O sol e os planetas (ou: A anatomia de um gol coletivo)

Futebolisticamente, sou um coletivista convicto. No sentido de ser anti-individualista. Ou seja, sempre vou dar prioridade ao coletivo sobre o individual, em qualquer aspecto. E não poderia ser diferente quando o assunto é uma jogada de gol.

Não me entendam mal, também gosto de gols de técnica individual. O voleio do Arrascaeta contra o América é qualquer coisa. Outro gol que me marcou muito é o primeiro do Brasil na Copa de 2006, um chute do Kaká de esquerda contra a Croácia. Lembro da minha cara “derretendo” naquele dia depois daquele lance. E vários outros, desnecessário citar.

Mas curto muito mais um gol coletivo, desses em que as movimentações e escolhas dos jogadores simplesmente desorganizam e deixam as defesas perdidas. É tão atordoante que nem é preciso técnica muito apurada para executar. É só fazer “mais ou menos”, porque as ações coletivas tornam tudo mais fácil. Sempre me lembro do segundo gol do Goulart contra o Náutico em 2013. Eu estava no estádio no dia, depois revi o gol em vídeo umas mil vezes. É incrível como a defesa pernambucana simplesmente não vê como Goulart foi parar ali.

Mas esse texto, como podem imaginar, é sobre o golaço do Cruzeiro contra o Villa Nova no sábado. Vou tentar dissecar os movimentos ofensivos pra tentar mostrar porque eu gosto muito mais de gols assim.

(os créditos de todas as imagens abaixo são do globoesporte.com)

Rafinha, sozinho, não tem opção senão cruzar. Por sorte, a bola volta pra ele

Ironicamente, tudo começa com um erro. Rafinha, aberto na direita, recebe lançamento de Egídio. Henrique e Fred já estão na grande área, e Mancuello corre pra lá. Ninguém se aproxima de Rafinha para o jogo apoiado, de forma que só resta a ele tentar o cruzamento. Ele erra.

Mancuello se desloca e leva dois com ele, abrindo espaço na meia-lua

Por sorte, a bola volta pra ele. E aí é que começa a trama bem feita. No momento em que Mancuello percebe que o cruzamento falhou, muda a direção de sua corrida, para sair do centro ao invés de dar profundidade. Esse movimento puxa a marcação de um jogador do Villa Nova, que depois “transfere” a responsabilidade para outro mais atrás com um gesto. E isso é suficiente pra deixar Fred e Henrique no mano a mano dentro da área e abrir um espaço próximo à meia-lua.

Fred percebe o espaço e vai até ele, atraindo todo o lado direito da defesa do Villa para o centro

Rafinha, então, escolhe centralizar com a bola. Nesse momento, vemos Edilson avançando aberto pra ser opção, mas não é acionado. Ao mesmo tempo, Fred percebe o espaço aberto por Mancuello e se movimenta até ele. Rafinha já percebeu e toca. Dois jogadores do Villa também percebem e saem à caça: um era o marcador “original” de Fred, e outro é um volante que está chegando. Mas já é tarde: a bola chega em Fred, que já sabe o que vai fazer. Ele tinha a opção de Arrascaeta que chegava logo atrás dele, sem marcação. Mas ele já havia escolhido tocar de primeira para Henrique, ainda na área.

Henrique recebe e tem várias opções, inclusive Cabral totalmente livre pelo movimento de Fred

Esse movimento de Fred desorganiza totalmente a defesa do Villa Nova. Henrique fica sozinho com um marcador, que não está totalmente em cima dele, permitindo receber o passe. Nesse momento, Henrique já tem várias opções. Devolver no Fred, tentar um passe de efeito para Mancuello atrás dele, ou amortecer pro Rafinha chegar. Mas talvez a melhor opção ali fosse abrir para Ariel Cabral. Note o argentino se movimentando ali com muita tranquilidade, devido ao espaço aberto pela movimentação de Fred.

Henrique escolhe Rafinha, que também tem opções: Cabral, Fred ou finalizar

A opção é escolhida é a deixadinha. Rafinha, depois de iniciar a jogada lá atrás, é simplesmente ignorado pela defesa do Villa, pois a atenção de todos os jogadores está voltada para Fred e Henrique, as maiores ameaças. Rafinha sequer é incomodado. Ele também tinha algumas opções além de chutar: também poderia tentar dar o passe pra Ariel Cabral, que se sofresse de agorafobia estaria com problemas. Ou para Fred, que passava às costas do seu confuso marcador, na dúvida entre acompanhar o camisa 9 ou tentar parar Rafinha.

Rafinha escolhe finalizar e o faz com maestria: o gesto técnico mais “difícil” da jogada

Rafinha escolhe finalizar, e o faz com categoria no canto direito do goleiro — no que talvez seja o único gesto que exigiu um pouco mais de técnica.

Fora da bola

Como diz a música do Skank, “olhando para a bola eu vejo o sol”. Ela é a estrela do espetáculo e é natural que chame todas as atenções. Mas é importante ver o movimento dos jogadores que não estão com ela, ou até mesmo longe dela. A movimentação destes, se bem feita, no fim das contas acaba facilitando as coisas para os companheiros. Afinal, jogar com espaço é muito mais fácil.

Jogadores de futebol jogam (muito) mais sem a bola no pé do que com ela. Façamos uma conta bem tosca: um jogo tem 90 minutos, mas em média só 60 de bola rolando. Considerando 30 pra cada time, e que não dá pra dois jogadores terem a posse ao mesmo tempo, divida 30 por 11 em campo e você terá aí uma média de 2:44 de tempo na bola pra cada jogador. Isso sem contar o tempo de bola viajando no ar ou pelo chão, além de ignorar que os jogadores de defesa ficam muito mais com a bola do que os atacantes.

Ok, dois minutos e meio na bola. E o que os jogadores fazem nos outros 27:30 da posse do seu time? Se movimentando e abrindo espaço. Como no lance acima: Mancuello sequer fica próximo à bola, mas sua movimentação é fundamental pra abrir o espaço que Fred enxerga. Fred, por sua vez, movimenta-se de forma inteligente, arrastando mais dois consigo. Cabral só fica totalmente livre por isso. E Rafinha é ignorado também por isso: a atenção da defesa estava totalmente voltada para outros jogadores. Isso é jogar futebol, sem a bola.

Então, Samuel Rosa que me perdoe: de fato, o “sol” chama toda a atenção, mas ele não seria a mesma coisa sem os “planetas” que orbitam a seu redor.



Cruzeiro 3 x 1 Villa Nova – O dilema da centroavância

O título deste artigo é uma pegadinha. Quem lê rapidamente pode pensar que é uma crítica aos jogadores desta posição, mas não se trata disso. Na noite de quarta, Marcelo Oliveira encontrou, sem querer — ou não — uma solução para a repentina escassez de centroavantes que o Cruzeiro passou a ter com a lesão de Borges no último sábado. Com a venda de Vinícius Araújo, de repente Marcelo Moreno passou a ser a única opção “nativa” para a posição.

Falo dos quatro meias que jogaram em um determinado período do jogo, como veremos mais adiante. Para este blogueiro, foi o melhor momento da equipe na partida, em que pese o relaxamento que os jogadores já estavam àquela altura com o 3 a 0 no placar.

Formação

Cruzeiro no 4-2-3-1 costumeiro e com a movimentação que lembrou o time do ano passado; Villa numa formação muito adaptada para defender, com cobertura de João Paulo e Léo tendo que escolher o lateral que marcava

Cruzeiro no 4-2-3-1 costumeiro e com a movimentação que lembrou o time do ano passado; Villa numa formação muito adaptada para defender, com cobertura de João Paulo e Léo tendo que escolher o lateral que marcava

O Cruzeiro iniciou o jogo no mesmo 4-2-3-1 de sempre. Quem lê o blog já está acostumado e sabe de cor: Fábio no gol; Ceará e Egídio nas laterais e Dedé e Bruno Rodrigo no miolo; Souza mais preso e Lucas Silva mais solto como volantes, atrás de Éverton Ribeiro partindo da direita para dentro, Ricardo Goulart se movimentando no meio e Dagoberto mais espetado e mais à esquerda. Na frente, Marcelo Moreno brigando com os zagueiros.

Foi difícil definir um esquema para o time do Villa Nova. Paulinho Kobayashi — aquele mesmo — montou uma linha defensiva com quatro homens, mas o lateral Chiquinho preferia subir para bater com Egídio e com isso o volante João Paulo descia para a cobertura em Dagoberto — os dois se encontraram o jogo inteiro. Ferrugem ficou mais preso como volante à frente da área e liberava Igor para subir um pouco mais, mas o camisa 11 do Villa também teve mais atribuições defensivas que ofensivas. Mancini ficou na ligação e tentava encontrar os atacantes Léo, pelos lados, e Paulo Henrique, centralizado como referência. Algo como um 4-3-1-2, mas com o meio sem ser em losango.

Flanqueando o adversário

Essa formação tinha o objetivo de tirar os espaços do Cruzeiro em seu setor mais produtivo, o meio-campo ofensivo. Com ferrugem fazendo as coberturas, João Paulo grudado em Dagoberto e Igor cercando Éverton Ribeiro, e ainda tendo a ajuda em alguns momentos de Léo e Mancini, Kobayashi tentou vencer o setor pela tática da horda — quanto mais gente, mais difícil. Mas aqui cabe a metáfora do cobertor curto: se se coloca gente demais em um lugar, falta em outro. E nesse caso foi nas laterais.

Léo ficou mais pela direita no início do jogo e encontrava Egídio algumas vezes, mas do outro lado não havia ninguém para impedir Ceará de jogar. O lateral avançava tranquilamente até a linha divisória e entregava bolas limpas para os meias criarem, e até mesmo fazia jogadas de ultrapassagem encontrando Fábio Fidélis na linha de fundo. Quando Léo inverteu de lado, aí foi a vez de Egídio aproveitar, pois agora o lado esquerdo estava no mano a mano. E num avanço de Souza pela esquerda, a marcação do Villa ficou com gente a menos e saiu a tabela que originou o gol contra que abriu o placar.

Depois do gol, Léo retornou para a direita para tentar parar Egídio, mas o estrago já tinha sido feito. Mesmo assim, o lado esquerdo continuou sendo o mapa da mina, pois Dagoberto estava vencendo o duelo contra João Paulo, fazendo o segundo em uma jogada típica de ponteiro de pé trocado: destro na esquerda. Puxou para dentro, ficou de frente e emendou uma bola rasteira que imobilizou o goleiro Bráz.

Moreno

Quando disse no primeiro texto do ano que fiquei com um pé atrás em relação à contratação de Marcelo Moreno, me referia ao estilo de jogo que o boliviano-brasileiro pede: jogo de referência, homem-alvo na área. Isso tem uma vantagem e uma desvantagem. A vantagem é que acrescenta uma opção de estilo, a bola aérea ofensiva com bola rolando. O Cruzeiro fez muitos gols pelo alto no ano passado, mas quase sempre através de seus zagueiros e volantes, e em bolas paradas. Os meias e atacantes preferem usar os pés, mesmo dentro da área. Mas essa característica também é uma desvantagem: sendo um centroavante mais de força, típico homem-alvo, Moreno participa menos da construção das jogadas — Borges não participava muito, mas Moreno participa menos ainda. Isso pode eventualmente sobrecarregar o trio de meias, mas não chega a ser um problema, apenas uma opção por um estilo de jogo ou outro.

Com ele em campo, portanto, o Cruzeiro precisará se adaptar a estas características de seu jogador mais avançado, e começou a fazer isso nesta partida. Os laterais e ponteiros sempre buscavam o cabeceio do camisa 18, que teve muitas dificuldades em desenvolver seu jogo. Mas no fim do primeiro tempo, numa bola milimétrica de Éverton Ribeiro — aparecendo pela esquerda na troca de posições típica deste Cruzeiro — Moreno acertou um “cabeçazo”, forte, sem chances para Bráz. Primeiro gol dele no retorno, e todas as memórias da torcida celeste da Libertadores de 2008 voltaram naquele momento.

A “inovação”

No início do segundo tempo, Moreno deu lugar a Willian, e o Cruzeiro jogou sem centroavantes de ofício, com 4 meias que se movimentam muito: um inovador 4-2-4-0

No início do segundo tempo, Moreno deu lugar a Willian, e o Cruzeiro jogou sem centroavantes de ofício, com 4 meias que se movimentam muito: um inovador 4-2-4-0

No intervalo, Marcelo Oliveira optou por poupar Moreno pensando na Libertadores. Talvez fosse um medo de uma lesão que deixaria o Cruzeiro sem centroavantes. Com a entrada de Willian, era imaginado que Ricardo Goulart avançasse, deixando Éverton Ribeiro como meia central e Dagoberto e Willian pelos lados. Mas Ricardo Goulart, como meia de ofício, tende a deixar a área e se aproximar do meio-campo, se juntando ao trio de meias. E nesta partida ele fez isso muitas vezes. Além disso, Dagoberto e Willian também são ponteiros agudos, que invadem a área para concluir sempre que podem. Somente Éverton Ribeiro ficava mais por trás, pensando o jogo.

Assim, a formação celeste mudou para uma espécie de 4-2-1-3, mas que eu prefiro chamar de um inovador 4-2-4-0 — sim, pois todo o quarteto ofensivo participava da construção na frente da área adversária, sem nenhum homem fixo como referência na frente. rotação de posições provocava várias linhas de passe rápidas e inteligentes que levaram os defensores villanovenses à loucura. Pena que as conclusões não foram lá essas coisas.

Veja o posicionamento do quarteto ofensivo  meias quando o Cruzeiro jogou sem centroavante, e veja o desenrolar desse lance aqui

Veja o posicionamento do quarteto ofensivo meias quando o Cruzeiro jogou sem centroavante, e veja o desenrolar desse lance aqui

“De volta” ao 4-2-3-1

O ritmo arrefeceu um pouco após a entrada de Marlone na vaga de Dagoberto, mas continuava empolgado este blogueiro. Porém, ao ver Júlio Baptista se preparando para entrar no gramado, bateu a frustração, pois era sabido que sua entrada iria “travar” o time. Júlio tem bom passe e boa finalização, mas não se movimenta tanto, e sua entrada faria o time ficar engessado.

Ao invés de ir jogar na meia central, onde sempre entra, deixando Ricardo Goulart como centroavante, para minha surpresa foi o próprio Goulart quem saiu. Éverton Ribeiro ficou “sozinho” na meia central e Júlio foi ser centroavante. Era mais uma tentativa de Marcelo de solucionar a falta de centroavantes no elenco celeste.

A entrada de Júlio teve o efeito de tirar a intensidade de movimentação na frente, e sem o ímpeto o Cruzeiro começou a administrar e relaxou demais, chamou o Villa Nova para seu campo — que àquela altura já não tinha mais nada a perder — e num momento de relaxamento total, Fábio errou a saída de bola e a zaga não conseguiu tirar, gerando novo ataque do Villa que culminou no gol de Mancini, completamente sozinho na frente de Fábio, para fechar o placar.

Uma possível formação, sim senhor

Jogar sem centroavante não é nenhuma novidade — o Barcelona vem fazendo isso há muitos anos. Mas o time catalão é um pouco diferente, no sentido de que sua base em um 4-3-3, com um volante preso (Busquets) e dois passadores (Xavi e Fábregas) no meio, com um “falso 9” (Messi) que recua, faz número no setor e abre espaço para os ponteiros e meias invadirem a área. No caso do Cruzeiro, o sistema de partida foi um 4-2-3-1, com um volante a mais e um meia a menos. Um sistema que, na modestíssima opinião deste escriba, funcionou muito bem.

Mas é difícil imaginar que Marcelo Oliveira vá testar esta formação mais vezes. O mais provável é que Moreno seja mesmo o titular ou Júlio ou Goulart (desta vez mais avançado mesmo) faça as vezes de centroavante. Seria um sopro de novidade tática no Brasil, um país tão carente neste aspecto do futebol — infelizmente, para os brasileiros o aspecto tático é pouco importante, sendo a parte técnica o principal.

De qualquer forma, foi ótimo ver o Cruzeiro relembrando sua melhor forma do ano passado, que trouxe o título nacional inconteste. Uma forma que, como este blog previu no primeiro texto de 2013, resgata a escola de jogo do Cruzeiro, tão tradicional e histórica que tem até um ditado popular.

Que sigamos sendo rápidos e rasteiros — como o ataque do Cruzeiro.



Especial: Prévia tática da decisão do Campeonato Mineiro 2013

Chegou a hora. Era previsível: o Superclássico decidirá o Campeonato Mineiro. E, pela primeira vez nos últimos anos, sem um claro favorito, pois era comum um dos times estar bem e o outro “mais ou menos”. Agora não: ambos provaram que podem jogar bem. Então, nada mais justo do que fazer uma prévia tática sobre o maior jogo de Minas Gerais. Vou além: com o Carioca e o Gaúcho decididos, e com a final do Paulista com dois times que não inspiram confiança, a decisão do Mineiro provavelmente será o maior jogo do Brasil nos próximos fins de semana.

Um pouco sobre o jogo contra o Villa

Mas antes, pra não dizer que não falei de flores, uma rápida pincelada sobre o jogo da volta das semifinais contra o Villa Nova. Muitos titulares foram poupados já pensando na decisão de domingo, naquilo que foi uma batalha dos losangos de meio-campo. Na verdade, batalha é modo de dizer, pois foi praticamente um ataque contra defesa, já que o objetivo claro do time de Nova Lima era perder de pouco pra ficar com o título simbólico de “Campeão do Interior”.

Rafael no gol, com Mayke, Paulão Bruno Rodrigo e Egídio na linha defensiva. Guerreiro foi o vértice baixo, com Tinga pela direita e Lucas Silva pela esquerda, e partindo do centro para as pontas, Ricardo Goulart. Diego Souza jogou mais à frente, uma espécie de segundo atacante, se aproximando de Borges. Um 4-3-1-2 losango, com os corredores pelos lados abertos para os laterais subirem até a intermediária adversária e encontrarem uma muralha. Tinga e Mayke combinaram bem mas tiveram dificuldade com a forte marcação do Villa, mas pelo lado esquerdo, boa aparição de Lucas Silva e Egídio, que coroou sua boa atuação com um belíssimo gol de falta.

Já no domingo, os treinadores devem escalar seus times no mesmo 4-2-3-1 costumeiro de suas equipes. E, apesar de jogarem no mesmo sistema base, a forma de atuar é diferente. Isso porque os jogadores que compõem os sistemas tem características diferentes.

Perto das balizas

130510_ataque_atleticomg_cruzeiroA começar pelas duas grandes áreas. Enquanto Jô é um centro-avante típico, grandalhão, com boa bola aérea tanto na disputa no meio quanto dentro da área para finalização, e boa retenção de bola, para esperar seus companheiros passarem e fazer o passe, Borges é mais oportunista e tem melhor senso de posicionamento. Léo e Bruno Rodrigo deverão fazer um jogo mais físico contra o atleticano, mas Réver e provavelmente Gilberto Silva terão um combate mais “leve” contra Borges. Marcelo deveria posicionar nosso camisa 9 mais em cima de Gilberto Silva, que é mais lento e menos técnico do que Réver.

130510_defesa_atleticomg_cruzeiroMas existe uma semelhança: ambos vão sair da área e tentar se desvencilhar da marcação dos zagueiros adversários. Borges deverá recuar um pouco mais para receber algumas bolas longe da perseguição dos zagueiros atleticanos, obrigando-os a sair à caça e abrindo espaço para Dagoberto e Diego Souza chegarem de trás. No Atlético Mineiro, que joga junto há mais tempo, o quarteto ofensivo roda mais, e provavelmente veremos Léo ir atrás de Jô até o meio-campo se for preciso. Cabe aos companheiros de linha defensiva fazerem a cobertura.

Meiúca

130510_meiocampo_atleticomg_cruzeiro

No centro do meio-campo, nenhuma das duas equipes possui volantes que saem muito para o jogo. Um deles deverá ser destacado para fazer uma perseguição ao meia-central adversário: Pierre e Leandro Guerreiro serão as sombras dos camisas 10 do time adversário, Diego Souza e Ronaldinho. Mas, com a diferença de estilos dos meias, provavelmente Guerreiro fará uma marcação mais forte do que Pierre, já que Diego não é passador como Ronaldinho, mas sim carregador de bola, mais físico, chegando mais à área, quase como um segundo atacante.

Com isso Leandro Donizete e Nilton travarão um duelo particular. Marcadores por natureza, ambos terão uma função de chegar mais à frente para ser um quarto homem de meio nas ações ofensivas. No clássico do início do ano, Nilton foi mais participativo e deu uma ligeira vantagem no meio-campo para o Cruzeiro, que em clássicos faz toda a diferença.

Na destra

Pela direita, o jogo será menos intenso, apesar da presença do leve Bernard duelando com Ceará. Nos últimos clássicos, Ceará fez bem o papel primário de um lateral: defender. E com isso levou vantagem sobre Bernard na maioria das vezes. A única exceção foi o lance do primeiro gol na última rodada do Brasileirão 2012. Na reabertura do Mineirão, Bernard pouco produziu pelo lado esquerdo, principalmente por causa do bom trabalho defensivo do camisa 2

Na frente, Everton Ribeiro não deve explorar tanto a quina do campo, e sim entrar mais para o meio, também pelo fato de ser um ponteiro meia de origem, ao contrário dos outros três (Dagoberto pelo Cruzeiro, e Bernard e Tardelli pelo Atlético Mineiro, que são atacantes). Richarlyson deve acompanhá-lo onde for, também pelo fato de ser um lateral mais preso, que apoia pouco. Isso abre o corredor para Ceará subir e dar amplitude, mas com muita cautela para não abrir espaço às suas costas e proporcionar uma das armas mais usadas do adversário: a diagonal longa do lateral para o ponteiro oposto.

Na canhota

130510_esquerda_atleticomg_cruzeiroChegamos à região onde acredito ser a mais intensa da partida. Tanto Éverton quanto Marcos Rocha são laterais que apoiam bastante, com muito ímpeto ofensivo. Ao mesmo tempo, estarão a cargo de marcar atacantes rápidos, com características ligeiramente diferentes. Dagoberto é mais driblador, rápido, bom na vitória pessoal, enquanto Tardelli é um pouco mais lento, mas se movimenta mais pelo campo, chegando na área junto com Bernard pelo outro lado. Tanto Everton quanto Marcos Rocha correm riscos se subirem demais para o apoio, abrindo espaços para os adversários ponteiros explorarem.

Marcos Rocha é, na modesta opinião deste blogueiro, o ponto mais sensível do time adversário. Se Dagoberto estiver em tarde inspirada, dificilmente o lateral atleticano conseguirá pará-lo, pois não tem a mesma experiência e serenidade que Ceará tem na marcação de Bernard (duelos muito semelhantes, por sinal). Eu diria que ali é o caminho do gol, principalmente porque Diego Tardelli não recua tanto no trabalho defensivo, e isso pode causa uma sobrecarga favorável ao Cruzeiro naquele lado.

Semelhanças sem a bola…

É claro que o jogo não será restrito a estes duelos, devido à movimentação dos quartetos de frente e ultrapassagens do volante que sobrar e dos laterais para as ações ofensivas. Mas como no Brasil praticamente não se vê marcação por zona e sim individual por função — como bem disse Eduardo Cecconi em seu blog, o famoso “cada um pega o seu e vai com ele até o final” — esses devem ser os duelos mais comuns, pois tanto Cruzeiro quanto Atlético Mineiro se utilizarão deste sistema.

Além disso, é bem provável que ambos os treinadores ordenem seus homens de frente a marcar o adversário perto da área ofensiva, o famoso “pressing”. Portanto, podemos esperar muitos passes errados, muita “bola pro mato” e, principalmente, um jogo muito pegado, físico — provavelmente haverá mais cartões amarelos que o normal. Talvez um ou dois vermelhos.

… e diferenças com ela

Com a bola, porém, os dois times trabalham de maneira diferente. O Atlético Mineiro é intenso, aumenta a rotação do jogo e não tem medo de usar ligações diretas, principalmente em seu estádio. Isso porque tem um bom pivô, jogadores velozes pelas pontas e um passador nato no meio. O entrosamento de dois anos jogando junto sob o mesmo treinador também ajuda. Já o Cruzeiro é um time que valoriza a posse de bola e — pra usar um termo que Marcelo Oliveira gosta — tenta envolver o adversário, abrindo espaço entre as linhas com passes rápidos, mas com mais calma e escolhendo a hora de acelerar.

Em suma: ambos são times velozes, mas o Atlético Mineiro é intenso sempre, enquanto o Cruzeiro tenta variar. Como o primeiro jogo é no Independência, e o Atlético Mineiro tem que inverter a vantagem, provavelmente tentará acelerar o jogo a toda hora. Cabe ao Cruzeiro saber aproveitar isso, “cansando” o adversário e tocando a bola para trazer a partida para o seu gosto.

O primeiro grande teste

O primeiro grande teste -- para AMBAS as equipes

O primeiro grande teste — para AMBAS as equipes

Muito se fala sobre este ser o primeiro grande teste para o Cruzeiro na temporada. De fato, os adversários que o Cruzeiro enfrentou até aqui, com exceção da reabertura do Mineirão, respeitaram demais o Cruzeiro e não encararam de frente. Mas reitero a conclusão do post passado: o Cruzeiro enfrentou o mesmo nível de oposição nas temporadas anteriores e não teve o mesmo rendimento — a invencibilidade precisa sim ser levada em conta. Assim, por se tratar de um clássico, pela vantagem que o Cruzeiro tem, e pela confiança que o time passa à torcida, é possível dizer que o Cruzeiro é o time com mais chances de vencer o “badalado” Atlético Mineiro desta temporada.

E, pra ser sincero, com a bolinha que o São Paulo jogou na Libertadores, e com o nível do futebol brasileiro tão acima dos demais vizinhos sul-americanos… É o primeiro grande teste pra eles também.

 



Villa Nova 0 x 4 Cruzeiro – Variações sobre um mesmo tema

Uma sutil mas interessante variação tática foi mais um dos fatores que praticamente garantiram a vaga na final do Campeonato Mineiro ao Cruzeiro, na vitória por 4 a 0 sobre o Villa Nova em Nova Lima.

Se na primeira fase o Villa Nova havia sido o adversário mais difícil para o escrete celeste, muito pelo fato de simplesmente ter mais jogadores no centro do meio-campo em um gramado pequeno, no jogo deste domingo Marcelo Oliveira soube neutralizar esta vantagem fazendo número em outro lugar do campo: os flancos.

Escalações iniciais

O 4-2-3-1 usual, mas com os três fazendo uma diagonal que variava para o losango no meio, com o avanço de Nilton e a centralização de Ribeiro

O 4-2-3-1 usual, mas com os três fazendo uma diagonal que variava para o losango no meio, com o avanço de Nilton e a centralização de Ribeiro

Com a bola, Marcelo posicionava sua equipe no 4-2-3-1 usual, com o gol de Fábio sendo protegido pelos zagueiros Léo e Bruno Rodrigo,

e com os laterais Mayke na direita, no lugar do lesionado Ceará, e Éverton na esquerda. Leandro Guerreiro e Nilton formara novamente a dupla de volantes, com o segundo com mais liberdade para atacar que o primeiro. Éverton Ribeiro fez o ponteiro direito, mas com a tendência costumeira de centralizar, se aproximando de Diego Souza, e abrindo o corredor. Do outro lado, mais espetado e entrando em diagonal na área, Dagoberto procurava Anselmo Ramon, o centro-avante de referência.

O Villa Nova de Alexandre Barroso veio no mesmo 4-3-1-2 losango do jogo da primeira fase. O goleiro William Nobre viu Rodrigo Dias à sua direita e Hyago à sua esquerda, flanqueando os zagueiros Heitor e Marco Tiago. Cléber Monteiro foi o cabeça-de-área, com os carrileros Max Carrasco e Marcelo Rosa à frente, ajudando Tchô, a ponta de cima do losango. Na frente, Rafael Gomes e Eraldo esperavam as bolas.

A variação tática

O jogo começou com o Cruzeiro sufocando o Villa Nova em seu próprio campo durante alguns minutos, com uma marcação pressão bem alta, sem deixar o time da casa ter longos períodos de posse de bola. Quando o ritmo da marcação diminuiu naturalmente, o Villa Nova conseguiu ter um pouco mais a bola nos pés e a variação tática apareceu. Everton Ribeiro marcava o volante e não o lateral, e Nilton saía para dar combate no meio. Na prática, era um 4-3-1-2 losango com o avanço do volante e o recuo e centralização do meia.

Com Leandro Guerreiro mais plantado para marcar Tchô, todos os passes simples dos zagueiros do Villa tinham sido cortados. Os laterais saíam pouco, e quando saíam, também não tinham a quem passar a bola. A mudança foi sutil, mas bem eficiente, já que a bola não chegava em Tchô, o principal jogador da partida na primeira fase. Fábio praticamente não tocou na bola no primeiro tempo.

Movimentação ofensiva

Com a bola, o Cruzeiro executou brilhantemente o 4-2-3-1 “diagonal”. A linha de três meias se encontravam constantemente em campo, com toques curtos e rápidos, provocando efeitos dominó de cobertura no sistema defensivo villanovense. A marcação do time adversário era atraída para os flancos, principalmente para a esquerda. Com a marcação concentrada, um espaço imenso se abriu à frente da área, e o Cruzeiro aproveitou. O primeiro gol saiu em uma falta sofrida por Everton Ribeiro naquele setor, e nos dois seguintes Diego Souza teve todo o tempo e espaço do mundo para calibrar o chute e vencer William Nobre de fora da área.

A jogada do terceiro gol: Ribeiro atrai a marcação e tira dois adversários da jogada com o passe de calcanhar, liberando toda a entrada da área para Diego Souza

A jogada do terceiro gol: Ribeiro atrai a marcação e tira dois adversários da jogada com o passe de calcanhar, liberando toda a entrada da área para Diego Souza

A intensidade foi tal que aos 36 do primeiro tempo o jogo já estava resolvido.

Substituições

Alexandre Barros tentou soltar mais seus laterais colocando o zagueiro Evaldo no lugar do volante Marcelo Rosa. No novo 3-4-1-2, os laterais ficam mais altos. Foi uma boa mexida, e não muito arriscada. Logo no começo Fábio finalmente trabalhou, defendendo um cabeceio à queima-roupa do zagueiro Heitor em cruzamento na área.

Mas para reequilibrar a partida, era preciso mais que liberar os laterais. Por isso Tchô tentava se movimentar para sair da perseguição de Leandro Guerreiro, mas o volante levou a melhor no duelo e a principal arma criativa do Villa Nova ficou apagada. O Cruzeiro continuou comandando as ações, e só não ampliou antes porque Diego Souza driblou meio time e não concluiu na hora certa. Mas o quarto gol veio, num contra-ataque com o próprio Diego Souza e Everton Ribeiro. O camisa 17 recebeu na área e, com muita tranquilidade, tirou dois jogadores antes de concluir sem chances para William Nobre.

Imediatamente após o gol, Marcelo lançou Ricardo Goulart na vaga de Dagoberto. Provavelmente a intenção era dar novo ânimo ao time, para continuar buscando o gol. No Villa, Alexandre Barroso tentou sua última cartada mandando Maurim na vaga de Hyago, mas sem alterar o plano tático. O jogador até que avançou bastante, explorando o lado direito do Cruzeiro que Everton Ribeiro deixou de cobrir com a entrada de Goulart, mas sem sucesso.

Vinicius Araújo e Tinga foram a campo nos lugares de Anselmo Ramon e Everton Ribeiro. O cabeludo, quando entrou, foi filmado fazendo um três com a mão e sinalizando para alguém ir para o outro lado. Não deu pra entender muito o que significava, mas provavelmente era a manutenção do 4-2-3-1, sendo que Tinga cobriria o lado direito, Ricardo o centro e Diego o esquerdo. Mesmo assim houve troca de posições, porque Diego não recuava tanto para defender, ao contrário dos outros dois meias. Mas nada de mais aconteceu até o fim da partida, com o Cruzeiro claramente se poupando e satisfeito com o resultado.

Deu liga?

É tentador dizer que o time de Marcelo Oliveira se consolidou tão precocemente. Porém, é inegável a evolução enquanto equipe: os toques rápidos e curtos que envolveram a defesa villanovense no primeiro tempo são prova de que os jogadores já se acham em campo com facilidade, criando espaços uns para os outros.

Além disso, ter uma variação tática e não perder a qualidade é um indicativo de trabalho avançado. É mais comum o treinador chegar e tentar primeiro ter uma base tática bem treinada, antes de pensar em variações com os mesmos onze jogadores. O reposicionamento para o losango não é tão radical, pelas características dos jogadores: Everton Ribeiro já centraliza naturalmente, enquanto Dagoberto já fica mais avançado. Praticamente foi preciso apenas oficializar Guerreiro como o primeiro homem e soltar Nilton, algo que antes não era definido.

Mas ainda há espaço para melhorar mais. Com a posse da bola, o Cruzeiro tem jogado fluentemente, mas pode se beneficiar com a entrada de um volante que saiba jogar, que chegue mais à frente. E quando o Cruzeiro se defende, ainda precisa melhorar a pressão no alto do campo, que precisa ser mais coordenada entre os quatro homens ofensivos, para encurtar os espaços e recuperar a bola o mais rápido possível.

O jogo de hoje contra o Resende será mais uma oportunidade para este time mostrar que não é fogo de palha. Mas o primeiro teste verdadeiro será a final do Campeonato Mineiro, que muito provavelmente será contra o “badalado” rival. Eu diria que chegamos assustando, tão fortes quanto eles. Talvez até mais.



Tupi 0 x 2 Cruzeiro – Um time diferente

Usando uma formação diferente, o Cruzeiro jogou para o gasto, fez dois gols e concluiu a primeira fase do Campeonato Mineiro 2013 com incríveis 94% de aproveitamento. É o melhor início de temporada da história celeste, acima até de 2003, o ano da tríplice coroa.

Com as ausências de Everton e Everton Ribeiro, por acúmulo de cartões, e o primeiro lugar garantido na primeira fase, Marcelo Oliveira promoveu modificações, e deu chances para os laterais e reservas volantes — setores da equipe que pouco variaram desde o início do ano. Oportunidade para Mayke e Egídio, os laterais reservas, além de Lucas Silva poder mostrar seu jogo.

A formação inicial do Cruzeiro tinha um losango no meio, com muito apoio dos laterais mas pouca movimentação de Diego Souza

A formação inicial do Cruzeiro tinha um losango no meio, com muito apoio dos laterais mas pouca movimentação de Diego Souza

O 4-3-1-2 losango cruzeirense teve Rafael no gol, Mayke pela direita e Egídio pela esquerda da linha defensiva, composta ainda por Bruno Rodrigo e Léo no miolo de zaga. Nilton foi o vértice mais baixo do losango, com Tinga pela direita e Lucas Silva pela esquerda no papel de carrileros — os jogadores que atuam pelos lados do losango. Na ligação, Diego Souza, com Dagoberto pelos lados e Borges centralizado na frente.afael

O Tupi veio num tradicionalíssimo 4-2-2-2, o quadrado no meio-campo. O goleiro Jordan teve Lobinho e Fabrício protegendo a área, com Thiago Ryan pelo flanco direito e Dieguinho fechando o lado oposto. Felipe Lima e Maicon Douglas defendiam o meio-campo, atrás dos meias Paulinho e Rafael Assis. Na frente, Vinicius e Wesley.

Embates pelos lados

Os dois sistemas, o losango e o quadrado, tem em comum o fato de tentarem criar superioridade no centro do meio-campo com quatro jogadores, mas ao mesmo tempo abrindo mão de amplitude ofensiva. Por isso dependem bastante do avanço dos laterais, que fazem parte da linha defensiva, para abrirem o jogo e dar opção de passe pelas pontas. Portanto, quando estes sistemas se enfrentam, normalmente vemos uma briga direta entre os laterais: o direito marcar o esquerdo do time adversário e vice-versa.

Porém, como tem acontecido frequentemente no Campeonato Mineiro, quem ficou mais com a bola foi o Cruzeiro, e, consequentemente, os laterais avançaram mais. Mayke e Egídio utilizaram bem o espaço concedido. As principais jogadas ofensivas saíam pelos flancos. O primeiro gol foi um belo exemplo: Tinga puxou a marcação, esperou a passagem de Mayke a lançou uma bola longa para o jovem. Do cruzamento veio a falha de Thiago Ryan, que Dagoberto não perdoou.

O losango

Diego Souza jogou em função diferente: a de trequartista, enganche, ponta-de-lança. É a ponta de cima do losango, o pensador do time, a mesma função de Alex em 2003. Mas o camisa 10 de 2013, também por ter uma característica diferente, teve uma atuação tímida. Ficou escondido na marcação e não se movimentou para receber a bola. Quando recebia, não fazia uma distribuição de jogadas que se espera da função.

A escalação de Diego nesta posição, portanto, deve ser questionada. É até compreensível, pois ele é um jogador que tem um certo nome, e isso atrai a marcação adversária, abrindo espaços para outros jogadores. Mas a característica de Diego não é a de pensar o jogo e criar jogadas, e sim a de conduzir a bola com vigor físico. Sem um jogador de suporte a seu lado, como Everton Ribeiro, por exemplo, para dividir a atenção da defesa, Diego tende a sumir na marcação, pois não se movimenta muito também.

Tinga e Lucas Silva eram os volantes com liberdade pra sair. O primeiro teve um excelente jogo, combinando com Mayke frequentemente pela direita e aparecendo na frente para desafogar o jogo. Lucas Silva, pela esquerda, ficou um pouco mais preso, procurando menos a Egídio. O garoto da base teve um trabalho mais defensivo, porém tentava buscar a primeira bola para iniciar o jogo.

Jogo sem pressão

Talvez por já estar garantido no primeiro lugar, o Cruzeiro não fez pressão na defesa adversária como em outros jogos. Ao invés de pressionar alto, Borges, Diego Souza e Dagoberto se colocavam à frente dos zagueiros, fechando um passe direto nos pés dos volantes do Tupi. A intenção, acredito, era chamar cada vez mais o time de Juiz de Fora — que precisava da vitória para ainda ter chances de se classificar — e partir num contra-ataque para matar o jogo. E assim foi feito: bola roubada, contra-ataque velocíssimo, de Tinga para Dagoberto, que de primeira achou Egídio entrando em altíssima velocidade na cada do goleiro. O lateral driblou Jordan e, ao invés de marcar o gol, deu para Borges, que briga pela artilharia. Uma jogada que mostra a consciência que o time tem de suas ações em campo.

De sua parte, o Tupi também preferiu não incomodar os zagueiros do Cruzeiro. Mas a superioridade dos laterais e a movimentação dos volantes, que vinham buscar a bola nos pés dos zagueiros para iniciar o movimento ofensivo, sobrepujou a marcação do time adversário com facilidade, e o Cruzeiro chegou sem maiores problemas.

Substituições

No segundo tempo, o técnico Felipe Surian tentou consertar uma das laterais, trocando Thiago Ryan por Ygor na direita. Não deu muito certo, e o Cruzeiro continuava sendo superior em ambos os lados do campo. Aos 19, Marcelo Oliveira lançou Élber na vaga de Lucas Silva, refazendo o 4-2-3-1, com Dagoberto indo ser ponteiro esquerdo de vez. Mas o Cruzeiro já se poupava claramente e a mudança não teve muito impacto. Depois Diego Souza saiu para dar lugar a Ananias, transformando o time num híbrido de 4-2-3-1 com 4-4-1-1. E Borges, que não vai jogar na próxima rodada por ter levado a terceira advertência, foi substituído por Anselmo Ramon, para dar ritmo ao provável substituto.

No Tupi, as entradas de Cassiano e Ademílson, atacantes, nos lugares de Paulinho e Felipe Lima, meia e volante, respectivamente, também não funcionaram bem. O Tupi partiu para o tudo ou nada numa espécie de 4-2-4. Com o meio-campo esvaziado, o Cruzeiro controlou o jogo e Rafael foi pouco incomodado.

Agora é pra valer

Na próxima fase, o Cruzeiro vai jogar contra o Villa Nova, que foi o adversário mais difícil na fase de classificação. Naquela oportunidade, o Cruzeiro só equilibrou o jogo quando começou a colocar mais jogadores marcadores no meio-campo para segurar o ímpeto de Tchô, principal cabeça pensante do time de Nova Lima. Só foi superior quando espelhou o 4-3-1-2 losango do Villa com Ricardo Goulart na ligação. Mas é bem provável que Marcelo Oliveira entre com o 4-2-3-1 novamente, com a dupla volância responsável pela marcação de Tchô e do outros volantes que subirem.

Por falar em volância, é bem improvável que Marcelo Oliveira faça uma surpresa nesse setor. A tendência é a volta de Leandro Guerreiro e Nilton. Ambos são mais destruidores de jogadas do que passadores, e insisto que falta um jogador com essa característica no setor. Tinga fez muito bem esse papel contra o Tupi — apesar de ter sido em um sistema diferente — e também quando tem entrado nos jogos.

Mas o mais importante mesmo é que agora existe o clima de decisão. Finalmente saberemos como o Cruzeiro vai se comportar em partidas eliminatórias (a partida contra o CSA não serviu para muita coisa), que valem de verdade.

Finalmente.