Palmeiras 1 x 2 Cruzeiro – Se vira nos 30

Você já deve ter ouvido em entrevistas pós-jogo alguns treinadores analisarem o jogo como “de dois tempos distintos”: quando um time domina as ações em uma etapa e o adversário faz o mesmo na outra. De certa forma, foi o que houve na tarde de domingo no Pacaembu, onde podemos dizer que o Palmeiras dominou 45 minutos de jogo e o Cruzeiro controlou os outros 45, mas não coincidiu com o primeiro e segundo tempos.

Arrasador na primeira meia hora, o Cruzeiro se viu forçado ao seu campo com o recuo de Mendieta para a volância palmeirense, e absorveu a pressão durante os quinze finais do primeiro tempo e também nos primeiros trinta do segundo. Depois, o time paulista cansou de tanta intensidade e o Cruzeiro equilibrou novamente as ações, mas apenas para controlar o relógio até o final.

Os dois onze

Até a saída de Eguren, o Cruzeiro empurrou o Palmeiras para sua intermediária com bons passes pelo chão, driblando a intensidade do 4-2-3-1 paulista

Até a saída de Eguren, o Cruzeiro empurrou o Palmeiras para sua intermediária com bons passes pelo chão, driblando a intensidade do 4-2-3-1 paulista

Marcelo Oliveira repetiu o time do triunfo contra o Vitória e armou o mesmo 4-2-3-1 costumeiro: Fábio no gol, Ceará e Egídio nas laterais e Manoel e Léo na zaga central; Henrique e Lucas Silva protegendo a área e dando apoio a Éverton Ribeiro, mais pela direita, Ricardo Goulart, peça chave do sistema, como central, e Marquinhos, teoricamente na esquerda mas se movimentando como nunca. Na referência, Marcelo Moreno.

Novidade no cenário de treinadores brasileiro, Ricardo Gareca, o cabeludo argentino, armou o Palmeiras também num teórico 4-2-3-1, em seu segundo jogo à frente do time paulista. O goleiro Fábio (impostor) foi protegido pelos zagueiros Lúcio e Tobio, estreante. Na direita, Wendel fechava a linha defensiva, e William Matheus fazia o mesmo do lado oposto. A proteção ficou inicialmente por conta de Renato e Eguren, com Mendieta sendo o elemento central do meio-campo. Diferente do Cruzeiro que tem um meia e um atacante como ponteiros, o Palmeiras tinha dois atacantes de ofício nas beiradas: Leandro e Diogo se movimentavam e invertiam a todo momento. Por fim, Henrique ficou mais centralizado à frente.

Intensidade

O jogo começou a mil por hora — para as duas equipes. O Palmeiras já demonstrava que iria correr muito já nos primeiros segundos, quando o Cruzeiro deu a saída e vários jogadores de verde partiram pra cima dos de azul para roubar a bola o mais rápido possível. Um pouco do que o Cruzeiro fazia no ano passado muito bem, e nesse ano tem feito mais esporadicamente e de maneira mais irregular.

Porém, diferente dos adversários celestes no ano passado, isso não deu muito resultado. Pois dessa vez quem recebia a pressão era um time treinado, que sabia tocar a bola por baixo e só apelava para a bola longa como último recurso. Além disso, é provável que a pressão alta seja uma novidade de Gareca para os jogadores palmeirenses, e ela tem que ser bem executada e ter sincronia para funcionar. Se não, um time técnico consegue dar a volta e achar o buraco na marcação.

Na outra ponta do campo, o Cruzeiro respondeu com intensidade ofensiva. Goulart e Ribeiro apareciam sempre, mas Marquinhos se destacou, aparecendo em todos os lugares do campo. Como na ponta direita, onde ganhou do zagueiro em jogo de corpo, deu um tapa com muita técnica para que a bola ficasse inalcançável para o adversário que fazia a cobertura, chegando com tranquilidade e visão de toda a área na linha de fundo, para fazer a assistência, que ainda teve um corta-luz de Moreno, para Goulart se consolidar como artilheiro do certame. E mal deu tempo de comemorar, pois Goulart já sofria falta do lado esquerdo do campo. Falta cobrada magistralmente por Marquinhos, que achou Manoel livre na área para ampliar.

Mendieta recua

Com a lesão de Eguren, Gareca lançou Felipe Menezes e recuou Mendieta, ganhando qualidade no primeiro passe e virando a batalha da posse no meio-campo

Com a lesão de Eguren, Gareca lançou Felipe Menezes e recuou Mendieta, ganhando qualidade no primeiro passe e virando a batalha da posse no meio-campo

A sequência de gols e o domínio das ações aconteceu também porque o Palmeiras não conseguia responder à altura. No meio-campo, Renato e Eguren tentavam marcar Goulart e os volantes celestes que subiram o posicionamento audaciosamente, alugando a intermediária palmeirense. Até dificultavam, mas quando o time da casa recuperava a bola, não conseguiam dar qualidade no primeiro passe. A bola voltava para o Cruzeiro e o ciclo se repetia.

Só quando Eguren se lesionou e Gareca foi obrigado a fazer uma troca que o Palmeiras reacendeu no jogo. Isso porque, ao invés de trocar um volante por outro, o treinador do Palmeiras ousou e lançou Felipe Menezes, meia, que foi jogar como central do 4-2-3-1. Com isso, Mendieta foi recuado para jogar ao lado de Renato, resolvendo o problema da saída de bola.

Com esse movimento, o Palmeiras ganhou o meio-campo de volta. Henrique e Lucas Silva, antes participantes ativos da construção ofensiva, agora não passavam de marcadores puros, com Lucas inclusive sendo amarelado. O jogo passou a ser jogado na outra intermediária e o Cruzeiro só se defendeu, apesar de Fábio não ser ameaçado até o fim do primeiro tempo.

A animação mostra a diferença nos locais de ação das duas equipes: antes da troca de Eguren por Felipe Menezes, concentração na intermediária palmeirense; depois, a ação passa a ser mais no campo celeste

A animação mostra a diferença nos locais de ação das duas equipes: antes da troca de Eguren por Felipe Menezes, concentração na intermediária palmeirense; depois, a ação passa a ser mais no campo celeste

Amarelos e trocas

Marcelo optou por Willian Farias na vaga de Lucas Silva, com medo de uma eventual expulsão. São jogadores muito diferentes: Lucas sai para o jogo e é responsável pelas inversões de bola para o lateral oposto, participando bem da construção. Willian Farias é somente um destruidor de jogadas, com menos qualidade de passe. Henrique, em teoria, seria o volante mais avançado, mas se ocupava com a marcação de Felipe Menezes e não conseguia sair. O resultado é que com a troca o Cruzeiro convidou ainda mais o Palmeiras à frente, que por sua vez aplicou ainda mais intensidade.

Tobio diminuiu em uma jogada de bola parada, e o gol animou os mandantes. A bola só ficava em pés verdes, com o Cruzeiro marcando e jogando pouco. Henrique, Egídio e Willian Farias receberam amarelos e aumentaram muito o perigo do jogo. O Palmeiras rondou a área, finalizava muito, mas sem qualidade. A rigor, Fábio só fez duas defesas, ainda que fossem pequenos milagres, cara a cara com os avançados de verde.

A linha do tempo mostra bem os períodos de domínio: até os 30, Palmeiras só chutou uma vez; e depois dos 30, apenas uma finalização celeste

A linha do tempo mostra bem os períodos de domínio: até os 30, Palmeiras só chutou uma vez; e depois dos 30, apenas uma finalização celeste

O preço da correria

Porém, não existe nenhum time no mundo que consiga manter o ritmo de marcação e a correria por 90 minutos. O Palmeiras conseguiu surpreendentes 75. Nos quinze minutos finais, a marcação já não era tão apertada, e o Cruzeiro pode enfim respirar um pouco mais. O domínio palmeirense não havia se transformado no empate, nem mesmo com Mouche e Érik nas vagas de Mendieta e Leandro, centralizando Diogo. Marcelo se limitou a fazer trocas defensivas, com Samudio na vaga do amarelado Egídio e mais tarde Tinga no lugar de Ribeiro, sem modificar a estrutura.

Sem tanta intensidade do lado paulista, o Cruzeiro equilibrou as ações levou o jogo até o final, controlando a pressão adversária. Tinga ainda teria chance de matar o jogo ao receber passe magistral de Goulart, mas faltou técnica para o cabeludo à frente do goleiro palmeirense. Felizmente, o gol perdido não fez falta.

Conclusões, conclusões

Os números do jogo acabam por explicar bem a partida. Este foi o segundo pior índice de posse de bola do Cruzeiro no campeonato, com 44,17%, maior apenas do que no clássico no Independência na quarta rodada (43,67%). No entanto, mesmo tendo mais a bola em seus pés, o Palmeiras trocou menos passes e com menos qualidade que o Cruzeiro: 347 (82,71% de acerto) contra 360 (87,50%). Isso demonstra a verticalidade do jogo, consequência direta da intensidade: o time paulista não quis ficar trocando bola entre seus zagueiros e cadenciar, nem deixava o Cruzeiro fazer isso.

Mas o que acabou fazendo a diferença no jogo foram as finalizações. Essa foi a partida em que o Cruzeiro menos finalizou contra a meta adversária: apenas 7 vezes. O Palmeiras atentou contra a meta de Fábio mais que o dobro: 15. Porém, a qualidade das conclusões foi inversa: dos 7 chutes celestes, 2 foram pra fora, 3 foram defendidos e 2 entraram. Já o Palmeiras só conseguiu converter um em gol, com Fábio defendendo outros três: nada menos do que 11 finalizações foram para fora. Um aproveitamento de apenas 26,67%, contra 71,43% celestes — o maior índice da rodada e de todo o campeonato até aqui.

Méritos e amadurecimento

De tempos em tempos falo aqui que não acredito em resultados injustos no futebol. Depois do jogo vi um famoso comentarista (que é palmeirense), cuja opinião respeito muito, dizer que o Palmeiras merecia o empate. Eu discordo. O Cruzeiro teve méritos de fazer dois gols durante seu período de domínio, e ainda teve chances para fazer mais. Já o Palmeiras só conseguiu um, também porque o Cruzeiro teve méritos em se defender.

Mas há que se ressaltar que o Palmeiras empurrou o Cruzeiro para seu campo com seus próprios méritos. Controlou os nervos depois de ficar dois gols atrás do time que é líder, ganhou a batalha da posse no meio-campo e pressionou. Errou muitos passes e finalizações, é verdade, mas isso também é parte do jogo. O Cruzeiro foi mais feliz nesses fundamentos, e talvez por isso tenha vencido, com justiça.

Portanto, não se trata de analisar a partida somente pelo lado celeste, dizendo que o Cruzeiro recuou demais. Há jogos em que isso não será opção do Cruzeiro, como estratégia para distanciar as linhas adversárias e ter espaço para o jogo rápido e rasteiro que lhe é característico. Por vezes, o adversário impõe esta intensidade — e isso acaba por testar o equilíbrio do time, que mostrou saber se defender bem diante de tal postura do Palmeiras. Também teve méritos em conseguir sair tocando pelo chão, com qualidade, diante da pressão alta dos paulistas, o que é animador.

Sintomas de um time mais maduro — e isso pode fazer a diferença em um certame tão difícil.



Cruzeiro 2 x 1 Palmeiras – O ponteiro esquerdo

Apresentando uma novidade na formação, o Cruzeiro venceu com propriedade o Palmeiras ontem na Arena Independência, apesar dos erros da arbitragem.

Montillo de ponteiro esquerdo, voltando com o lateral, Tinga centralizado se movendo por todo o campo e Wallyson se juntando a Borges pela direita no novo 4-2-3-1 cruzeirense

Ao contrário do que disse um certo comentarista de uma certa rádio de Belo Horizonte — inclusive contrariando o que disseram Tinga e o próprio treinador nas coletivas ao fim do jogo — Celso Roth surpreendeu e escalou o Cruzeiro em um 4-2-3-1 claríssimo (e não um 4-4-2 como disse o comentarista). Fábio teve Ceará na direita, Thiago Carvalho e Victorino à sua frente e Diego Renan à esquerda. Protegendo a área, Leandro Guerreiro dava mais liberdade a seu parceiro de volância Charles. A novidade tática, entretanto, estava na linha de meias: Tinga, aparecendo centralizado, tinha Wallyson pela direita e Montillo estreando como ponteiro esquerdo. Borges era a referência.

Felipão não saiu do esquema que vinha usando nos últimos jogos e mandou sua equipe no mesmo esquema do adversário — o que, estranhamente, foi notado pelo comentarista citado. O 4-2-3-1 palmeirense tinha o goleiro Bruno sendo defendido por Leandro Amaro e Henrique (que vinha jogando de volante e foi recuado neste jogo) flanqueados por Artur na direita e Fernandinho do lado oposto; Márcio Araújo, mais plantando, e João Vítor suportavam Patrik pela direita, Daniel Carvalho por dentro e Mazinho pela esquerda, com Hernán Barcos enfiado.

Como é de costume quando estes dois esquemas se enfrentam, os embates típicos são a dupla de zaga contra o centro-avante, o volante plantado contra o meia central, os dois volantes da sobra batalhando entre si e laterais contra ponteiros. Façamos um exercício didático, portanto: Borges enfrentava Leandro Amaro e Henrique, e na outra ponta do campo Barcos encostava em Thiago Carvalho com Victorino na sobra; no meio, Guerreiro ficava a cargo de Daniel Carvalho, Charles vigiava (e tentava se livrar de) João Vitor e Tinga era perseguido por Márcio Araújo. Pelos lados, os duelos eram Ceará x Mazinho, Diego Renan x Patrik, Wallyson x Artur e o duelo desigual entre Montillo e Fernandinho.

Qual é a diferença, a grande novidade tática? É simples: Tinga já tinha tendências centralizadoras quando era escalado como ponteiro, enquanto que Montillo tendia a cair pelos lados, fazendo uma função que Michael Cox, do excelente Zonal Marking, batizou como “ponteiro central“, quando seu posicionamento era o centro do meio-campo. Celso Roth apenas oficializou as coisas. O resultado direto, como o próprio Tinga disse ao fim da partida quando explicava a diferença de posicionamento em relação aos jogos anteriores, foi que Montillo teve mais espaço para poder utilizar a sua melhor arma: a vitória pessoal, como diria o treinador celeste. Ou como disse o Predador Azul, o “um contra um”.

Sim, os treinadores adversários perceberam que, ao escalar um volante sempre encostando no argentino, às vezes em marcação individual destacada — e até mesmo chegando ao exagero de encurtar até quando o própria equipe tinha a posse de bola — Montillo produzia pouco, e mesmo quando conseguia vencer o seu marcador, havia muitas sobras para tirar a bola do camisa 10. Ao deslocá-lo para a esquerda, resolvem-se três problemas em um: primeiro, troca-se o marcador principal do argentino, facilitando a “vitória pessoal”, já que os volantes plantados têm muito mais poder de marcação que um lateral; segundo, a marcação é única e não dupla; e terceiro, ao ser deslocado para a esquerda, Montillo foi o que se chama de “ponteiro de pé invertido”, ou seja, um destro na esquerda (análogo a um canhoto na direita — Martinuccio pode ser uma bela novidade quando se recuperar). A vantagem de inverter os pés dos ponteiros é que, com isso, eles podem cortar para dentro e arriscar um chute, ou então servir uma jogada de profundidade para o centro-avante, ou ainda cruzar para a área de uma posição mais recuada. Assim jogam Robben e Ribery no Bayern de Munique vice-campeão europeu.

Todos os lances do argentino no primeiro tempo, de alguma forma, derivaram deste seu novo posicionamento. Ele vencia facilmente o duelo com o pobre Fernandinho, que certamente não esperava ter que marcá-lo na partida de ontem, e criava muito pelo setor. Fez um cruzamento, arriscou um chute quando cortou pra dentro e recebeu a assistência de Tinga para a falta fora da área que recebeu, mas que o juiz deu pênalti. Borges converteu o maior volume de jogo cruzeirense em vantagem no placar.

Mas não foi só o argentino que apareceu. Praticamente todo o time foi bem ontem. A nova dupla de zaga, Victorino e Thiago Carvalho, segurou bem as investidas do ataque palmeirense, principalmente nas bolas aéreas para Barcos, que, à exceção do pênalti cobrado, nada produziu durante todo o tempo em que esteve em campo. Ceará tomou conta da lateral direita, marcando com firmeza e apoiando o ataque aproveitando o corredor aberto por Wallyson; do outro lado, Diego Renan também foi aplicado na marcação e não deixava Patrik com liberdade. Guerreiro perseguia Daniel Carvalho com precisão, mesmo quando o meia palmeirense abria pela esquerda invertendo com Patrik, e ao mesmo tempo fazia o primeiro passe sem sustos, procurando os laterais, Charles ou Tinga. Estes dois, por sua vez, foram excelentes no meio-campo: Charles, com mais liberdade devido ao posicionamento mais afundado de João Vítor, tinha tempo na bola e podia pensar o jogo com calma, e Tinga, o Predador Azul, corria por todo o campo, dando sempre a opção para um passe de segurança. Montillo, indomável como ponteiro esquerdo, surpreendeu defensivamente ao voltar junto com o lateral Fernandinho, quando este tinha a audácia de apoiar; Borges, o autor dos gols, com boa presença de área — principalmente no segundo gol, e a volta do bom futebol do garoto Wallyson, que dava opção de passe profundo pela direita e por vezes centralizava buscando a diagonal para auxiliar Borges. A única nota negativa, se é que se pode dizer assim, foi a não tão grande aplicação defensiva do garoto, que por vezes “esquecia” a recomposição pelo lado e dava campo para o lateral Artur subir sem ser incomodado. Foi por ali que o Palmeiras conseguiu seus lances mais perigosos, mesmo que longe de assustar Fábio.

No intervalo, Felipão desfez o 4-2-3-1 e lançou Obina na vaga de Patrik. A intenção era acabar com a marcação encaixada, aumentando o número de atacantes e fazendo número no meio-campo ao mesmo tempo, num 4-2-2-2 que virava duas linhas de quatro bem inglesas sem a bola: Mazinho trocou de lado, Daniel Carvalho fechava pela esquerda e os dois volantes compunham a primeira parede. Com a bola, os meias abertos entravam pelo meio-campo para pensar o jogo. Roth respondeu afundando Guerreiro entre os zagueiros para fazer a sobra, mas a consequência direta era ficar com ainda menos jogadores no meio-campo: Charles era ajudado por Tinga, mas o Palmeiras tinha quatro no meio. Assim, o time paulista dominou a posse de bola, inclusive tendo longos períodos com ela, mas sem ser incisivo.

A desvantagem do 4-2-2-2 era fazer o time ficar estreito, que, com o apoio dos laterais, abria os flancos para os contra-ataques celestes. E eles vieram, ainda mais perigosos com Montillo jogando oficialmente pela esquerda. Foi com ele que nasceu o lance do segundo gol, conduzindo e invertendo para Wallyson, que de primeira mandou a Tinga na marca do pênalti. Marcado, o Predador girou e finalizou, a bola resvalou no zagueiro e sobrou novamente para Wallyson, que centrou para Borges completar com excelente senso de posicionamento.

Depois do gol, o Palmeiras se lançou ainda mais à frente tentando diminuir o placar, e o Cruzeiro teve várias chances de matar o jogo no terceiro gol. Wallyson teve a chance de se consagrar fazendo o terceiro num passe longo de Montillo para ele em velocidade, mas Bruno conseguiu defender. Felipão aproveitou a superioridade numérica no meio-campo e oficializou o “abafa”, tirando mais um meia, desta vez Daniel Carvalho, e mandando Maikon Leite para o jogo. Ele foi atuar pela direita, forçando em Diego Renan, e Mazinho voltou a atuar aberto pela esquerda em cima de Ceará, fazendo um ultra-ofensivo 4-2-4. No primeiro lance, Maikon Leite receberia lançamento em velocidade e Victorino cometeu o pênalti, num dos poucos lances de desatenção da zaga azul. Barcos deslocou Fábio para diminuir, e o placar havia ficado perigoso.

O Palmeiras se animou com o gol, como é natural. Mas a zaga cruzeirense, incluindo Leandro Guerreiro na sobra, estava em noite inspirada, e não deixou o Palmeiras concluir a gol com perigo. Além disso, Wallyson e Montillo ainda estavam presentes em campo, e o perigo de um contra-ataque fatal era constante. A combinação destes dois fatores fez Felipão fazer a última mudança e tirar Barcos do campo, mandando Betinho. O Palmeiras voltava a ter três no meio em seu 4-2-1-3, mas desta vez Celso Roth respondeu lançando William Magrão no lugar de um cansado Wallyson. Tinga foi jogar de meia-direita, ajudando Ceará, e Magrão foi fazer companhia a Charles à frente da área. Guerreiro continuava na sobra, mas com liberdade para se adiantar, já que só havia apenas um atacante adversário na área. Assim, o meio-campo voltou a ser um setor equilibrado em número de jogadores.

No fim, Cruzeiro numa espécie de 5-4-1 variando para 4-1-4-1, com Guerreiro circulando entre as linhas (ou afundando entre os zagueiros), Magrão e Charles protegendo a área e Anselmo Ramon na frente para reter a bola como pivô

A partir daí, portanto, o Palmeiras não teve mais tanto volume e o jogo voltou a se equilibrar. O Cruzeiro novamente teve chances de matar o jogo, inclusive com Tinga em arremate que Bruno defendeu. Borges e Montillo sairiam ainda para as entradas de Anselmo Ramon — para reter a bola e esperar a chegada dos companheiros — e Souza — que entrou mais para marcar pelo lado esquerdo do que para passar. O jogo seguiu até o fim com o Palmeiras tentando mais na base da raça, mas o Cruzeiro estava bem postado e só era ameaçado nas bolas paradas, devido ao excessivo número de faltas — foram 30 durante o jogo. Foi numa bola parada que o Palmeiras concluiria impedido para o gol. Tivemos sorte de Marcos Assunção não estar em campo.

Os erros da arbitragem não escondem a boa atuação cruzeirense. Destaque, novamente, para o novo posicionamento de Montillo, ponteiro esquerdo do 4-2-3-1, inclusive fazendo funções defensivas nunca antes vistas. Wallyson também se destacou do outro lado, fazendo algumas inversões e ajudando Borges na área, mas precisa ser mais aplicado na recomposição para não dar espaço ao lateral adversário. Charles fez uma boa partida, porém pode se apresentar ainda mais ao ataque como elemento surpresa, sendo o homem que sobra no meio-campo.

Não há razão para mudar o time para o jogo contra a Ponte Preta. Se Celso Roth conseguir fazer com que Montillo e Wallyson mantenham a aplicação tática na recomposição pelos flancos, este 4-2-3-1 tem tudo para ser o esquema base e titular do Cruzeiro. Claro que sempre há espaço para melhorar, como por exemplo, fazer menos faltas: o Cruzeiro é, disparado, o time mais faltoso do campeonato. Mas chegou a hora de dar uma cara ao time, definir qual é o jeito de jogar, qual o esquema base, e treiná-lo exaustivamente.

Só assim poderemos sonhar com algo mais do que uma vaga na Sulamericana neste campeonato.