dele o gol de empate, recuando para sair da marcação do lateral esquerdo e ainda contando com um desvio no meio do caminho, mas não parou por aí. O Inter arrematou 7 vezes no primeiro tempo, com um gol e duas defesas de Fábio, bem acima do que o Cruzeiro permite a seus adversários.

Com as trocas, o Intermacional tentou pressionar com Damião e Alex, mas o Cruzeiro mudou o sistema e se defendeu com Tinga entre os volantes, controlando o jogo sem sustos até o fim

Com as trocas, o Intermacional tentou pressionar com Damião e Alex, mas o Cruzeiro mudou o sistema e se defendeu com Tinga entre os volantes, controlando o jogo sem sustos até o fim

Ofensivamente, Goulart fez falta. Ribeiro foi muito bem marcado por Willians, mais plantado para liberar Josimar, e Dagoberto ficou escondido do lado do campo. Só Willian tentava algo. Depois do gol, o Cruzeiro finalizou mais 3 vezes até os 15 minutos, e não mais até o intervalo. Marcelo percebeu o problema defensivo e tirou Egídio, amarelado, lançando Mayke e deslocando Ceará para a direita. A substituição funcionou e a defesa celeste equilibrou o jogo, que ficou mais lento e truncado. Quando o Cruzeiro acelerou pela primeira vez na segunda etapa, conseguiu o gol da vitória em jogada de Dagoberto, disputando bola aérea e acionando Willian no bico esquerdo da área. O bigodinho cortou pra dentro e colocou a bola quase com a mão no canto de Muriel, sem chance para o goleiro. Golaço.

Desta vez o Internacional não conseguiu empatar logo em seguida e o lado psicológico falou mais alto. Dunga tentou soltar o time, lançando Damião na vaga de Josimar e recuando Jorge Henrique para a volância, na tentativa de qualificar a saída e ter presença de área — Caio foi ser o ponteiro esquerdo. Depois trocou de central, Alan Patrick por Alex. Marcelo respondeu com Alisson na vaga do cansado Dagoberto para fazer as funções defensivas de ponteiro e depois Tinga no lugar de Éverton Ribeiro — uma espécie de 4-3-2-1 com dois jogadores abertos, quase um 4-5-1 com meio em linha. Assim o Cruzeiro controlou o jogo até o fim e garantiu mais três pontos.

Cruzeiro 4 x 0 Portuguesa

O 4-1-4-1 da Portuguesa até tentou explorar o lado esquerdo da defesa celeste com Luís Ricardo e Corrêa, mas Ferdinando e os laterais não conseguiram conter a intensidade do quarteto ofensivo celeste

O 4-1-4-1 da Portuguesa até tentou explorar o lado esquerdo da defesa celeste com Luís Ricardo e Corrêa, mas Ferdinando e os laterais não conseguiram conter a intensidade do quarteto ofensivo celeste

Já no jogo seguinte, o adversário tentou usar o mesmo espaço de campo, mas usou de outra estratégia. A ideia de Guto Ferreira era encaixar a marcação no meio-campo e soltar a bola rapidamente para Luís Ricardo — lateral de origem improvisado como ponteiro direito num 4-1-4-1 com Ferdinando entre as linhas e dois volantes — Bruno Henrique e Moisés — como meias centrais. Souza abriu na esquerda e Gilberto ficava centralizado. Corrêa, volante de ofício, foi quem deu o suporte defensivo a Luís Ricardo, jogando como lateral direito.

A tentativa era boa, pois é sabido que a marcação de Egídio é o ponto menos forte do time celeste. A primeira chance da partida foi exatamente com Luís Ricardo, mas não deu tempo de haver mais chances, porque a goleada foi construída em apenas 30 minutos. Nos outros 60 o Cruzeiro nitidamente se poupou e a Portuguesa recuou para não negativar o saldo de gols construído na partida anterior contra o Corinthians.

Os gols não foram parecidos na construção, mas tiveram sempre o mesmo elemento: Borges. No primeiro, a disputa aérea de Willian com Corrêa foi suficiente para fazer o volante-lateral errar e mandar a bola pra trás, que Borges aproveitou e mandou na trave. No rebote, Éverton Ribeiro, que acompanhou todo o lance, mandou para as redes sem marcação. Detalhe: quando a bola cruza a linha, Willian já estava dentro da área.

Depois, uma troca de passes pela esquerda e Goulart arrisca uma bomba que explode no travessão. No rebote, Borges está sozinho à frente de Lauro para aumentar. Já no terceiro, Borges, o camisa 9, homem de área, está à direita para receber o passe de Éverton Ribeiro e cruzar rasteiro para Willian ampliar. E no quarto, Borges é lançado após erro de saída da Portuguesa — na verdade forçado pela pressão alta dos atacantes celestes — e serve Ribeiro dentro da área sem olhar, saindo da área depois disso. Ribeiro perde o ângulo e acha Goulart, que finaliza em cima da zaga, e após disputa de Willian com o zagueiro, a bola sobra caprichosamente nos pés de Borges, que voltou lentamente para dentro da área. Fim de papo ainda com quinze minutos por jogar na primeira etapa.

Tudo por causa da estratégia de Marcelo nos jogos em casa: intensidade no início da partida para resolver logo a parada e chamar a torcida para junto do time. Com apenas dois pontos perdidos no Mineirão comprovam que a postura tem dado muito certo. Borges, que no fim do jogo contra o Inter saiu extenuado de campo, dizendo que todos estavam no limite, foi quem mais se aplicou enquanto houve jogo e por isso foi o nome da partida, com dois gols, duas traves e uma assistência.

Na etapa final, Marcelo Oliveira tentou reacender o jogo trocando todo o ataque; já Guto Ferreira repaginou o lado direito com Wanderson para poder deslocar Corrêa de volta para a proteção e melhorar a marcação no setor

Na etapa final, Marcelo Oliveira tentou reacender o jogo trocando todo o ataque; já Guto Ferreira repaginou o lado direito com Wanderson para poder deslocar Corrêa de volta para a proteção e melhorar a marcação no setor

Porém, depois dos gols, o jogo morreu. Difícil motivar um time no intervalo com tamanha vantagem, mas Marcelo Oliveira disse na coletiva pós-jogo que criou o desafio para o time de não sofrer gols, mesmo se poupando. A Portuguesa mudou para não sofrer mais gols, com o meia Wanderson de ponteiro direito na vaga de Ferdinando, que sofreu com os três mais celestes no primeiro tempo. Com isso, Corrêa e Luís Ricardo voltaram para suas posições “de origem” — volante e lateral direito, respectivamente, reforçando a marcação no meio e na direita.

Já o Cruzeiro claramente descansava com a bola nos pés, preservando a parte física para enfrentar a última maratona de jogos até o fim de outubro (em novembro os jogos serão apenas aos domingos, com exceção de uma rodada). Borges saiu ovacionado para dar lugar a Dagoberto, mandando Goulart temporariamente à frente. Era uma tentativa de Marcelo Oliveira de reacender o jogo, sem muito sucesso. Na Portuguesa, Cañete entrou na vaga de um inoperante Souza, mantendo a função de ponteiro esquerdo, e depois Gilberto cedeu seu lugar a Bérgson, mais móvel. Mas não houve sucesso em incomodar a defesa do Cruzeiro, que ainda teve Vinícius Araújo e Lucca nos lugares de Willian e Éverton Ribeiro, em novas tentativas de continuar com a intensidade, mas os jogadores preferiram descansar e repelir as poucas ações do time visitante.

Contra tudo e contra todos

Talvez eu não tenha conseguido resumir tanto quanto gostaria. Mas a ideia é que o Cruzeiro consegue jogar sempre da mesma forma, contra qualquer adversário, estilo ou estratégia adotada, seja onde for.

O Cruzeiro enfrentou dois adversários em momentos diferentes — a Portuguesa em recuperação e o Internacional em queda — com estratégias diferentes, mas tendo o mesmo resultado: o revés. O estilo cruzeirense — intensidade em todos os setores, solidez e estrutura defensiva, e velocidade, leveza e maleabilidade no ataque — se impõe sobre os planos táticos dos adversários, que já não sabem muito o que fazer para parar o time celeste. Um time que respeita o estilo histórico de jogar futebol do Cruzeiro: ofensivo e envolvente.

Esta equipe já foi testada de todas as formas, seja saindo atrás do placar e sendo paciente para buscar a virada; seja resolvendo o jogo em trinta minutos e garantindo os três pontos, e saiu vitoriosa na grande maioria das vezes. Ainda falta muito, mas a consistência tática é que permite aos estatísticos afirmar que o Cruzeiro tem mais de 90% de chances de levantar a taça no fim do ano.

Porém, se continuar neste ritmo, talvez até mesmo antes do fim do ano.



Inter, EUA e Portuguesa: pacotão de férias

Como você, leitor, provavelmente sabe, este blog é escrito por um pseudo-analista torcedor — mais para o segundo do que para o primeiro. E por isso, durante a Copa das Confederações, este blogueiro voltou à sua terra natal, para acompanhar in loco os jogos da competição de Seleções, na casa do Cruzeiro Esporte Clube, assim muito bem definida por um dos voluntários que organizavam o embarque dos ônibus especiais.

Assim, por estar longe do computador onde são escritas estas análises e são feitos os diagramas de posicionamento, não pude analisar a partida contra o Internacional e nem soltar notinhas sobre os jogos amistosos na terra do Tio Sam. Mas pude assistir aos jogos, é claro, e pude notar uma pequena mudança na característica do Cruzeiro ao longo deste período, motivada pela contratação de Souza, volante de chegada que este blog tanto pediu.

Na Arena do Jacaré

No jogo contra o Inter, um erro de cobertura — Bruno Rodrigo saiu à caça do atacante que saiu da área e deixou seu setor livre — deixou o Cruzeiro em desvantagem e meio perdido. O time demorou a se recuperar, sendo atacado pelos lados, uma vulnerabilidade quando se tem dois laterais muito ofensivos no 4-2-3-1, como Mayke e Egídio. Mas em boa tabela de Everton Ribeiro e Anselmo Ramon, o Cruzeiro empatou com Élber, se infiltrando no meio dos zagueiros e se contundindo no lance, tendo que ser substituído. O garoto já havia entrado na vaga de Dagoberto, e assim duas substituições foram queimadas.

A entrada de Luan em seu lugar, porém, melhorou muito o time no segundo tempo, chegando com muito mais perigo e finalizando mais, até virar em pênalti infantil cometido por Rafael Moura, jogando vôlei na área. Mas nova falha de posicionamento — desta vez na entrada da área em sobra de escanteio — Gabriel acertou um bom chute e empatou. Foi um bom jogo taticamente, mas com estes pequenos erros que, contra um time grande como o Internacional, são fatais.

Na Disney

Já nos EUA, com a contratação de Souza oficializada, Marcelo Oliveira experimentou o jogador na vaga de Leandro Guerreiro. O 4-2-3-1 foi mantido, mas com Nilton mais plantado, e com isso o Cruzeiro ganhou uma presença ofensiva a mais no meio-campo. O volante participou bastante da construção das jogadas em ambos os jogos. Sua característica de avançar, tentar um passe mais ousado, dar a opção mais à frente para a inversão de lado da jogada era uma das coisas que o Cruzeiro precisava.

Em outro aspecto, a lesão de Ceará logo no início do jogo contra o Strikers fez com que o garoto Mayke fosse promovido à titularidade. Ele tem qualidade, mas Ceará é mais experiente e compõe melhor a defesa — que é, relembrando, a atribuição principal de um lateral: defender. Com Souza e Mayke (e Egídio do outro lado), o Cruzeiro passou a contar com muitos jogadores que se lançam à frente, causando um certo desequilíbrio entre defesa e ataque. Mayke e Egídio terão que aprender a recompor com muita rapidez para não deixarem os zagueiros expostos em um contra-ataque rápido, como aconteceu no jogo seguinte:

No Canindé

Portuguesa e Cruzeiro fizeram um jogo ruim. O técnico Edson Pimenta mandou um 4-2-3-1 maleável a campo, com liberdade para Souza, o meia central (aquele mesmo que jogou ano passado por aqui). A linha defensiva de Lauro tinha Luís Ricardo pela direita, Ivan pela esquerda e Lima e Valdomiro na zaga central. Corrêa e Ferdinando protegiam a área e davam suporte a Souza, flanqueado por Matheus pela esquerda e Cañete pela direita, procurando o atacante Diogo à frente.

No primeiro tempo, Egídio apoiou bem, mas teve dificuldade na marcação e deixa espaços às suas costas

No primeiro tempo, Egídio apoiou bem, mas teve dificuldade na marcação e deixa espaços às suas costas

Marcelo Oliveira mandou a campo o esperado 4-2-3-1 que o leitor deste espaço está acostumado, porém com Mayke na vaga de Ceará, Luan na de Dagoberto e Vinicius Araújo na de Borges, assim: Fábio; Mayke, Dedé, Bruno Rodrigo e Egídio; Nilton e Souza; Everton Ribeiro, Diego Souza e Luan; Vinicius Araújo.

Mas, diferente do que era esperado, o Cruzeiro não pressionou a Portuguesa no campo adversário. Deixou o time da casa com a bola, “confiando” na falta de criatividade dos paulistas. E talvez tivesse dado certo se o gol da Portuguesa não saísse logo aos 6 minutos, em bola parada ocasionada por um erro de saída de bola de Egídio, numa tentativa de engatar um contra-ataque rápido, adiantando demais a bola e cometendo a falta. Como é de praxe, o gol muda o jogo, e com a vantagem a Portuguesa se retraiu para tentar fazer mais gols em contra-ataque.

E o melhor setor para a Portuguesa era o de Egídio. tem muito vigor pra atacar, mas por vezes peca pelo excesso, errando um passe ou avançando em demasia, deixando espaços às suas costas. Nilton, que teoricamente poderia fazer esta cobertura, não o fez com frequência e várias vezes víamos Bruno Rodrigo encarando no um contra um um atacante do time da casa. Souza percebeu bem este espaço, e saía do centro para se posicionar ali, esperando as bolas longas para poder armar.

O gol de empate também veio em bola parada, em cobrança de escanteio de Souza na cabeça de Bruno Rodrigo. No replay, é possível ver Nilton puxando dois marcadores consigo, em direção à bola, apenas para abrir espaço para Bruno Rodrigo chegar de trás e golpear forte. Depois disso, o Cruzeiro voltou a comandar as ações e chegava com mais propriedade, mas pecava principalmente nas finalizações, com Luan, Egídio e Vinicius Araújo.

Após as mudanças, Everton Ribeiro comandou o ataque e encaixou bons passes, mas as conclusões foram ruins; cobertura de Egídio ainda estava falha

Após as mudanças, Everton Ribeiro comandou o ataque e encaixou bons passes, mas as conclusões foram ruins; cobertura de Egídio ainda estava falha

A primeira mudança veio após uma hora de futebol, promovida por Marcelo Oliveira. Diego Souza deu lugar a Lucca, que ao invés de ir jogar pelo lado, foi ser o meia central na recomposição, alternando com Everton Ribeiro na posse de bola. Com a alteração, Everton Ribeiro teve uma liberdade maior para circular na armação e seu futebol cresceu, conseguindo encaixar alguns bons passes para Anselmo Ramon, que havia substituído Vinicius Araújo aos 22. Anselmo teve duas oportunidades para virar, mas na primeira cabeceou em cima de Lauro, e na segunda, já com Tinga no lugar de Souza, fazendo um 4-1-4-1, Anselmo completou no travessão com o gol vazio, após bela jogada de Mayke pela direita e conclusão de Tinga.

O jogo terminou com o Cruzeiro finalizando 20 vezes, contra 6 da Portuguesa. Ficou a sensação de que, tivesse o Cruzeiro apertado um pouquinho mais a marcação no início do jogo, ou dado um pouco mais de gás, poderia ter virado a partida até com tranquilidade. A Portuguesa fez o seu jogo, marcou no erro celeste e se defendeu tentando partir nos contra-ataques, ciente de suas limitações e de sua inferioridade técnica, mesmo em casa.

Mas o maior problema é como Marcelo Oliveira vai fazer para segurar o ímpeto ofensivo de seus laterais. Ou sacrifica um dos volantes, segurando-o na defesa bem fundo — a la Luis Gustavo na Copa das Confederações para dar liberdade a Dani Alves e Marcelo, laterais muito ofensivos — ou então segura um dos laterais mais na defesa. Mayke me parece sair melhor na marcação, mas o estilo de Ceará era uma boa contra-balança ao estilo de Egídio. Uma das soluções seria tirar Nilton e lançar Leandro Guerreiro, mas aí a torcida esgana o treinador.

Por fim, é preciso ter em mente que o Cruzeiro jogou com uma formação muito modificada — 4 jogadores diferentes daquele time base do primeiro semestre. Isso faz o trabalho de entrosamento recuar alguns passos. Se o time ainda não estava 100%, com os novos jogadores ainda deve demorar mais um pouco.

O bom é que o jogo contra o Atlético Goianiense pela Copa do Brasil já é na terça, e no Mineirão. De acordo com as últimas notícias, o time deve ser mantido.

Ótimo, pois quanto mais jogos e mais tempo juntos, tanto melhor.



Cruzeiro 2 x 0 Portuguesa – O pior cego é o que não quer enxergar

Mesmo correndo riscos desnecessários e errando demais, o Cruzeiro encerrou a incômoda série de sete partidas sem triunfar, com gols de Montillo, de pênalti, e Souza no fim. Taticamente, um jogo melhor para o Cruzeiro no primeiro tempo, que foi respeitado demais pela Portuguesa. No segundo, os visitantes adiantaram a marcação e expuseram um problema crônico do time.

No primeiro tempo, os volantes do 4-3-1-2 losango de Celso Roth tiveram muito espaço para pensar e controlar o meio-campo, municiando o trio da frente

Apesar de estar no mesmo 4-3-1-2 com losango de meio, Celso Roth mudou uma das peças. Tirou Diego Árias e lançou William Magrão. Ceará não reuniu condições, e com isso o Cruzeiro foi a campo com Diego Renan na direita, Everton na esquerda e Thiago Carvalho e Mateus, substituindo o suspenso Léo, defendendo o gol de Fábio. Leandro Guerreiro protegia a área, Marcelo Oliveira foi o “tornante” pela esquerda e Magrão o direito. Montillo fechava o losango com Borges e Anselmo novamente centralizados à frente.

A Portuguesa de Geninho veio com quatro volantes no meio, mas Moisés ficava mais à frente e Léo Silva tinha liberdade, também num 4-3-1-2 losango. Zé Antônio pela direita e Marcelo Cordeiro pela esquerda fechavam a defesa de Dida, com Gustavo e Valdomiro no miolo de zaga. Ferdinando ficou mais preso, Boquita tinha mais funções defensivas que ofensivas e Léo Silva tinha mais liberdade, liberando Moisés. No ataque, o perigoso Bruno Mineiro e Ananias.

Espaço para os volantes

A Portuguesa claramente veio tentar segurar o ataque cruzeirense. Os volantes recuavam em bloco, deixando apenas Moisés e a dupla de atacantes à frente, e estes três não faziam pressão sobre a bola quando o Cruzeiro tinha a posse. O resultado é que Guerreiro, Marcelo Oliveira e William Magrão tinham muito tempo para pensar o que fazer com a bola quando a recebiam, sem ser incomodados. Assim, o Cruzeiro controlou o primeiro tempo e a Portuguesa quase não teve chances. Digo quase porque o time visitante teve chances, principalmente em erros técnicos do Cruzeiro: uma num erro de tempo de bola aérea de Mateus e outra num erro de linha de impedimento de Diego Renan.

Além disso, a bola chegava mais facilmente à frente, principalmente com Anselmo Ramon fazendo muito bem o papel de segurar a bola, dando muito trabalho para os zagueiros Valdomiro e Gustavo, que depois foi substituído por Lima por contusão. Montillo também apareceu muito bem, arriscando chutes de fora da área — coisa que não me lembro ter visto ele fazer com frequência — e dando trabalho para o ex-cruzeirense Dida. O gol de pênalti do argentino foi um prêmio pela proposta mais positiva de futebol que o Cruzeiro teve no primeiro tempo.

Marcação adiantada

No segundo tempo, Geninho viu que havia um buraco entre seu meio-campo e seu ataque e mandou seus volantes avançarem, exatamente para tirar os espaços dos volantes do Cruzeiro. Já Celso Roth, naturalmente, achou que seu time estava bem postado e seguiu com a mesma tática e mesmos jogadores. Mas Roth não contava com a audácia da Portuguesa, e um dos problemas mais graves do Cruzeiro atual ficou novamente exposto: a transição ofensiva com qualidade. Como já dito neste espaço, Montillo não é um meia clássico, estilo Alex, que recua até sua intermediária para pegar a bola e penasr o jogo. Montillo é intenso, veloz, driblador, não é criativo. Portanto, escalá-lo como ligação entre o meio e o ataque — principalmente sendo um ataque com dois camisas 9, por assim dizer — faz com que os volantes sejam a principal saída de bola pelo chão. Quando pressionados, a transição é falha, e por isso chutões são frequentes.

O resultado é que a Portuguesa quase sempre ganhava a segunda bola, que á jogada logo após uma disputa aérea originada de um chutão. Foram 15 minutos de blitz na área cruzeirense que por pouco não cedeu o empate — por sorte, Marcelo Cordeiro estava impedido antes de achar Bruno Mineiro livre dentro da área.

Celso Roth, por fim, agiu. Em sua segunda mexida — já havia trocado Thiago Carvalho por Rafael Donato, por lesão — colocou Souza na vaga de William Magrão, para diminuir o ritmo do jogo e dar mais opções de saída, mantendo o 4-3-1-2 losango. Deu certo, a pressão da Portuguesa arrefeceu, mas o Cruzeiro não retomou as rédeas da partida, que agora estava equilibrada e, portanto, perigosa. O gol de empate seria fatal.

Martinuccio

Com Martinuccio, o Cruzeiro se postou num 4-2-3-1, com o trio de meias provomento movimentação confundindo a marcação adversária e Anselmo Ramon fazendo bem o papel de pivô

Somente na última mexida é que o Cruzeiro passou a controlar o jogo. Ao contrário da partida contra o Grêmio, Roth criou coragem e fez uma mexida ofensiva, buscando ampliar o placar e matar o jogo. A entrada de Martinuccio no lugar de Borges reconfigurou o Cruzeiro num 4-2-3-1 muito amplo e móvel, que surpreendia a todo momento a zaga da Portuguesa. Oficialmente, Souza abria pela direita, Montillo ficava por dentro e Martinuccio dava opção pela esquerda, mas os meias trocavam de posição constantemente, e com Anselmo Ramon na referência, fazendo bem o pivô e buscando um dos três para o segundo passe, o Cruzeiro passou a criar bastante.

Mas a mexida também abriu o meio-campo cruzeirense, que agora só tinha dois volantes. Geninho tentou aproveitar a situação e lançou Diguinho no lugar de Zé Antônio, volante que estava jogando na lateral direita. Ferdinando foi para lá para perseguir Martinuccio, e Diguinho foi para o meio tentar aproveitar este espaço. Entretanto, Martinuccio continuava levando perigo pela esquerda, e Geninho gastou seu último cartucho para se defender disto: Rogério, zagueiro, foi jogar na direita, com Ferdinando voltando ao meio-campo.

Não deu muito certo. A Portuguesa acabou perdendo poder de fogo e só teve mais chances porque o Cruzeiro recuou demais para defender seu resultado e sair nos contra-ataques. E foi num desses que saiu o segundo gol: lançamento longo para Anselmo Ramon, disputa pela bola e sobra de Montillo. Martinuccio abre pela esquerda e recebe o passe de seu compatriota, avança sem marcação e cruza para Souza pegar de primeira e fazer as pazes com a vitória.

É hora de repensar

Não enxergar que a entrada de Martinuccio no time melhorou muito o poderio ofensivo cruzeirense é brigar com a realidade. Claro, é preciso testar mais este esquema, principalmente contra times melhores tecnicamente, e até mesmo contra ferrolhos suíços que eventualmente venham a ser armados contra o Cruzeiro. Mas é inegável que, com Martinuccio, o Cruzeiro ganhou velocidade, amplitude e profundidade. Anselmo Ramon também surpreendeu, fazendo uma boa partida como centro-avante pivô. Apesar de não prover um poder de finalização tão grande quanto Borges, Anselmo compensa isso servindo o trio de meias, que finalizam melhor. Assim, o trio Souza/Montillo/Martinuccio é, atualmente, a melhor opção para reduzir a incômoda estatística de sermos o time que menos finaliza na competição.

Mas nem tudo são flores. Apesar de conseguir mais um placar em branco, a defesa ainda apresentou alguns defeitos, principalmente Mateus, que tem sido muito inconstante ultimamente. Porém, é ele quem vai jogar a próxima partida ao lado de Léo, já que Thiago Carvalho e Rafael Donato estão suspensos, e Victorino está na seleção uruguaia.

De acordo com as últimas notícias, Martinuccio deve ser titular, mas Souza não. William Magrão é o provável titular e será o responsável por fechar o lado direito à frente de Ceará, que deve voltar à lateral direita. A presença de seu compatriota vai ajudar Montillo, já que a defesa do Flamengo terá mais gente com quem se preocupar.

Ainda não é a escalação que considero ideal, mas pelo menos ela está a apenas uma substituição de distância.



Portuguesa 0 x 2 Cruzeiro – Três

Em um mundo dominado pelo 4-2-3-1, o famigerado 3-5-2 é um esquema condenado a cair em desuso. Isso porque, como bem Jonathan Wilson explica em seu livro “Invertendo a Pirâmide”, o embate entre estes dois esquemas gera três problemas diretos para o time do 3-5-2: primeiro, seus três zagueiros só tem um atacante para marcar, fazendo uma sobra dupla e desnecessária, pois se há dois a mais na defesa, significa dois a menos em outros lugares do campo; segundo, os alas, que em tese se posicionariam no meio-campo neste esquema, têm que recuar para lidar com os extremos da linha de 3 meias, arruinando a amplitude de ataque do time; e terceiro, os laterais adversários ficam totalmente livres para atacar, podendo ambos apoiar sem nenhuma preocupação defensiva, ou apenas um, se o adversário quiser manter uma sobra contra seus dois atacantes.

Sabendo que a Portuguesa de Geninho vem jogando neste esquema, nada mais natural para Celso Roth do que retomar o 4-2-3-1 que vinha sendo usando antes do estranho 4-3-1-2 losango o jogo contra o Grêmio. Mas não foi isso o que o treinador celeste fez ontem no Canindé.

O surpreendente 3-4-1-2 cruzeirense do primeiro tempo, com Leandro Guerreiro de “líbero” entre os zagueiros

Celso mandou a campo uma formação pesada. Na zaga, a escalação de Rafael Donato foi uma surpresa, e provavelmente se deveu ao temor de que a Portuguesa tentaria muito o jogo aéreo. Ceará estreou na ala direita e com isso Diego Renan foi para o outro lado, com Everton saindo do time, e William Magrão voltou depois de ser impedido contratualmente de atuar contra o Grêmio. Outra surpresa foi a opção de Roth por não levar velocistas a São Paulo, deixando Wallyson e Fabinho em Belo Horizonte.

A surpresa maior, no entanto, foi no posicionamento. No papel, parecia ser novamente um 4-3-1-2, mas na prática foi um 3-4-1-2 com o recuo de Leandro Guerreiro entre os zagueiros, para ser o homem da sobra. Com a posse de bola, o volante era o responsável pelo primeiro passe. Léo e Donato abriam para dar opção de saída, e os alas partiam para o apoio. Além disso, Guerreiro tinha uma certa liberdade para avançar e dar suporte às ações ofensivas, jogando quase como um líbero. Papel que executou bem, diga-se.

Esquemas espelhados, o jogo foi quase um “cada um pega o seu”, mas com um homem a mais nas duas defesas. Com ambas as equipes priorizando a marcação, muitos erros de passe (28 lusos contra 29 celestes), e nenhum atleta conseguindo vencer claramente o duelo contra seu marcador, nada de muito interessante aconteceu no primeiro tempo, inclusive taticamente. O único aspecto digno de nota era o posicionamento de Leandro Guerreiro. A prova desse marasmo foi a edição de melhores momentos da transmissão do jogo: dois lances para cada lado, sendo um chute por cima e um fraquinho. O cabeceio de Diego Viana por cima aproveitando cruzamento do zagueiro Rogério não valeu, pois o atacante da Portuguesa estava impedido, mas mesmo assim entrou na relação.

Estava claro que alterações viriam no intervalo, mas para a surpresa deste blogueiro — que teria adotado o 4-2-3-1 ainda no primeiro tempo para aproveitar as vantagens citadas acima — ambos os treinadores mantiveram suas formações. Talvez os treinadores estivessem receosos de fazer o primeiro movimento, e agiriam de acordo com que o adversário fizesse. E a segunda etapa começou como terminou a primeira, com a ligeira diferença de que o Cruzeiro parecia querer ficar mais com a bola, mas sem ser propositivo. Tanto que a melhor chance foi com Borges, aproveitando chutão da defesa celeste, mas parando em Dida.

Geninho então arriscou o primeiro movimento aos 10: uma substituição dupla, lançando os leves Héverton e Ricardo Jesus no lugar da dupla de ataque pesada que iniciou a partida, Diego Viana e William Xavier. A tentativa era dar velocidade e movimentação em um 3-4-2-1, mas não funcionou: Ricardo Jesus ficou encaixotado entre os zagueiros e o simples avanço de Leandro Guerreiro ao meio-campo era suficiente para lotar o setor e dificultar as ações de ataque da Portuguesa. De certa forma, até piorou, já que os atacantes pesados pelo menos incomodavam a defesa celeste com presença na área.

Aos 14, Wellington Paulista aproveitou outra ligação direta, desta vez um pouco mais consciente, dominou no peito e bateu por cima. Um sinal de que a defesa da Portuguesa começava a querer avançar demais, e que os espaços poderiam aparecer — mas também um sinal de que construir pelo chão seria estava difícil.

Após as alterações, a formação da primeira etapa foi mantida, mas com Leandro Guerreiro ligeiramente mais avançado para bloquear os meias da Portuguesa

Num intervalo de seis minutos, o Cruzeiro queimou a regra três. Tinga deu lugar ao jovem Lucas Silva. Depois, Léo sentiu dores na coxa e teve de ser substituído por Mateus; na mesma tacada, Marcelo Oliveira foi para a ala esquerda no lugar de Ceará, ainda sem condições de atuar 90 minutos, invertendo Diego Renan de lado. Três substituições depois, o 3-4-1-2 que variava para 4-3-1-2 na fase ofensiva estava mantido.

A Portuguesa avançava cada vez mais na busca pelo primeiro e provável único gol, que lhe daria tranquilidade para se defender até o fim contra o pouco criativo ataque celeste. Mas o Cruzeiro não aproveitava os espaços cedidos. Ironicamente, na primeira posse de bola após uma sequência interminável de escanteios para o adversário, Wellington Paulista recebeu um passe de Lucas Silva, girou como pivô em cima de seu marcador e alçou a Borges dentro da área, que penetrava em profundidade. Agarrado que foi por Rogério, que já tinha perdido na corrida, caiu e o juiz prontamente marcou a penalidade, expulsando o zagueiro.

WP, sempre ele, cobrou e colocou o Cruzeiro na frente. Nas anotações que faço durante os jogos, escrevi: “agora é o jogo do Cruzeiro: reativo”. E assim foi: depois do gol, o Cruzeiro se fechou esperando o desespero da Portuguesa, que não recuou seus alas na tentativa do empate, no que deveria ser um suicida 4-2-1-2, mas que na prática era um 2-4-1-2. A equipe celeste teve inúmeras chances de marcar em contra-ataques muito velozes. Primeiro com Montillo servindo WP, que bateu para fora. Depois, Diego Renan aproveitou o imenso espaço sem cobertura do lado direito para avançar e receber passe de cabeça de Borges na bola chutada pela defesa celeste. Ele foi tranquilamente até ficar frente a frente com Dida, fuzilar e correr para o abraço.

MUITO espaço: os dois jogadores da Portuguesa que estão na imagem eram os últimos

A última mexida de Geninho foi Luís Ricardo dar lugar a Henrique, mas foi seis por meia dúzia. O inusitado 2-4-1-2 continuava, cedendo espaços generosos pelos flancos, obviamente, e o Cruzeiro teve ainda mais chances: Magrão carregou a bola pela direita sem ser incomodado e inverteu para Marcelo Oliveira na esquerda. O volante entrou na área com muita liberdade e cruzou alto demais para os atacantes, mas Montillo chegava do outro lado, dominando e vencendo Dida, mas não Ferdinando, que estava em cima da linha. Depois, Montillo carregou a bola, atraiu a marcação de deixou Borges na cara do gol, mas o atacante chutou por cima. Montillo ainda teria mais uma chance, no finzinho do jogo, dessa vez em tabela com Diego Renan pela direita, envolvendo totalmente a defesa paulista. O gol seria uma homenagem à centésima partida do argentino com a camisa cruzeirense, mas ele chutou em cima de Dida.

Quebrar a incômoda sequência de derrotas era o mais importante para o time e o treinadores terem tranquilidade. A formação com três na defesa surpreendeu e mostra que Roth ainda não conseguiu achar uma formação ideal para a equipe, e arrisco dizer que não o fará, pois a característica do time, atualmente, é se adaptar ao esquema do adversário, marcando primeiro e atacando na transição. O próprio treinador disse que o time ainda não consegue sair para o jogo, porque se o faz, cede espaços e sofre gols.

Por outro lado, as estréias de Ceará e Lucas Silva foram animadoras. O lateral mostrou ter experiência e um bom passe, enquanto que o volante da base ficou um pouco inseguro no início, mas logo entrou no jogo e tanto marcou quanto saiu para o jogo com qualidade — foi dele o passe para WP no lance do pênalti. E há que se destacar o jogo de Leandro Guerreiro, atuando com muita inteligência tática, detectando os momentos certos para ora ficar na sobra, ora dar o bote mais alto, ora sair para o jogo.

O próximo passo é voltar a vencer em casa, contra o Flamengo. Não acredito que a formação com três defensores será mantida, já que o time de Joel joga mais frequentemente no 4-3-1-2 losango, esquema preferido do treinador. Fabinho deveria voltar ao time na beirada esquerda de um 4-2-3-1 diagonal, que não daria liberdade a Léo Moura, principal saída de ataque do time carioca, e o meia-direita, mais recuado (Tinga ou Magrão) poderia se juntar ao meio para equalizar o número de jogadores no centro do meio-campo. Talvez um 4-4-1-1 com os flancos bem fechados, com Souza pela esquerda à frente de Diego Renan, e Magrão do outro lado à frente de Ceará, pronto para contra-atacar.

Mas como é improvável que Borges e Wellington Paulista saiam do time, o 4-3-1-2 losango parece ser a aposta para domingo.

Não que eu concorde, mas o que vale são os três pontos.