Cruzeiro 2 x 1 Atlético/MG – Com onze contra onze é outra história

O Cruzeiro venceu o seu rival, consolidando os 100% de aproveitamento no Mineirão em 2013 e quase conseguiu uma título histórico sobre o melhor time que o rival teve nos seus últimos anos. Uma partida que serviu para provar que o caneco era sim uma possibilidade bem real, não fosse a expulsão no primeiro jogo — àquela altura o jogo estava 1 x 0 e o Cruzeiro ensaiava uma reação.

O jogo em si foi muito mais decidido em termos de estratégia do que propriamente na parte tática, mas o Cruzeiro soube explorar bem alguns pontos fracos do Atlético Mineiro e venceu merecidamente.

O onze inicial

No 1º tempo, Diego Souza e Everton Ribeiro ocuparam os volantes adversários para dar liberdade a Dagoberto nas costas de Marcos Rocha pela esquerda

No 1º tempo, Diego Souza e Everton Ribeiro ocuparam os volantes adversários para dar liberdade a Dagoberto nas costas de Marcos Rocha pela esquerda

Marcelo Oliveira mandou o 4-2-3-1 usual a campo, com duas mudanças na linha defensiva de Fábio: Paulão na vaga do suspenso Bruno Rodrigo e Egídio promovido à lateral esquerda. Léo e Ceará na direita completaram a defesa. Leandro Guerreiro se plantou na cabeça da área, tendo Nilton a seu lado como suporte. À frente, Diego Souza se movimentava, ajudado por Everton Ribeiro à direita e Dagoberto pela esquerda, no posicionamento mais espetado de costume. Borges foi a referência dentro da área ofensiva.

O Atlético Mineiro de Cuca,  também no 4-2-3-1, veio com a mesma defesa do primeiro jogo, contrariando expectativas pela volta de Leonardo Silva à zaga. O gol de Victor foi mais uma vez defendido por Réver e Gilberto Silva, flanqueados por Marcos Rocha pela direita e Richarlyson pela esquerda. No lugar do suspenso Pierre, Josué fez a dupla volância com Leandro Donizete. E à frente, o quarteto ofensivo costumeiro: Tardelli partindo da direita, Bernard da esquerda, Jô de centro-avante e Ronaldinho na faixa central.

Estratégias

Com grande vantagem no placar agregado, o Atlético Mineiro jogou todo o primeiro tempo se poupando. Talvez já estivessem pensando na partida pela Libertadores, mas não foi a postura “normal” do time rival, aquela que vem arrancando elogios pelo Brasil afora: intensidade e marcação avançada. Um estilo de jogo que se encaixa mais na proposta cruzeirense, de rodar a bola, cadenciar e esperar os momentos certos para acelerar o jogo. Assim, os quatro homens de frente dos visitantes limitaram-se a dar o primeiro combate na linha de meio-campo, tentando pegar um erro de passe do Cruzeiro para encaixar um contra-ataque.

Porém, o Cruzeiro foi paciente, mesmo sabendo que devia fazer três gols e não levar nenhum para ser campeão. Tocou a bola com paciência e aos poucos achou as brechas na marcação atleticana. Mas não sem se arriscar, pois assim é o futebol, e o Atlético Mineiro teve algumas chances em contra-ataques nas costas dos laterais — mais especificamente Egídio, que apoiava com mais intensidade. Do outro lado, Ceará venceu mais uma vez o duelo com Bernard e foi seguro na marcação, apoiando só na boa.

Caminhos do gol

Com os flancos bloqueados, restou ao time rival atacar pelo centro. Mas Ronaldinho se aquietou diante da ótima marcação individual de Leandro Guerreiro — que desta vez se limitou a fazer apenas isso, como na partida inaugural da temporada. Assim, restou a Jô tentar desarrumar a defesa cruzeirense. O grandalhão até que ganhou alguns duelos individuais, mas sempre havia mais cruzeirenses que atleticanos na segunda bola, e assim a principal jogada aérea estava comprometida.

No Cruzeiro foi o inverso. Richarlyson era lateral zagueiro e quase nunca apoiava, mas o ímpeto ofensivo natural de Marcos Rocha abria espaço às suas costas. Dagoberto explorou muito bem este setor, ajudado pela movimentação de Diego Souza e Éverton Ribeiro, que ocupavam os volantes adversários em duelos sem claros vencedores, obrigando Gilberto Silva a fazer a cobertura no um contra um. Assim nasceu o lance do primeiro pênalti. O drible veloz venceu a experiência e o próprio Dagoberto converteu o pênalti sofrido.

A desvantagem no placar não mudou a postura do time visitante, que continuava assistindo a posse paciente do Cruzeiro e tentando partir em velocidade. O lance do segundo pênalti mostra a diferença de atitude: Richarlyson foi tranquilo demais para uma bola que parecia perdida, enquanto Borges foi com sede ao pote, resultando no pênalti convertido que reduziu a vantagem atleticana ao mínimo.

Segundo tempo

Sem alterações, os times voltaram com posturas diferentes. O Atlético Mineiro avançou a marcação e tentou ficar mais com a bola nos pés, e aí o jogo mudou de lado. O time visitante tentou sair pro abafa para marcar logo o gol que praticamente selaria o caneco. Mas o Cruzeiro se defendia bem e só deixou a meta de Fábio ser ameaçada em um chute de Jô na trave. Mas esse estilo de jogo não era suficiente, pois o Cruzeiro precisava de mais um gol e não de se defender, e por isso Marcelo Oliveira mandou Ricardo Goulart na vaga de Diego Souza. Goulart é mais criativo e tentaria passes mais incisivos.

A alteração surtiu algum efeito, já que o jogo ficou mais equilibrado, com uma chance de cada lado: Réver em cabeceio para linda defesa de Fábio e Borges em lance de contra-ataque que Victor defendeu. Logo depois desse lance, ele sairia para Anselmo Ramon, numa tentativa de Marcelo Oliveira de usar o feitiço contra o feiticeiro: bola longa para o pivô disputar de cabeça ou segurar para os companheiros chegarem, afastando o time rival da área defensiva.

Erro fatal

No fim, o Cruzeiro foi para o abafa, muito mais na vontade, mas não superou a linah de 5 defensores do rival

No fim, o Cruzeiro foi para o abafa, muito mais na vontade, mas não superou a linha de 5 defensores do rival

Durante dez minutos, nos quais houve somente trocas diretas — Ceará por Mayke, e no rival, Bernard por Luan, e Jô por Alecsandro — o jogo ficou aberto, com qualquer lado podendo marcar. O Cruzeiro teve chances e ensaiava um domínio quando Egídio, que ironicamente era um dos melhores do jogo, errou um passe e entregou a bola para Luan, que avançou pra cima de Léo. O próprio Egídio dobrou a marcação com o zagueiro e Luan caiu dentro da área. O pênalti inexistente foi marcado, e o gol do rival esfriou o que poderia ser um fim de jogo eletrizante.

A partir daí o Cruzeiro foi pra cima mais na vontade. O Atlético se contentou em segurar o Cruzeiro, sabendo que agora tinha dois gols de vantagem. Na única alteração tática da partida, Cuca mandou Leonardo Silva a campo na vaga de Diego Tardelli, fechando a porta da área num 5-3-1-1 com o recuo dos alas para a linha dos três zagueiros e explorando o contra-ataque, que agora era cedido amplamente pelo Cruzeiro. Marcos Rocha quase faz um golaço assim, mas Fábio salvou.

O Cruzeiro ainda teve algumas finalizações, e Luan ainda seria expulso por falta em Dagoberto, faltando três e acréscimos para terminar, mas se sentou no gramado após o cartão e a confusão que se sucedeu enterrou as esperanças dos gols necessários.

Foi por pouco

A segunda vitória do Cruzeiro sobre o rival no ano foi inconteste e merecida, provando que o time atleticano não está tão à frente como pregam. O título não veio, mas a vitória, com autoridade, mostrou que o Cruzeiro tinha sim time para fazer frente ao tão “badalado” rival também no primeiro jogo. Não há como negar que a expulsão de Bruno Rodrigo foi fator determinante para o placar elástico naquela partida.

Com cinco meses de trabalho, um time ainda em formação conseguiu equilibrar uma decisão praticamente perdida contra uma equipe que joga junto há dois anos. O início de trabalho é excelente. É claro que os jogadores precisam se entrosar ainda mais, tendo em vista que alguns jogadores ainda nem estrearam, como Dedé e o possível volante passador que virá, assim como o próprio Marcelo Oliveira precisa conhecer mais as características de seus jogadores e ter a leitura correta do jogo em situações adversas.

Assim, se o Cruzeiro fosse campeão, não seria nada surpreendente. Apenas serviria para alertar o Brasil todo o que nós, cruzeirenses, já sabemos desde o ínicio da temporada: o bom e velho Cruzeiro está de volta e vai brigar na frente nesta temporada. Por outro lado, o fato de não termos campeonado tenha este único aspecto bom: ninguém vai olhar para nós como favoritos, e todos apostarão suas fichas em outras equipes. Enquanto isso o Cruzeiro vai comendo pelas beiradas, e quando prestarem atenção, já estaremos à frente.

Como bons mineiros.



Cruzeiro 2 x 3 São Paulo – O feitiço contra o feiticeiro

Surpreendido com a velocidade do contra-ataque do São Paulo, o Cruzeiro conheceu sua primeira derrota no Brasileiro 2012, sábado, no Independência. Uma soma de pequenos problemas em todos os setores do campo, aliada à habilidade de alguns jogadores do time adversário, foi a razão para o revés.

O 4-2-3-1 diagonal do Cruzeiro no primeiro tempo, sem profundidade pelo lado direito, já que Léo avançava pouco e Tinga era atraído para o meio, abrindo um corredor para Cortês

Celso Roth voltou com Tinga ao meio-campo, manteve Léo na lateral direita e escalou o Cruzeiro no já famigerado 4-2-3-1 diagonal, mas com uma particularidade no meio campo que fazia parecer um 4-2-2-2, como veremos. Já o São Paulo, com a demissão de Emerson Leão no início da semana, foi comandado pelo preparador Milton Cruz, que trabalhou com Muricy Ramalho à época do tricampeonato brasileiro entre 2006 e 2008. Por isso, resgatou a defesa com três zagueiros dos tempos de “Muricibol” e mandou um São Paulo a campo repaginado num 3-4-1-2, com muita liberdade para os laterais Douglas e Cortez, Lucas pelo centro-direita do ataque e Jádson na ligação.

Mais uma vez jogando do lado direito, Léo teve Cortez para marcar na primeira metade de etapa inicial. O lateral esquerdo são-paulino apoiou sem se preocupar em deixar seu setor desguarnecido, já que era suportado por três zagueiros e também porque Tinga era atraído para a batalha no centro meio-campo. Cortez foi uma boa opção de passe, mas Leo não o deixava ter mais profundidade e não foi uma ameaça tão grande. A consequência era que Leo ficava na defesa sem apoiar, e por isso o teve tinha poucas jogadas por aquele lado do ataque.

Do outro lado, Everton não conseguia marcar Lucas, que entrava em diagonal da direita para o centro com frequência. Ele foi ajudado por Douglas, que apoiava com coragem, deixando Fabinho mais livre à frente. O atacante celeste até recuava junto com ele, mas apenas até o meio-campo, tendo mais liberdade para atacar, e por isso o lado esquerdo foi por onde saíram a maioria das movimentações ofensivas do Cruzeiro (isso, junto à situação de Tinga pelo outro lado, é que fazia o esquema às vezes parecer um 4-2-2-2). Charles tentou ajudar na marcação por ali, mas Douglas e Lucas estavam levando a melhor naquele lado. Foi de Douglas a jogada do primeiro gol: meia-lua em Everton após dividida de Charles e Lucas, cruzamento rasteiro para a área. A bola veio nos pés de Rafael Donato, mas o zagueiro falhou e ela bateu nas suas duas pernas, sobrando para Luís Fabiano, limpa, dentro da pequena área. Nem Fábio conseguiria salvar o gol.

A desvantagem no placar mudaria o jogo, porque o Cruzeiro teria que sair para buscar o empate, mas ele veio já no minuto seguinte. Rafael Donato completou escanteio cobrado por Montillo, fazendo uma movimentação inteligente dentro da área para se desvencilhar da marcação e vencer Dênis.

Se Donato se movimentou brilhantemente no gol de empate, foi Luís Fabiano quem o fez no segundo gol são-paulino. O camisa 9 tinha a marcação do zagueiro com Victorino na sobra, mas frequentemente recuava para fazer o pivô e atraía a marcação. Num desses recuos, recebeu passe de Maicon, devolveu e recebeu de volta uma bola quase perdida. Avançou, mas adiantou demais em cima da sobra de Victorino, que dividiu com ele por baixo. A bola acabou indo para frente e sobrando para Lucas, que havia avançado para aproveitar o espaço deixado por Luís Fabiano. Os dois laterais do Cruzeiro, Leo e Everton, fecharam às pressas em cima do jovem atacante, que teve categoria para limpar o lance e tocar no canto.

Detalhe do segundo gol do São Paulo: Lucas aproveita o espaço que Luís Fabiano abre atraindo Donato para fora da área. Note o posicionamento do defensor estreante enquanto Victorino, que estava na sobra, divide com o atacante adversário

Com a contusão de Fabinho, Celso Roth aproveitou para consertar os flancos: Leo passou para o lado esquerdo para marcar Lucas, avançando Everton para segurar Douglas. Souza, o substituto, ficou pela lateral direita. A mudança deu certo e o Cruzeiro passou a ter profundidade pelos dois lados do campo. Souza aproveitou o corredor deixado por Tinga e avançava com frequência, segurando Cortez. Montillo se juntava a ele e a Everton pelo lado esquerdo. Mas os três zagueiros do São Paulo eram muito para Welligton Paulista, sozinho dentro da área. Além disso, o São Paulo sempre podia deslocar um dos defensores para melhorar o combate pelos flancos e ainda garantia a sobra em cima de WP, e por isso a primeira etapa terminou com o time visitante acuado em seu próprio campo, sem ter saída de jogo, mas sem passar muitos sustos. Ainda no primeiro tempo, Rodolpho se contundiu e deu lugar a Paulo Miranda, sem mudar a formação tática.

Nenhuma mudança foi feita no intervalo, num sinal claro que ambos os treinadores estavam razoavelmente satisfeitos com o desempenho de seus times. Porém, logo no começo da etapa final, Luís Fabiano repetiu a dose e atraiu a marcação de Donato para fora da área, literalmente abrindo um buraco à frente de Fábio, sem cobertura. Ele recebe o passe e gira em cima de Donato, deixando Maicon de frente para o gol e com muita tranquilidade para executar um passe incisivo para Cortez — Souza não acompanhou desta vez. O lateral foi parado por Fábio, que não conseguiu segurar o rebote no canto de Jádson que vinha na corrida.

O Cruzeiro não se abateu e continuou jogando como terminou o primeiro tempo. Cinco minutos depois do gol são-paulino, Rafael Donato marcaria o segundo gol, novamente de cabeça, em escanteio cobrado por Montillo. Na busca pelo empate, Celso Roth sacou Charles e mandou Wallyson a campo, “oficializando” Tinga no centro do meio-campo. Com Wallyson, WP e Everton sendo abastecidos por Montillo, Tinga e Souza — que por vezes centralizava para armar de trás — o Cruzeiro abriu a defesa do São Paulo e criou seguidas chances, esbarrando nas finalizações sem qualidade.

No único contra-ataque perigoso que teve, o São Paulo conseguiu um pênalti, Souza em Lucas, recebendo bola longa da defesa. O quarto gol seria uma ducha de água fria na pressão cruzeirense, mas Fábio estava lá para defender a cobrança de Luís Fabiano, dando ainda mais moral para o time celeste. Tinga perdeu dois lances incríveis dentro da área. A essa altura, Milton Cruz já tinha colocado Cícero e Casemiro nas vagas de Jádson e Lucas, tentando fechar o time meio-campo em uma espécia de 5-3-1-1. Roth lançou William Magrão no lugar de Tinga, mas o Cruzeiro não perdeu força ofensiva, e Everton e Wallyson fizeram o goleiro Dênis aparecer.

No final, o Cruzeiro todo ataque numa espécie de 3-3-4 com Donato de centro-avante para tentar aproveitar os inúmeros cruzamentos na área

No fim, Rafael Donato já estava jogando no ataque, num inusitado 3-3-4, mas infelizmente as chances criadas não foram convertidas no gol de empate.

Taticamente, não foi uma partida ruim e podemos ter esperanças de uma melhor sorte no Campeonato Brasileiro. Entretanto, foi só elogiar a solidez defensiva do time celeste e alguns erros aconteceram. Rafael Donato talvez tenha ficado nervoso em sua estréia em casa cheia, mas compensou as falhas com gols e seu excelente jogo aéreo. O zagueiro será uma arma importante para o time ao longo do certame e, se bem lapidado, talvez até tenha chance de titularidade. Além disso, a desvantagem no placar logo no início (desfeita e refeita logo depois) fizeram o Cruzeiro sair de sua proposta de jogo — o contra-ataque. Encurralou o São Paulo em seu campo na maior parte do tempo, mas pecou no último passe sem qualidade e nas finalizações erradas. Teve muitas chances para o empate, mas não aproveitou. O São Paulo veio para tentar abafar a recente crise e Milton Cruz surpreendeu Celso Roth com o posicionamento de sua equipe com a linha defensiva de três zagueiros. Seus jogadores com grife de Seleção fizeram a diferença quando tiveram as oportunidades.

A escalação de Tinga pelo lado direito foi um erro, na modesta opinião deste blogueiro. Tinga, como dito, tem uma tendência a ser atraído para o centro do campo para batalhar pela posse de bola, e acabou abrindo um espaço grande por aquele setor para Cortez apoiar com liberdade, além de ter pouca profundidade pela direita. Souza teria sido uma melhor opção. Essa situação, no entanto, evidencia o quanto o Cruzeiro tem carência nas laterais, já que Diego Renan é o único da posição no momento. Ceará é muito bem vindo.

A sequência difícil continua, contra o Internacional em Porto Alegre. Será mais um teste para a linha defensiva de Celso Roth provar que este jogo foi só um deslize, parando o ataque 3D – Dagoberto, D’Alessandro e Damião. E ainda tem o Oscar. Ou seja, mais gente de Seleção.

É claro que existem pontos positivos em uma derrota como essa. Mas é bom ficar de olho.