Flamengo 3 x 0 Cruzeiro – Supresa desagradável

Você já viu algumas vezes aqui neste blog explicações pelos “atrasos” nas análises pós-jogo. No caso do último domingo, porém, as mesmas razões de sempre acabaram por ajudar. Afinal, a atuação celeste foi de dar raiva, e assim como jogadores e treinadores de sangue quente após a partida tem grandes chances de falar asneiras, também este blogueiro sofreria do mesmo mal. O tempo foi bom para poder analisar os fatos de maneira fria.

Pela primeira vez no Brasileirão, o Cruzeiro perdeu duas vezes seguidas. E nesta segunda derrota, não é preciso ser expert para saber que o problema principal da foi o excesso de erros defensivos individuais. Mas como este blog fala de tática, o novo sistema que Marcelo Oliveira foi obrigado a usar também foi, na opinião deste, um dos motivos do revés.

A surpresa

O surpreendente 4-1-4-1 celeste com Nilton entre as linhas teve dificuldade de dar a volta no 4-4-2 em linha do Flamengo, pois não tinha força criativa central

O surpreendente 4-1-4-1 celeste com Nilton entre as linhas teve dificuldade de dar a volta no 4-4-2 em linha do Flamengo, pois não tinha força criativa central

Diante da indisponibilidade de TODOS os centrais do elenco – Éverton Ribeiro na seleção e Ricardo Goulart, Júlio Baptista e Tinga lesionados – e da atuação insegura de Marlone na função diante do Corinthians, Marcelo Oliveira fez uma coisa inédita em todo o seu tempo de Cruzeiro. Iniciou uma partida num esquema diferente do 4-2-3-1 usual.

Nilton foi o escolhido para entrar na equipe, e assim o Cruzeiro se armou num 4-1-4-1. A meta de Fábio foi protegida por Mayke à direita, Egídio à esquerda e Dedé e Manoel na zaga central. Nilton ficou à frente da área, com Henrique e Lucas Silva ligeiramente mais à frente, completando a trinca de volantes. Marquinhos fechou o lado direito, com Alisson pelo outro lado e Moreno fazendo a referência na frente.

Já o Flamengo de Vanderlei Luxemburgo entrou no mesmo 4-4-2 que jogou na última partida. Luxemburgo não tinha João Paulo, e optou pelo estreante Anderson Pico na lateral esquerda. À frente do goleiro Paulo Victor, Marcelo e Wallace fizeram a dupla de zaga, e o veterano Léo Moura fechou o lado direito da defesa. A segunda linha começava à direita com Márcio Araújo, mais contido, próximo a Canteros e Cáceres, liberando um pouco mais Éverton pelo outro lado. Na frente, Eduardo da Silva e Alecsandro.

Dificuldade de criar

Ciente das limitações de seu time, e do poderio celeste, Luxa optou pela estratégia de dar a bola ao Cruzeiro e tentar parar o ataque celeste e partir em contragolpes, mesmo em casa. Portanto, cabia ao Cruzeiro, enquanto time que tinha a posse de bola, encontrar espaços ou criá-los a partir da movimentação ofensiva – nenhuma novidade para o time de Marcelo.

Porém, a tarefa do Flamengo foi facilitada diante de um Cruzeiro pouco acostumado a jogar no novo sistema. Sem um jogador central ocupando o espaço entre os volantes cariocas, e com Marquinhos e Alisson presos pelos lados do campo, caiu nos pés de Lucas Silva e Henrique a tarefa de criar e aparecer na frente para concatenar as jogadas ofensivas. E por mais que Lucas e Henrique saibam bem o que fazer com a bola nos pés, ainda são volantes. A função deles é marcar e dar o primeiro passe. Mas quando é deles a responsabilidade de construir a jogada propriamente dita, encontrando companheiros e boas posições de finalizar ou de dar o último passe, a jogada não flui.

Os erros defensivos

Diante disso, e de um Flamengo feliz em apenas repelir as tentativas celestes, o primeiro tempo tinha tudo pra terminar com o placar em branco. Mas isso não aconteceu, porque Egídio errou o drible e perdeu a bola para Márcio Araújo, que imediatamente acionou Alecsandro exatamente no espaço em que Egídio deveria estar. O cruzamento foi ruim, e Fábio faria a defesa tranquilamente, se Dedé não “intervisse”.

O gol deu uma certa tranquilidade ao Flamengo, que parou de pressionar no alto do campo. O Cruzeiro lentamente tentou se recuperar, e até conseguiu criar algumas chances, a mais clara delas a inversão para Egídio já dentro da área, que assistiu Moreno de cabeça. A bola ficou um pouquinho longe, e Moreno se esticou e conseguiu desviar, mas não com força suficiente.

Mudanças de sistema, mas…

Depois do intervalo, o Cruzeiro voltou ao 4-2-3-1 diante de um Flamengo no 4-1-4-1, e teve mais volume, mas cometeu mais dois erros defensivos individuais e matou o seu próprio jogo

Depois do intervalo, o Cruzeiro voltou ao 4-2-3-1 diante de um Flamengo no 4-1-4-1, e teve mais volume, mas cometeu mais dois erros defensivos individuais e matou o seu próprio jogo

Mesmo tendo mais posse de bola e mais finalizações que o Flamengo, o Cruzeiro ficou longe do volume ofensivo que normalmente tem. Por isso, Marcelo voltou para o 4-2-3-1 com Willian na vaga de Nilton. Com isso, o Cruzeiro agora tinha Alisson como meia central. Luxemburgo, querendo explorar ainda mais as subidas de Egídio, e ao mesmo tempo “fechar a casinha”, entrou com Gabriel na direita, centralizando Márcio Araújo ao lado de Canteros e recuando Cáceres para a frente da zaga – um novo 4-1-4-1. Os sistemas se inverteram.

Naturalmente, o Cruzeiro se avolumou, roubando as segundas bolas após as tentativas repelidas pelo Flamengo e continuando a pressão. Mas nenhum sistema tático ou estratégia resiste a mais um erro defensivo capital. A falha de comunicação entre Manoel e Fábio definiu o jogo logo aos 12 minutos do segundo tempo. E, como se não bastasse, poucos minutos depois, em mais um chutão da zaga carioca, Manoel perdeu dividida para Alecsandro pelo alto e demorou a se recuperar para acompanhar Éverton. Alecsandro avançou pela esquerda sem ser incomodado, já que Egídio estava no campo de ataque, e cruzou para Éverton, sozinho dentro da área e longe de Manoel, completar sem chances para Fábio.

Substituições inúteis

Marcelo Oliveira bem que tentou. Mas o jogo já estava 3×0 quando Marlone entrou na vaga de Marquinhos, novamente jogando Alisson para a ponta esquerda e invertendo Willian. Depois, uma troca direta, Moreno por Borges. Mas pouco adiantou. Ironicamente, Marlone foi o único jogador que obrigou Paulo Victor a fazer uma defesa – todas as outras finalizações foram bloqueadas pela zaga carioca ou para fora.

Luxemburgo simplesmente gastou sua última troca – já havia trocado seis por meia dúzia ainda no primeiro tempo, com Wallace por Chicão – para lançar Muralha na vaga de Márcio Araújo. O Flamengo facilmente repeliu as investidas celestes, garantindo o zero no placar celeste.

Não é só Ribeiro e Goulart

É claro que o Cruzeiro sentiu falta dos selecionáveis, que fariam falta em qualquer time do Brasil. Mas não foi apenas a ausência de Ribeiro e Goulart que minou o poderio ofensivo celeste. Todos os jogadores da mesma posição não estavam disponíveis, e isso obrigou Marcelo a mudar o sistema, sem ter tempo pra treiná-lo.

Não dá pra botar a culpa da derrota na mudança de sistema. Mas talvez a história fosse outra se o Cruzeiro iniciasse o jogo na formação em que está acostumado a jogar. Fosse um 4-2-3-1, o Cruzeiro certamente teria mais volume, como teve já no início do segundo tempo, e a chance e ir para os vestiários com pelo menos um gol seria maior.

Apesar da maior posse de bola, o Cruzeiro só deu um chute na direção do gol -- no finzinho e bem de longe

Apesar da maior posse de bola, o Cruzeiro só deu um chute na direção do gol — no finzinho e bem de longe

Mas, como disse no texto, não há sistema que resista a erros defensivos individuais como os cometidos por Dedé e Manoel. Na coletiva pós-jogo, Marcelo Oliveira disse que não estava muito preocupado, porque o Cruzeiro não foi massacrado. De fato, teve posse de bola, mais finalizações, principalmente no primeiro tempo, mas não foi capaz de sequer ameaçar a meta de Paulo Victor.

Portanto, o blog discorda de Marcelo. Pois mesmo que o Cruzeiro não tenha sido dominado, teve desequilíbrio ofensivo, com pouca produção, e defensivo, com erros em demasia. E isso é, sim, sinal de preocupação.



Cruzeiro 1 x 0 Fluminense – Blasé

O Cruzeiro voltou a vencer. Mas não da mesma forma que vencia antes no Mineirão, envolvendo e acuando o adversário, bombardeando o goleiro visitante com finalizações de todos os lados, construídas com jogadas de aproximação e toques curtos e rápidos pelo meio. Foi uma vitória simples, com um gol de puro faro de centroavante, e com o time numa rotação abaixo do que se espera dele. O desgaste da temporada parece estar cobrando seu preço.

Não foi sem correr riscos, no entanto. O Fluminense teve chances e só não empatou porque Samuel, por incompetência, e Fábio, por excelência, não deixaram.

Formações

No início, ambos os times no 4-2-3-1 encaixado, mas com o Cruzeiro levando vantagem pela direita em cima de Ailton

No início, ambos os times no 4-2-3-1 encaixado, mas com o Cruzeiro levando vantagem pela direita em cima de Ailton

Marcelo Oliveira poupou Ceará e escalou Mayke em seu lugar na lateral direita do 4-2-3-1 usual. O goleiro Fábio capitaneou o time que tinha a defesa formada por Léo e Bruno Rodrigo, com Mayke do lado direito e Egídio pela esquerda. NA proteção, Nilton e Lucas Silva mais uma vez fizeram parceria, com o segundo chegando mais próximo do trio articulador formado por Éverton Ribeiro à direita, Ricardo Goulart de central e Willian à esquerda. Na frente, Borges duelava com os zagueiros cariocas.

Diferente do confronto no primeiro turno, quando mandou um losango a campo, Vanderlei Luxemburgo escalou o Fluminense no mesmo 4-2-3-1. A meta de Kléver foi defendida por Bruno na lateral direita, Gum e Leandro Euzébio centralizados e Aílton à esquerda. Mais à frente, Edinho e Jean davam suporte a Rafinha na ponta direita, Wagner mais centralizado e Rafael Sóbis mais agudo à esquerda, próximo de Samuel.

 

 

Ataque pela direita

Tanto o mapa de calor da Footstats quanto o indicador do WhoScored confirmam: o Cruzeiro adorou procurar o lado direito neste jogo (veja as imagens abaixo). Tudo porque Luxemburgo estava sem laterais esquerdos de origem e optou por Aílton naquele lado da defesa, mas o jovem foi mal defensivamente. A troca de posições entre os três meias, uma característica imprescindível para um 4-2-3-1 ofensivo como é o do Cruzeiro funcionar — e que, por sinal, tem acontecido menos do que em partidas anteriores — acabou por confundir a marcação de Ailton.

O mapa de calor da Footstats mostra o Cruzeiro com mais posse pela direita; o índice de ataques do WhoScored.com diz que quase metade dos ataques foram por aquele lado

O mapa de calor da Footstats mostra o Cruzeiro com mais posse pela direita; o índice de ataques do WhoScored.com diz que quase metade dos ataques foram por aquele lado

E após um começo nervoso, com muitos erros de passe pela ansiedade em contra-atacar, o Cruzeiro aproveitou o quarteto ofensivo encaixou alguns passes e abriu o placar com Borges. O passe de Éverton Ribeiro, aqui aparecendo de central, teve como alvo Ricardo Goulart, às costas de Aílton. Goulart avançou cortando pra dentro, mas se enrolou com a bola, que sobrou na entrada da área. Borges foi mais esperto que a cobertura de Bruno e colocou no canto direito de Kléver.

Fluminense muda

Wagner se lesionou e deu seu lugar ao veterano Felipe. Com isso, Luxemburgo reorganizou a equipe no 4-4-2, mandando Felipe para a ponta esquerda para proteger Aílton e dando liberdade a Rafael Sóbis para circular. Funcionou em certa medida, já que Sóbis causou problemas do lado esquerdo da defesa celeste, principalmente com Egídio tendo dificuldades de marcação. Daquele lado, o atacante finalizou uma vez, com certo espaço, e deu uma assistência para Samuel errar o gol dentro da pequena área. Sorte.

Mas se a marcação do lado esquerdo ficou reforçada com Felipe, necessariamente ela foi diminuída em algum outro setor da equipe. E esse setor era o meio-campo ofensivo. Sem um meia central, Nilton e Lucas Silva ficaram sem perseguidores diretos — Jean optava por recuar próximo a Edinho para ter uma sobra no meio-campo. Não por acaso, os volantes celestes tiveram liberdade para avançar e chutar, uma vez cada um.

Luxa queima a regra três

Insatisfeito, Luxemburgo usou de um expediente que lhe é bem característico: queimar todas as substituições no intervalo. Rhayner entrou na vaga de Rafinha para jogar na mesma ponta direita, mas com mais ofensividade; e Igor Julião, lateral direito de origem, entrou na lateral esquerda no lugar de Aílton, mal no primeiro tempo. Além disso, Luxemburgo soltou Jean de vez, que chegava ao ataque com frequência. Vendo que poderia ter problemas com o amarelo que Egídio levou ainda no finzinho do primeiro tempo, Marcelo diminuiu os riscos tirando o camisa 6 e mandando Ceará a campo, novamente na lateral esquerda.

O jogo ficou morno, com o Cruzeiro se contentando em defender a vantagem e o Fluminense arriscando o mínimo possível para não sofrer contra-ataques. Marcelo agiu novamente, tirando Borges e lançando Dagoberto na partida. O camisa 11 foi para a direita, centralizando Ribeiro e mandando Goulart para o ataque — uma substituição que este blogueiro particularmente não gosta, como dito em outros textos. Mas o fato é que Goulart passou a finalizar vária vezes, mas sempre para fora. Talvez pelo fato de não ser um centroavante típico e se movimentar mais, Goulart tenha confundido os zagueiros cariocas.

Sóbis no chuveiro: nada mudou

Com a lesão de Wagner, Luxemburgo repaginou o Fluminense num 4-4-2 reforçando o lado esquerdo com Felipe e dando liberdade para Sóbis, que causou problemas até a expulsão

Com a lesão de Wagner, Luxemburgo repaginou o Fluminense num 4-4-2 reforçando o lado esquerdo com Felipe e dando liberdade para Sóbis, que causou problemas até a expulsão

De toda forma, a partida começou a ficar perigosa demais, já que o Cruzeiro claramente dava indícios de que não iria correr mais do que estava correndo para ampliar o placar. O Fluminense se soltou de vez, chegando com perigo: Fábio chegou a salvar espetacularmente um cabeceio de Samuel, em cruzamento de Bruno da direita.

Mas o ímpeto de empatar acabava dando mais espaço ao Cruzeiro, que contra-atacava. E em um destes contra-ataques, puxado por Dagoberto, Rafael Sóbis fez falta para o segundo amarelo. Parecia que o jogo tinha acabado ali, já que com um a menos o Fluminense parecia não ter mais como reagir. E nos primeiros minutos do novo 4-4-1, o Cruzeiro até ensaiou uma pressão para ampliar, mas esbarrou nas más finalizações de Goulart novamente.

Marcelo Oliveira tentou aproveitar a vantagem numérica e promoveu a reestreia de Élber depois de longo tempo lesionado, na vaga de Willian. Entretanto, a expulsão de Sóbis fez mal ao Cruzeiro, que relaxou demais, e Élber quase não teve tempo na bola. Os jogadores do Fluminense conseguiram perceber este relaxamento e se soltaram novamente, enquanto o Cruzeiro se contentava em deixar o tempo passar. Teria sido uma atitude imperdoável, não fosse Samuel ter perdido mais uma vez um gol dentro da pequena área após chegada pela esquerda.

O lance pareceu ter selado o destino da partida. Mesmo correndo riscos, o Cruzeiro deixou o tempo passar, e sem ser incomodado pelo Fluminense, se reencontrou com a vitória.

O físico e o psicológico

Este blog é sobre tática, mas é claro que esta parte do futebol é também influenciada por outros fatores, e dentre eles estão a questão física e a mental. O desgaste dos jogos em sequência claramente tem emperrado a atuação de alguns jogadores. Além disso, os dois resultados ruins em sequência causaram uma certa ansiedade nos atletas, que por sua vez afetou a parte técnica — muitos erros de passe na ânsia de marcar gols logo e quebrar a sequência negativa. O próprio Marcelo Oliveira mencionou isto.

Entretanto, esses fatores não podem servir de desculpa para o relaxamento celeste no segundo tempo. Com a vitória, este aspecto pode ter ficado em segundo plano para muita gente, mas não aos olhos deste escriba. Claro que o importante era vencer novamente para retomar o caminho do título. Mas o risco de deixar de ganhar três pontos foi grande demais, mesmo em vantagem numérica.

É preciso retomar o futebol de outrora para que a torcida celeste não passe tanto sufoco. Quem sabe agora, com os jogos sendo somente aos fins de semana — exceto contra o Vitória na 34ª rodada — a questão física deixe de ser um fator e o Cruzeiro mostre a intensidade ofensiva que encantou o Brasil no primeiro turno.

A confiança no título segue inabalável, mas o Cruzeiro pode sim jogar mais do que o que jogou. Basta fazer, literalmente, um pequeno esforço a mais.



Fluminense 1 x 0 Cruzeiro – Sem capitalização

Em uma das crônicas do excelente Zonal Marking, blog de análise tática do jornalista Michael Cox, li que um dos times analisados pecou por não ter “capitalizado” o domínio que teve no primeiro tempo, e por isso perdeu a partida. Gostei do termo, e por isso replico no título desta análise, pois foi exatamente isso o que aconteceu na estreia cruzeirense no novo Maracanã contra o Fluminense.

Capitalizar é, a grosso modo, juntar mais dinheiro ao dinheiro investido. Também tem o sentido de agrupar, reunir. Traduzindo para o futebol, o “investimento” seria dominar a posse da bola e finalizar bastante, e o “retorno”, ou os “juros”, seriam os gols. Pois mesmo asfixiando o time carioca no seu próprio campo com a intensidade que lhe é característca na recomposição, o Cruzeiro não conseguiu vencer Diego Cavalieri — ou a trave — quando finalizou no primeiro tempo, e depois, com a partida já mais equilibrada, sofreu um gol que definiu a partida.

Escretes e sistemas

Contra o losango do Flu, o 4-2-3-1 cruzeirense teve muito espaço pelas laterais, e compensava a inferioridade no centro com intensidade na recomposição

Contra o losango do Flu, o 4-2-3-1 cruzeirense teve muito espaço pelas laterais, e compensava a inferioridade no centro com intensidade na recomposição

Marcelo Oliveira repetiu o time das últimas partidas e mandou a campo o seguinte onze: Fábio no gol, Dedé e Bruno Rodrigo no miolo da linha defensiva, com Mayke e Egídio fechando pelas laterais direita e esquerda. Nilton e Souza se alinharam à frente da zaga, dando suporte para Ricardo Goulart no centro do meio-campo ofensivo, que ainda tinha Everton Ribeiro pela direita e Luan pela esquerda, todos tendo como alvo o garoto Vinicius Araújo à frente. Ou seja, o mesmo 4-2-3-1 se sempre.

Já o Fluminense do estreante Vanderlei Luxemburgo abandonou o 4-2-3-1 que Abel Braga implantou durante dois anos no time carioca, e se postou no esquema preferido de Luxa: o 4-3-1-2 losango. Foi com este esquema que ele venceu a Tríplice Coroa em 2003 (um tempo bom, que voltará). O goleiro Diego Cavalieri teve Jean na direita, Carlinhos na esquerda e Gum e Leandro Euzébio na zaga. Edinho era o volante plantado, com Wagner pela esquerda levemente mais avançado e Diguinho pela direita, mais combatendo do que saindo pro jogo. Tudo isso para liberar Deco, o meia armador, com Rafael Sóbis se movimentando à frente e Fred como referência na área.

Encaixes

Tipicamente, no encontro de um 4-2-3-1 contra um losango, um dos times tem mais amplitude no ataque, dominando as ações pelos lados, enquanto o outro tem mais número na faixa central e por isso domina a posse de bola no setor. Na prática, porém, o Cruzeiro dominou os lados como esperado, mas também o meio-campo, com uma postura bem enérgica principalmente na transição defensiva, também conhecida como recomposição — uma das quatro fases do jogo, sendo as outras três posse de bola, posse do adversário e transição ofensiva, o famoso contra-ataque.

Além disso, sem jogadores abertos no ataque, o Fluminense deu liberdade aos laterais cruzeirenses, que são atualmente a melhor saída de bola do time. Na tentativa de frear estas ações — e talvez por estar acostumado a jogar no 4-2-3-1 duranto muito tempo, como o próprio Luxemburgo disse — Wagner e Diguinho abriam, saindo do meio-campo central, tirou a vantagem numérica que o Fluminense teoricamente teria por ali. Assim, o Cruzeiro não só teve melhor saída como também teve mais posse de bola.

O grande perigo seria Deco. Solto, o meia poderia sempre dar uma opção de passe para que o Fluminense saísse construindo o jogo de trás, e uma vez recebida a bola, achar um companheiro mais colocado. Porém, não só Deco não conseguia receber a bola devido à intensidade na marcação sobre a bola dos homens de frente do Cruzeiro, como também não tinha boas opções quando de fato tinha a posse em seus pés. Portanto, ou ele fazia um passe sem verticalidade ou errava o passe.

Tudo isso foi deixando o time da casa nervoso e o Cruzeiro mais à vontade, criando bastante e finalizando com frequência, mas sem eficiência. Um perigo neste tipo de jogo, onde o adversário tem qualidade mas está passando por um mau momento. Um gol no primeiro tempo — que seria merecido pelo que aconteceu na partida — deixaria o Cruzeiro muito mais tranquilo e o Fluminense bem mais pressionado.

Felipe

O domínio durou até os 35 minutos, quando ainda no primeiro tempo Deco deu seu lugar a Felipe. A princípio pensava-se ser por opção técnica, mas depois saiu a informação de lesão na coxa do luso-brasileiro. Conveniente, pois a substituição melhorou o Fluminense, equilibrando um pouco mais a partida. O Cruzeiro ainda era melhor, mas já não dominava as ações com facilidade.

O Fluminense melhorou porque Wagner foi ser o vértice avançado e Felipe o esquerdo do losango de meio-campo. Basicamente, o principal passador do time, que antes era Deco, havia sido deslocado pra trás, com Felipe. Com uma opção melhor já no primeiro passe, o Fluminense conseguiu trocar mais bolas e chegar à frente pelo chão com mais frequência. Também, ao perder a bola, Wagner ia bater com Mayke, abandonando o meio-campo central, enquanto Sóbis abria pela direita para frear Egídio, encaixando a marcação com Nilton, Souza e Goulart no triângulo de volantes cariocas — o losango se transformava num 4-3-3 ao defender.

Porém, o Cruzeiro ainda tinha mais intensidade na recomposição, e por isso ainda era um pouco melhor na partida. Mas o zero a zero persistiu, e o resultado só não foi mais injusto porque o pênalti inexistente sobre Wagner foi defendido brilhantemente por Fábio, vencendo Fred duas vezes.

Segundo tempo

Sem trocas, o jogo seguiu mais equilibrado após o intervalo. Como é natural, o Cruzeiro já não pressionava tanto o homem da bola como no início do jogo. Aos 17, Marcelo começou o jogo de xadrez contra Luxa, tirando Luan para lançar William. O recém-chegado da Ucrânia foi, a princípio, jogar no mesmo local, pela faixa esquerda. O estilo, porém, é bem diferente: enquanto Luan é mais físico e brigador, William é mais veloz e driblador. Além disso, William não faz tão bem a marcação do lateral quanto Luan.

Após as trocas, a marcação ficou mais "encaixada", mas os ponteiros cruzeirenses não acompanhavam os laterais do Fluminense, que ainda tinha mais qualidade de passe no meio-campo com Jean e Felipe

Após as trocas, a marcação ficou mais “encaixada”, mas os ponteiros cruzeirenses não acompanhavam os laterais do Fluminense, que ainda tinha mais qualidade de passe no meio-campo com Jean e Felipe

E foi nisso que Luxemburgo apostou quando, quatro minutos depois, tirou Diguinho do meio, colocou o garoto Igor Julião na lateral direita e avançou Jean para a sua posição original. O Fluminense, que já ganhava o meio-campo a essa altura, teve ainda mais qualidade no passe, já que Jean tem bem mais criatividade que Diguinho, um jogador praticamente apenas de combate. E na lateral, o garoto Julião foi bem voluntarioso, ultrapassando pela direita e dando opção no ataque sem medo de deixar William às suas costas.

O jogo ficou aberto e chances apareceram de lado a lado, a mais perigosa numa jogada de dribles rápidos de Egídio — o que vem sendo sua especialidade. O lateral avançou até o círculo central com a bola, dando de calcanhar para Everton Ribeiro que chutou no cantinho, para boa defesa de Cavalieri.

Luxemburgo quis dar ainda mais consistência a seu lado direito, colocando o garoto Kennedy aberto por aquele lado no lugar de Wagner e invertendo Rafael Sóbis para a esquerda, oficializando o 4-3-3 (ou 4-1-2-3). Marcelo respondeu com Lucca na vaga de Vinicius Araújo, avançando Ricardo Goulart para o ataque e centralizando Everton Ribeiro — Lucca e William passaram a alternar pelos flancos.

O feitiço contra o feiticeiro

Mas Everton Ribeiro, William e Lucca não guardavam suas posições, tentando naturalmente confundir a marcação carioca. De certo modo funcionava, mas compromentendo a recomposição. Com Felipe e Jean no meio, o Fluminense inverteu as jogadas de lado com mais facilidade e por várias vezes Carlinhos e Julião, os laterais adversários, tiveram campo para avançar e ajudar no ataque — numa inversão do que acontecia no início da partida. O castigo veio exatamente em passe de Felipe para Carlinhos totalmente livre na esquerda, já que Mayke estava compondo com os zagueiros dentro da área. O cruzamento foi errado, mas a defesa celeste errou ao deixar tanto Kennedy quanto Fred sem marcação — o primeiro errou a finalização mas acabou passando sem querer a Fred, que concluiu de cabeça para o gol.

Logo depois desse momento, Carlinhos apareceria na imagem para receber o passe de Felipe, mas sem William em seu encalço

Logo depois desse momento, Carlinhos apareceria na imagem para receber o passe de Felipe, mas sem William em seu encalço

E, da mesma forma que no primeiro tempo um gol traria tranquilidade ao Cruzeiro, o Fluminense se acalmou e se contentou e fechar as investidas celestes, que já não eram tão perigosas. O cabeceio de Ricardo Goulart sozinho dentro da área, completando escanteio da direita, foi pra fora, decretando a segunda derrota injusta do Cruzeiro neste campeonato.

Só no futebol

É claro que perder é ruim em qualquer circunstância. Porém, diferentemente dos últimos dois anos, a derrota foi um capricho do futebol, o famoso “quem não faz leva” — que se não fosse um pouco verdadeiro não seria um chavão — e não porque o adversário foi superior. Parece loucura dizer uma coisa dessas, mas o mais importante não foi o placar, e sim que o time demonstrou consistência tática, tanto defensiva quanto ofensivamente.

Bom, pelo menos enquanto os titulares estiveram em campo. As mexidas de Marcelo Oliveira desta vez não funcionaram tão bem, principalmente a saída de Luan, que afrouxou um pouco a marcação pela esquerda. Talvez aqui tivesse faltado um pouco de variação tática, quem sabe um 4-3-1-2 losango ou um 4-3-3 clássico, pra anular um pouco a qualidade de passe que o meio-campo do Fluminense ganhou com a entrada de Felipe. Luxemburgo venceu o duelo desta vez, pois fez uma melhor leitura da partida.

Mas pedir variações táticas dentro da mesma partida, e ainda com jogadores que jogaram pouquíssimo junto com os titulares — Lucca voltando de contusão e William recém-chegado — de um time ainda eu seu primeiro ano talvez seja demais. Assim, a confiança ainda permanece. Afinal, a derrota veio em uma circunstância da partida, que poderia ser totalmente diferente se o domínio no primeiro tempo fosse transformado em gols.

Enfim, esse é o futebol: nele, e só nele, o melhor pode perder uma partida.



Grêmio 2 x 1 Cruzeiro – Estreito

O título deste artigo teria sido “o medo de perder tira a vontade de ganhar”, pois sintetiza bem as escolhas táticas de Celso Roth, nesta que foi a última partida do Cruzeiro no Olímpico. Seria, se o blogueiro PC Almeida não tivesse usado o mesmo título em sua crônica pós-jogo — o que indica o quanto foi óbvia a falta de coragem. Portanto, resolvi mudar o título para que refletisse o aspecto tático principal da partida.

Escalação inicial repetida pela primeira vez, mas desta feita o 4-3-1-2 losango foi muito “padrão”, estreitando demais a equipe com o conservadorismo dos laterais

Celso Roth finalmente conseguiu repetir a escalação inicial do último jogo, o que, ironicamente, neste caso não era o ideal. Fábio viu Léo e Thiago Carvalho formarem a defesa, auxiliados por Ceará à direita e Everton à esquerda. Leandro Guerreiro novamente posicionado na base do losango de meio-campo, com Diego Árias e Marcelo Oliveira como carrilleros (como são chamados os lados do losango na Argentina) segurando a barra defensiva para Montillo, que novamente caía pelos lados e tinha poucas atribuições defensivas. Na frente, Borges e Anselmo Ramon permaneciam como duas referências na frente.

Luxemburgo, o suposto autor da frase citada, armou o Grêmio como esperado no 4-4-2 britânico que variava para um quadrado (4-2-2-2) no meio com a posse da bola. A linha defensiva de Marcelo Grohe era composta, da direita para a esquerda, pelo lateral Pará, os zagueiros Werley e Naldo (ele mesmo) e pelo lateral Anderson Pico. Outra linha de quatro à frente, com os meias centrais Souza e Marco Antônio flanqueados por Elano à direita e Zé Roberto pela esquerda. Os dois centralizavam para pensar o jogo quando o Grêmio tinha a bola. À frente, Kléber se movimentava mais e André Lima ficava mais encaixotado entre os zagueiros celestes.

Times estreitos

Ambos os times tinham dois atacantes de fato, impondo a necessidade de prender um lateral com os zagueiros para garantir a sobra. Assim, os laterais só subiam na boa e alternadamente, para não prejudicar a marcação e deixar os zagueiros no mano-a-mano. A consequência direta era que haviam duas avenidas pelos lados do campo, com as equipes estreitas demais, sem amplitude. De certa forma, isso acabou favorecendo o Cruzeiro, fazendo com que o jogo passasse sempre pelo meio, facilitando a marcação.

O mesmo valia para o Grêmio, porém, e assim o Cruzeiro só foi concluir pela primeira vez aos 13, quando os gaúchos já haviam testado Fábio algumas vezes. Mas como o futebol é o futebol, foi o Cruzeiro quem marcou, na sua segunda finalização. Anselmo Ramon, bem aberto pela esquerda, conseguiu se livrar da marcação mais na raça e no corpo do que na habilidade, e mandou uma bomba dali mesmo. Marcelo Grohe foi atrapalhado pelas tentativas sem sucesso de desvio de Montillo e Borges, e a bola entrou.

O placar vantajoso fez o Cruzeiro ficar ainda mais conservador em campo, aceitando e repelindo as tentativas do Grêmio de empate. Postura típica de um time sem confiança, quando o correto seria tentar ampliar. No fim das contas, quem salvou mesmo a vitória parcial foi Fábio, com duas defesas espetaculares, à queima-roupa. Era um prenúncio do que seria a etapa final.

Vontade de ganhar

Estava claro que, com todo o espaço pelos flancos, quem explorasse estes setores primeiro iria se dar bem. Satisfeito com a retranca que armou, Celso Roth não fez substituições. Já Luxemburgo enxergou o problema e tirou Zé Roberto, poupado, lançando Leandro, que foi jogar aberto pela esquerda do ataque. Além disso, Luxemburgo deu sinal verde a seus laterais, que passaram a apoiar com muito mais ímpeto. Para evitar ser pego nos contragolpes, o treinador gremista ainda pediu a seus meias centrais que pressionassem a segunda bola — o rebote da zaga — para recuperar a bola o mais rápido possível ou para que os volantes do Cruzeiro não tivessem tempo para pensar, “rifando” o passe.

O plano foi executado com perfeição e o Cruzeiro sofreu uma pressão terrível. Os laterais ficavam no 2 contra 1 constantemente, já que Kléber saía da área e ajudava Pará do lado direito, enquanto Leandro e Anderson Pico sobrepujavam a marcação de Ceará. O Cruzeiro era atacado por todos os lados e repelia o que podia, mas sem dar sequência a suas posses, e assim foi até sofrer o gol de empate, em lançamento recebido por Marcelo Moreno, que havia entrado no lugar do estático André Lima, numa linha de impedimento mal feita da zaga cruzeirense.

Medo de perder

Este bizarro 4-4-2 era o time que sofreu a virada e deveria tentar o novo empate, com dois zagueiros nas laterais, dois laterais como ponteiros e um ponteiro (Montillo) como segundo atacante

O contra-remédio era simples. Bastava tirar um dos atacantes, lançando um ponteiro veloz (como Élber ou Martinuccio, por exemplo) e abrir um dos volantes pelo outro lado. O novo 4-2-3-1 daria amplitude de ataque e seguraria os laterais gremistas em seu campo, diminuindo a pressão. Entretanto, Celso Roth preferiu tentar manter o empate do que correr atrás da possível vitória, e lançou Souza e Mateus nos lugares de Diego Árias e Borges. A princípio, pensei se tratar de um 3-4-1-2 que avançaria Diego Renan e Everton ao meio-campo, o que  de fato o que aconteceu, mas em outro sistema. Leandro Guerreiro afundou entre os zagueiros, Léo foi para a lateral direita e Mateus foi parar na esquerda. Diego Renan e Éverton flanqueavam Marcelo Oliveira e Souza, com Montillo de segundo atacante e Anselmo Ramon na frente. Sim, era um 4-4-2 inglês, mas marcando em linha baixa, ultra-recuado, armado para contra-atacar usando Anselmo de pivô e a velocidade de Montillo.

O plano furou na primeira jogada. Marcelo Moreno ganhou na raça de seu marcador e deu um passe fraquinho para Leandro — desta vez na direita, invertido com Kléber. A bola passou devagar à frente de Mateus, mas o zagueiro-lateral-esquerdo errou o bote e proporcionou uma jogada em velocidade por aquele lado, resultando num cruzamento que Fábio desviou mas que Marquinhos completou no rebote, totalmente sem marcação.

Virada consolidada, o Grêmio tirou o pé, e só aí o Cruzeiro foi à frente. Mesmo com um sistema desfavorável, já que Mateus tentava dar uma de lateral ofensivo pela esquerda, algumas chances até apareceram, mas as finalizações e os últimos passes novamente deixaram a desejar, e o Cruzeiro completou sete partidas longe do triunfo.

Criatividade e filosofia

Este blogueiro não está no dia-a-dia da Toca II para tirar qualquer conclusão mais profunda, portanto falo baseado no que vejo nos jogos. E a impressão que tenho é que, infelizmente, Celso Roth não é um técnico inventivo — não no sentido de improvisar, mas no sentido de saber ler o jogo, ler o adversário e fazer uma substituição mais cirúrgica, sem recorrer a fórmulas prontas. Além disso, é um treinador que tem uma filosofia de futebol que não é compatível com a linhagem histórica da camisa celeste. O futebol vistoso e ofensivo é o tipo de jogo que a torcida está acostumada a ver. A posição do rival influencia na pressão, mas acredito que a irritação do torcedor vai muito além disso, pois tenho certeza que, estivesse o Cruzeiro jogando o futebol que lhe é historicamente característico, mesmo sem resultados a torcida estaria um pouco mais calma, pois teria alguma perspectiva de melhora.

Na entrevista coletiva, Roth botou a culpa na arbitragem, o que, sinceramente, foi o menor dos problemas da partida — tanto é que nenhum jogador fez coro com o o treinador. Mas o corajoso repórter Samuel Venâncio perguntou se a responsabilidade também não seria dele, visto que ele trocou um atacante por um zagueiro — que foi exatamente quem errou no segundo gol — quando o jogo ainda estava empatado. Roth respondeu que todos têm responsabilidade, mas não disse em nenhum momento a palavra “eu”. Coisa que um grande treinador faria sem problemas.

Sou sempre a favor da manutenção, pois trabalhos longos é que geram resultados. Mas a filosofia do clube é que tem que ser seguida, e não a do treinador. Portanto, que venham logo os 45 pontos para que possamos trocar já e pensar em um 2013 melhor.



Cruzeiro 1 x 3 Grêmio – Irreconhecível

O título acima é um jargão futebolístico bastante usando. Serve para descrever resumidamente a atuação muito abaixo do que se espera de um time de futebol. Portanto, é um título apropriado, mesmo porque este blog trata de tática — e o Cruzeiro esteve, de fato, irreconhecível taticamente.

Cruzeiro num 4-3-1-2 losango, com zero profundidade pelos lados do campo e um ataque inerte – difícil de explicar porque Celso mandou esta formação a campo

Celso Roth surpreendeu a todos escalando Marcelo Oliveira no meio-campo. O volante jogou pela esquerda num inexplicável 4-3-1-2 losango, tendo o estreante Borges acompanhado por Wellington Paulista à frente, uma combinação de ataque pouco móvel e lenta. A saída de Fabinho é um mistério. Talvez Roth tivesse ficado com receio de perder a batalha no meio, já que Luxemburgo manteve seu preferido esquema com 4 no meio-campo, mesmo com a estreia confirmada de Elano. O meio-campo gremista, no entanto, tinha dois meias mais claros, ou seja, um 4-2-2-2 com Elano pela esquerda e Zé Roberto pela direita.

Assistindo ao vivo das arquibancadas, a primeira coisa que veio na cabeça deste blogueiro quando saíram as escalações foi a de que seria um jogo sem amplitude. Sem jogadores caindo pelas pontas mais claramente, o jogo tendia a ser concentrado entre as duas intermediárias. E assim foi, com o Cruzeiro tomando mais a iniciativa, mas sem grandes perigos de lado a lado, exceção feita em um cabeceio de Borges em bola alçada por Leandro Guerreiro pela direita — mas de uma posição mais recuada.

Com o jogo preso no meio e a falta de jogadas pelas laterais, o caminho para tentar algo diferente era — obviamente — os lados do campo de ambas as equipes. Atrás de mim na arquibancada, saíam gritos insistentes de “abre o jogo, abre o jogo!”. Estava claro que fizesse a primeira jogada bem trabalhada pelo setor levaria muito perigo ao gol adversário, e para nossa infelicidade, foi o Grêmio quem o fez. Na aproximação de Elano e Kléber com o lateral Tony, Everton e Leandro Guerreiro foram sobrecarregados e Elano fez a ultrapassagem pela esquerda para receber passe profundo de Kléber. Com muita liberdade, o estreante cruzou na cabeça de Marcelo Moreno, destaque da partida, que ganhou de Léo para vencer Fábio.

Nem bem a bola rolou novamente e o Cruzeiro tomou outro gol pelo mesmo lado. Desta vez, foi o próprio Tony que acreditou numa bola muito longa colocada por ele mesmo. Everton desistiu da jogada achando que a bola ia sair, mas o lateral conseguiu alcançar e, mesmo tendo o combate de Léo, mandou rasteiro para a área. Moreno, mais esperto que Mateus, tomou a frente e deu um toque sutil para trás, o suficiente para chegar a Kléber que estava de prontidão para concluir com muita liberdade. Efeito cascata: Everton saiu da bola, Léo teve que ir pra cobertura, saindo da marcação de Moreno, fazendo Mateus dar combate e deixando Kléber livre. Leandro Guerreiro só chegou depois que o camisa 30 já havia concluído.

Como aconteceu nas últimas partidas, o Cruzeiro saiu atrás no placar, e não poderia mais usar a estratégia da reatividade. Teria que sair ainda mais para o jogo. Já o Grêmio, ciente de que tinha construído uma imensa vantagem, contentou-se em cozinhar o jogo e repelir a investidas celestes — deixando claro que o Cruzeiro não deve apostar em uma proposta de jogo de iniciativa. A expulsão de Werley no fim do primeiro tempo pelo segundo cartão amarelo foi, por incrível que pareça, prejudicial ao Cruzeiro, pois significaria que o Grêmio iria se fechar atrás para segurar a vantagem, dificultando ainda mais a vida celeste.

Dito e feito: no intervalo, Luxemburgo sacou Kléber e mandou Vilson a campo, recompondo a zaga e fazendo duas linhas de quatro bem definidas, com Elano e Zé Roberto abertos e somente Moreno à frente. No Cruzeiro, Souza ia a campo na vaga do vaiado Everton, com Marcelo Oliveira passando à lateral esquerda. Montillo foi jogar aberto do lado direito com Tinga e Souza de meias: uma espécie de 4-3-3, já que Wellington Paulista não permanecia aberto pela esquerda do ataque. A alteração não funcionou, pois o Grêmio tinha agora seus flancos bem fechados e as duas linhas bem compactadas. Celso então colocou Fabinho em campo, algo que deveria ter feito desde o início, já aos 7 minutos da segunda etapa, no lugar de Diego Renan. Tinga passou a jogar na lateral direita, mantendo o 4-3-3. Montillo pela direita e Souza pela esquerda, protegidos por Leandro Guerreiro, passaram a compor o meio-campo celeste.

Mas o Cruzeiro pecou e muito em fundamentos básicos: passes e cruzamentos. O goleiro Marcelo Grohe foi pouco incomodado, já que os constantes erros de passe anulavam a possibilidade de criação de chances. Os poucos cruzamentos na área na área eram afastados pela zaga gremista. E com praticamente todo o time à frente e o meio-campo despovoado, somente Leandro Guerreiro ficava atrás da área adversária para pegar as sobras, contra 2 ou 3 do Grêmio. O resultado era previsível: na grande maioria das jogadas o Grêmio recuperava a posse nas segundas bolas, evitando que o Cruzeiro tivesse a bola por períodos prolongados, e conduzia-a sem dificuldades até o campo de ataque.

Foi assim que veio o golpe fatal: uma jogada de Souza (do Grêmio) pela esquerda do ataque. De posse da bola, o volante não teve marcação e avançou até um vazio atrás de Mateus, que estava cobrindo pelo a subida de Tinga para o ataque. Leandro Guerreiro foi atrás, mas marcou de longe, e o volante conseguiu achar Marcelo Moreno totalmente livre de marcação dentro da área. O atacante limpou o combate de Léo e bateu cruzado, sem chances para Fábio. Fim de jogo aos 19 do segundo tempo.

O desorganizado 4-3-3 cruzeirense do fim da partida, sem qualquer criatividade e super exposto na retaguarda

As três últimas substituições foram diretas: Borges por Anselmo Ramon, e no Grêmio Moreno por André Lima e Elano por Marquinhos. O Grêmio seguiu no 4-4-1 até o fim, senhor da partida, contra um Cruzeiro desesperado e já desorganizado, mesmo com um jogador a mais. A equipe pouco finalizou, a não ser em uma bicicleta de Anselmo Ramon dentro da área que Grohe defendeu e alguns chutes sem direção. No fim da partida, um lance que resume bem a falta de criatividade celeste: o time rodou a bola de um lado a outro, mas sem partir para definição nem arriscar um passe mais profundo. Coube a Léo, um zagueiro, se juntar à ação ofensiva, receber um passe, limpar a marcação e finalizar. Grohe pôs a escanteio.

Celso Roth resumiu assim a partida: “(…) Até o jogo estar 0 a 0, o Cruzeiro tinha iniciativa e estava bem, mas o gol alterou tudo, duas falhas lamentáveis nossas. Depois coloquei o Souza e o Marcelo pelo lado esquerdo, o Souza para passar a bola e abrimos o Montillo para os dois jogarem com velocidade, mas não funcionou. Tentei o Montillo pela meia, junto com o Souza, e colocamos o Tinga aberto pela direita para ter profundidade com três atacantes, mas não funcionou. E quando nada funciona, aí cria essa confusão, e o Grêmio foi superior.”

De fato, o Grêmio foi superior, mesmo com um a menos. Cogitei dar o título de “Como jogar com 10” para esta análise, mas este é um blog sobre o Cruzeiro e não sobre os outros times.

É de Celso Roth grande parte da culpa pela derrota de hoje. Claro, os jogadores erraram fundamentos básicos, mas o jogo seria menos perigoso se Fabinho estivesse em campo desde o começo, pois seguraria o lateral direito gremista, protegendo Everton um pouco mais. Além disso, escalar Borges e WP no mesmo não contribuiu para a mobilidade do time, que ficava a cargo de Montillo — novamente anulado pela marcação forte, desta vez do excelente volante Fernando — e Tinga, que correu por todos.

É mais sensato retornar ao 4-2-3-1 diagonal de volta contra a Portuguesa, mais cauteloso. Foi a postura reativa que nos levou à liderança, e é assim que temos que continuar a jogar. Vai contra as tradições cruzeirenses de times vistosos e propositivos, mas é o que podemos fazer hoje. Sair para o jogo, atualmente, é fatal para nós.

E não, não esqueci o gol de Wellington Paulista, cobrando pênalti no fim. Mas é que ele foi tão irrelevante que nem valeria a pena citá-lo.

Eu nem comemorei.