Santos 0 x 1 Cruzeiro – Modo seguro (mas nem tanto)

Em entrevista recente, Mano disse que planejou o Cruzeiro em três etapas. Fugir do rebaixamento estabilizando o time, depois voltar a competir de igual para igual, e por último tentar propor o jogo com a bola, sendo protagonista do jogo. Mas também disse que, quando a coisa começa a degringolar, os jogadores começam a perder a confiança no planejamento do treinador, o que é natural. Pra isso, ele confessa que, nesses momentos, é necessário “voltar algumas casas” na evolução do time.

Posicionamento estrutural das equipes: Cruzeiro mais conservador, duas linhas de quatro com Neves e Barcos à frente. Santos num 4-3-3, mas com uma trinca de volantes no meio.

Na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das quartas da Copa do Brasil, parece que foi o que ocorreu. Vindo de dois resultados negativos no Brasileiro, o Cruzeiro visitou o Santos e se defendeu no melhor estilo Mano Menezes. Duas linhas de quatro com Barcos e Neves à frente, praticamente abdicando de um ataque organizado, tentando sempre chegar em transições ou bolas paradas. O resultado pode indicar que o plano foi um sucesso, mas não foi bem assim. Não dá pra dizer que foi um jogo perfeito defensivamente, porque o Santos teve chances de marcar.

Primeiro tempo

No início, Neves e Barcos pressionavam a saída dos zagueiros, induzindo-os a circular para o lado. Depois que a bola saía, eles voltavam e encaixavam nos volantes, pra fechar a linha de passe. Já os pontas Robinho e Arrascaeta alternavam a marcação, ora nos laterais, ora no volante do lado. Arrascaeta e Robinho constantemente olhavam para trás antes de subir a pressão no lateral se a bola chegava ali, para não deixar seu lateral “vendido”, ou mesmo pra ver se o volante fazia a cobertura.

Barcos e Neves pressionam os zagueiros e induzem a bola a chegar no lateral. Na direita, Robinho subia a pressão em Dodô, com Henrique na cobertura

Aqui, Santos fez uma saída de 3 com Alison entre os zagueiros, causando superioridade. Na parte de baixo da imagem, vemos Arrascaeta sinalizando a passagem de Victor Ferraz

O plano era induzir o Santos a sair pelo lado, e isso foi bem executado na primeira parte. Com isso, o Cruzeiro conseguia balançar para o lado da bola e defender em igualdade numérica, normalmente em três contra três: o lateral, o ponteiro e o volante do lado da bola. Aqui, um pequeno problema, já que um drible ou um erro de leitura — já que o Cruzeiro marca por encaixes no setor — poderia deixar um jogador livre pra cruzar. Um risco calculado, aconteceu algumas vezes, mas felizmente as jogadas não deram em nada.

Cruzeiro defendendo o lado esquerdo em igualdade numérica com o lateral, o ponta e o volante do lado da bola

Aqui, um momento em que o Cruzeiro defendia o lado direito. Novamente, igualdade numérica no setor, com o lateral, o ponta e o volante do lado

Um outro problema, pelo lado esquerdo, era a falta de uma pressão maior no jogador do retorno do adversário (o que fica por trás), quando este recebia a bola. Em duas ou três vezes ele conseguiu inverter a bola na diagonal longa pro lado direito, deixando Lucas Romero no mano a mano, ora com Bruno Henrique, ora com Gabriel. Novamente, por sorte as jogadas nada produziram.

Com a bola, o Cruzeiro tinha bastante dificuldade em sair da primeira pressão do Santos após recuperar a bola. Devolvia a bola com facilidade, pois tentava passes difíceis e longos para quem estava na frente, que obviamente sempre estavam em inferioridade numérica. Se na disputa aérea ficou mais ou menos dividida, na segunda bola o Santos ganhava quase todas e prosseguia com a posse.

Nas raras vezes em que teve a chance de um ataque mais organizado, o Cruzeiro errava muitos passes, principalmente os de ruptura, que quebram as linhas adversárias — o famoso penúltimo passe. Além disso, Thiago Neves novamente não fez um bom jogo tecnicamente, com muita dificuldade de receber a bola entre as linhas e prosseguir na jogada. Muitas vezes nem conseguia girar em cima da marcação pra pegar o campo de frente, cedendo a posse. Por outras vezes, recuando pra receber o passe, não tentava uma jogada mais aguda, fazendo apenas a bola circular por trás ou mesmo recuando para um volante.

De positivo, mais uma vez, a circulação de Arrascaeta. O uruguaio foi um ponto de apoio, aparecendo entre as linhas, recuando pra ajudar na saída e sempre tentando um passe vertical. Por sinal, a única jogada perigosa do Cruzeiro no primeiro tempo só aconteceu pela flutuação do uruguaio. Ele acha espaço entre as linhas, recebe de Dedé e aciona Thiago Neves. Cruzamento, e no rebote, Vanderlei defende Lucas Silva. Na cobrança do lateral, Egídio cobra direto pra Thiago Neves, que passa a Henrique, que acha Robinho, que vê Arrascaeta infiltrando por trás da zaga do outro lado. De novo, Vanderlei defendeu.

 

Arrascaeta flutua, encontra um oceano de espaço entre as linhas e recebe de Dedé. No fim desse lance, ele aciona TN na esquerda, e no rebote do cruzamento, Vanderlei defende chute de Lucas Silva

Segundo tempo

Após o intervalo, as equipes ajustaram ligeiramente suas estretégias. O Santos passou a marcar mais alto, pressionando a saída do Cruzeiro para forçar o erro, e conseguia muitas vezes. Já pelo lado do Cruzeiro, Neves e Barcos já não pressionavam os zagueiros, apenas fechavam as linhas de passe por dentro. O Santos continuava saindo pelo lado, mas os zagueiros agora tinham mais tempo pra pensar e por vezes até achavam campo pra avançar.

Logo aos dez minutos, Mano lançou Raniel na vaga de Barcos. Sou da opinião de que não existe troca “seis por meia dúzia”, pois não existe jogador igual ao outro. Porém, confesso que não sei precisar a razão. Talvez uma questão física de Barcos, ou mesmo pra Raniel dar mais intensidade e/ou velocidade, estando descansado. Entretanto, o sistema tático não se alterou, nem a postura.

Aos 20, o melhor momento do Cruzeiro no jogo. Posses de bola longas, de mais de um minuto, em sequência. Bastante conservadoras, como era o plano. Na primeira, o Cruzeiro trocou passes pacientemente por 1 minuto e 10 segundos, de um lado a outro do campo, com todos os jogadores (exceto Raniel) tocando na bola ao menos uma vez. Terminou em cruzamento errado de Lucas Romero (em raríssima aparição ofensiva). Outra gerou um cruzamento longo demais de Robinho, e também houve cruzamento de Arrascaeta que Vanderlei tirou, e um chute de Lucas Silva por cima. Um momento que durou 6 minutos.

Depois, Cuca trocou Renato, volante, por Daniel Guedes, lateral. Efetivamente, deixava só Alisson na proteção, com Victor Ferraz indo para o meio-campo ajudar na construção. Com isso, o Santos empurrou o Cruzeiro pra trás, com muita presença no campo ofensivo e pressão após a perda forte. O Cruzeiro não conseguiu sair com qualidade e foi sufocado. Mano agiu e colocou Rafinha na vaga de Thiago Neves, deslocando Robinho para o centro. A troca funcionou, e a pressão arrefeceu, apesar do Santos ainda ter maior posse. Mas futebol prega peças e num rebote, a zaga do Cruzeiro deixou Gabriel livre, mas Fábio salvou. Foi a melhor chance deles.

E como diria Muricy, a bola pune. Duas posses depois, o Cruzeiro chegaria a seu gol. Curiosamente, na primeira vez em que Rafinha participa com a bola, quase 6 minutos depois de entrar no jogo. Na jogada, Robinho acha o espaço ao lado de Alisson, que tinha muito campo pra cobrir. Ele recebe e aciona Rafinha. Como era o único volante, Alisson fechou em Rafinha, deixando Robinho livre. No jogo de corpo, Rafinha enganou Alisson e abriu a linha de passe, deixando Robinho de frente pro gol na entrada da área, o lugar mais disputado do campo. Raniel se desmarca, recebe e chuta girando. Essa Vanderlei não pegou.

No lance do gol, Robinho, já na função de central com a troca Rafinha x TN, acha espaço ao lado de Alison, o volante único do Santos àquela altura

Alison atravessa o campo pra combater Rafinha, mas este drible de corpo abre a linha de passe pra Robinho pegar de frente; ele aciona Raniel, que se desmarca pra girar e marcar

Imediatamente, Mano tirou Robinho e mandou Sobis a campo. Arrasceta seria o novo central, com Sobis indo para o lado esquerdo. Com algum risco, o Cruzeiro controlou o jogo até o fim.

Confiança

Uma vitória com a marca de Mano. Como esperado, fechou o time e jogou no erro do Santos. Ainda assim, correu riscos, com algumas falhas de marcação, e com a bola teve dificuldade em manter a posse no início. De certa forma, se aproveitou do mau momento do adversário também. Quando o jogo se abriu um pouco com o Santos arriscando mais, conseguiu aproveitar a única chance que teve.

Thiago Neves novamente não foi bem, mas é preciso ser justo: por mais que tecnicamente ele ainda esteja abaixo do esperado, a simples presença dele nas costas dos volantes ajuda a abrir espaço para os companheiros. Coletivamente, ajudou nessa parte. Com a bola nos pés, me parece que Thiago passa por uma crise de confiança. Que só será dissipada quando conseguir um gol ou assistência. Que seja logo, pois o Cruzeiro precisa muito dele.

Em suma, o resultado é obviamente muito bom, tanto por ser fora de casa em um mata-mata como por estancar a sequência de derrotas. Porém, ainda há muito o que remar em termos de desempenho, mesmo nesse “modo seguro”. O Flamengo é um time melhor que o Santos, e dificilmente desperdiçaria os espaços em lapsos de marcação do Cruzeiro. Algo a se corrigir.



Santos 0 x 1 Cruzeiro – O resultado é mais importante que o futebol

Fica até chato para o leitor eu ficar repetindo sempre a mesma coisa quando o Constelações fica sem atualizações por um período. Por isso, hoje vou dar uma justificativa diferente. Como sabem, não sou jornalista e não tenho pretensão de ser, porque não quero nem tentar ser imparcial. Eu sou torcedor, e só tenho olhos para o meu time. Só vejo outras equipes quando elas estão no mesmo gramado que o Cruzeiro.

Acontece que sou um torcedor que é empolgado com análise tática. É a razão de ser do Constelações: um blog de tática com foco exclusivo no Cruzeiro. E para as análises saírem com uma qualidade minimamente razoável, é preciso ter um pouco de cabeça fria e calma para observar os movimentos dos jogadores. Porém, a emoção que as partidas celestes tem proporcionado neste fim de campeonato dificulta muito esse aspecto.

Portanto, além de ter pouco tempo para escrever as análises e não ganhar nada com isso, preferi não escrever textos sobre jogos em que a torcida pela vitória celeste prejudicou as observações em campo. Qualidade é melhor do que quantidade, é o que dizem.

Isto posto, voltemos à programação normal.

Onze inicial

No 1º tempo, os dois times no 4-2-3-1: Cruzeiro sem intensidade e se movimentando pouco, e Santos levando vantagem com Robinho puxando a marcação para as infiltrações de Gabriel

No 1º tempo, os dois times no 4-2-3-1: Cruzeiro sem intensidade e se movimentando pouco, e Santos levando vantagem com Robinho puxando a marcação para as infiltrações de Gabriel

Mesmo após desgastantes jogos contra o próprio Santos, Criciúma, Atlético/MG e Botafogo, Marcelo Oliveira não tem alternativas senão escalar o que tinha de melhor. Porém, resolveu poupar Henrique e Lucas Silva, que começaram no banco. Assim, o 4-2-3-1 celeste teve Fábio no gol; Ceará na lateral direita, Manoel e Bruno Rodrigo na zaga e Samudio na esquerda. Nilton foi o escolhido para a parceria com Lucas Silva, no suporte a Willian na direita, Ricardo Goulart por dentro e Marquinhos à esquerda, com Marcelo Moreno na referência do ataque.

Enderson Moreira escalou o Santos da mesma forma que no jogo de volta pela semifinal da Copa do Brasil: um 4-2-3-1 com Robinho na referência móvel do ataque. O goleiro Aranha teve sua desfalcada linha defensiva composta por Cicinho à direita e o jovem Caju à esquerda, com Neto e Bruno Uvini na zaga central. Sem Arouca, Renato foi o volante mais adiantado à frente de Alison, dando suporte à criação centralizada de Lucas Lima. E saindo das pontas para ocupar o espaço deixado por Robinho, Gabriel e Rildo.

Só uma das quatro

Se você lê o blog, sabe que o jogo celeste é baseado inteiramente em intensidade nas quatro fases do jogo: a posse de bola, a recomposição defensiva, a posse do adversário e a transição ofensiva, mais conhecida como contra-ataque. Porém, o que houve no primeiro tempo foi que o Cruzeiro simplesmente não aplicou a intensidade que lhe é característica em nenhuma dessas fases.

Quando tinha a bola, o Cruzeiro não se movimentava muito, e com isso não embaralhava a marcação postada do Santos de forma a explorar os espaços eventualmente abertos. Assim, tentava passes mais difíceis que o habitual e cedia a bola com facilidade. Nesse momento, o Santos sempre tentava sair com velocidade, principalmente com Robinho vindo buscar o primeiro passe, puxando a marcação de um dos zagueiros. O camisa 7 se livrava facilmente da pressão e encaixava o passe para a infiltração dos ponteiros Gabriel e Rildo. Ceará até que conseguiu impedir Rildo pela direita, mas Gabriel levou muita vantagem sobre Samudio, e o paraguaio teve dificuldades.

Foi assim que nasceu o lance mais perigoso do primeiro tempo: Robinho recebeu na linha do meio-campo, arrastando Bruno Rodrigo consigo, girou e deu o passe profundo para Gabriel, que foi exatamente para o espaço que Robinho deveria estar, ficando cara a cara com Fábio. Mas nosso goleiro cresceu pra cima do garoto, fechando o ângulo sem cair na primeira, dando o tempo necessário para Manoel se recuperar e atrapalhar a finalização.

Somente na fase defensiva o Cruzeiro tinha algum equilíbrio, porque apesar da movimentação do Santos ser maior, o Cruzeiro abriu tantos espaços ao time paulista. E quando roubava a bola, a velocidade da transição não era suficiente para pegar a defesa adversária desmontada. O resultado foi claro: apesar da ligeira superioridade do time da casa, nenhum chute foi na direção do gol na primeira etapa.

Mesmo com o leve domínio do Santos, todas as tentativas de gol no primeiro tempo foram pra fora ou bloqueadas pela defesa: goleiros sem tanto trabalho

Mesmo com o leve domínio do Santos, todas as tentativas de gol no primeiro tempo foram pra fora ou bloqueadas pela defesa: goleiros sem tanto trabalho

Segundo tempo

Já no intervalo, Marcelo cobrou duramente os jogadores, como revelado após a partida. Mas além disso, tirou Lucas Silva, mal na marcação de Renato no primeiro tempo, e lançou mão de Henrique. O sistema não se alterou, mas a ocupação dos espaços e a pegada no meio-campo sim. Com pernas frescas, já sem tanto sol e com o time do Santos também já mais cansado, Henrique tomou conta do setor central e reequilibrou o jogo para o Cruzeiro.

E bastaram 7 minutos para que a diferença entre os dois times aparecesse, em linda jogada de muita inteligência tática do sistema ofensivo celeste. Goulart viu Moreno recuar puxar a marcação e fazer a parede, dando oportunidade para a tabela e ao mesmo tempo abrindo espaço para Willian no centro da área. O bigode foi até lá e recebeu o segundo passe de Goulart, que fez a volta na marcação para receber de volta e chutar de canhota fora do alcance de Aranha.

A vantagem no placar fez o Cruzeiro melhorar ainda mais no jogo. Isso porque o desgaste da temporada não é apenas físico e também mental, e a vantagem no placar dá uma tranquilidade, aliviando a pressão pelo resultado.

Trocas

No fim, Cruzeiro se postou num 4-1-4-1 para proteger o resultado, mas nem havia tanta necessidade; Santos teve problemas de marcação do lado esquerdo e Éverton Ribeiro aproveitou

No fim, Cruzeiro se postou num 4-1-4-1 para proteger o resultado, mas nem havia tanta necessidade; Santos teve problemas de marcação do lado esquerdo e Éverton Ribeiro aproveitou

Pouco depois do gol, Enderson pôs Thiago Ribeiro no lugar de Rildo. A tentativa era de dar mais contundência ao ataque, mas o problema estava em outro lugar do campo e o tiro saiu pela culatra: Thiago não fazia tão bem o trabalho de recomposição pela esquerda e expôs o garoto Caju às investidas de Willian. Tentou corrigir colocando outro jovem, Zeca, na vaga de Caju, mas o problema continuou.

Marcelo Oliveira, observando a vantagem no setor, aproveitou para poupar Willian e lançar Éverton Ribeiro na sua posição característica, partindo do lado direito. E o camisa 17 aproveitou o espaço, dando ótimos passes. Enderson deu uma última cartada com Jorge Eduardo no lugar de Gabriel, mas o substituto nada produziu. Marcelo então protegeu o resultado com Willian Farias no lugar de Goulart, formando o 4-1-4-1 usado no fim dos jogos para tal fim. O volante ainda teria a chance de matar o jogo após receber passe magistral de Éverton Ribeiro, de calcanhar, ficando no mano contra Aranha, mas mandou o chute no travessão.

Jogo atípico, resultado excelente

Não foi um jogo normal do Cruzeiro. Afinal, neste fim de temporada, é difícil manter o ritmo intenso durante as partidas que encantou o Brasil no primeiro turno do Brasileirão. Porém, aqui o mais importante era o resultado. Isso pode parecer incoerente com o que eu disse quando do empate com o Botafogo no primeiro turno, por exemplo (o título dessa coluna é o inverso daquela). Mas naquele tempo ainda havia muitos jogos e, a longo prazo, jogar bem significava um número maior de vitórias. Agora, não há mais longo prazo: o fim da temporada está logo ali. Os resultados, nesse momento, são mais importantes.

Melhor que tenha sido assim, portanto: uma vitória sem ter que aplicar a intensidade necessária para furar as retrancas do Mineirão. De certa forma, até se pode dizer que o Cruzeiro venceu sem se desgastar tanto.

Isso aumenta um pouco as chances de fazer mais um bom resultado no difícil confronto com o Grêmio em Porto Alegre. O time gaúcho vem ganhando confiança e será um adversário duríssimo. Porém, o estilo de jogo do Grêmio pode favorecer o Cruzeiro, já que eles preferem marcar forte e sair para o jogo em velocidade pelas pontas, e dificilmente vão tomar a iniciativa do jogo e botar pressão ofensiva. Assim, a chance de um empate sem gols é grande.

Se tudo der certo, estarei no Mineirão no domingo para ver o Cruzeiro erguer o caneco. Fé!



Cruzeiro 1 x 0 Santos – Retomadas

Voltar a vencer após uma sequência ruim de resultados foi importante. Não sofrer gols em casa na Copa do Brasil, ainda mais. Mas o primordial foi retomar o velho estilo, ainda que por pouco tempo, para mandar um recado a todos os outros times do país, para a própria torcida a para si mesmo: o Cruzeiro ainda sabe ser Cruzeiro, e deve ser temido.

O desgaste físico é inegável, mas enquanto teve pernas, o Cruzeiro foi infinitamente superior ao Santos, tanto com a bola quanto sem ela, e construiu o resultado nesse período. Depois, quando foi obrigado a “descansar”, controlou o jogo, perdeu o controle e o retomou novamente, e ainda foi prejudicado pela arbitragem — elementos que certamente veremos nas últimas partidas do ano.

Escretes

As duas equipes entraram no 4-2-3-1; Cruzeiro muito mais intenso, com movimentação do quarteto ofensivo e Mayke sem ser perseguido por Robinho

As duas equipes entraram no 4-2-3-1; Cruzeiro muito mais intenso, com movimentação do quarteto ofensivo e Mayke sem ser perseguido por Robinho

Marcelo Oliveira mandou o costumeiro 4-2-3-1 a campo, mesmo sem ter Marcelo Moreno 100% fisicamente. Júlio Baptista foi o escolhido para ficar à frente do trio de meias, formado por Éverton Ribeiro à direita, Ricardo Goulart centralizado e Willian à esquerda. No suporte, a dupla dinâmica Henrique e Lucas Silva, e protegendo o goleiro Fábio, a última linha tinha Mayke à direita, Egídio à esquerda, e Dedé e Léo no miolo.

O Santos de Enderson Moreira também entrou num 4-2-3-1. O goleiro Aranha teve Cicinho na lateral direita, Edu Dracena e David Braz pelo meio e Mena aberto à esquerda. Mais à frente, Alisson ficava mais plantado liberando Arouca, que se juntava ao trio formado por Rildo à direita, Lucas Lima como central e Robinho pelo lado esquerdo, com Gabriel sendo o homem mais avançado.

Cruzeiro sendo Cruzeiro

O temor era que Júlio Baptista, sem ritmo, quebrasse um pouco a intensidade que o Cruzeiro sempre aplica no início das partidas, mas isso não aconteceu (muito). A movimentação e troca de posições que Willian, Ribeiro e Goulart impunham desorganizava a marcação santista, com o maior exemplo sendo o lance do gol. Naquele momento, Willian estava à direita, Ribeiro estava do outro lado e Júlio era o meia central, com Goulart sendo o centroavante. Tudo invertido.

A bola saiu da esquerda para Júlio, e de Júlio foi a Willian, totalmente livre do lado direito. O bigode chutou, a bola voltou e em um lance técnico maravilhoso, bateu com o lado do pé esquerdo, que não é o bom, aplicando uma curva de fora pra dentro que saiu totalmente do alcance de Aranha e fazendo a bola bater na bochecha da rede. Golaço.

Ponteiros x laterais

Além da movimentação ofensiva, havia outro fato que causava o grande domínio de posse de bola e territorial do Cruzeiro: a passagem dos laterais. Se pelo lado esquerdo Rildo tentava voltar com Egídio até a própria linha de fundo — e mesmo assim perdendo o duelo, do outro lado Robinho não fazia o mesmo com Mayke. Mena teve problemas em lidar com o jovem lateral e o ponteiro que caía por ali.

No meio do primeiro tempo, Enderson inverteu os lados para fazer Robinho ficar em Egídio e Rildo acompanhar Mayke, uma medida que teve um certo sucesso — mas num período do jogo em que o Cruzeiro já não estava mais tão intenso, como explicado nos parágrafos abaixo.

Pressão alta

Além disso, o Cruzeiro não era intenso só na movimentação ofensiva. Quando o ataque não se completava, o Cruzeiro sufocava a saída do Santos, sem deixar os jogadores respirarem. Lucas Silva e Henrique marcavam na intermediária de ataque; o ponteiro do lado da bola e o meia central faziam pressão no homem da bola e o ponteiro oposto fechava para o centro para recuperar um possível rebote, e o centroavante fechava as linhas de passe para os zagueiros e goleiros. Uma coordenação de time bem treinado, e que gerou muitas roubadas de bola já no campo de ataque.

Esse é o estilo deste Cruzeiro. Porém, toda essa intensidade vem sendo usada há dois anos. Nenhum time consegue aplicar essa velocidade defensiva e ofensiva durante os 90 minutos, que dirá durante duas temporadas inteiras. E agora, no fim da temporada, os jogadores estão cansando e naturalmente tendo que dosar. Após o gol, o time começou a preferir esperar o Santos já a partir da linha de meio-campo.

Mas não tive certeza quanto ao motivo: seria cansaço ou estratégia, uma vez que o placar era favorável? Ou ainda, seria o Santos que conseguiu concatenar mais passes? As duas primeiras opções me parecem mais prováveis, e foi assim que acabou o primeiro tempo: com o Cruzeiro “descansando” com a bola e às vezes sem ela, mas controlando o jogo. Fábio sequer sujou o uniforme.

Após o intervalo

Diferente do que alguns analistas da mídia disseram, o segundo tempo começou igual ao primeiro. Nada havia mudado: a vantagem no placar permitia ao Cruzeiro se posicionar mais pragmaticamente, fechando os espaços em seu próprio campo. Isso obrigava os zagueiros do Santos a trocarem passes entre si, sem encaixar uma bola mais aguda. E mesmo quando isso acontecia, o recebedor do passe imediatamente recebia pressão e era obrigado a voltar a bola para a última linha.

Numa dessas ocasiões, Willian subiu o bote em David Braz e roubou a bola, partindo num contra-ataque de três contra dois. Edu Dracena correu de costas até a grande área, e quando parou para dar o bote, Willian passou a Júlio na esquerda. O meia bateu para rebote de Aranha que Goulart completou para as redes. Mas o gol, bem construído, foi mal anulado pelo bandeira, que deu impedimento de Júlio no primeiro lance.

Perigo de gol

O segundo gol sem dúvida teria um impacto psicológico e na estratégia de ambos os times. O Cruzeiro passaria a proteger o resultado com mais calma, e o Santos tentaria se expor um pouco mais para tentar marcar ao menos um gol fora de casa, devido à abominável regra do gol qualificado. O gol anulado manteve as coisas como estavam, o que acabou sendo pior para o Cruzeiro no decorrer do segundo tempo.

Já sem muito vigor físico, o Cruzeiro começou a ceder espaços importantes no meio-campo ofensivo. Arouca começou a se sentir à vontade para se juntar à construção, e não era marcado por nenhum dos meias celeste. Além disso, Lucas Lima começou a voltar para pegar a bola nos pés dos zagueiros — um movimento que Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart repetem constantemente no Cruzeiro — e também não era perseguido. Com liberdade, o meia começou a encaixar passes nas costas dos laterais para os ponteiros, que geraram lances muito perigosos. Só não aconteceu o gol porque os jogadores santistas finalizaram muito mal.

Trocas

Com o Cruzeiro já cansado e mais espaçado em campo, Lucas Lima e Arouca tentaram aproveitar os buracos da marcação, mas a entrada de Damião travou o time, e a partir daí o Cruzeiro controlou melhor a posse com Goulart mais fixo na faixa central tendo Moreno à sua frente

Com o Cruzeiro já cansado e mais espaçado em campo, Lucas Lima e Arouca tentaram aproveitar os buracos da marcação, mas a entrada de Damião travou o time, e a partir daí o Cruzeiro controlou melhor a posse com Goulart mais fixo na faixa central tendo Moreno à sua frente

Marcelo foi obrigado a lançar Dagoberto na vaga de Willian, que havia sofrido uma fratura na costela ainda no primeiro tempo e continuou jogando por mais um tempo. Dagoberto entrou inicialmente pelo lado direito, invertido com Éverton Ribeiro, mas logo isso se desfez. Já Enderson Moreira trocou o opaco Gabriel por Serginho. Com isso, Robinho passou ao centro do ataque e Serginho passou ao lado esquerdo.

O jogo não mudou muito, com o Santos ainda com mais posse de bola. Visando uma melhor recomposição e também numa tentativa de colocar sangue novo na sua equipe, Marcelo Oliveira colocou Marlone na vaga de Éverton Ribeiro. Dessa vez, Marlone jogou na sua posição “original”, que é o lado do campo. Se ofensivamente não contribuiu para equilibrar a posse de bola, taticamente foi importante para fechar os espaços a Mena pelo lado esquerdo.

Centroavantes

Por fim, Júlio Baptista, ainda sem ritmo, não aguentou os 90 minutos e Marcelo Moreno entrou em seu lugar. Mais fixo à frente, Moreno fazia com que Ricardo Goulart ficasse mais fixo como meia central, passando a organizar melhor o ataque celeste. Enderson respondeu com Jorge Eduardo na vaga do Rildo e também com Leandro Damião na vaga de Robinho, mas as trocas não deram certo, pois Damião travou o time e facilitou a marcação da defesa celeste.

As duas coisas somadas — Goulart fixo como meia central e Damião fixo como centroavante — acabaram por reequilibrar a posse de bola e a disputa no meio-campo. Com ambas as equipes cansadas e taticamente iguais, a melhor técnica dos jogadores celestes começou a aparecer e o Cruzeiro ainda criaria boas chances de aumentar, principalmente em cruzamentos de Mayke pela direita, mas o placar permaneceu inalterado.

Chover no molhado

O jogo foi importante para reafirmar, não só para todo o Brasil como também para si mesmo, que o Cruzeiro ainda é o melhor time do país. E foi isso o que Marcelo Oliveira e seus comandados buscaram na primeira meia hora de jogo: amassando o Santos, o Cruzeiro foi muito superior e teve azar nas finalizações. Mas o fim de temporada cobrou seu preço, e já no primeiro tempo o Cruzeiro teve que dosar o ritmo.

E é isso que devemos esperar para todos os jogos até o fim do ano. Dificilmente o Cruzeiro jogará com a intensidade que lhe é característica durante mais de 30 minutos por jogo, e em alguns casos não vai fazer isso em nenhum momento das partidas. Em 2014, o Cruzeiro já fez 3 partidas a mais que em 2013, e não há como negar que isso tem um impacto.

Sim, todos os outros times também estão desgastados, mas o estilo de jogo que o Cruzeiro prefere usar faz com que os jogadores se desgastem mais. Então é seguro concluir que isso afeta mais ao Cruzeiro que a outros times. No entanto, agora é a hora de se superar. Apesar do desgaste, falta pouco agora. Longas viagens sempre cansam, mas quando se está perto do destino, sabendo que falta tão pouco, um ânimo surge do nada para que demos um último gás e completemos a jornada.

Dez jogos, talvez menos, para dois títulos. Seguiremos confiantes como nunca.



Cruzeiro 3 x 0 Santos, Cruzeiro 1 x 0 Grêmio – Desmantelando muros

O calendário corre. Se o Cruzeiro, como todos queremos, chegar à final da Copa do Brasil, será quarta e domingo até dezembro — a próxima semana livre seria apenas entre a penúltima e a última rodada do Brasileirão. Com isso, o blogueiro também fica sem tempo. Por isso, abaixo seguem textos mais curtos sobre as partidas em casa contra Santos e Grêmio, antes de começar a rodada 17.

Com espaço

Cruzeiro 3 x 0 Santos

Para compensar a falta de trabalho defensivo de Robinho, volantes ficavam recuados para a cobertura e abriam espaço no meio, que o trio de meias celestes aproveitou

Na partida contra o Santos, ambos os times entraram num 4-2-3-1. Marcelo Oliveira manteve Mayke na lateral direita, e por isso todos esperavam o duelo com Robinho. Isso porque o santista joga normalmente pelo lado esquerdo do ataque, mas nessa partida, Oswaldo de Oliveira optou por escalá-lo do outro lado, provavelmente para explorar os espaços que Egídio deixa ao subir para o ataque.

Teria funcionado se esse movimento não ocasionasse um efeito cascata. Mesmo com Robinho, Egídio não deixou de apoiar, e Robinho não voltava com ele. Pra evitar o dois contra um em cima de Cicinho, os volantes do Santos iam para a cobertura, principalmente Alan Santos. Isso abriu uma cratera no meio campo, por onde os meias celestes tinham espaço para jogar. O Cruzeiro dominou todo o primeiro tempo, dando chances apenas quando errava os passes e as coberturas nos contra-ataques. Destaque para a atuação de Henrique, senhor do meio-campo, com 5 desarmes.

Na etapa final, Osvaldo entrou com Rildo na vaga de Damião, centralizando Robinho no ataque. A ideia era dar mais movimento e velocidade pelos lados, já que os contra-ataques entraram no primeiro tempo, mas o gol logo no início da segunda etapa acabou com os planos do time paulista. Este gol é fruto da total inteligência tática de Ricardo Goulart e merece destaque.

Depois de troca rápida de passes pela esquerda, Egídio acionou Willian. O bigode já estava longe do alcance de Cicinho, obrigando Edu Dracena a sair na cobertura. Assim que Edu abandona a área para dar o combate, Ricardo Goulart percebe o espaço nas costas do zagueiro e o ocupa, recebendo o passe e finalizando bem. É importante ressaltar que Goulart só faz isso porque Edu Dracena saiu do seu posicionamento. Se o zagueiro continuasse mantendo a linha, é bem provável que Goulart continuasse na frente da área esperando o passe lateral. Isso é inteligência tática: perceber os espaços, ir até eles e saber o que fazer quando chegar lá.

Com 2 x 0, o jogo assentou. O Cruzeiro apenas controlava o ritmo e o Santos tentou dar velocidade. Rildo, que havia entrado como ponteiro esquerdo, começou a levar perigo em cima de Mayke, que já havia levado o amarelo. Marcelo aproveitou a troca por Ceará para lançar também Júlio Baptista na vaga de Moreno, para segurar a posse no meio e dar cadência, tirar a velocidade do jogo que naquele momento favoreceria ao Santos. Goulart foi fazer a função na frente, mas logo depois sentiria um incômodo e seria trocado por Dagoberto, fazendo Éverton Ribeiro ser o central, com Dagoberto na direita e Júlio na referência.

Oswaldo até tentou colocar Leandrinho na vaga de Alan Santos, abrindo o time num 4-3-3 com um volante só para tentar diminuir. Mas o Cruzeiro ensaiou duas vezes o contra-ataque, errando sempre o último passe. No terceiro, Éverton passou a Júlio Baptista, que com um drible mágico tirou do carrinho de Dracena antes de completar pro gol e matar o jogo.

Sem espaço

Cruzeiro 1 x 0 Grêmio

Já na partida contra o Grêmio, o 4-3-2-1/4-5-1- de Felipão fechou o meio, e o único espaço disponível era o setor de Lucas Silva e Henrique

Na partida contra o Grêmio, porém, a postura do adversário foi diferente. Contra um Cruzeiro sem Moreno por força de contrato e com Júlio Baptista em seu lugar, Felipão fez o que devia ter feito no jogo contra a Alemanha e escalou três volantes, fechando todos os espaços no meio-campo. Além disso, Dudu e Luan, os meias, jogavam abertos em cima dos laterais e voltavam com eles. Apenas o jovem Ronan ficava à frente da linha do meio-campo, fazendo uma espécie de 4-5-1 com o meio em linha sem a bola. A consequência era que os meias celestes não tinham o mesmo espaço que tiveram na partida contra o Santos, dificultando muito as ações ofensivas.

Com 9 homens atrás da bola, o espaço para jogar se encontrava entre a linha divisória e a intermediária ofensiva. Assim, o Cruzeiro chegou mais quando os meias recuavam até este espaço para iniciar a construção, ou quando Henrique e Lucas Silva, que naturalmente jogavam por ali, faziam este primeiro passe. Lucas, no entanto, não estava em um bom dia e errou muitos passes, gerando os contra-ataques perigosíssimos do Grêmio que paravam nas mãos de Fábio. O primeiro tempo terminou com o placar em branco muito por conta da atuação do capitão celeste.

Na volta, Marcelo mandou Alisson a campo na vaga de Willian, que não fez bom primeiro tempo, errando muitos passes e interrompendo a construção do ataque. Alisson tinha a missão de não só manter a intensidade e dar profundidade do lado esquerdo. Do lado oposto, Felipão trocou Riveros por Edinho, por lesão. Agora o sistema parecia bem mais um 4-1-4-1, com Edinho bem próximo da defesa e fixo entre as linhas.

Com 3 minutos, Edinho foi amarelado, mas Lucas Silva e Henrique também foram — um sinal de um jogo brigado no meio. Temendo o vermelho, Marcelo mandou Nilton na vaga de Lucas, e depois queimou a regra três aos 17 minutos, com Dagoberto na vaga de Júlio Baptista. Goulart avançou para a referência, Éverton Ribeiro foi ser o central e Dagoberto entrou pela direita. O jogo continuou encardido, e só aí Felipão sentiu segurança para tentar algo mais. Tirou Ronan e lançou Fernandinho, ex-rival, como ponteiro. Com isso, Luan foi ser o centro-avante. A tentativa era a clássica: dar velocidade nos contras.

Mas as alterações não mudaram a partida. O Cruzeiro continuou tendo a posse da bola, e o Grêmio continuou fechadinho. A equipe gaúcha parecia feliz por empatar sem gols com o melhor time do Brasil fora de casa — de fato, teria sido um grande resultado. Teria, se Dedé não fizesse jogada de lateral e acertasse um dos dois cruzamentos certos do Cruzeiro em toda a partida. Dagoberto, que naquele momento era o ponteiro esquerdo, cabeceou fora do alcance de Grohe e fez o gol que valeu 5 pontos de folga na liderança. Felipão ainda tentou lançar Alan Ruiz, meia, na vaga de Riveros, mas a área de Fábio não foi mais ameaçada.

Demolição de muros

Tanto Santos como Grêmio mostraram formas de se tentar jogar contra o Cruzeiro no Mineirão. Oswaldo confiou em Robinho para decidir, pois abriu o meio-campo para deixá-lo sem responsabiliade defensiva. Arriscou e perdeu, pois Robinho não fez boa partida e o espaço fornecido foi fundamental na vitória por 3 a 0. Portanto, o Santos foi um bom exemplo de como não se portar.

Já Felipão não quis arriscar. Usou a política do “erro zero” na defesa, para pelo menos deixar o placar em branco e quem sabe conseguiu um gol na frente. Quase um anti-futebol, onde o importante é não perder. Considerando que o Cruzeiro impõe respeito, é compreensível. E apesar do resultado não ter sido favorável, a postura gaúcha na partida de quinta à noite abre um precedente perigoso para que outros treinadores tentem fazer o mesmo.

Existe uma máxima no futebol que diz: por mais que uma equipe seja inferior técnica e taticamente a outra, pelo menos uma ou duas chances de gol ela terá. E no livro “Os Números do Jogo” é mostrado, por análises estatísticas, que a chance de vitória aumenta mais quando se evita sofrer o primeiro gol do que quando se marca o primeiro gol. Esses dois fatos corroboram com a teoria do “erro zero”: defender-se bem e marcar nas poucas chances que aparecerem é uma estratégia válida.

É claro que nem todos os adversários terão a qualidade defensiva que o Grêmio teve, nem jogadores técnicos e rápidos o suficiente para ameaçar em contra-ataques. Mas esse futebol negativo, de reação, é o que podemos esperar de quase todos os adversários do Cruzeiro no Mineirão, e até de alguns outros times na sua própria casa.

E o Cruzeiro, como melhor time do Brasil, tem a obrigação de desmantelar esses muros — para o bem do futebol brasileiro.



Santos 0 x 1 Cruzeiro – O último passe

Com uma atuação bem segura na defesa e jogando o suficiente no ataque, o Cruzeiro conseguiu uma vitória fora de casa que, até certo ponto, não era parte dos planos. Tanto melhor, já que nos traz a possibilidade de campeonar já na próxima rodada — que é ao que se refere o título acima.

Em que pese o gol ter saído numa jogada de pura habilidade de Éverton Ribeiro — e portanto, sem nenhum aspecto tático — Marcelo Oliveira fez uma boa leitura no segundo tempo e reduziu ainda mais chances do Santos de achar o empate, que àquela altura já eram bem pequenas.

As formações

No primeiro tempo, Cícero procurava o centro e deixava o corredor livre para Ceará, e Montillo caía pelos lados com Nilton na cola; na frente, a movimentação dos meias celestes desorganizou a retaguarda santista

No primeiro tempo, Cícero procurava o centro e deixava o corredor livre para Ceará, e Montillo caía pelos lados com Nilton na cola; na frente, a movimentação dos meias celestes desorganizou a retaguarda santista

Marcelo Oliveira não teve problemas para o jogo, as preferiu manter Dagoberto como ponteiro esquerdo do 4-2-3-1, na vaga de um desgastado Willian. Dessa forma, o time do goleiro-capitão Fábio teve Ceará e Egídio nas laterais da linha defensiva e Dedé e Léo atuando por dentro. Na proteção, Nilton se segurava mais para dar liberdade a Lucas Silva, que se aproximava do ponteiro direito Éverton Ribeiro e do central Goulart, além de Dagoberto. Na frente, Borges fazia a referência.

Claudinei Oliveira armou o Santos no mesmo 4-2-3-1, com Aranha no gol, Edu Dracena e Gustavo Henrique como zagueiros, flanqueados por Cicinho à direita e pelo chileno Mena à esquerda. Alison ficou mais plantado para que Arouca, seu companheiro de volância, pudesse tentar se juntar ao ataque. Cícero fechava o lado esquerdo sem a bola mas entrava para armar o jogo junto ao central Montillo, com Éverton Costa à direita e William José de centroavante.

Saída pelos laterais

De maneira até surpreendente, o Santos deixou a bola com os zagueiros celestes e não fez pressão para forçar o chutão. Dedé e Léo se sentiram seguros para trocar alguns passes e tentar achar a primeira bola com mais facilidade. E o caminho era pelos lados.

Normalmente, Ceará é o lateral que fica mais, para dar liberdade a Egídio pelo outro lado e, junto aos zagueiros, garantir uma eventual sobra de três contra dois atacantes do time adversário. Porém, Cícero não dava profundidade pelo lado esquerdo, fechando no centro para tentar pensar o jogo quando o Santos tinha a bola. Ceará só dava combate direto quando Mena fazia suas raras incursões no campo de ataque. Dessa forma, o camisa 2 teve liberdade para receber a bola e avançar até onde Mena se posicionava para marcá-lo, e dali conectar a um dos meias ou fazer a ultrapassagem.

Do outro lado, Egídio tinha a presença de Éverton Costa, bem aberto, para lhe causar incômodo em seus avanços. Jogando em casa, era de se esperar que o Santos tivesse um ímpeto maior de atacar, mas Costa parece ter se preocupado mais em segurar as investidas de Egídio do que em propriamente atacá-lo — e isso acabou sendo bom, pois Dagoberto é um jogador que não faz tanto o auxílio na recomposição como Willian, e Egídio em teoria ficaria mais exposto. De qualquer forma, algumas vezes o time preferiu sair por ali ao invés de ser com Ceará, já que Costa também não fazia uma pressão tão grande, apenas ficava posicionado no setor.

Cruzeiro ataca

Mais à frente, Alison e Arouca pareciam perdidos na marcação de Goulart e Ribeiro, muito por causa das inversões entre os dois e também com Dagoberto. Isso é ilustrado nas duas boas chances de gol da primeira etapa: na primeira, Dagoberto está no centro, passa a Ribeiro e corre para a direita para receber de volta. Com isso, Ribeiro ocupa o espaço deixado pelo companheiro e recebe em boas condições de finalizar — a bola resvalou na cabeça de Gustavo Henrique e foi para fora. Depois, Ribeiro é quem está do lado esquerdo, puxando a marcação para Ricardo Goulart receber, tabela com Borges e sair na cara de Aranha, mas errar a finalização. Jogadas típicas deste Cruzeiro de 2013, pelo chão, toques rápidos e envolventes, com movimentação.

Santos com a bola

Já o Santos praticamente só se defendia. Quando tinha a bola, não conseguia criar: Montillo saía do centro para os dois lados para abrir espaço para Cícero que saía da esquerda, mas era implacavelmente marcado por Nilton e pouco viu a bola. Apenas aos 33 minutos o time da casa apareceu no campo de ataque, na única vez em que Montillo teve um pouco mais de liberdade. O argentino tocou para Arouca, aparecendo na ponta direita, que cruzou rasteiro na direção de William José, mas a zaga bem posicionada afastou e ficou com a bola.

Pela direita, com Éverton Costa apagado, coube a Cicinho tentar fazer as ultrapassagens, se aproveitando do pouco poder de marcação de Dagoberto. Mas o lateral não foi feliz e nada conseguiu na primeira etapa, bem como seu companheiro do outro lado, Mena.

De certa forma, acabou sendo um primeiro tempo tranquilo em termos defensivos, mais porque o meio-campo celeste marcou bem do que pela falta de criatividade dos meias santistas. Mesmo assim o zero a zero insistiu no placar.

Montillo, “falso” centroavante

Claudinei mudou no intervalo, lançando Victor Andrade pela esquerda, empurrando Cícero de fez para o centro e avançando Montillo para ser centroavante — obviamente, não no sentido de ser o homem-alvo da bola longa ou do cruzamento, mas pelo fato de ser o jogador mais avançado do time. Talvez a intenção fosse dar velocidade e desarrumar a defesa celeste, pois o argentino insiste em trabalhar pelos lados do campo e, com isso, arrastaria um zagueiro com ele, abrindo espaço para quem chegasse de trás.

O mapa de calor da Footstats mostra como Montillo praticamente abandona o centro para jogar pelos lados

O mapa de calor da Footstats mostra como Montillo praticamente abandona o centro para jogar pelos lados

Mas o jogo seguiu na mesma toada do primeiro tempo. Se Montillo já não via a bola quando estava no meio-campo, que dirá quando ficasse na frente. Nilton passou a marcar Cícero, Éverton Costa continuou apagado e o recém-lançado Victor Andrade tinha ninguém menos que o melhor defensor celeste pela frente: Ceará. Resultado: a bola continuava a não chegar ao ataque do Santos e continuava nos pés dos jogadores celestes.

Golaço, avanço e espaço

No fim, Claudinei soltou o time mas deixou espaços às costas dos volantes, muito bem explorados pelos substitutos que Marcelo mandou ao jogo

No fim, Claudinei soltou o time mas deixou espaços às costas dos volantes, muito bem explorados pelos substitutos que Marcelo mandou ao jogo

O gol que deu a vitória, porém, não tem nenhuma nota tática. Puro talento de Éverton Ribeiro, que deixou três ou quatro adversários para trás e concluiu sem chances para Aranha. Uma jogada típica de um ponteiro de pé invertido (canhoto na direita), o que, diga-se, não é a característica de Ribeiro (Robben é um exemplo melhor).

Atrás no placar, Claudinei finalmente tirou Éverton Costa do campo e mandou o jovem Geuvânio em seu lugar, na mesma função. Deu certo em certa medida, pois ele deu bem mais trabalho para Egídio do que seu antecessor, obrigando o lateral a ficar mais em seu campo. O Santos avançou suas linhas e tentou ocupar mais o campo de ataque, mas a bola continuava sem chegar com qualidade à frente.

Já Marcelo Oliveira esperou quase quinze minutos após o gol para fazer sua primeira mexida. Tirou Borges do jogo e mandou Júlio Baptista sem seu lugar, avançando Goulart para o comando do ataque, tentando explorar este espaço nas costas dos volantes santistas que se abriu com avanço do time da casa. E praticamente no seu primeiro lance, Júlio criou uma excelente chance, recebendo passe de Dagoberto no fundo e cruzando para trás, achando Éverton Ribeiro livre. Dessa vez, a bola raspou a trave e saiu. Depois tirou Dagoberto por Élber, na mesma função, novamente para jogar a bola longa e pegar o time adversário desprevenido e no um contra um.

Ação e reação

Fábio só apareceu mesmo em chute de Geuvânio, escapando da marcação frouxa dos volantes no meio central. Claudinei se animou e soltou o time de vez com a entrada de Alan Santos, volante mais leve, na vaga de Alison. Essa alteração, porém, foi anulada por Marcelo Oliveira com Éverton Ribeiro por Tinga, que saía da direita para auxiliar a marcação por dentro.

Depois de todas as mexidas, ficou claro que o treinador celeste levou vantagem no jogo tático, pois foi o Cruzeiro quem perdeu a melhor chance, em bola longa para Goulart nas costas da defesa avançada do Santos. Ele cruzou para Élber que fechava da esquerda em velocidade, mas o jovem conseguiu perder um gol praticamente debaixo das traves, que felizmente não fez falta.

Foi o suficiente: falta bem pouco

Defensivamente, a partida foi bem segura. Nilton e Lucas Silva minimizaram o trabalho de Léo e Dedé, além de tirarem a sobrecarga de Egídio e Ceará. A postura do adversário, mesmo em casa, também ajudou. Ofensivamente, porém, um pouco mais de intensidade poderia ter resolvido o jogo por um placar maior. Ao perder a bola, não houve aquela pressão no campo ofensivo para recuperá-la — mesmo porque era o Cruzeiro quem tinha a bola a maior parte do tempo. Podemos dizer que o Cruzeiro jogou “para o gasto” — não por acaso, o gol saiu numa jogada puramente técnica.

Mas o que importa é que a vitória veio, e com ela a possibilidade de levantar o caneco já na próxima rodada. A essa altura, a parte tática já está bem assimilada e o aspecto mais difícil de controlar é o psicológico: a ansiedade de jogar logo e resolver o certame, levantar a taça e comemorar. Imagine o que se passa na cabeça do capitão celeste, Fábio.

O último passe foi bem dado e agora estamos na cara do gol — é só fazer e correr para o abraço.