Cruzeiro 5 x 0 Santa Rita – Tinha que ser de mais

Todo mundo sabia que seria o duelo mais desigual das oitavas da Copa do Brasil. Afinal, tratava-se do atual campeão e melhor time do país, enfrentando uma equipe que não joga nenhuma das quatro divisões do nacional. Talvez por isso havia a expectativa de que o Cruzeiro jogaria sem correr tanto, sem marcar pressão, deixando o tempo passar e resolvendo sem pressa. Mas não foi isso o que aconteceu.

O Cruzeiro entrou em campo como se estivesse jogando contra um time de Série A. E isso foi a maior demonstração de respeito ao modesto Santa Rita, antigo Corinthians Alagoano. O Cruzeiro marcou, correu atrás da bola e não deixava os jogadores do time visitante trocarem passes tranquilamente. E assim construiu o placar, que poderia ser ainda maior não fosse uma certa displicência dos finalizadores.

Escalações

O 4-3-1-2 losango do Santa Rita sofreu para segurar o 4-2-3-1 celeste, principalmente pelos lados com Mayke e Samudio tendo muita liberdade

O 4-3-1-2 losango do Santa Rita sofreu para segurar o 4-2-3-1 celeste, principalmente pelos lados com Mayke e Samudio tendo muita liberdade

O Cruzeiro entrou em campo com peças diferentes, mas manteve o 4-2-3-1 tradicional. O gol de Fábio foi protegido por Dedé e Manoel, com Mayke fechando a linha defensiva pela direita e Samudio do outro lado. Henrique e Lucas Silva fizeram a proteção, ajudando o ponteiro direito Alisson, o central Júlio Baptista e o ponteiro esquerdo Dagoberto. Na frente, sempre ele, Marcelo Moreno. Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart foram poupados.

Já o Santa Rita foi armado por Eduardo Neto num 4-3-1-2 losango. O goleiro Jeferson teve sua última linha formada por Edir na lateral direita, Júnior Carvalho e Selmo Lima no miolo e Jeanderson na esquerda. Na frente da área, Adriano, Edson Magal e Cristiano Fontes fizeram a tríplice volância, deixando Lucas na ligação para Rafael Silva, mais pela esquerda, e Reinaldo Alagoano, na frente.

Superioridade técnica e tática

A saída era do time visitante. Tão logo apitou o juiz uma horda de azuis partiu pra cima dos adversários querendo a bola a todo custo. Para surpresa deste, os jogadores do Santa Rita conseguiram tocar a bola e sair da marcação pressão, ficando mais tempo com a bola do que nas outras oportunidades de posse. E ainda finalizou primeiro, um chute pra fora de Lucas aos 3 minutos. Porém, o time de Alagoas só finalizaria pela segunda vez 75 minutos depois.

O domínio celeste foi flagrante, mas as razões não são puramente técnicas. Primeiro porque o Santa Rita deixava espaço entre o sistema defensivo e os três homens de frente, exatamente onde o Cruzeiro jogava. O Santa Rita até tinha mais jogadores no setor, mas Lucas não fazia muito o trabalho defensivo e assim ficou três contra três. Só que os três celestes tinham muito mais técnica e velocidade e ocupavam melhor os espaços, ganhando a posse de bola facilmente.

Além disso, um sistema sem jogadores abertos, como é o 4-2-3-1 losango, expõe os laterais. Dessa forma, o Cruzeiro fazia dois contra um dos dois lados: Mayke e Alisson em cima de Jeanderson e Samudio e Dagoberto pra cima de Edir. Não foi à toa que os gols saíram em jogadas pelo lado. O primeiro numa falta sofrida na esquerda que Moreno cabeceou pro gol; o segundo num escanteio conseguido após jogada de Alisson pela direita; e o terceiro em cruzamento de Mayke.

Mas o Cruzeiro teve chance pra fazer muito mais. Moreno acertou a trave duas vezes, Dagoberto concluiu jogada de Mayke dentro da pequena área mas parou em Jeferson, que também defendeu um chute certeiro de Lucas Silva do meio da rua. Isso sem falar nas bolas que foram pra fora. Talvez esse tenha sido o único pecado do Cruzeiro na noite de ontem: finalizar mal. Fazer 3 gols em 45 minutos foi ótimo mas não traduziu a superioridade celeste, foi pouco.

Segundo tempo

Do intervalo em diante, o Santa Rita marcou num 4-2-3-1, fechando os lados mas abrindo o meio: melhor para os volantes celestes

Do intervalo em diante, o Santa Rita marcou num 4-2-3-1, fechando os lados mas abrindo o meio: melhor para os volantes celestes

Nenhum treinador mudou peças no intervalo, mas o Santa Rita voltou marcando diferente. Edson Magal saiu da linha dos volantes e centralizou entre os meias. Lucas abriu pela direita e Rafael Silva oficializou seu posicionamento na esquerda: estava formado um 4-2-3-1.

A mexida deu certo — por assim dizer. No segundo tempo, Mayke e Samudio já não tinham tanta liberdade assim e apoiaram bem menos do que na etapa inicial. Além disso, as linhas ficaram ligeiramente mais próximas, diminuindo um pouco o espaço no meio. Mas isso foi “compensado” com menos gente no centro do meio-campo. Se com três volantes o Cruzeiro já era bem superior, com dois volantes ficou ainda mais fácil. Tanto que Lucas Silva arriscou do meio da rua, Jeferson rebateu pra frente e Moreno não perdoou.

O quarto gol deu a tranquilidade necessária para rodar o elenco. Marcelo tirou Moreno e lançou Marlone, e depois, a pedidos da torcida, estreou o garoto Neílton no lugar de Alisson. Neílton veio para a direita, Marlone ficou centralizado, Dagoberto passou à esquerda e Júlio avançou para o ataque. Com Marlone e Neílton, a intensidade, que naturalmente já começava a cair, voltava com a necessidade de mostrar serviço. Neílton deu velocidade mas não conseguia passar pelos marcadores, perdendo bolas sem falta. E Marlone participou bastante da construção mas chegou pouco à área, papel fundamental para um central. Na vez em que chegou, mandou um balaço no travessão.

Já as mexidas do Santa Rita não mudaram o sistema até o fim do jogo. Assim, o Cruzeiro continuou dominando o meio-campo com facilidade. O maior sinal disso era a posição dos volantes: Willian Farias, que entrou na vaga de Lucas Silva, aparecia pra jogar bem próximo da grande área adversária, quase como um meia armador. Já Henrique estava dentro da área quando marcou o quinto e último gol.

 

Sobre as conclusões

O placar foi dilatado, mas poderia ter sido ainda mais. O Cruzeiro concluiu a gol nada menos do que 30 vezes, sendo 16 delas (53,33%) certas e 5 gols (16,67%). É uma taxa de acerto e de conversão maior do que as do time no Brasileirão até a 17ª rodada (44,59% e 14,86% respectivamente), mas o que deixa com a pulga atrás era a qualidade das chances. Contando somente as três bolas na trave e um cabeceio de Júlio Baptista pra fora, sozinho dentro da pequena área, já seriam mais quatro gols. Isso sem falar nos vários chutes fracos em cima do goleiro e pra fora em posições muito boas de chute.

O mapa de finalizações mostra como o domínio foi maior que o placar final mostrou: 30 chutes a gol, 16 certos (Footstats)

O mapa de finalizações mostra como o domínio foi maior que o placar final mostrou: 30 chutes a gol, 16 certos (Footstats)

Mas isso me parece cornetar demais. De toda forma, o resultado largo permite agora ao Cruzeiro poupar jogadores na partida de volta em Alagoas. Chance para rodar ainda mais o elenco e dar ritmo, pois confirmada a classificação às quartas, a próxima possibilidade de semana livre será somente entre os dias 26 de outubro e 2 de novembro — isso se o Cruzeiro não se classificar para as semifinais da Copa do Brasil.

Como ninguém quer isso, é quarta e domingo até dezembro — por isso, rodar o elenco não será importante: será uma necessidade.



Botafogo 1 x 1 Cruzeiro – O futebol é mais importante que o resultado

O Cruzeiro foi ao Maracanã sabendo do tamanho da crise do Botafogo. Mesmo assim, tinha um discurso de respeito ao adversário. Quando a bola rolou, parecia que era o time celeste que jogava em casa: controle da posse de bola e de território, jogando bom futebol e buscando a vitória a todo instante. Foi superior técnica e taticamente, anulando a maioria das poucas ameaças que sofreu e procurando criar espaços diante da retranca carioca.

Não foi suficiente desta vez, muito por conta de um único erro coletivo e também do goleiro adversário, mas valeu. Pois não foi uma busca pelo resultado a qualquer custo, de qualquer jeito: existe uma filosofia por trás. E o Cruzeiro deste sábado foi o verdadeiro Cruzeiro, e isso é o mais importante.

Sistemas e nomes

O 4-4-1-1 do Botafogo bloqueou os laterais celestes e forçou o 4-2-3-1 celeste a jogar pelo centro; Edilson era o puxador de contras

O 4-4-1-1 do Botafogo bloqueou os laterais celestes e forçou o 4-2-3-1 celeste a jogar pelo centro; Edilson era o puxador de contras

Para este jogo, Marcelo Oliveira lançou Mayke na vaga de Ceará, lesionado, pelo lado direito da linha defensiva do goleiro Fábio. Dedé e Léo repetiram o miolo e Egídio fechava o lado canhoto. Lucas Silva e Henrique mais uma vez fizeram a parceria na proteção e apoio ao ataque, se juntando ao trio de criativos: Everton Ribeiro à direita, Ricardo Goulart como central e Marquinhos à esquerda. Moreno completava o escrete na referência.

Vágner Mancini mudou em relação às últimas partidas. Ao invés do 4-3-1-2 losango esperado, para dar suporte a Carlos Alberto como criador no meio, o Botafogo entrou num 4-4-1-1, que variava para 4-2-3-1 com a bola. Jefferson teve Lúcio à direita e Júnior César à esquerda, com Bolivar e Dória protegendo o centro. Na segunda linha, Edilson fechava o lado direito, Bolatti e Gabriel protegiam a entrada da área e Rogério, estreante, foi escalado para fechar o lado esquerdo. Carlos Alberto, sem responsabilidade defensiva, ficava logo atrás de Emerson, que se movimentavam para os lados.

Flancos fechados

O Botafogo foi humilde e reconheceu a superioridade técnica do Cruzeiro, desde o início deixando claro qual era sua proposta de jogo: bloquear o Cruzeiro e partir em contra-ataques. Assim, deixava a bola com o Cruzeiro e não pressionava no alto do campo. Carlos Alberto apenas cercava Henrique e Lucas Silva, e Emerson fazia o mesmo com os zagueiros celestes.

Se a bola chegava a um dos laterais, no entanto, o Botafogo imediatamente subia a marcação. A ideia era forçar o jogo celeste pelo centro, e foi o que aconteceu: as duplas pelos lados fecharam os espaços de Mayke e Egídio. Sem a saída pelos lados, o Cruzeiro tinha duas opções pra compensar: invertendo o lado da jogada — pois os defensores do lado oposto compactavam o time horizontalmente para tirar o espaço dos toques rápidos dos meias celestes — ou os meio-campistas se movimentavam mais, dando mais opções de passe.

Mas as duas opções envolviam velocidade, e o Cruzeiro não aplicou velocidade suficiente para sair do ferrolho botafoguense. Tentou usar a solução conhecida: trocar passes rápidos pelo centro. Não havia espaço. Parecia que era o Cruzeiro que jogava em casa, tal era a proposta defensiva do adversário.

Erros e infelicidades

O Botafogo pouco chegou ao ataque. A rigor, Fábio só fez uma defesa difícil, em cobrança de falta de Edilson — bola parada. A estratégia com a bola era dar velocidade, principalmente com Edilson pela direita nas costas de Egídio. Incrível como todos os treinadores adversários tentam explorar essa brecha no sistema defensivo celeste.

Só não fez outra porque escorregou na hora do gol local. Mas o erro neste lance foi generalizado: Marquinhos e Egídio deixaram Lúcio escapar pela direita, fazendo Léo ter que sair na cobertura. O lateral cruzou e Dedé não conseguiu ganhar de Edilson, que nem cabeceou forte. A bola veio fácil, mas o escorregão tirou a possibilidade de Fábio espalmar.

A vantagem no placar fez o Botafogo se fechar ainda mais e praticamente abdicou do ataque. Tanto é que só foi finalizar de novo já na metade do segundo tempo, quando o jogo já estava empatado. De sua parte, o Cruzeiro jogou o seu futebol, sem afobação. Tocou a bola, tentou achar espaços, se movimentou, mas não foi suficiente para empatar ainda no primeiro tempo.

Em destaque, o momento do jogo em que Fábio foi mero espectador: depois de conseguir o gol, o Botafogo não chutou nenhuma vez até levar o empate

Em destaque, o momento do jogo em que Fábio foi mero espectador: depois de conseguir o gol, o Botafogo não chutou nenhuma vez até levar o empate

Alugando o campo ofensivo

O time do empate era uma espécie de 4-3-3 com Ribeiro armando de trás, Willian e Dagoberto nas pontas e Lucas Silva sozinho na volância

O time do empate era uma espécie de 4-3-3 com Ribeiro armando de trás, Willian e Dagoberto nas pontas e Lucas Silva sozinho na volância

O segundo tempo começou sem mudanças, tanto em peças quanto nos sistemas e nas propostas. Aos dez, a entrada criminosa de Emerson em Henrique lesionou o volante e foi a deixa para Marcelo abrir o time: tirou Henrique e lançou Willian como ponteiro direito, recuando Éverton para ser um armador recuado. No mesmo movimento, Dagoberto substituiu Marquinhos: menos poder de marcação, mas mais verticalidade e drible. Com a proposta do Botafogo, não era tão arriscado.

As trocas surtiram efeito e Cruzeiro alugou o campo ofensivo. Willian mandou no travessão antes da blitz que resultou no gol celeste. Éverton Ribeiro teve que cruzar duas vezes, com os zagueiros na área todo o tempo, para achar Dedé que fez a deixadinha para Léo. O zagueiro fez um gol típico de centroavante: girou e bateu sem olhar. A bola bateu no travessão e quicou dentro da meta.

Com o empate, o Botafogo voltou à estratégia do zero a zero: sair em contra-ataques. E desta vez havia espaço, pois com um volante só a cobertura dos laterais é mais difícil. Mancini — que àquela altura já havia trocado Bolatti por Rodrigo Souto sem modificar nada — sacou Rogério e lançou Júlio César, tentando replicar a função de Edilson do outro lado: um “assistente de lateral” que puxa contra-ataques. Marcelo respondeu com Nilton na vaga de Moreno, avançando Goulart para a referência.

O mapa de passes mostra como o Cruzeiro jogou o tempo todo no campo adversário; foi a partida em que o Cruzeiro mais trocou passes em todo o campeonato

O mapa de passes mostra como o Cruzeiro jogou o tempo todo no campo adversário; foi a partida em que o Cruzeiro mais trocou passes em todo o campeonato

O fator Jefferson

Risco controlado, o Cruzeiro seguiu atacando, e a bola não saía do campo de ataque. Quando o Botafogo conseguia interceptar, só respondia com chutões para frente, onde não havia ninguém de cinza. Vágner Mancini ainda tentou dar um novo fôlego para a estratégia de contra-ataques com Zeballos na vaga do inoperante Carlos Alberto, mas não funcionou.

Já o time celeste buscava a vitória, mas não a qualquer custo. Com calma, mas com velocidade, tocando a bola pelo chão, sem muitos chuveirinhos na área. Só tentava o jogo aéreo quando era bola parada. Nilton cabeceou duas vezes: na primeira Jefferson milagrou, e na segunda beijou caprichosamente a trave direita. Depois, o Cruzeiro fez uma espécia de contra-contra-ataque: o time local errou sua tentativa de pegar a defesa celeste aberta e o Cruzeiro aproveitou o espaço para realizar um contra-ataque lindíssimo, partindo do meio-campo e levando a bola até dentro da área, onde Éverton perdeu a bola.

O Cruzeiro tentou 18 vezes contra a meta de Jefferson: um gol (preto), duas na trave (azul) e seis defendidas por Jefferson (vermelho escuro)

O Cruzeiro tentou 18 vezes contra a meta de Jefferson: um gol (preto), duas na trave (azul) e seis defendidas por Jefferson (vermelho escuro)

O Cruzeiro seguiu tentando, inclusive com Dagoberto no finalzinho, quando Jefferson fez novamente uma defesa espetacular e garantiu o empate.

Jogar bem sempre: somos Cruzeiro

Se no futebol os resultados fossem decididos como na ginástica artística ou nos saltos ornamentais, onde há uma junta de juízes que dão suas notas para quem foi melhor, certamente o Cruzeiro teria saído vencedor. Foi a equipe que buscou o gol a todo instante, não se alterou com o resultado adverso e o mais importante: não foi só na base da raça. Teve técnica e tática, bem aplicadas, e que só não geraram o resultado por que o goleiro adversário foi o melhor em campo.

Mesmo assim, o resultado positivo teria acontecido se o Cruzeiro não tivesse cometido seu único deslize grave na partida. O erro de marcação do lado esquerdo, a falha de Dedé e o escorregão de Fábio foi uma sequência de eventos desafortunados que nos tiraram dois pontos. Deve-se sim tentar corrigir os erros, mas é impossível anulá-los por completo. Nenhum time no mundo consegue fazer uma partida perfeita.

No fim, o que fica é que o Cruzeiro jogou bem, não se conformou com o empate e buscou o resultado, mesmo fora de casa. Postura de time que quer ser campeão novamente. E com bom futebol, que é o mais importante. Quando César Menotti assumiu a Seleção Argentina em 1974, definiu como um de seus mandamentos que “não me interessa ganhar de 1 x 0 com gol de falta; quero vencer por superar futebolisticamente o nosso rival”. Em outras palavras, o que o treinador campeão mundial em 1978 quis dizer é que jogar bem é mais importante que jogar apenas pelo resultado de apenas um jogo. No longo prazo, a filosofia e o bom futebol trarão mais vitórias.

Mas não as garantem. Pos isso, sendo Cruzeiro, prefiro empatar jogando bem do que vencer jogando um futebolzinho chulé.



Cruzeiro 5 x 0 Figueirense – Chuva… de gols

Depois de um primeiro tempo difícil, quando teve que jogar contra o Figueirense e contra a chuva a mesmo tempo, o Cruzeiro reviveu seu velho estilo arrasador por cinco minutos para definir o jogo. Depois, apenas desfilou no gramado molhado do Mineirão, deixando bem claro que é o melhor time do país atualmente.

Sistemas iniciais

O 4-2-3-1 do Cruzeiro teve dificuldades com a chuva e com o 4-3-1-2 losango do Figueirense que lotava o meio-campo e abria os volantes quando a saída era pelos lados

O 4-2-3-1 do Cruzeiro teve dificuldades com a chuva e com o 4-3-1-2 losango do Figueirense que lotava o meio-campo e abria os volantes quando a saída era pelos lados

Marcelo Oliveira escalou o Cruzeiro no 4-2-3-1 costumeiro, com Marquinhos fazendo companhia a Ricardo Goulart e Éverton Ribeiro, na linha de três atrás de Marcelo Moreno. Henrique e Lucas Silva eram os volantes passadores, protegendo a defensa formada por Dedé, de volta ao time, e Léo. Os laterais Ceará e Egídio completaram a linha defensiva do goleiro Fábio.

O Figueirense estreava seu técnico, Argel Fucks, que preferiu mandar a campo uma equipe mais sólida no meio, com um 4-3-1-2 que era losango com a bola e uma linha de três volantes sem a bola. A meta de Tiago Volpi foi defendida por Luan à direita, Nirley e Marquinhos Barbosa no miolo de zaga e Cereceda na esquerda. Guardando a entrada da área, Paulo Roberto dava suporte aos volantes Marco Antônio e Rivaldo, liberando Kléber da marcação mais intensa no centro. Na frente, Ricardo Bueno e Pablo.

 

 

 

Chuva: pior pra quem ataca

Certamente você já ouviu a máxima de que o gramado molhado é ruim, mas é ruim para os dois times e portanto não deve servir como desculpa. Sim, de fato é ruim para os dois. Mas atrapalha mais o time que tem a bola nos pés e busca tenta trocar passes para abrir a defesa do adversário, do o time que tem uma proposta defensiva e reativa, de bolas longas pelo alto. No caso, o gramado atrapalhou mais o Cruzeiro — ou, melhor colocando, facilitou o trabalho de marcação do Figueirense.

Com seu estilo sendo literalmente emperrado pelas poças d’água, o Cruzeiro demorou a se adaptar. Aproveitava as linhas recuadas do Figueirense para testar o gramado, trocando passes na defesa e observar o comportamento da marcação.

O mapa de passes das equipes até os 15 minutos mostra Cruzeiro com a bola, mas recuado em seu campo, e Figueirense abusando de bolas longas

O mapa de passes das equipes até os 15 minutos mostra Cruzeiro (à direita, atacando para baixo) com a bola, mas recuado em seu campo, e Figueirense (à esquerda, atacando para cima) abusando de bolas longas

Os volantes deles

Os volantes do time catarinense guardavam a sua posição no centro, lotando o meio-campo, enquanto a bola estava nos pés de Dedé ou Léo, evitando um passe direto para Lucas ou Henrique. Se isso acontecesse, era logo rechaçado e os volantes devolviam a bola aos zagueiros. Porém, se o Cruzeiro optasse por sair com um dos laterais, o trio fazia o balanço defensivo pra fechar o lateral: o volante mais próximo sobe a pressão e os outros dois fechavam as linha de passe para Lucas e Henrique, deixando o lateral oposto livre.

Mais à frente, a marcação era “padrão”: lateral batia com ponteiro, volante fixo com meia central e atacante contra os zagueiros.

O caminho, portanto, era uma inversão pelo alto, mas esse tipo de bola é difícil e lenta, dando tempo ao time adversário de encaixar a marcação do lado oposto novamente. Assim, se a bola chegava em Ceará, Rivaldo, o volante pela esquerda, subia a marcação, e Marco Antônio fechava pelo centro. Se fosse em Egídio, Marco Antônio o pressionava, e Rivaldo era quem se aproximava do círculo central.

Arriscando

Depois de quinze minutos de adaptação ao gramado, o Cruzeiro subiu ligeiramente seu posicionamento ofensivo e passou a arriscar mais. Porém, o gramado ainda não tinha boas condições e o Cruzeiro errou mais do que a média. Isso gerou contra-ataques perigosos do Figueirense, que tentava jogar na velocidade de seus atacantes.

O jogo se arrastou assim até o final do primeiro tempo, mesmo após o pênalti inexistente sofrido por Ricardo Goulart e convertido por Lucas Silva. Porém, àquela altura o gramado já estava melhorando, pois a chuva havia diminuído e a drenagem fez o serviço. Sinal da mudança que viria após o intervalo.

Dos 15 até o fim da primeira etapa, Cruzeiro se lançou mais à frente, mas errou passes e o Figueirense usou o espaço para os contra-ataques sem usar tantas bolas longas

Dos 15 até o fim da primeira etapa, Cruzeiro se lançou mais à frente, mas errou passes e o Figueirense usou o espaço para os contra-ataques sem usar tantas bolas longas

Cinco minutos brilhantes

No segundo tempo, a saída foi do Figueirense. Mas tão logo Ricardo Bueno tocou na bola, quatro cruzeirenses já invadiram o campo adversário, correndo atrás de quem estivesse com a bola como loucos. É a tal intensidade, palavrinha da moda, que tanto usamos por aqui. Acossados, os jogadores catarinenses erraram o passe e alguns segundos depois, Egídio já cobrava lateral.

Foi essa intensidade que acabou gerando o segundo gol logo no segundo minuto da etapa final. Por pura pressão da marcação, o jogador do Figueirense, em sua própria intermediária, rebateu a bola para trás, que chegou em Moreno. Este deu um passe curto a meia altura para Marquinhos, que pegou de primeira e fez o gol mais bonito da rodada.

 

Depois, outra característica do Cruzeiro de 2013 apareceu: a bola parada. Em falta sofrida por Ceará e cobrada por Éverton Ribeiro, Dedé subiu mais que todos e tirou do alcance de Tiago Volpi. Três a zero, fatura liquidada. Mas o importante é que, diferentemente do que analisam os “comentaristas de melhores momentos” espalhados pelo jornalismo esportivo, não foi o gol de pênalti no primeiro tempo que fez com que o Figueirense saísse e abrisse espaço para o jogo. Não, o Cruzeiro sufocou o adversário e fez dois gols, sendo que o jogo praticamente não passou do meio campo.

Mudanças e efeitos

Só depois dos gols é que deu pra perceber um pouco melhor como o Figueirense havia voltado para o jogo: Kléber agora passava a fechar o lado esquerdo, onde jogou toda sua vida, mas como ponteiro de um 4-4-2. Rivaldo estava mais próximo do centro, junto a Paulo Roberto, e Marco Antônio ficou aberto definitivamente pela direita. Era uma preparação para as mudanças de Argel: Pablo deu seu lugar a Everaldo e Cereceda saiu para a entrada de Felipe. Kléber passou à lateral direita, com Felipe tomando o lugar como ponteiro e Everaldo foi jogar na frente.

Com menos gente no meio e tentando — agora sim — sair mais para o jogo, Marcelo enxergou uma oportunidade de encantar o público. Primeiro trocou Marquinhos por Dagoberto, e depois tirou Moreno e lançou Marlone. Naquele momento, o Cruzeiro tinha Henrique e Lucas como volantes, leves e bons passadores, e Marlone, Ribeiro, Dagoberto e Goulart na frente. Uma formação moderna e que agrada aos olhos: sem volantes destruidores e sem centroavante. Basicamente, 6 jogadores técnicos do meio para frente. Em questão de minutos, os frutos iriam aparecer.

O belíssimo quarto gol

Cruzeiro 5 x 0 Figueirense - Quarto gol

O belíssimo quarto gol cruzeirense em quatro atos (clique para ampliar)

Eduardo Cecconi, um dos gurus em cuja fonte bebo, tem o mantra de que “futebol é a ocupação inteligente dos espaços relevantes”. O quarto gol é, acredito, um belo exemplo disso. Reparem que, quando Marlone percebe que Dagoberto vai roubar a bola, deixa seu posicionamento defensivo (A) e vai até o espaço que percebe haver no meio-campo. Éverton Ribeiro percebe o movimento do companheiro e permanece sem sua posição, sabendo que aquele movimento confundiria a marcação do adversário.

Quando a bola chega em Lucas Silva, Marlone já está posicionado para receber o passe com liberdade. Rivaldo vai atrás dele (B), mas com isso larga Éverton Ribeiro. Mas ele chega atrasado e Marlone devolve imediatamente para Dagoberto, que dá de primeira para Éverton, livre.

Com a bola dominada e com espaço, Éverton conduz até perto da grande área. Rivaldo sei em seu encalço mas não chega (C). Com isso, Marquinhos Barbosa vem fazer a cobertura e Nirley sai da marcação de Goulart para acompanhar Marlone (D), que acompanhava o lance. Éverton percebe o movimento e passa a Goulart por cima, totalmente livre, cabecear fora do alcance de Volpi e marcar um lindo gol coletivo.

Depois, Ceará daria seu lugar a Mayke, por lesão, configurando o Cruzeiro mais ofensivo que se pode haver: dois laterais apoiadores, dois volantes passadores e quatro meias rápidos e técnicos. Não há centroavante clássico. Futebol moderno na veia: todos marcam, todos jogam.

Um time desses merecia um gol, e fez. Quando Mayke puxa o contra-ataque, nada menos do que os quatro meias estão na área para concluir, e dois chegam na bola. Marlone deixa passar, mas Dagoberto não, e ainda conclui no lado oposto do gol.

Sonhando, mas com pés no chão

No fim, um Cruzeiro com quatro meias móveis e técnicos, dois volantes passadores e ainda dois laterais que apoiam bastante: um sonho para quem gosta de futebol ofensivo

No fim, um Cruzeiro com quatro meias móveis e técnicos, dois volantes passadores e ainda dois laterais que apoiam bastante: um sonho para quem gosta de futebol ofensivo

É inegável que a chuva foi o décimo segundo jogador de defesa do Figueirense no primeiro tempo. Normal: para se praticar um futebol de toques rápidos e envolvente, como este Cruzeiro de Marcelo Oliveira, é preciso que as condições do gramado estejam minimamente aceitáveis. No jogo contra o Atlético/PR pelo turno do Brasileiro de 2013 também foi a mesma coisa, não pela chuva, mas porque o gramado estava mal cuidado.

Quando o gramado melhorou sensivelmente, o futebol celeste apareceu e fez a torcida gritar que o time é melhor que a Seleção. Claro, a empolgação de torcedor é totalmente compreensível. Mas é preciso por os pés no chão: esse jogou valeu apenas pela décima segunda rodada. Ainda faltam outros 26 jogos de um campeonato duríssimo.

A formação que terminou o jogo é o sonho de todo torcedor que gosta de ver a busca incessante pelo gol. Com a lesão de Ceará, Mayke deve jogar a próxima partida diante do Botafogo. Vejamos o que Marcelo fará, se vai escalar seus dois laterais apoiadores ante o provável 4-3-1-2 losango de Mancini, ou se reequilibrará o time defensivamente com Samudio no lugar de Egídio, ou ainda com Nilton na vaga de um dos volantes.

Por mim? Seria Mayke e Egídio, com Lucas e Henrique no meio. Um time que me faz sonhar.



Cruzeiro 2 x 2 Ponte Preta – À brinca

Dois descuidos da zaga, no início e no finzinho do jogo, tiraram os três pontos do Cruzeiro de ressaca pelo título conquistado oficialmente em Salvador. Méritos da Ponte Preta, que se defendeu bem e aproveitou as pouquíssimas oportunidades de gol que teve.

Mas ouso dizer que caso o Cruzeiro tivesse encarado o jogo “à vera” e não “à brinca”, o resultado com certeza seria outro.

Sistemas iniciais

Ataque contra defesa: teoricamente a Ponte veio num teórico losango, mas Rildo e Adrianinho afundavam tanto que parecia um 4-5-1 em linha

Ataque contra defesa: teoricamente a Ponte veio num teórico losango, mas Rildo e Adrianinho afundavam tanto que parecia um 4-5-1 em linha

O Cruzeiro, como todos sabem — menos o cara que faz a arte com a disposição tática antes dos jogos na TV — joga no seu costumeiro 4-2-3-1, mas desta vez com muitas novidades. Fábio, que será o primeiro jogador a colocar a mão na taça no dia 1º de dezembro, não foi poupado e defendeu a baliza celeste mais uma vez, protegido pelos zagueiros Paulão e Léo, com Ceará e Éverton fechando a defesa pelas laterais. Souza e Henrique formaram a dupla volância, dando suporte a Júlio Baptista como central e a Éverton Ribeiro e Willian de ponteiros, com Ricardo Goulart na frente.

Jorginho escalou a Ponte Preta num teórico 4-3-1-2 losangal. Na prática o desenho se deformou pela postura defensiva do time de Campinas na partida. O gol de Roberto foi defendido por Artur à direita, César e Ferron no miolo e Uendel à esquerda. Baraka era o “cão de guarda” da defesa, e era acompanhado nessa tarefa por Fernando Bob e Fellipe Bastos como os vértices laterais do losango. Adrianinho era o único meia criativo, com o atacante Rildo posicionado quase como um ponteiro esquerdo e Leonardo centralizado na referência.

Estacionando o ônibus

Antes do gol, o jogo já dava sinais de que seria praticamente um exercício de ataque contra defesa. E na primeira investida, cochilo de Léo na marcação de Leonardo, que iniciou a jogada sob a marcação do zagueiro, mas entrou na área para concluir livre. Talvez porque Léo se acostumou a jogar na esquerda da zaga quando fez parceria com Dedé — quando joga ao lado de Paulão, ele fica no seu lado preferido, o direito, no qual já foi até lateral.

O gol só fez acentuar a característica do jogo. Desesperada para fugir do rebaixamento, a Ponte Preta só se defendia. Nem contra-ataques arriscava, deixando apenas Leonardo já na sua intermediária defensiva como o homem mais avançado. O losango de meio-campo se planificou, Rildo voltava acompanhando Ceará, e Adrianinho afundava entre os volantes, transformando o time praticamente um 4-5-1 — assim mesmo, com cinco jogadores quase alinhados no meio-campo.

Sem conseguir entrar na defesa campineira, o Cruzeiro abusou de cruzamentos e finalizou bastante, mas com pouco perigo. E a partir dos 30 minutos, a Ponte conseguiu sair um pouco de trás e aproveitava algumas falhas provenientes do desentrosamento dos defensores do Cruzeiro: dois jogadores na pressão da bola e nenhum na cobertura, por exemplo, abrindo espaços que normalmente o Cruzeiro não cede.

Flagrante do desentrosamento da defesa celeste: nesta bola, Paulão devia dar o combate e Ceará devia estar em Rildo, mas o atacante ficou sozinho para receber

Flagrante do desentrosamento da defesa celeste: nesta bola, Paulão devia dar o combate e Ceará devia estar em Rildo, mas o atacante ficou sozinho para receber

Segunda etapa

Após virar o intervalo na frente, Jorginho acreditou na proposta. Apenas trocou Fellipe Bastos por Magal, na direita do “losango” — entre aspas porque o jogo voltou ao padrão ataque-defesa do primeiro tempo, fazendo com que a Ponte afundasse o seu meio-campo para marcar o Cruzeiro. Só que desta vez, Éverton Ribeiro começou a jogar pra valer: chamou o jogo pra si e começou a distribuir como nunca, mas as finalizações dos companheiros não eram boas.

Depois de quinze minutos, Marcelo Oliveira resolveu que era hora de tentar vencer, para dar alegria ao torcedor uberlandense. Em duas trocas, mandou Élber e Vinícius Araújo nas vagas de Júlio Baptista e Henrique, inovando: montou um 4-2-3-1 com Élber, Goulart e Willian atrás de Vinícius, mas com Éverton Ribeiro como um “armador recuado”, posicionado como volante, mas que só tinha a função de pensar o jogo. Na prática, era um 4-1-4-1/4-3-3, pois a Ponte praticamente não atacava.

Virada

Após as trocas, Cruzeiro todo no ataque, mesmo quando já vencia, com Éverton Ribeiro distribuindo: o risco era ter marcação frouxa no meio-campo. Assim saiu o segundo gol do time de Campinas

Após as trocas, Cruzeiro todo no ataque, mesmo quando já vencia, com Éverton Ribeiro distribuindo: o risco era ter marcação frouxa no meio-campo. Assim saiu o segundo gol do time de Campinas

A terceira troca, Éverton por Luan, já estava preparada antes mesmo do empate, num cabeceio de Souza em cobrança de escanteio de — não poderia ser outro — Éverton Ribeiro. Luan entrou como lateral-esquerdo mesmo, indicando a vontade de Marcelo de atacar a todo custo. Àquela altura, Willian já fazia mais companhia a Vinícius Araújo dentro da área ofensiva do que a Éverton Ribeiro no meio. Goulart passou à esquerda e o time ficou numa espécia de 2-1-3-4 — sim, porque os laterais estavam tão avançados que já não eram mais defensores.

Jorginho lançou Elias na vaga de Adrianinho numa troca direta, de meia por meia, mas era um jogador descansado. E pouco depois, mandou Rafael Ratão na vaga de Rildo, que neste jogo não foi atacante e sim “marcador de lateral”. Mas o jogo não mudou, e mais uma vez Éverton decidiu: recebeu um passe de Vinícius Araújo e viu a movimentação do garoto, colocando uma bola precisa e preciosa para o camisa 30 chutar de primeira e fazer um dos gols mais bonitos da rodada.

O Cruzeiro até que tentou mais vezes, mas em mais um descuido — desta vez de todo o sistema defensivo — a Ponte conseguiu achar o empate, num contra-ataque nem tão rápido assim, mas que pegou a defesa celeste se recompondo. Quem erra a interceptação do passe para Leonardo é Souza, que está fazendo a cobertura de Paulão, voltando lentamente de um ataque. Como era o único volante, não havia marcadores para impedir o passe original de Elias.

Filosofia vitoriosa

No primeiro texto do ano, este blog destacou o provável estilo de jogo que o Cruzeiro teria este ano, baseado nas contratações feitas. Seria um resgate do futebol ofensivo, de toque de bola, que é a escola histórica do Cruzeiro. Deu muito certo, ainda mais considerando que é uma equipe ainda em processo de amadurecimento.

Sim, pois como disse Fábio na sua entrevista ao programa Bola da Vez, da ESPN Brasil: “depois da eliminação para o Flamengo na Copa do Brasil, chegamos à conclusão de que nós não sabíamos jogar nos defendendo”. E sabendo dessa limitação, a partir dali o Cruzeiro arrancou para o título jogando da forma que sabe: atacando sempre, com intensidade.

Mas a frase também indica que há espaço para melhorar. Um time maduro consegue se adaptar sem problemas às características de uma partida, e haverá sim momentos em que o adversário tentará atacar de todas as formas. A Libertadores é uma competição que tem esse lado.

É preciso, portanto, saber variar a estratégia, mas sem variar o estilo. Porque deixar de ser um time de toque de bola, jamais.



Vitória 1 x 3 Cruzeiro – Jogando por diversão

O Cruzeiro não foi perfeito na partida contra o Vitória. Tampouco jogou com a mesma intensidade e qualidade de outras jornadas. Porém, sem o peso da pressão pelos três pontos, o Cruzeiro acabou jogando despreocupadamente, mas sem perder a seriedade, e acabou por fazer três gols quase sem fazer força contra uma boa equipe, que vinha em ascensão no campeonato, e fora de casa.

Nem era necessário vencer para confirmar o título, mas a forma como veio o triunfo foi, de certa forma, um símbolo da superioridade celeste ao longo de todo o campeonato.

Escretes iniciais

O 4-3-1-2 losango do Vitória causou problemas para Mayke e Egídio, por causa da movimentação de Escudero e do pouco auxílio dos ponteiros do 4-2-3-1 celeste

O 4-3-1-2 losango do Vitória causou problemas para Mayke e Egídio, por causa da movimentação de Escudero e do pouco auxílio dos ponteiros do 4-2-3-1 celeste

Desta feita, Marcelo Oliveira tinha vários desfalques para a montagem do time. Ao lesionado Bruno Rodrigo se juntou Nilton, e Ceará e Éverton Ribeiro estavam suspensos. Para seus lugares, o treinador escolheu, além de Léo, Leandro Guerreiro, Mayke e Willian, formando seu 4-2-3-1 costumeiro com Fábio no gol, Mayke pela direita da defesa, Dedé e Léo no miolo e Egídio pelo lado esquerdo. Na volância, Leandro Guerreiro se plantou à frente da zaga e soltou Lucas Silva para se juntar ao trio de meias-atacantes, com Willian à direita, Dagoberto à esquerda e Ricardo Goulart como central, atrás do artilheiro baiano Borges.

Ney Franco montou o vitória num 4-3-1-2 muito móvel, que variava para o 4-2-3-1 com a movimentação de Escudero pela esquerda e o recuo de Marquinhos pela direita. No modo losango, o goleiro Wilson tinha Victor Ramos e Kadu como zagueiros centrais, ladeados por Ayrton à direita e Juan pela esquerda. Marcelo ficava centralizado à frente da área, tendo Luís Cáceres à direita ligeiramente mais avançado, e Escudero à sua esquerda, mas quase na linha do ponta-de-lança Renato Cajá. Marquinhos era o atacante móvel, principalmente pela direita, e Dinei fazia a referência, mais por dentro.

Flancos expostos

O jogo começou com o Cruzeiro tendo alguns problemas defensivos pelos flancos. Com Willian e Dagoberto em campo, o time fica muito agudo e com menos poder de recomposição, ainda que Willian recuasse com Juan por alguns momentos. Com Leandro Guerreiro tendo dificuldade em fazer a cobertura com a mesma qualidade que Nilton, os laterais ficaram expostos demais, principalmente Mayke pela direita, que tinha que vigiar Escudero e Juan ao mesmo tempo. Do outro lado, Ayrton não ajudava tanto a Marquinhos, mas Egídio também teve dificuldades.

Porém, o Vitória foi acometido por um mal que o Cruzeiro já sofrera neste certame: a má pontaria. Marquinhos teve uma chance de ouro em erro de Leandro Guerreiro na saída, recebendo um passe de Renato Cajá e mandando nas mãos de Fábio, e depois Escudero ficou livre para a finalização na entrada da área após jogada pela direita, mas mandou por cima. A principal chance, porém, foi uma jogada na qual Juan avançou pelo centro, com Escudero mais aberto, e que confundiu a marcação de Mayke. O lateral do time baiano recebeu passe de Cáceres e ajeitou para Dinei, sozinho e de frente para Fábio, mandar à direita.

O Vitória foi o time que mais tentou o gol na rodada, mas, ao contrário do Cruzeiro, não era eficiente; e quando acertava a o gol, tinha Fábio pela frente

O Vitória foi o time que mais tentou o gol na rodada, mas, ao contrário do Cruzeiro, não era eficiente; e quando acertava a o gol, tinha Fábio pela frente

Precisão cirúrgica

Se atrás o Cruzeiro escapava por pouco de sofrer o gol, na frente não deixava de atacar, ainda que sem o mesmo toque de bola. O comentarista já dizia, não se pode errar contra este time. Borges já tinha conseguido um lance típico de centroavante, girando na marcação e tocando no cantinho, com a bola passando muito perto da trave. Mas foi num chutão da defesa que o Cruzeiro “ensinou” ao Vitória como jogar em velocidade: Dagoberto ganhou a disputa aérea e imediatamente lançou Willian, livre, que avançou e venceu Wilson.

Era apenas a quarta finalização do Cruzeiro no jogo, a segunda na direção do gol, contra 9 do Vitória àquela altura. O Cruzeiro ainda é o time que mais finaliza no campeonato, mas também tem a melhor eficiência, com praticamente 46% das conclusões indo na direção do gol — um belo indício do estilo de jogo ofensivo e que prevaleceu sobre todos os outros no torneio.

Primeiras trocas

O gol fez o Vitória perder um pouco o norte, e o primeiro tempo acabaria mesmo com o Cruzeiro na frente. No intervalo, Ney Franco desfez o losango, tirando Renato Cajá para a entrada de William Henrique, que foi jogar na ponta esquerda em cima de Mayke. Com isso, Escudero foi “oficializado” na meia-esquerda, e assim o time passou para um 4-3-3. Já Marcelo Oliveira promoveu a entrada de Éverton na vaga de Egídio, com dois objetivos. Um era reforçar um pouco mais a marcação naquele setor, e o outro era rodar o elenco, àquela altura já matematicamente campeão. Era um experimento, por assim dizer.

Ironicamente, as duas trocas funcionaram a favor do Cruzeiro. Sem um armador central, o Vitória forçou ainda mais pelos flancos, mas Éverton de fato segurou o ímpeto ofensivo de Marquinhos de maneira mais eficiente que Egídio pela esquerda. Na direita, Mayke tinha um alvo de marcação bem definido, que era William Henrique. Teve trabalho, mas foi bem melhor que no primeiro tempo, exceção feita ao lance do gol, mas que é totalmente perdoável — depois de um chutão de Léo que rebateu em um jogador do Vitória, Mayke errou o tempo da bola e não conseguiu interceptá-la, e ela sobrou para William Henrique. Dedé abandonou Dinei e foi na cobertura, e por isso o centroavante recebeu o passe por cima, concluindo em cima de Fábio — a bola rebateu nele mesmo e foi para o gol.

Clima de festa

No segundo gol, a movimentação de Goulart e Júlio confunde Ayrton, que é atraído para dentro e acaba abandonando Dagoberto

No segundo gol, a movimentação de Goulart e Júlio confunde Ayrton, que é atraído para dentro e acaba abandonando Dagoberto

Depois disso, quase nada aconteceu por 20 minutos, até a segundas trocas dos times. O Cruzeiro não forçava muito pois já era campeão, e jogava leve. Já o Vitória tinha dificuldade para penetrar na defesa celeste, agora melhor postada. Ney Franco soltou o time de vez tirando seu único volante de marcação, Marcelo, para promover a entrada de Euller na lateral esquerda, mudando Juan para a meia-direita e fazendo Cáceres ser o meio-campista mais recuado. Marcelo fez uma a troca já corriqueira, Borges por Júlio Baptista, avançando Goulart.

O Vitória melhorou, mas nem bem tentava imprimir seu ritmo o Cruzeiro aumentou com muita tranquilidade. Willian carregou pelo meio e viu a movimentação de Goulart e Júlio Baptista, que também atraiu a atenção do lateral Ayrton. Dagoberto ficou livre, e a bola chegou diretamente ao camisa 11. Dali, foi só rolar pra dentro para Júlio Baptista colocar o campeão novamente na frente.

Fim de jogo?

O time da casa “sentiu” o gol, na gíria do futebol. Mas neste caso foi um pouco diferente, era o peso do time campeão, do melhor ataque do campeonato, de um elenco com muita qualidade. Só chegou quando o Cruzeiro tinha 10 em campo, com Léo fora do gramado para receber atendimento: Kadu acertou a trave após ficar sozinho na área, no lugar onde provavelmente Léo estaria.

Antes do lance, Marcelo Oliveira havia mandado Tinga a campo na vaga de Dagoberto, numa rara troca mais defensiva — o cabeludo ficou pela direita mesmo, ajudando Mayke na marcação. O Vitória perdeu força de ataque e o jogo parecia estar no fim, mas não antes do Cruzeiro marcar o terceiro gol, com muita tranquilidade de Willian, o assistente, e de Ricardo Goulart, o autor do gol. Nenhum deles sofria combate próximo.

Ney Franco ainda desfez a linha de quatro com o atacante Pedro Oldoni na vaga do lateral Ayrton. Não havia sistema de jogo, era só atacar para tentar diminuir, mas o máximo que o time baiano fez foi consagrar Fábio em um chute de William Henrique.

Qualidade pura

Além de confirmar o título, mesmo que a vitória não fosse necessária, a partida de quarta-feira serviu para mostrar a qualidade verdadeira deste elenco celeste e de seu treinador. A pressão pelo triunfo é um fator psicológico que pode ajudar ou atrapalhar um time, dependendo das circunstâncias. Neste jogo, porém, vimos uma equipe desobrigada de vencer, sem pressão, e por isso jogando um futebol em estado puro, apenas na base da técnica e da tática. E por isso prevaleceu: pois tem jogadores melhores e um treinador que soube explorar as características de seus comandados, armando um sistema que hoje é muito bem assimilado por todo o elenco.

Título garantido, já se pode projetar a temporada seguinte. Certamente chegarão reforços e Marcelo provavelmente poderá pensar em variações, que devem ser treinadas no início do ano, já que 2014 terá um calendário ainda mais apertado que 2013, sem tempo para treinamentos táticos. Variações que não só são necessárias no que se refere ao sistema de jogo, mas também ao estilo: em alguns momentos, é preciso se defender mais do que atacar, como na partida contra o Flamengo pela Copa do Brasil. A Libertadores tem este caráter decisivo em sua fase eliminatória, e isso é um ponto a melhorar nesta equipe.

Mas, se essa equipe foi campeã em seu primeiro ano junta, podemos esperar voos ainda mais altos daqui pra frente.

Três volantes e um armador? Não, é um meia e três atacantes.

Três volantes e um armador? Não, é um meia e três atacantes.