Super-especialistas? Só os extraordinários

Alex, o segundo maior camisa 10 da história do Cruzeiro — atrás de Dirceu Lopes — vai se aposentar neste domingo. Um exemplo de jogador, dentro e fora de campo. Sua visão de jogo era tão grande que eu costumava brincar que ele tinha na cabeça aqueles mapinhas dos vídeo-games de futebol, indicando a posição dos jogadores em tempo real. Sem precisar olhar, ele parecia saber onde estavam seus companheiros e adversários, e assim conseguia encaixar passes quase inacreditáveis.

Mas o Talento Azul faz parte de uma classe de jogadores em extinção. Nela estão nomes como Zlatan Ibrahimovic, Miroslav Klose, Juan Roman Riquelme e Claude Makélélé. São os últimos representantes dos super-especialistas, aqueles que fazem uma única função tática dentro de campo e nada mais. E este processo de desaparecimento não é uma questão de formação, e sim da exigência do futebol moderno.

Não há dúvidas que Ibra é um exímio finalizador, e qualquer time do mundo gostaria de contar com os gols do atacante sueco. É um centroavante camisa 9 típico. No entanto, dificilmente você o verá perseguindo o lateral, destruindo jogadas, recompondo no meio-campo para abafar a saída de bola. O mesmo se pode dizer de Klose, a quem Michael Cox, do site Zonal Marking, chamou de “the last goal-poacher” (“o último finalizador”, numa tradução livre). Maior artilheiro da história das Copas, não foi titular na campanha do tetra em terras brasileiras exatamente por isso: só fazia uma função tática.

Não raro, vemos em mesas de discussão na mídia esportiva brasileira um brado saudosita pelos camisas 10 “das antigas”. Um jogador cerebral, que joga com a cabeça em pé, recebe o passe, pensa, cadencia. Riquelme e Alex são os últimos representantes deste naipe de jogadores, e que tem, inegavelmente, cada vez menos espaço no futebol moderno, muito mais rápido e físico: um jogador mal pega na bola e já tem um ou dois adversários em seu encalço para lhe roubá-la. Não há mais tempo para pensar como antes. E pior: quando surge um jogador que pode vir a se tornar um desses, como Paulo Henrique Ganso, por exemplo, a mídia logo celebra, e fica aumentando o ego do jogador, prejudicando sua formação e até o seu futebol em campo.

Mais atrás no campo, temos os famosos volantes “brucutus”: marcadores implacáveis, roubadores de bola que dariam inveja a muitos larápios profissionais por aí. São os “cães-de-guarda” das defesas. Claude Makélélé foi um exemplo tão marcante desse tipo de jogador que a função foi apelidada de “Makelele role”. No entanto, com cada vez menos espaço no terço final do campo, a responsabilidade de dar o primeiro passe e começar o jogo ofensivo recai cada vez mais sobre esses jogadores. Volantes sem qualidade de passe e visão e jogo estão sendo preteridos em favor de jogadores mais técnicos.

Em suma, a era dos jogadores super-especialistas já terminou. Não há mais espaço para o atacante que só fica dentro da área esperando a bola para finalizar; não há mais espaço para o meia-armador que só joga com a bola no pé e quer tempo para “pensar o jogo”; não há mais espaço para os volantes que só destroem jogadas, e assim que roubam a bola já se livram dela, passando a um companheiro próximo, pois não tem técnica alguma.

A única exceção que podemos abrir para estes super-especialistas é se eles forem jogadores, de fato, excepcionais — como os citados Ibrahimovic e Alex. Pois no futebol de hoje, estamos caminhando para a universalização: todos os jogadores fazendo todas as funções com qualidade. Até chegar lá, veremos cada vez mais em campo centroavantes que marcam, armadores que correm pra trás e dão bote, volantes com bom passe. São jogadores que antigamente eram chamados de “curingas”.

Inclusive, é bem provável, em um futuro próximo, que vejamos zagueiros armadores e até goleiros jogando com a bola nos pés, no melhor estilo goleiro-linha do futsal — Manuel Neuer que o diga. Com o “esgotamento” das revoluções táticas no futebol indicado pelas últimas Copas, o próximo grande passo é fazer com que, literalmente, todos marquem e todos joguem.



Santos 0 x 1 Cruzeiro – O resultado é mais importante que o futebol

Fica até chato para o leitor eu ficar repetindo sempre a mesma coisa quando o Constelações fica sem atualizações por um período. Por isso, hoje vou dar uma justificativa diferente. Como sabem, não sou jornalista e não tenho pretensão de ser, porque não quero nem tentar ser imparcial. Eu sou torcedor, e só tenho olhos para o meu time. Só vejo outras equipes quando elas estão no mesmo gramado que o Cruzeiro.

Acontece que sou um torcedor que é empolgado com análise tática. É a razão de ser do Constelações: um blog de tática com foco exclusivo no Cruzeiro. E para as análises saírem com uma qualidade minimamente razoável, é preciso ter um pouco de cabeça fria e calma para observar os movimentos dos jogadores. Porém, a emoção que as partidas celestes tem proporcionado neste fim de campeonato dificulta muito esse aspecto.

Portanto, além de ter pouco tempo para escrever as análises e não ganhar nada com isso, preferi não escrever textos sobre jogos em que a torcida pela vitória celeste prejudicou as observações em campo. Qualidade é melhor do que quantidade, é o que dizem.

Isto posto, voltemos à programação normal.

Onze inicial

No 1º tempo, os dois times no 4-2-3-1: Cruzeiro sem intensidade e se movimentando pouco, e Santos levando vantagem com Robinho puxando a marcação para as infiltrações de Gabriel

No 1º tempo, os dois times no 4-2-3-1: Cruzeiro sem intensidade e se movimentando pouco, e Santos levando vantagem com Robinho puxando a marcação para as infiltrações de Gabriel

Mesmo após desgastantes jogos contra o próprio Santos, Criciúma, Atlético/MG e Botafogo, Marcelo Oliveira não tem alternativas senão escalar o que tinha de melhor. Porém, resolveu poupar Henrique e Lucas Silva, que começaram no banco. Assim, o 4-2-3-1 celeste teve Fábio no gol; Ceará na lateral direita, Manoel e Bruno Rodrigo na zaga e Samudio na esquerda. Nilton foi o escolhido para a parceria com Lucas Silva, no suporte a Willian na direita, Ricardo Goulart por dentro e Marquinhos à esquerda, com Marcelo Moreno na referência do ataque.

Enderson Moreira escalou o Santos da mesma forma que no jogo de volta pela semifinal da Copa do Brasil: um 4-2-3-1 com Robinho na referência móvel do ataque. O goleiro Aranha teve sua desfalcada linha defensiva composta por Cicinho à direita e o jovem Caju à esquerda, com Neto e Bruno Uvini na zaga central. Sem Arouca, Renato foi o volante mais adiantado à frente de Alison, dando suporte à criação centralizada de Lucas Lima. E saindo das pontas para ocupar o espaço deixado por Robinho, Gabriel e Rildo.

Só uma das quatro

Se você lê o blog, sabe que o jogo celeste é baseado inteiramente em intensidade nas quatro fases do jogo: a posse de bola, a recomposição defensiva, a posse do adversário e a transição ofensiva, mais conhecida como contra-ataque. Porém, o que houve no primeiro tempo foi que o Cruzeiro simplesmente não aplicou a intensidade que lhe é característica em nenhuma dessas fases.

Quando tinha a bola, o Cruzeiro não se movimentava muito, e com isso não embaralhava a marcação postada do Santos de forma a explorar os espaços eventualmente abertos. Assim, tentava passes mais difíceis que o habitual e cedia a bola com facilidade. Nesse momento, o Santos sempre tentava sair com velocidade, principalmente com Robinho vindo buscar o primeiro passe, puxando a marcação de um dos zagueiros. O camisa 7 se livrava facilmente da pressão e encaixava o passe para a infiltração dos ponteiros Gabriel e Rildo. Ceará até que conseguiu impedir Rildo pela direita, mas Gabriel levou muita vantagem sobre Samudio, e o paraguaio teve dificuldades.

Foi assim que nasceu o lance mais perigoso do primeiro tempo: Robinho recebeu na linha do meio-campo, arrastando Bruno Rodrigo consigo, girou e deu o passe profundo para Gabriel, que foi exatamente para o espaço que Robinho deveria estar, ficando cara a cara com Fábio. Mas nosso goleiro cresceu pra cima do garoto, fechando o ângulo sem cair na primeira, dando o tempo necessário para Manoel se recuperar e atrapalhar a finalização.

Somente na fase defensiva o Cruzeiro tinha algum equilíbrio, porque apesar da movimentação do Santos ser maior, o Cruzeiro abriu tantos espaços ao time paulista. E quando roubava a bola, a velocidade da transição não era suficiente para pegar a defesa adversária desmontada. O resultado foi claro: apesar da ligeira superioridade do time da casa, nenhum chute foi na direção do gol na primeira etapa.

Mesmo com o leve domínio do Santos, todas as tentativas de gol no primeiro tempo foram pra fora ou bloqueadas pela defesa: goleiros sem tanto trabalho

Mesmo com o leve domínio do Santos, todas as tentativas de gol no primeiro tempo foram pra fora ou bloqueadas pela defesa: goleiros sem tanto trabalho

Segundo tempo

Já no intervalo, Marcelo cobrou duramente os jogadores, como revelado após a partida. Mas além disso, tirou Lucas Silva, mal na marcação de Renato no primeiro tempo, e lançou mão de Henrique. O sistema não se alterou, mas a ocupação dos espaços e a pegada no meio-campo sim. Com pernas frescas, já sem tanto sol e com o time do Santos também já mais cansado, Henrique tomou conta do setor central e reequilibrou o jogo para o Cruzeiro.

E bastaram 7 minutos para que a diferença entre os dois times aparecesse, em linda jogada de muita inteligência tática do sistema ofensivo celeste. Goulart viu Moreno recuar puxar a marcação e fazer a parede, dando oportunidade para a tabela e ao mesmo tempo abrindo espaço para Willian no centro da área. O bigode foi até lá e recebeu o segundo passe de Goulart, que fez a volta na marcação para receber de volta e chutar de canhota fora do alcance de Aranha.

A vantagem no placar fez o Cruzeiro melhorar ainda mais no jogo. Isso porque o desgaste da temporada não é apenas físico e também mental, e a vantagem no placar dá uma tranquilidade, aliviando a pressão pelo resultado.

Trocas

No fim, Cruzeiro se postou num 4-1-4-1 para proteger o resultado, mas nem havia tanta necessidade; Santos teve problemas de marcação do lado esquerdo e Éverton Ribeiro aproveitou

No fim, Cruzeiro se postou num 4-1-4-1 para proteger o resultado, mas nem havia tanta necessidade; Santos teve problemas de marcação do lado esquerdo e Éverton Ribeiro aproveitou

Pouco depois do gol, Enderson pôs Thiago Ribeiro no lugar de Rildo. A tentativa era de dar mais contundência ao ataque, mas o problema estava em outro lugar do campo e o tiro saiu pela culatra: Thiago não fazia tão bem o trabalho de recomposição pela esquerda e expôs o garoto Caju às investidas de Willian. Tentou corrigir colocando outro jovem, Zeca, na vaga de Caju, mas o problema continuou.

Marcelo Oliveira, observando a vantagem no setor, aproveitou para poupar Willian e lançar Éverton Ribeiro na sua posição característica, partindo do lado direito. E o camisa 17 aproveitou o espaço, dando ótimos passes. Enderson deu uma última cartada com Jorge Eduardo no lugar de Gabriel, mas o substituto nada produziu. Marcelo então protegeu o resultado com Willian Farias no lugar de Goulart, formando o 4-1-4-1 usado no fim dos jogos para tal fim. O volante ainda teria a chance de matar o jogo após receber passe magistral de Éverton Ribeiro, de calcanhar, ficando no mano contra Aranha, mas mandou o chute no travessão.

Jogo atípico, resultado excelente

Não foi um jogo normal do Cruzeiro. Afinal, neste fim de temporada, é difícil manter o ritmo intenso durante as partidas que encantou o Brasil no primeiro turno do Brasileirão. Porém, aqui o mais importante era o resultado. Isso pode parecer incoerente com o que eu disse quando do empate com o Botafogo no primeiro turno, por exemplo (o título dessa coluna é o inverso daquela). Mas naquele tempo ainda havia muitos jogos e, a longo prazo, jogar bem significava um número maior de vitórias. Agora, não há mais longo prazo: o fim da temporada está logo ali. Os resultados, nesse momento, são mais importantes.

Melhor que tenha sido assim, portanto: uma vitória sem ter que aplicar a intensidade necessária para furar as retrancas do Mineirão. De certa forma, até se pode dizer que o Cruzeiro venceu sem se desgastar tanto.

Isso aumenta um pouco as chances de fazer mais um bom resultado no difícil confronto com o Grêmio em Porto Alegre. O time gaúcho vem ganhando confiança e será um adversário duríssimo. Porém, o estilo de jogo do Grêmio pode favorecer o Cruzeiro, já que eles preferem marcar forte e sair para o jogo em velocidade pelas pontas, e dificilmente vão tomar a iniciativa do jogo e botar pressão ofensiva. Assim, a chance de um empate sem gols é grande.

Se tudo der certo, estarei no Mineirão no domingo para ver o Cruzeiro erguer o caneco. Fé!



Cruzeiro 1 x 0 Santos – Retomadas

Voltar a vencer após uma sequência ruim de resultados foi importante. Não sofrer gols em casa na Copa do Brasil, ainda mais. Mas o primordial foi retomar o velho estilo, ainda que por pouco tempo, para mandar um recado a todos os outros times do país, para a própria torcida a para si mesmo: o Cruzeiro ainda sabe ser Cruzeiro, e deve ser temido.

O desgaste físico é inegável, mas enquanto teve pernas, o Cruzeiro foi infinitamente superior ao Santos, tanto com a bola quanto sem ela, e construiu o resultado nesse período. Depois, quando foi obrigado a “descansar”, controlou o jogo, perdeu o controle e o retomou novamente, e ainda foi prejudicado pela arbitragem — elementos que certamente veremos nas últimas partidas do ano.

Escretes

As duas equipes entraram no 4-2-3-1; Cruzeiro muito mais intenso, com movimentação do quarteto ofensivo e Mayke sem ser perseguido por Robinho

As duas equipes entraram no 4-2-3-1; Cruzeiro muito mais intenso, com movimentação do quarteto ofensivo e Mayke sem ser perseguido por Robinho

Marcelo Oliveira mandou o costumeiro 4-2-3-1 a campo, mesmo sem ter Marcelo Moreno 100% fisicamente. Júlio Baptista foi o escolhido para ficar à frente do trio de meias, formado por Éverton Ribeiro à direita, Ricardo Goulart centralizado e Willian à esquerda. No suporte, a dupla dinâmica Henrique e Lucas Silva, e protegendo o goleiro Fábio, a última linha tinha Mayke à direita, Egídio à esquerda, e Dedé e Léo no miolo.

O Santos de Enderson Moreira também entrou num 4-2-3-1. O goleiro Aranha teve Cicinho na lateral direita, Edu Dracena e David Braz pelo meio e Mena aberto à esquerda. Mais à frente, Alisson ficava mais plantado liberando Arouca, que se juntava ao trio formado por Rildo à direita, Lucas Lima como central e Robinho pelo lado esquerdo, com Gabriel sendo o homem mais avançado.

Cruzeiro sendo Cruzeiro

O temor era que Júlio Baptista, sem ritmo, quebrasse um pouco a intensidade que o Cruzeiro sempre aplica no início das partidas, mas isso não aconteceu (muito). A movimentação e troca de posições que Willian, Ribeiro e Goulart impunham desorganizava a marcação santista, com o maior exemplo sendo o lance do gol. Naquele momento, Willian estava à direita, Ribeiro estava do outro lado e Júlio era o meia central, com Goulart sendo o centroavante. Tudo invertido.

A bola saiu da esquerda para Júlio, e de Júlio foi a Willian, totalmente livre do lado direito. O bigode chutou, a bola voltou e em um lance técnico maravilhoso, bateu com o lado do pé esquerdo, que não é o bom, aplicando uma curva de fora pra dentro que saiu totalmente do alcance de Aranha e fazendo a bola bater na bochecha da rede. Golaço.

Ponteiros x laterais

Além da movimentação ofensiva, havia outro fato que causava o grande domínio de posse de bola e territorial do Cruzeiro: a passagem dos laterais. Se pelo lado esquerdo Rildo tentava voltar com Egídio até a própria linha de fundo — e mesmo assim perdendo o duelo, do outro lado Robinho não fazia o mesmo com Mayke. Mena teve problemas em lidar com o jovem lateral e o ponteiro que caía por ali.

No meio do primeiro tempo, Enderson inverteu os lados para fazer Robinho ficar em Egídio e Rildo acompanhar Mayke, uma medida que teve um certo sucesso — mas num período do jogo em que o Cruzeiro já não estava mais tão intenso, como explicado nos parágrafos abaixo.

Pressão alta

Além disso, o Cruzeiro não era intenso só na movimentação ofensiva. Quando o ataque não se completava, o Cruzeiro sufocava a saída do Santos, sem deixar os jogadores respirarem. Lucas Silva e Henrique marcavam na intermediária de ataque; o ponteiro do lado da bola e o meia central faziam pressão no homem da bola e o ponteiro oposto fechava para o centro para recuperar um possível rebote, e o centroavante fechava as linhas de passe para os zagueiros e goleiros. Uma coordenação de time bem treinado, e que gerou muitas roubadas de bola já no campo de ataque.

Esse é o estilo deste Cruzeiro. Porém, toda essa intensidade vem sendo usada há dois anos. Nenhum time consegue aplicar essa velocidade defensiva e ofensiva durante os 90 minutos, que dirá durante duas temporadas inteiras. E agora, no fim da temporada, os jogadores estão cansando e naturalmente tendo que dosar. Após o gol, o time começou a preferir esperar o Santos já a partir da linha de meio-campo.

Mas não tive certeza quanto ao motivo: seria cansaço ou estratégia, uma vez que o placar era favorável? Ou ainda, seria o Santos que conseguiu concatenar mais passes? As duas primeiras opções me parecem mais prováveis, e foi assim que acabou o primeiro tempo: com o Cruzeiro “descansando” com a bola e às vezes sem ela, mas controlando o jogo. Fábio sequer sujou o uniforme.

Após o intervalo

Diferente do que alguns analistas da mídia disseram, o segundo tempo começou igual ao primeiro. Nada havia mudado: a vantagem no placar permitia ao Cruzeiro se posicionar mais pragmaticamente, fechando os espaços em seu próprio campo. Isso obrigava os zagueiros do Santos a trocarem passes entre si, sem encaixar uma bola mais aguda. E mesmo quando isso acontecia, o recebedor do passe imediatamente recebia pressão e era obrigado a voltar a bola para a última linha.

Numa dessas ocasiões, Willian subiu o bote em David Braz e roubou a bola, partindo num contra-ataque de três contra dois. Edu Dracena correu de costas até a grande área, e quando parou para dar o bote, Willian passou a Júlio na esquerda. O meia bateu para rebote de Aranha que Goulart completou para as redes. Mas o gol, bem construído, foi mal anulado pelo bandeira, que deu impedimento de Júlio no primeiro lance.

Perigo de gol

O segundo gol sem dúvida teria um impacto psicológico e na estratégia de ambos os times. O Cruzeiro passaria a proteger o resultado com mais calma, e o Santos tentaria se expor um pouco mais para tentar marcar ao menos um gol fora de casa, devido à abominável regra do gol qualificado. O gol anulado manteve as coisas como estavam, o que acabou sendo pior para o Cruzeiro no decorrer do segundo tempo.

Já sem muito vigor físico, o Cruzeiro começou a ceder espaços importantes no meio-campo ofensivo. Arouca começou a se sentir à vontade para se juntar à construção, e não era marcado por nenhum dos meias celeste. Além disso, Lucas Lima começou a voltar para pegar a bola nos pés dos zagueiros — um movimento que Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart repetem constantemente no Cruzeiro — e também não era perseguido. Com liberdade, o meia começou a encaixar passes nas costas dos laterais para os ponteiros, que geraram lances muito perigosos. Só não aconteceu o gol porque os jogadores santistas finalizaram muito mal.

Trocas

Com o Cruzeiro já cansado e mais espaçado em campo, Lucas Lima e Arouca tentaram aproveitar os buracos da marcação, mas a entrada de Damião travou o time, e a partir daí o Cruzeiro controlou melhor a posse com Goulart mais fixo na faixa central tendo Moreno à sua frente

Com o Cruzeiro já cansado e mais espaçado em campo, Lucas Lima e Arouca tentaram aproveitar os buracos da marcação, mas a entrada de Damião travou o time, e a partir daí o Cruzeiro controlou melhor a posse com Goulart mais fixo na faixa central tendo Moreno à sua frente

Marcelo foi obrigado a lançar Dagoberto na vaga de Willian, que havia sofrido uma fratura na costela ainda no primeiro tempo e continuou jogando por mais um tempo. Dagoberto entrou inicialmente pelo lado direito, invertido com Éverton Ribeiro, mas logo isso se desfez. Já Enderson Moreira trocou o opaco Gabriel por Serginho. Com isso, Robinho passou ao centro do ataque e Serginho passou ao lado esquerdo.

O jogo não mudou muito, com o Santos ainda com mais posse de bola. Visando uma melhor recomposição e também numa tentativa de colocar sangue novo na sua equipe, Marcelo Oliveira colocou Marlone na vaga de Éverton Ribeiro. Dessa vez, Marlone jogou na sua posição “original”, que é o lado do campo. Se ofensivamente não contribuiu para equilibrar a posse de bola, taticamente foi importante para fechar os espaços a Mena pelo lado esquerdo.

Centroavantes

Por fim, Júlio Baptista, ainda sem ritmo, não aguentou os 90 minutos e Marcelo Moreno entrou em seu lugar. Mais fixo à frente, Moreno fazia com que Ricardo Goulart ficasse mais fixo como meia central, passando a organizar melhor o ataque celeste. Enderson respondeu com Jorge Eduardo na vaga do Rildo e também com Leandro Damião na vaga de Robinho, mas as trocas não deram certo, pois Damião travou o time e facilitou a marcação da defesa celeste.

As duas coisas somadas — Goulart fixo como meia central e Damião fixo como centroavante — acabaram por reequilibrar a posse de bola e a disputa no meio-campo. Com ambas as equipes cansadas e taticamente iguais, a melhor técnica dos jogadores celestes começou a aparecer e o Cruzeiro ainda criaria boas chances de aumentar, principalmente em cruzamentos de Mayke pela direita, mas o placar permaneceu inalterado.

Chover no molhado

O jogo foi importante para reafirmar, não só para todo o Brasil como também para si mesmo, que o Cruzeiro ainda é o melhor time do país. E foi isso o que Marcelo Oliveira e seus comandados buscaram na primeira meia hora de jogo: amassando o Santos, o Cruzeiro foi muito superior e teve azar nas finalizações. Mas o fim de temporada cobrou seu preço, e já no primeiro tempo o Cruzeiro teve que dosar o ritmo.

E é isso que devemos esperar para todos os jogos até o fim do ano. Dificilmente o Cruzeiro jogará com a intensidade que lhe é característica durante mais de 30 minutos por jogo, e em alguns casos não vai fazer isso em nenhum momento das partidas. Em 2014, o Cruzeiro já fez 3 partidas a mais que em 2013, e não há como negar que isso tem um impacto.

Sim, todos os outros times também estão desgastados, mas o estilo de jogo que o Cruzeiro prefere usar faz com que os jogadores se desgastem mais. Então é seguro concluir que isso afeta mais ao Cruzeiro que a outros times. No entanto, agora é a hora de se superar. Apesar do desgaste, falta pouco agora. Longas viagens sempre cansam, mas quando se está perto do destino, sabendo que falta tão pouco, um ânimo surge do nada para que demos um último gás e completemos a jornada.

Dez jogos, talvez menos, para dois títulos. Seguiremos confiantes como nunca.



Vitória 0 x 1 Cruzeiro – Habemus centralis

Ah, o meia central. Figura tão importante do sistema da moda no futebol mundial, o 4-2-3-1. Ele preenche o espaço mais nobre de um campo de futebol: a faixa central do meio-campo ofensivo. Incomoda os volantes adversários quando o time está defendendo, e foge deles abrindo espaço para os companheiros quando o time está atacando. Às vezes ajuda o ponteiro e o lateral a criar superioridade numérica dos lados. Em outras, entra na área para confundir os zagueiros e concluir. E até mesmo se alinha aos companheiros volantes pra bloquear o avanço adversário. Pra frente, para os lados, para trás.

Eis que Éverton Ribeiro voltou da Seleção. E além do óbvio ganho técnico, isso significou também a retomada do sistema que consagrou o Cruzeiro nestes dois anos, ainda que Ribeiro não seja normalmente o titular da função. O camisa 17 normalmente sai do lado direito para armar, mas também sabe jogar por dentro, como na partida contra o Internacional. E foi fundamental para retomar o caminho das vitórias.

Formações de partida

Cruzeiro de volta ao 4-2-3-1 com Éverton Ribeiro como central se movimentando bastante, mas Egídio preso em Marcinho, o homem que fazia o sistema do time baiano variar entre um 4-1-4-1 e 4-3-1-2 como meia de ligação

Cruzeiro de volta ao 4-2-3-1 com Éverton Ribeiro como central se movimentando bastante, mas Egídio preso em Marcinho, o homem que fazia o sistema do time baiano variar entre um 4-1-4-1 e 4-3-1-2 como meia de ligação

Depois de começar no 4-1-4-1 contra o Flamengo e ABC, Marcelo Oliveira finalmente pôde voltar ao 4-2-3-1 já treinado e comprovado. Assim, Fábio viu Dedé e Manoel protegerem seu gol, com Mayke à direita e Egídio à esquerda. Um pouco mais à frente, a dupla de volantes titular, Henrique e Lucas Silva, dava suporte ao trio ofensivo que procurava o centroavante Marcelo Moreno: Marquinhos pelo lado direito, Alisson pela faixa esquerda e Éverton Ribeiro como ponto de referência central no meio-campo.

Já Ney Franco armou o Vitória de forma a tentar parar o Cruzeiro, como já é comum, mesmo dentro de casa. Era um híbrido de 4-3-1-2 e 4-1-4-1, de acordo com a movimentação de Marcinho. Defendendo a meta de Wilson estavam Nino à direita, Kadu e Roger Carvalho na zaga central e Juan pela esquerda. Luiz Gustavo (não é o da seleção) ficou como volante preso à frente da defesa, tendo Luis Aguiar mais à direita e Richarlyson mais aberto à esquerda. Marcinho, em teoria o meia de ligação, transitava entre o centro e a direita, com Edno bem aberto pela esquerda e Dinei de centroavante.

De volta ao modo normal

Mesmo após uma sequência de resultados ruins, o Cruzeiro ainda é temido ao ponto de, mesmo jogando em casa, o Vitória escolher esperar o Cruzeiro no seu próprio campo, compactado e marcando muito, e tentar sair em velocidade. Mas, ao contrário das últimas partidas, os defensores erraram pouco e o Vitória não conseguiu fazer muita coisa. Então, basicamente foi um primeiro tempo de ataque contra defesa.

Tendo muito mais posse de bola e com Ribeiro em campo, o Cruzeiro criou. Principalmente pelo centro e pela direita, já que Egídio ficava preso na marcação de Marcinho e pouco se aproximou de Alisson no início. Mas Mayke ignorou a presença de Edno e avançou corajosamente para encontrar o espaço que nem Richarlyson nem Juan ocupavam: a intermediária esquerda.

Além disso, com um central à frente, Lucas Silva e Henrique puderam jogar nos espaços em que executam melhor as suas funções, ligeiramente atrás, oferecendo linhas de passe de retorno. Além disso, conseguiam quase sempre recuperar a segunda bola que vinha estourada da defesa do Vitória, dando continuidade à pressão ofensiva e aumentando ainda mais as estatísticas de posse de bola em favor do Cruzeiro.

Faltou algo

Mas, apesar de todo o domínio territorial e das chances criadas, o Cruzeiro pecava ao se aproximar da área. Cruzamentos muito fortes ou mal colocados, que facilitavam para os defensores; escolher chutar quando seria melhor passar a bola e vice-versa; e quando havia a finalização, era ruim. Ficou a impressão de estar faltando uma peça, um alvo a mais na área que dividisse a atenção dos defensores e desse mais uma opção de passe. Soa familiar?

Sim, o Cruzeiro sentiu ligeiramente a falta de Ricardo Goulart para dar esse toque final. Apesar de fazer bem a função de central, Éverton Ribeiro tem uma característica diferente de Goulart. Enquanto um é mais passador, criador e assistente, o outro é mais concatenador e definidor. Alguns números ilustram isso: 19 cruzamentos para a área, mas apenas 4 corretos; 8 finalizações, apenas duas obrigaram Wilson a trabalhar, ambas de Alisson.

Vitória muda

Ney Franco voltou do intervalo com uma troca dupla. Uma das substituições foi direta, de lateral por lateral: Juan cedeu lugar a Mansur. Mas a outra mudava o sistema, já que o meia Marcos Junio entrou na vaga de Luis Aguiar. Richarlyson foi se alinhar a Luiz Gustavo, Marcos Junio entrou do lado direito e Marcinho centralizou, formando o novo 4-2-3-1.

Isso era uma tentativa clara de tirar o time de trás, numa mudança até surpreendente de estratégia. Mas o tiro foi na água, e acabou por facilitar a vida celeste. Sem Marcinho em seu encalço, e com o trabalho defensivo ruim de Marcos Junio, Egídio começou a aparecer no ataque pela esquerda se aproximando de Alisson. O Cruzeiro agora invertia o lado de preferência das investidas e chegava com muito perigo por ali, sem se esquecer do lado direito. De repente o Vitória se viu sendo atacado por todos os lados, e o Cruzeiro cresceu. O gol parecia maduro, mas o placar insistia em ficar inalterado — até por ajuda do senhor juiz.

Mapa de passes de Egídio no primeiro tempo (à esquerda) e no segundo (à direita) mostra  como o lateral teve mais liberdade  para subir ao ataque após Marcinho centralizar de vez

Mapa de passes de Egídio no primeiro tempo (à esquerda) e no segundo (à direita) mostra como o lateral teve mais liberdade para subir ao ataque após Marcinho centralizar de vez

A redenção de Dedé

Vitória mudou para 4-2-3-1 e depois deixou somente Richarlyson como volante, mas isso abriu o time e o Cruzeiro teve ainda mais espaço, principalmente pela esquerda com Egídio e Ribeiro caindo por ali

Vitória mudou para 4-2-3-1 e depois deixou somente Richarlyson como volante, mas isso abriu o time e o Cruzeiro teve ainda mais espaço, principalmente pela esquerda com Egídio e Ribeiro caindo por ali

Marcelo Oliveira foi obrigado a trocar Alisson por Willian, sem alterar o sistema. Porém, o bigode não deu a intensidade que o garoto dava, e o ímpeto celeste diminuiu um pouco mas não cedeu. Ney Franco então deu sua última cartada, lançando William Henrique no lugar de Luiz Gustavo. Ele entrou pelo lado esquerdo, fazendo Edno se aproximar de Dinei e Marcinho mais recuado para ligar o contra-ataque: algo entre um 4-2-3-1 com Marcinho de volante e um 4-4-2 de linhas, com Edno mais recuado.

Depois, por causa do amarelo recebido minutos antes, Lucas Silva deu seu lugar a Willian Farias. O Cruzeiro perdia o passe de Lucas, mas a troca foi uma resposta à tentativa de Ney Franco, colocando um jogador exatamente no espaço que Edno e Marcinho queriam explorar. Com o Vitória anulado, o jogo continuou na mesma toada.

E finalmente, depois de um escanteio pela esquerda rebatido pela defesa baiana, a bola sobrou para Mayke do outro lado. Com isso, Manoel e Dedé permaneceram na área, e Mayke achou Dedé sozinho no meio da confusão, que cabeceou com firmeza. A bola passou acima da cabeça de Wilson, mas foi tão rápida que não houve nenhum tempo para reação. O gol do alívio não podera ter tido melhor autor.

Depois disso, o Cruzeiro apenas controlou o jogo, tocando a bola no campo de ataque e dando facilmente a volta na correria do já cansado time baiano. Eurico entrou no lugar de Éverton Ribeiro, mas apenas para consolidar o placar.

Técnica, tática, físico e mental

Você sempre leu neste blog que, mais importante do que vencer era jogar bem, pois ao longo prazo, o bom futebol vai trazer os resultados positivos naturalmente. No caso específico desse jogo, porém, era também muito importante que o Cruzeiro vencesse, seja como fosse, para recuperar a confiança. Mas o Cruzeiro fez mais: venceu e convenceu. Voltou a jogar com autoridade e tranquilidade, não foi ameaçado em nenhum momento e mereceu totalmente o resultado.

Muito se deve, é claro, à volta de Éverton Ribeiro à equipe. Não só pelos ganhos técnicos e táticos, mas a própria presença do camisa 17 no time fez o resto da equipe ter mais tranquilidade para jogar. E mais: ao contrário dos outros selecionáveis, Ribeiro não jogou na quarta-feira, e portanto estava devidamente descansado; junto com os demais poupados do jogo de Natal que voltaram nesta partida, o Cruzeiro também esteve melhor fisicamente.

Por isso tudo, mesmo pecando nas finalizações ao longo de todo o jogo, foi de fato uma das melhores partidas celestes no certame, como Marcelo disse na entrevista pós-jogo. E com a possível volta dos outros centrais, recuperados de lesão, o Cruzeiro tende a crescer ainda mais.

Que assim seja.



Flamengo 3 x 0 Cruzeiro – Supresa desagradável

Você já viu algumas vezes aqui neste blog explicações pelos “atrasos” nas análises pós-jogo. No caso do último domingo, porém, as mesmas razões de sempre acabaram por ajudar. Afinal, a atuação celeste foi de dar raiva, e assim como jogadores e treinadores de sangue quente após a partida tem grandes chances de falar asneiras, também este blogueiro sofreria do mesmo mal. O tempo foi bom para poder analisar os fatos de maneira fria.

Pela primeira vez no Brasileirão, o Cruzeiro perdeu duas vezes seguidas. E nesta segunda derrota, não é preciso ser expert para saber que o problema principal da foi o excesso de erros defensivos individuais. Mas como este blog fala de tática, o novo sistema que Marcelo Oliveira foi obrigado a usar também foi, na opinião deste, um dos motivos do revés.

A surpresa

O surpreendente 4-1-4-1 celeste com Nilton entre as linhas teve dificuldade de dar a volta no 4-4-2 em linha do Flamengo, pois não tinha força criativa central

O surpreendente 4-1-4-1 celeste com Nilton entre as linhas teve dificuldade de dar a volta no 4-4-2 em linha do Flamengo, pois não tinha força criativa central

Diante da indisponibilidade de TODOS os centrais do elenco – Éverton Ribeiro na seleção e Ricardo Goulart, Júlio Baptista e Tinga lesionados – e da atuação insegura de Marlone na função diante do Corinthians, Marcelo Oliveira fez uma coisa inédita em todo o seu tempo de Cruzeiro. Iniciou uma partida num esquema diferente do 4-2-3-1 usual.

Nilton foi o escolhido para entrar na equipe, e assim o Cruzeiro se armou num 4-1-4-1. A meta de Fábio foi protegida por Mayke à direita, Egídio à esquerda e Dedé e Manoel na zaga central. Nilton ficou à frente da área, com Henrique e Lucas Silva ligeiramente mais à frente, completando a trinca de volantes. Marquinhos fechou o lado direito, com Alisson pelo outro lado e Moreno fazendo a referência na frente.

Já o Flamengo de Vanderlei Luxemburgo entrou no mesmo 4-4-2 que jogou na última partida. Luxemburgo não tinha João Paulo, e optou pelo estreante Anderson Pico na lateral esquerda. À frente do goleiro Paulo Victor, Marcelo e Wallace fizeram a dupla de zaga, e o veterano Léo Moura fechou o lado direito da defesa. A segunda linha começava à direita com Márcio Araújo, mais contido, próximo a Canteros e Cáceres, liberando um pouco mais Éverton pelo outro lado. Na frente, Eduardo da Silva e Alecsandro.

Dificuldade de criar

Ciente das limitações de seu time, e do poderio celeste, Luxa optou pela estratégia de dar a bola ao Cruzeiro e tentar parar o ataque celeste e partir em contragolpes, mesmo em casa. Portanto, cabia ao Cruzeiro, enquanto time que tinha a posse de bola, encontrar espaços ou criá-los a partir da movimentação ofensiva – nenhuma novidade para o time de Marcelo.

Porém, a tarefa do Flamengo foi facilitada diante de um Cruzeiro pouco acostumado a jogar no novo sistema. Sem um jogador central ocupando o espaço entre os volantes cariocas, e com Marquinhos e Alisson presos pelos lados do campo, caiu nos pés de Lucas Silva e Henrique a tarefa de criar e aparecer na frente para concatenar as jogadas ofensivas. E por mais que Lucas e Henrique saibam bem o que fazer com a bola nos pés, ainda são volantes. A função deles é marcar e dar o primeiro passe. Mas quando é deles a responsabilidade de construir a jogada propriamente dita, encontrando companheiros e boas posições de finalizar ou de dar o último passe, a jogada não flui.

Os erros defensivos

Diante disso, e de um Flamengo feliz em apenas repelir as tentativas celestes, o primeiro tempo tinha tudo pra terminar com o placar em branco. Mas isso não aconteceu, porque Egídio errou o drible e perdeu a bola para Márcio Araújo, que imediatamente acionou Alecsandro exatamente no espaço em que Egídio deveria estar. O cruzamento foi ruim, e Fábio faria a defesa tranquilamente, se Dedé não “intervisse”.

O gol deu uma certa tranquilidade ao Flamengo, que parou de pressionar no alto do campo. O Cruzeiro lentamente tentou se recuperar, e até conseguiu criar algumas chances, a mais clara delas a inversão para Egídio já dentro da área, que assistiu Moreno de cabeça. A bola ficou um pouquinho longe, e Moreno se esticou e conseguiu desviar, mas não com força suficiente.

Mudanças de sistema, mas…

Depois do intervalo, o Cruzeiro voltou ao 4-2-3-1 diante de um Flamengo no 4-1-4-1, e teve mais volume, mas cometeu mais dois erros defensivos individuais e matou o seu próprio jogo

Depois do intervalo, o Cruzeiro voltou ao 4-2-3-1 diante de um Flamengo no 4-1-4-1, e teve mais volume, mas cometeu mais dois erros defensivos individuais e matou o seu próprio jogo

Mesmo tendo mais posse de bola e mais finalizações que o Flamengo, o Cruzeiro ficou longe do volume ofensivo que normalmente tem. Por isso, Marcelo voltou para o 4-2-3-1 com Willian na vaga de Nilton. Com isso, o Cruzeiro agora tinha Alisson como meia central. Luxemburgo, querendo explorar ainda mais as subidas de Egídio, e ao mesmo tempo “fechar a casinha”, entrou com Gabriel na direita, centralizando Márcio Araújo ao lado de Canteros e recuando Cáceres para a frente da zaga – um novo 4-1-4-1. Os sistemas se inverteram.

Naturalmente, o Cruzeiro se avolumou, roubando as segundas bolas após as tentativas repelidas pelo Flamengo e continuando a pressão. Mas nenhum sistema tático ou estratégia resiste a mais um erro defensivo capital. A falha de comunicação entre Manoel e Fábio definiu o jogo logo aos 12 minutos do segundo tempo. E, como se não bastasse, poucos minutos depois, em mais um chutão da zaga carioca, Manoel perdeu dividida para Alecsandro pelo alto e demorou a se recuperar para acompanhar Éverton. Alecsandro avançou pela esquerda sem ser incomodado, já que Egídio estava no campo de ataque, e cruzou para Éverton, sozinho dentro da área e longe de Manoel, completar sem chances para Fábio.

Substituições inúteis

Marcelo Oliveira bem que tentou. Mas o jogo já estava 3×0 quando Marlone entrou na vaga de Marquinhos, novamente jogando Alisson para a ponta esquerda e invertendo Willian. Depois, uma troca direta, Moreno por Borges. Mas pouco adiantou. Ironicamente, Marlone foi o único jogador que obrigou Paulo Victor a fazer uma defesa – todas as outras finalizações foram bloqueadas pela zaga carioca ou para fora.

Luxemburgo simplesmente gastou sua última troca – já havia trocado seis por meia dúzia ainda no primeiro tempo, com Wallace por Chicão – para lançar Muralha na vaga de Márcio Araújo. O Flamengo facilmente repeliu as investidas celestes, garantindo o zero no placar celeste.

Não é só Ribeiro e Goulart

É claro que o Cruzeiro sentiu falta dos selecionáveis, que fariam falta em qualquer time do Brasil. Mas não foi apenas a ausência de Ribeiro e Goulart que minou o poderio ofensivo celeste. Todos os jogadores da mesma posição não estavam disponíveis, e isso obrigou Marcelo a mudar o sistema, sem ter tempo pra treiná-lo.

Não dá pra botar a culpa da derrota na mudança de sistema. Mas talvez a história fosse outra se o Cruzeiro iniciasse o jogo na formação em que está acostumado a jogar. Fosse um 4-2-3-1, o Cruzeiro certamente teria mais volume, como teve já no início do segundo tempo, e a chance e ir para os vestiários com pelo menos um gol seria maior.

Apesar da maior posse de bola, o Cruzeiro só deu um chute na direção do gol -- no finzinho e bem de longe

Apesar da maior posse de bola, o Cruzeiro só deu um chute na direção do gol — no finzinho e bem de longe

Mas, como disse no texto, não há sistema que resista a erros defensivos individuais como os cometidos por Dedé e Manoel. Na coletiva pós-jogo, Marcelo Oliveira disse que não estava muito preocupado, porque o Cruzeiro não foi massacrado. De fato, teve posse de bola, mais finalizações, principalmente no primeiro tempo, mas não foi capaz de sequer ameaçar a meta de Paulo Victor.

Portanto, o blog discorda de Marcelo. Pois mesmo que o Cruzeiro não tenha sido dominado, teve desequilíbrio ofensivo, com pouca produção, e defensivo, com erros em demasia. E isso é, sim, sinal de preocupação.