Corinthians 2 x 0 Cruzeiro – Xeque-mate

No jogo de xadrez que a partida contra o Corinthians certamente seria, Celso Roth perdeu para Tite. O treinador corintiano mostrou que, mesmo sem brilho, um time aplicado taticamente consegue controlar o jogo e errar menos para construir a vitória.

Na volta do 4-2-3-1 diagonal, WP e Magrão mal como ponteiros, e Sandro Silva se preocupando somente com Paulinho sem sair para o jogo

Celso Roth “atendeu” aos meus apelos e voltou ao 4-2-3-1 diagonal, mas um pouco diferente dos anteriores: a meta de Fábio foi defendida por Ceará pela direita e Diego Renan pela esquerda, flanqueando Léo e Mateus; estes eram protegidos por Leandro Guerreiro, ligeiramente pela direita, Sandro Silva um pouco mais avançado e mais à esquerda, e William Magrão, fazendo um híbrido de meia e terceiro volante, mais aberto pela direita. Montillo articulava pelo centro caindo pelas pontas, Wellington Paulista caía mais pela esquerda mas ficava mais avançado — daí o “diagonal”.  No centro do ataque, Borges.

Tite mandou um 4-2-3-1 “clássico” a campo, mas sem um centroavante de área, por vezes parecia um 4-2-4-0, devido à intensa movimentação do quarteto ofensivo. O goleiro Cássio viu sua dupla de zaga Chicão e Paulo André formarem a linha defensiva com Alessandro pela direita e Fábio Santos do outro lado. Ralf e Paulinho na dupla volância, o primeiro mais preso, à esquerda, o segundo saindo mais para o jogo, à direita. Jorge Henrique e Romarinho fechavam os lados do campo e Emerson e Danilo alternavam entre o comando do ataque e a criação central.

Quando dois 4-2-3-1 se enfrentam, os duelos naturais são: lateral contra ponteiro nos quatro cantos do campo, dois zagueiros contra um centroavante nas duas áreas e dois trios no meio, normalmente com um volante se ocupando do meia central adversário e o outro volante mais livre. Assim foi: Guerreiro se ocupava com Danilo e Ralf com Montillo: sobravam Sandro Silva e Paulinho. Teoricamente, ambos deveriam sair mais para o jogo, mas o que aconteceu foi que Sandro ficou por conta de marcar as investidas de Paulinho quando o Corinthians tinha a bola. Até funcionou, mas isso deixou o Cruzeiro sem muitas opções de saída, já que os laterais apoiavam pouco, presos pelos ponteiros adversários, e William Magrão marcava mais do que jogava. WP recuava para buscar o jogo mas ficava isolado contra dois ou três corintianos e perdia a bola.

Por isso, até os 20 minutos, o jogo seguiu equilibrado, sem muitas chances de gol para cada lado. Mas havia uma diferença clara: ambos os times marcavam muito, mas enquanto o Cruzeiro era forçado ao erro quando era pressionado, o Corinthians conseguia encaixar uma sequência de passes, fazendo os jogadores cruzeirenses correrem mais atrás da bola do que os adversários. Assim, o Corinthians conseguia impedir as jogadas adversárias forçando o passe ruim ou a devolução da posse, enquanto o Cruzeiro chegava atrasado e fazia mais faltas. Sandro Silva, sem ritmo de jogo, seria amarelado já aos 14 minutos por cometer seguidas infrações consecutivamente.

Este amarelo viria a ser crucial na partida momentos depois. Sandro Silva, em um lance em que tinha a bola controlada e era só clarear para frente, tentou sair jogando, errou o tempo da bola e ela escapou, muito mais para Jorge Henrique, já dentro da área, do que para ele próprio. Assim que ele partiu para tentar dividir a bola, este blogueiro previu o pênalti acontecendo. Carrinho imprudente, pênalti indiscutível. Só não foi pior porque o árbitro da partida, Leandro Vuaden, errou ao não mostrar o segundo amarelo para o jogador.

Chicão converteu o pênalti e pôs o time da casa em vantagem. E se o juiz não expulsou Sandro do jogo quando deveria, foi o próprio técnico Celso Roth quem o fez: “expulsou” o jogador via substituição, temendo o inevitável cartão vermelho, e lançando Fabinho em seu lugar. Com isso, Magrão foi para a esquerda segurar Paulinho e Fabinho foi jogar aberto pela direita, mas como atacante. O Cruzeiro se configurava num 4-2-1-3 ainda no primeiro tempo.

Tite respondeu mudando seus jogadores de posição. Romarinho inverteu para tentar jogar mais avançado às costas de Diego Renan, e Jorge Henrique veio para o lado esquerdo mais recuado, fazendo um 4-2-3-1 diagonal que era quase um losango de meio-campo. A intenção era clara: dominar a posse de bola no meio-campo, fazendo quatro jogadores contra três, e foi isso o que aconteceu. Depois do gol o Cruzeiro passou a ser pressionado em sua própria área, e não conseguia sair dela. Todas as segundas bolas eram dos mandantes, e o segundo gol só não saiu ainda na primeira etapa porque temos Fábio debaixo das traves: o camisa 1 fechou em cima de Romarinho, que tentou encobri-lo ao receber lançamento de Emerson.

Os times voltaram do intervalo sem mudanças. Talvez Celso temesse queimar a segunda substituição ainda no intervalo, o que é um argumento plausível, mas era hora de arriscar. Para a sorte do treinador, Tite desconfiou do poderio de ataque celeste e recuou seu time para jogar em velocidade nos contra-ataques. Os volantes cruzeirenses tiveram mais tempo na bola em algums momentos, com a marcação corintiana variando na pressão alta e no bloco médio. Porém, novamente os passes errados apareceram novamente, e o Corinthians jogava extamente aí: em um lance, a bola já havia sido perdida pelos atacantes da casa, mas ainda estava em disputa. Magrão recuou para Diego Renan, que recuou de primeira para Fábio, sob pressão de Fábio Santos. O goleiro tentou dar um chutão para frente, a bola pegou na mão do lateral corintiano, o juiz nada marcou e ele cruzou para Emerson, sozinho e sem goleiro, furar.

O estreito e cambaleante 4-2-2-2 do fim da partida, com WP e Borges de vez no ataque, Souza tentando passar mas errando e com os laterais apoiando pouco; Fabinho entrou, mas saiu e por isso não está neste diagrama

Celso esperou 15 minutos para tirar Ceará do jogo e lançar Marcelo Oliveira, com Diego Renan indo para a direita. O treinador revelou na entrevista coletiva após o jogo que Ceará havia se contundido. Portanto, substituição nula em termos táticos. Somente aos 25 ele tentaria mudar novamente a partida, com sua última troca: Souza na vaga de Fabinho, que havia entrado no primeiro tempo. O resultado foi um estreito 4-2-2-2, com Borges e WP se transformando em centroavantes de vez e com os flancos teoricamente abertos para os laterais apoiarem, e fazer cruzamentos na área. Mas Tite plantou seus laterais e, com os ponteiros recuando para ajudar na marcação, fazendo dois contra um de cado lado, as chances de cruzamento se tornaram raras. Mesmo quando o jogador conseguia chegar ao fundo para cruzar, errava.

Só aos 38 do segundo tempo é que Tite foi fazer a primeira mudança — sinal de que as coisas iam bem para ele, e mal, muito mal para nós. Edenilson entrou no lugar de Romarinho para fazer um losango no meio: Ralf atrás, Edenilson na direita, Paulinho na esquerda e Danilo à frente, com Emerson e Jorge Henrique no ataque. Foi o movimento final para matar a tentativa de apoio pelos lados do Cruzeiro: com dois atacantes, pelo menos um dos laterais tinha que ficar para fazer a sobra, diminuindo muito o já baixo poderio ofensivo do Cruzeiro. Guerrero, centroavante de ofício peruano, ainda estrearia pelos paulistas no lugar de Emerson, para tentar fazer o pivô e reter a bola no ataque para chegada dos seus companheiros.

O jogo caminhou para seu final melancólico, com o Corinthians dominando as ações e o Cruzeiro já entregue. O gol de Paulinho foi só a ilustração do que aconteceu durante todos os 90 minutos: com facilidade, Jorge Henrique achou Danilo no meio, que tocou de primeira a Paulinho, já partindo para receber e enganando a marcação. Com espaço, encaixou um chute tão rente à trave que Fábio nem foi na bola. O jogo terminou sem a terceira substiuição de Tite.

A impressão que ficou é que o Cruzeiro perdeu a chance de vencer um jogo teoricamente difícil. Afinal, perder para o Corinthians em São Paulo tem que estar nos planos de qualquer clube do Brasil, por isso o jogo de ontem foi uma chance de ouro para ganhar pontos certamente não previstos. Entretanto, o Corinthians, mesmo não jogando todo o seu potencial — assim como o Cruzeiro — conseguiu vencer o Cruzeiro até com certa facilidade. A culpa cai sobre Sandro Silva, claro, mas também sobre Roth, que escalou o volante sem ritmo para atuar desde o início. Se a intenção era parar Paulinho, porque não escalar Marcelo Oliveira ou Magrão? Porque deixar Fabinho no banco, que faz a função de ponteiro muito melhor do que WP ou Magrão? Ou ainda pior: porque escalar WP e Borges no mesmo time num 4-2-3-1? São perguntas difíceis de explicar.

Na última substituição, poderia ter sido melhor lançar Souza no lugar de um dos centroavantes ao invés de sacar Fabinho. Souza entraria centralizado e Montillo poderia jogar aberto, tendo uma única referência no ataque. Acredito que assim o Cruzeiro teria força tanto pelo chão quanto pelo ar. Porém, Celso disse, após o jogo, que precisava de um passador, e eu concordo; mas ao mesmo tempo, optou por deixar dois centroavantes dentro da área para aproveitar uma jogada aérea que nunca aconteceu. Passador e jogadas aéreas — não me parece coerente.

Por fim, deixo as seguintes estatísticas do jogo, de acordo com números da ESPN Brasil, para reflexão: quem mais desarmou foi Jorge Henrique — um ponteiro — 4 vezes; Quem mais finalizou foi Danilo, apenas 2 vezes; e a mais incrível de todas: das 6 finalizações do Cruzeiro, 6 foram erradas.

Isso mesmo. Aproveitamento zero.

Evolução da porcentagem de acerto de finalizações do Cruzeiro: nota zero no último jogo



Cruzeiro 1 x 0 Flamengo – Raça

Para ir à Arena Independência, preciso tomar uma condução que tem como parte do seu itinerário passar na Praça Sete, no centro de Belo Horizonte. Porém, o “P” do letreiro adesivado que indicava isto no pára-brisa do ônibus havia caído ou se desgastado, fazendo com que no letreiro se lesse “RAÇA 7”. Era um sinal, mas eu só fui me dar conta depois do jogo.

Cruzeiro repetindo o 3-4-1-2, dando liberdade a Ceará pela direita e bloqueando Léo Moura pela esquerda com Marcelo Oliveira, mas com poucos homens no meio com Magrão sendo arrastado para fora do campo por Luiz Antônio

Ao contrário do que tentou prever este blogueiro, Celso repetiu o 3-4-1-2 da vitória contra a Portuguesa. Fábio viu Leandro Guerreiro de pertinho mais uma vez, jogando na sobra dos zagueiros Mateus e Rafael Donato, permitindo aos laterais Ceará e Marcelo Oliveira — substituto do suspenso Diego Renan — jogarem mais avançados. William Magrão e Charles, de volta ao time, fizeram a dupla volância atrás de Montillo, que armava para Wellington Paulista e Borges.

Joel Santana (que não deixou nenhuma saudade por aqui) levou o Flamengo a campo num previsível 4-3-1-2 losango: o gol de Paulo Victor foi defendido pela dupla de zaga Gonzales e Marllon, com Léo Moura e Ramon fechando os flancos. No vértice mais baixo do losango, Amaral tinha Ibson pela direita e Renato Abreu pela esquerda, suportando Luiz Antônio atrás de Vágner Love e Adryan.

No enfrentamento dos esquemas, dois aspectos já se notaram claros. O primeiro era que os alas cruzeirenses, jogando bem à frente, fechavam a porta para o avanço dos laterais do adversário, com Marcelo Oliveira praticamente neutralizando o excelente apoio de Léo Moura. Do outro lado, Ceará fez um bom jogo, marcando bem as subidas de Ramon e dando opção de passe pela direita. Com três volantes bloqueando a entrada da área, como é característica do losango, o ataque pelos lados era o caminho: Ceará cruzou uma bola que passou pelos dois centro-avantes azuis dentro da área, e deopis serviu William Magrão na linha de fundo, que cruzou para cabeceio fraco de WP.

O segundo aspecto era que, com Leandro Guerreiro afundando entre os zagueiros, o Cruzeiro tinha a sobra garantida contra os dois atacantes adversários, mas tinha menor número no meio-campo. William Magrão ficou por conta de perseguir Luiz Antônio, e com isso Charles só podia encurtar em um de dois adversário: ora Ibson, ora Renato Abreu. Quem sobrava tinha certo tempo com a bola e podia pensar melhor a jogada. Além disso o Cruzeiro perdia muitas segundas bolas, a ponto de um torcedor atrás de mim nas arquibancadas ficar gritando “cadê os três volantes, cadê os três volantes”.

Na metade do primeiro tempo, Luiz Antônio passou a abrir pela direita, arrastando William Magrão consigo e abrindo ainda mais espaço para seus companheiros. Renato Abreu arriscou alguns chutes de longe, e Ibson virava o jogo de forma inteligente, aproveitando a compactação lateral do time da casa, fazendo sua equipe ter profundidade rapidamente. Aos poucos o Flamengo foi descobrindo este caminho e ameaçou em dois lances: Adryan teve uma boa escapada pela esquerda, mas cruzou mal, e Vágner Love chegou a ficar de frente com Fábio, mas talvez tinha ficado esperando a decisão do melhor goleiro do mundo. Perdeu o duelo.

Mas justo quando o Flamengo tentava sair mais para o jogo, o Cruzeiro marcou. Montillo passou a Ceará, bem aberto pela direita como um bom lateral. O camisa 2 encaixou um bom cruzamento e achou Borges na pequena área. O atacante se livrou do zagueiro e se antecipou a Paulo Victor, demonstrando excelente senso de posicionamento, cabeceando baixo para o fundo das redes flamenguistas.

Na volta do intervalo não houve mudanças. Joel deve ter considerado o gol um lance isolado, porque seu time teve mais volume de jogo no fim da primeira etapa, e portanto deve ter considerado que assim continuaria o jogo. Mas o Cruzeiro voltou diferente mesmo sem alterações. Ceará recuou um pouco mais, e Leandro Guerreiro pôde enfim participar da briga no meio do campo. Marcelo Oliveira continuava um pouco mais à frente, em mais precauções contra Léo Moura. O Cruzeiro passou então a usar o mesmo 4-3-1-2 do adversário.

O movimento desarmou o ataque flamenguista. Nas arquibancadas, este blogueiro pernsou que o Cruzeiro se fecharia, deixaria a bola com o Flamengo e partiria em contra-ataques, o que tem sido sua arma mais letal nos últimos jogos. Mas a equipe acabou ficando mais com a bola do que o Flamengo, que já não tinha o mesmo espaço de antes. Além disso, Guerreiro tinha mais liberdade para se juntar às ações ofensivas, aparecendo em vários momentos como elemento surpresa, inclusive arriscando finalizações. No entanto, a grande quantidade de erros no último passe, como tem sido quando o Cruzeiro quer criar, não resultaram em chances claras.

Borges se contundiu sozinho em um lance e Anselmo Ramon entrou em seu lugar, mantendo a formação, apesar da característica diferente deste último Anselmo — Borges tem mais presença na área, e Anselmo é mais forte, faz melhor o pivô. Talvez por isso, Anselmo recuava um pouco mais para receber um bola longa e segurá-la até a chegada de seus companheiros. A consequência direta foi o avanço das linhas do Flamengo, o que ajudou Ramon a explorar mais o corredor à sua frente, já que Ceará estava mais preso na segunda etapa.

O Flamengo foi avançando e ganhando volume: livre, Ibson recebeu passe de Ramon na entrada da área e arriscou, mas Fábio espalmou a escanteio; Adryan finalizou dentro da área em rebote da defesa e foi bloqueado por William Magrão; e logo após um bom avanço de Marcelo Oliveira em contra-ataque veloz, mas desperdiçado pelo péssimo passe, Léo Moura aproveitou o espaço, passou a Adryan do outro lado, que passou a Renato Abreu finalizar, mas Ceará não deixou a bola chegar a Fábio.

Vendo a situação, os treinadores trataram de mexer em suas equipes, e dos 27 aos 31, quatro substituições em sequência: no Cruzeiro, Élber e Sandro Silva entravam nas vagas de Charles e Wellington Paulista, e no Flamengo Hernane e Camacho substituíam Adryan e Renato Abreu. A intenção de Joel era abrir o time, e Hernane foi jogar aberto pela direita, com Camacho e Ibson articulando para ele, Love e Luis Antônio do outro lado. Já Celso queria explorar o espaço que se abria nas costas de Ramon para puxar o contra-ataque com Élber naquele setor, e também auxiliar Marcelo Oliveira na marcação pela esquerda, com Sandro Silva caindo por ali.

Uma árvore de natal (4-3-2-1) que Joel Natalino Santana tentou, mas não conseguiu derrubar

Não era o jogo que o Cruzeiro costuma fazer, fechando os flancos e partindo em velocidade num 4-4-1-1. Era um espécie de 4-3-2-1 “torto”, já que Sandro Silva e Marcelo Oliveira praticamente ocupavam o mesmo setor, muito afundados, e do outro lado Élber esperava ao lado de Montillo uma bola perdida para contra-atacar, o que acabou não acontecendo. O jogo tinha ficado perigoso demais, e o Cruzeiro precisava avançar um pouco, afastar o Flamengo de sua área.

Mas é preciso fazer isso com inteligência, pois aos 33, com a linha defensiva jogando muito alta, Léo Moura saiu de trás e recebeu uma bola longa da defesa, iniciando o lance mais emblemático da partida. Ele entrou na área e preferiu cruzar ao invés de finalizar, talvez por respeitar demais o melhor goleiro do mundo. Do lado esquerdo chegavam Vágner Love e Hernane, acompanhados por Donato. O zagueiro conseguiu atrapalhar a primeira conclusão de Love, mas a bola ainda sobrou para ele, Fábio abafou, a bola bateu em Hernane e beijou o travessão, voltando mais uma vez para Love, que foi novamente abafado por Fábio em defesa espetacular. Na sobra, Hernane girou e bateu, mas Marcelo Oliveira já tinha conseguido voltar e estava debaixo das traves, mandando o empate para escanteio.

Parecia ter sido o último suspiro do time carioca, que não conseguiu mais finalizar. Matheus ainda entraria na vaga de Luis Antônio, oficializando o 4-3-3 alto, mas foi o Cruzeiro quem teve outra chance, com Élber pela esquerda. O garoto pôs velocidade e cruzou para Montillo que chegava pelo meio. O argentino deixou a bola passar para Anselmo Ramon, mas ela veio um pouco antes do que ele esperava e a conclusão saiu torta.

A vitória chegou, mas foi muito mais fruto de raça e entrega dos jogadores do que pelo posicionamento tático. A mexida para proteger o lado esquerdo dos avanços de Léo Moura foi inteligente, mas desguarneceu o meio-campo no primeiro tempo. O losango do segundo tempo poderia ter sido usado desde o início, diminuindo o tempo de bola dos meias flamenguistas. Claro, isso faria com que Ceará avançasse menos, mas a experiência do lateral compensaria.

Por outro lado, Leandro Guerreiro vem se mostrando um jogador versátil, expandindo sua área de atuação ao invés de ficar preso à frente da zaga. Universalidade, como diz Jonathan Wilson na última frase de “Invertendo a Pirâmide”, parece ser o futuro do futebol, e a desenvoltura de Guerreiro em outra função é excelente notícia.

Além disso, Ceará parece ter resolvido o problema da lateral direita. Assim, a dúvida sobre a recuperação de Borges dirige minha aposta para o jogo contra o Corinthians para a volta de Fabinho ao time, retomando o 4-2-3-1 diagonal para o enfrentamento contra o 4-2-3-1 variando para 4-2-4-0 (ou seja, sem centro-avantes de ofício) de Tite. Afinal, jogar no 3-4-1-2 contra um time que executa o 4-2-3-1 tão bem é problemático. Além disso, Tite provavelmente vai armar algum esquema para não deixar Montillo jogar, talvez destacando Ralf para a marcação do argentino. Daí a importância de se ter, também, volantes que saiam para o jogo com qualidade, para aproveitar o espaço que certamente será gerado com a movimentação de Montillo para as pontas. A volta de Tinga poderá ser importante neste sentido, ainda mais se Roth escalá-lo como ponteiro direito, abrindo o corredor para o apoio de Ceará e fazendo número no meio-campo.

O Cruzeiro é visitante indigesto do Corinthians no Brasileirão. No entanto, para vencer o Corinthians de Tite — um dos times mais táticos do país, senão o mais tático —  é preciso acrescentar à gororoba um tempero a mais do “chef” Roth. Ou temos grandes chances de voltar de São Paulo com a barriga vazia.



Portuguesa 0 x 2 Cruzeiro – Três

Em um mundo dominado pelo 4-2-3-1, o famigerado 3-5-2 é um esquema condenado a cair em desuso. Isso porque, como bem Jonathan Wilson explica em seu livro “Invertendo a Pirâmide”, o embate entre estes dois esquemas gera três problemas diretos para o time do 3-5-2: primeiro, seus três zagueiros só tem um atacante para marcar, fazendo uma sobra dupla e desnecessária, pois se há dois a mais na defesa, significa dois a menos em outros lugares do campo; segundo, os alas, que em tese se posicionariam no meio-campo neste esquema, têm que recuar para lidar com os extremos da linha de 3 meias, arruinando a amplitude de ataque do time; e terceiro, os laterais adversários ficam totalmente livres para atacar, podendo ambos apoiar sem nenhuma preocupação defensiva, ou apenas um, se o adversário quiser manter uma sobra contra seus dois atacantes.

Sabendo que a Portuguesa de Geninho vem jogando neste esquema, nada mais natural para Celso Roth do que retomar o 4-2-3-1 que vinha sendo usando antes do estranho 4-3-1-2 losango o jogo contra o Grêmio. Mas não foi isso o que o treinador celeste fez ontem no Canindé.

O surpreendente 3-4-1-2 cruzeirense do primeiro tempo, com Leandro Guerreiro de “líbero” entre os zagueiros

Celso mandou a campo uma formação pesada. Na zaga, a escalação de Rafael Donato foi uma surpresa, e provavelmente se deveu ao temor de que a Portuguesa tentaria muito o jogo aéreo. Ceará estreou na ala direita e com isso Diego Renan foi para o outro lado, com Everton saindo do time, e William Magrão voltou depois de ser impedido contratualmente de atuar contra o Grêmio. Outra surpresa foi a opção de Roth por não levar velocistas a São Paulo, deixando Wallyson e Fabinho em Belo Horizonte.

A surpresa maior, no entanto, foi no posicionamento. No papel, parecia ser novamente um 4-3-1-2, mas na prática foi um 3-4-1-2 com o recuo de Leandro Guerreiro entre os zagueiros, para ser o homem da sobra. Com a posse de bola, o volante era o responsável pelo primeiro passe. Léo e Donato abriam para dar opção de saída, e os alas partiam para o apoio. Além disso, Guerreiro tinha uma certa liberdade para avançar e dar suporte às ações ofensivas, jogando quase como um líbero. Papel que executou bem, diga-se.

Esquemas espelhados, o jogo foi quase um “cada um pega o seu”, mas com um homem a mais nas duas defesas. Com ambas as equipes priorizando a marcação, muitos erros de passe (28 lusos contra 29 celestes), e nenhum atleta conseguindo vencer claramente o duelo contra seu marcador, nada de muito interessante aconteceu no primeiro tempo, inclusive taticamente. O único aspecto digno de nota era o posicionamento de Leandro Guerreiro. A prova desse marasmo foi a edição de melhores momentos da transmissão do jogo: dois lances para cada lado, sendo um chute por cima e um fraquinho. O cabeceio de Diego Viana por cima aproveitando cruzamento do zagueiro Rogério não valeu, pois o atacante da Portuguesa estava impedido, mas mesmo assim entrou na relação.

Estava claro que alterações viriam no intervalo, mas para a surpresa deste blogueiro — que teria adotado o 4-2-3-1 ainda no primeiro tempo para aproveitar as vantagens citadas acima — ambos os treinadores mantiveram suas formações. Talvez os treinadores estivessem receosos de fazer o primeiro movimento, e agiriam de acordo com que o adversário fizesse. E a segunda etapa começou como terminou a primeira, com a ligeira diferença de que o Cruzeiro parecia querer ficar mais com a bola, mas sem ser propositivo. Tanto que a melhor chance foi com Borges, aproveitando chutão da defesa celeste, mas parando em Dida.

Geninho então arriscou o primeiro movimento aos 10: uma substituição dupla, lançando os leves Héverton e Ricardo Jesus no lugar da dupla de ataque pesada que iniciou a partida, Diego Viana e William Xavier. A tentativa era dar velocidade e movimentação em um 3-4-2-1, mas não funcionou: Ricardo Jesus ficou encaixotado entre os zagueiros e o simples avanço de Leandro Guerreiro ao meio-campo era suficiente para lotar o setor e dificultar as ações de ataque da Portuguesa. De certa forma, até piorou, já que os atacantes pesados pelo menos incomodavam a defesa celeste com presença na área.

Aos 14, Wellington Paulista aproveitou outra ligação direta, desta vez um pouco mais consciente, dominou no peito e bateu por cima. Um sinal de que a defesa da Portuguesa começava a querer avançar demais, e que os espaços poderiam aparecer — mas também um sinal de que construir pelo chão seria estava difícil.

Após as alterações, a formação da primeira etapa foi mantida, mas com Leandro Guerreiro ligeiramente mais avançado para bloquear os meias da Portuguesa

Num intervalo de seis minutos, o Cruzeiro queimou a regra três. Tinga deu lugar ao jovem Lucas Silva. Depois, Léo sentiu dores na coxa e teve de ser substituído por Mateus; na mesma tacada, Marcelo Oliveira foi para a ala esquerda no lugar de Ceará, ainda sem condições de atuar 90 minutos, invertendo Diego Renan de lado. Três substituições depois, o 3-4-1-2 que variava para 4-3-1-2 na fase ofensiva estava mantido.

A Portuguesa avançava cada vez mais na busca pelo primeiro e provável único gol, que lhe daria tranquilidade para se defender até o fim contra o pouco criativo ataque celeste. Mas o Cruzeiro não aproveitava os espaços cedidos. Ironicamente, na primeira posse de bola após uma sequência interminável de escanteios para o adversário, Wellington Paulista recebeu um passe de Lucas Silva, girou como pivô em cima de seu marcador e alçou a Borges dentro da área, que penetrava em profundidade. Agarrado que foi por Rogério, que já tinha perdido na corrida, caiu e o juiz prontamente marcou a penalidade, expulsando o zagueiro.

WP, sempre ele, cobrou e colocou o Cruzeiro na frente. Nas anotações que faço durante os jogos, escrevi: “agora é o jogo do Cruzeiro: reativo”. E assim foi: depois do gol, o Cruzeiro se fechou esperando o desespero da Portuguesa, que não recuou seus alas na tentativa do empate, no que deveria ser um suicida 4-2-1-2, mas que na prática era um 2-4-1-2. A equipe celeste teve inúmeras chances de marcar em contra-ataques muito velozes. Primeiro com Montillo servindo WP, que bateu para fora. Depois, Diego Renan aproveitou o imenso espaço sem cobertura do lado direito para avançar e receber passe de cabeça de Borges na bola chutada pela defesa celeste. Ele foi tranquilamente até ficar frente a frente com Dida, fuzilar e correr para o abraço.

MUITO espaço: os dois jogadores da Portuguesa que estão na imagem eram os últimos

A última mexida de Geninho foi Luís Ricardo dar lugar a Henrique, mas foi seis por meia dúzia. O inusitado 2-4-1-2 continuava, cedendo espaços generosos pelos flancos, obviamente, e o Cruzeiro teve ainda mais chances: Magrão carregou a bola pela direita sem ser incomodado e inverteu para Marcelo Oliveira na esquerda. O volante entrou na área com muita liberdade e cruzou alto demais para os atacantes, mas Montillo chegava do outro lado, dominando e vencendo Dida, mas não Ferdinando, que estava em cima da linha. Depois, Montillo carregou a bola, atraiu a marcação de deixou Borges na cara do gol, mas o atacante chutou por cima. Montillo ainda teria mais uma chance, no finzinho do jogo, dessa vez em tabela com Diego Renan pela direita, envolvendo totalmente a defesa paulista. O gol seria uma homenagem à centésima partida do argentino com a camisa cruzeirense, mas ele chutou em cima de Dida.

Quebrar a incômoda sequência de derrotas era o mais importante para o time e o treinadores terem tranquilidade. A formação com três na defesa surpreendeu e mostra que Roth ainda não conseguiu achar uma formação ideal para a equipe, e arrisco dizer que não o fará, pois a característica do time, atualmente, é se adaptar ao esquema do adversário, marcando primeiro e atacando na transição. O próprio treinador disse que o time ainda não consegue sair para o jogo, porque se o faz, cede espaços e sofre gols.

Por outro lado, as estréias de Ceará e Lucas Silva foram animadoras. O lateral mostrou ter experiência e um bom passe, enquanto que o volante da base ficou um pouco inseguro no início, mas logo entrou no jogo e tanto marcou quanto saiu para o jogo com qualidade — foi dele o passe para WP no lance do pênalti. E há que se destacar o jogo de Leandro Guerreiro, atuando com muita inteligência tática, detectando os momentos certos para ora ficar na sobra, ora dar o bote mais alto, ora sair para o jogo.

O próximo passo é voltar a vencer em casa, contra o Flamengo. Não acredito que a formação com três defensores será mantida, já que o time de Joel joga mais frequentemente no 4-3-1-2 losango, esquema preferido do treinador. Fabinho deveria voltar ao time na beirada esquerda de um 4-2-3-1 diagonal, que não daria liberdade a Léo Moura, principal saída de ataque do time carioca, e o meia-direita, mais recuado (Tinga ou Magrão) poderia se juntar ao meio para equalizar o número de jogadores no centro do meio-campo. Talvez um 4-4-1-1 com os flancos bem fechados, com Souza pela esquerda à frente de Diego Renan, e Magrão do outro lado à frente de Ceará, pronto para contra-atacar.

Mas como é improvável que Borges e Wellington Paulista saiam do time, o 4-3-1-2 losango parece ser a aposta para domingo.

Não que eu concorde, mas o que vale são os três pontos.



Cruzeiro 1 x 3 Grêmio – Irreconhecível

O título acima é um jargão futebolístico bastante usando. Serve para descrever resumidamente a atuação muito abaixo do que se espera de um time de futebol. Portanto, é um título apropriado, mesmo porque este blog trata de tática — e o Cruzeiro esteve, de fato, irreconhecível taticamente.

Cruzeiro num 4-3-1-2 losango, com zero profundidade pelos lados do campo e um ataque inerte – difícil de explicar porque Celso mandou esta formação a campo

Celso Roth surpreendeu a todos escalando Marcelo Oliveira no meio-campo. O volante jogou pela esquerda num inexplicável 4-3-1-2 losango, tendo o estreante Borges acompanhado por Wellington Paulista à frente, uma combinação de ataque pouco móvel e lenta. A saída de Fabinho é um mistério. Talvez Roth tivesse ficado com receio de perder a batalha no meio, já que Luxemburgo manteve seu preferido esquema com 4 no meio-campo, mesmo com a estreia confirmada de Elano. O meio-campo gremista, no entanto, tinha dois meias mais claros, ou seja, um 4-2-2-2 com Elano pela esquerda e Zé Roberto pela direita.

Assistindo ao vivo das arquibancadas, a primeira coisa que veio na cabeça deste blogueiro quando saíram as escalações foi a de que seria um jogo sem amplitude. Sem jogadores caindo pelas pontas mais claramente, o jogo tendia a ser concentrado entre as duas intermediárias. E assim foi, com o Cruzeiro tomando mais a iniciativa, mas sem grandes perigos de lado a lado, exceção feita em um cabeceio de Borges em bola alçada por Leandro Guerreiro pela direita — mas de uma posição mais recuada.

Com o jogo preso no meio e a falta de jogadas pelas laterais, o caminho para tentar algo diferente era — obviamente — os lados do campo de ambas as equipes. Atrás de mim na arquibancada, saíam gritos insistentes de “abre o jogo, abre o jogo!”. Estava claro que fizesse a primeira jogada bem trabalhada pelo setor levaria muito perigo ao gol adversário, e para nossa infelicidade, foi o Grêmio quem o fez. Na aproximação de Elano e Kléber com o lateral Tony, Everton e Leandro Guerreiro foram sobrecarregados e Elano fez a ultrapassagem pela esquerda para receber passe profundo de Kléber. Com muita liberdade, o estreante cruzou na cabeça de Marcelo Moreno, destaque da partida, que ganhou de Léo para vencer Fábio.

Nem bem a bola rolou novamente e o Cruzeiro tomou outro gol pelo mesmo lado. Desta vez, foi o próprio Tony que acreditou numa bola muito longa colocada por ele mesmo. Everton desistiu da jogada achando que a bola ia sair, mas o lateral conseguiu alcançar e, mesmo tendo o combate de Léo, mandou rasteiro para a área. Moreno, mais esperto que Mateus, tomou a frente e deu um toque sutil para trás, o suficiente para chegar a Kléber que estava de prontidão para concluir com muita liberdade. Efeito cascata: Everton saiu da bola, Léo teve que ir pra cobertura, saindo da marcação de Moreno, fazendo Mateus dar combate e deixando Kléber livre. Leandro Guerreiro só chegou depois que o camisa 30 já havia concluído.

Como aconteceu nas últimas partidas, o Cruzeiro saiu atrás no placar, e não poderia mais usar a estratégia da reatividade. Teria que sair ainda mais para o jogo. Já o Grêmio, ciente de que tinha construído uma imensa vantagem, contentou-se em cozinhar o jogo e repelir a investidas celestes — deixando claro que o Cruzeiro não deve apostar em uma proposta de jogo de iniciativa. A expulsão de Werley no fim do primeiro tempo pelo segundo cartão amarelo foi, por incrível que pareça, prejudicial ao Cruzeiro, pois significaria que o Grêmio iria se fechar atrás para segurar a vantagem, dificultando ainda mais a vida celeste.

Dito e feito: no intervalo, Luxemburgo sacou Kléber e mandou Vilson a campo, recompondo a zaga e fazendo duas linhas de quatro bem definidas, com Elano e Zé Roberto abertos e somente Moreno à frente. No Cruzeiro, Souza ia a campo na vaga do vaiado Everton, com Marcelo Oliveira passando à lateral esquerda. Montillo foi jogar aberto do lado direito com Tinga e Souza de meias: uma espécie de 4-3-3, já que Wellington Paulista não permanecia aberto pela esquerda do ataque. A alteração não funcionou, pois o Grêmio tinha agora seus flancos bem fechados e as duas linhas bem compactadas. Celso então colocou Fabinho em campo, algo que deveria ter feito desde o início, já aos 7 minutos da segunda etapa, no lugar de Diego Renan. Tinga passou a jogar na lateral direita, mantendo o 4-3-3. Montillo pela direita e Souza pela esquerda, protegidos por Leandro Guerreiro, passaram a compor o meio-campo celeste.

Mas o Cruzeiro pecou e muito em fundamentos básicos: passes e cruzamentos. O goleiro Marcelo Grohe foi pouco incomodado, já que os constantes erros de passe anulavam a possibilidade de criação de chances. Os poucos cruzamentos na área na área eram afastados pela zaga gremista. E com praticamente todo o time à frente e o meio-campo despovoado, somente Leandro Guerreiro ficava atrás da área adversária para pegar as sobras, contra 2 ou 3 do Grêmio. O resultado era previsível: na grande maioria das jogadas o Grêmio recuperava a posse nas segundas bolas, evitando que o Cruzeiro tivesse a bola por períodos prolongados, e conduzia-a sem dificuldades até o campo de ataque.

Foi assim que veio o golpe fatal: uma jogada de Souza (do Grêmio) pela esquerda do ataque. De posse da bola, o volante não teve marcação e avançou até um vazio atrás de Mateus, que estava cobrindo pelo a subida de Tinga para o ataque. Leandro Guerreiro foi atrás, mas marcou de longe, e o volante conseguiu achar Marcelo Moreno totalmente livre de marcação dentro da área. O atacante limpou o combate de Léo e bateu cruzado, sem chances para Fábio. Fim de jogo aos 19 do segundo tempo.

O desorganizado 4-3-3 cruzeirense do fim da partida, sem qualquer criatividade e super exposto na retaguarda

As três últimas substituições foram diretas: Borges por Anselmo Ramon, e no Grêmio Moreno por André Lima e Elano por Marquinhos. O Grêmio seguiu no 4-4-1 até o fim, senhor da partida, contra um Cruzeiro desesperado e já desorganizado, mesmo com um jogador a mais. A equipe pouco finalizou, a não ser em uma bicicleta de Anselmo Ramon dentro da área que Grohe defendeu e alguns chutes sem direção. No fim da partida, um lance que resume bem a falta de criatividade celeste: o time rodou a bola de um lado a outro, mas sem partir para definição nem arriscar um passe mais profundo. Coube a Léo, um zagueiro, se juntar à ação ofensiva, receber um passe, limpar a marcação e finalizar. Grohe pôs a escanteio.

Celso Roth resumiu assim a partida: “(…) Até o jogo estar 0 a 0, o Cruzeiro tinha iniciativa e estava bem, mas o gol alterou tudo, duas falhas lamentáveis nossas. Depois coloquei o Souza e o Marcelo pelo lado esquerdo, o Souza para passar a bola e abrimos o Montillo para os dois jogarem com velocidade, mas não funcionou. Tentei o Montillo pela meia, junto com o Souza, e colocamos o Tinga aberto pela direita para ter profundidade com três atacantes, mas não funcionou. E quando nada funciona, aí cria essa confusão, e o Grêmio foi superior.”

De fato, o Grêmio foi superior, mesmo com um a menos. Cogitei dar o título de “Como jogar com 10” para esta análise, mas este é um blog sobre o Cruzeiro e não sobre os outros times.

É de Celso Roth grande parte da culpa pela derrota de hoje. Claro, os jogadores erraram fundamentos básicos, mas o jogo seria menos perigoso se Fabinho estivesse em campo desde o começo, pois seguraria o lateral direito gremista, protegendo Everton um pouco mais. Além disso, escalar Borges e WP no mesmo não contribuiu para a mobilidade do time, que ficava a cargo de Montillo — novamente anulado pela marcação forte, desta vez do excelente volante Fernando — e Tinga, que correu por todos.

É mais sensato retornar ao 4-2-3-1 diagonal de volta contra a Portuguesa, mais cauteloso. Foi a postura reativa que nos levou à liderança, e é assim que temos que continuar a jogar. Vai contra as tradições cruzeirenses de times vistosos e propositivos, mas é o que podemos fazer hoje. Sair para o jogo, atualmente, é fatal para nós.

E não, não esqueci o gol de Wellington Paulista, cobrando pênalti no fim. Mas é que ele foi tão irrelevante que nem valeria a pena citá-lo.

Eu nem comemorei.



Internacional 1 x 2 Cruzeiro – Celso Roth e os olímpicos

Um jogo equilibrado entre um time em formação e um time mais acostumado a jogar junto. Assim podemos definir o confronto entre Internacional e Cruzeiro no sábado, pela oitava rodada do Brasileirão 2012 em Porto Alegre. Erros táticos coletivos – causados por méritos táticos dos jogadores adversários – aliados à excelência técnica dos jogadores da Seleção Olímpica causaram o segundo revés seguido do Cruzeiro no certame.

O 4-2-3-1 diagonal de Celso Roth, com Tinga centralizando da mesma forma que no jogo contra o São Paulo, e William Magrão cobrindo; o lado direito ficou despovoado

Com Charles contundido e Wellington Paulista suspenso, Celso Roth reeditou o 4-2-3-1 diagonal sem lado direito do último jogo, mandando William Magrão e Anselmo Ramon em seus lugares. Mateus voltou ao time após suspensão no lugar de Rafael Donato. Já o Internacional armado por Dorival Júnior era o costumeiro 4-2-3-1, contando com um quarteto ofensivo de dar inveja a qualquer clube brasileiro: Oscar pela direita, D’Alessandro centralizado e Dagoberto na esquerda atrás de Leandro Damião.

O jogo começou com muitos passes errados de lado a lado. O Inter marcava em bloco médio e deixava os zagueiros do Cruzeiro jogarem, mas daí pra frente fazia pressão intensa na marcação. Porém, logo aos 7 minutos, o Inter abriu o placar em uma movimentação inteligentíssima de Dagoberto. O meia pela esquerda duelava com Léo, novamente jogado pela lateral direita. Ele arrastou seu marcador para dentro do campo, tocando uma bola de primeira para D’Alessandro servir, também de primeira, Oscar, que entrava justamente pelo lado direito onde deveria estar Léo. O meia da Seleção concluiu antes da marcação chegar e conseguiu achar um buraco entre Fábio e a trave.

(i) Dagoberto atrai Léo para o meio-campo, toca para D’Alessandro, (ii) que lança Oscar no espaço aberto por Dagoberto

Assim como no jogo contra o São Paulo, o gol logo no início da partida obrigou o Cruzeiro a correr atrás e sair para criar. Bem armado defensivamente, o Inter fechava seus flancos com até 3 jogadores, e dificultava as ações ofensivas celestes. O próprio Cruzeiro facilitava, já que não variava muito suas jogadas, forçando mais pelo lado esquerdo. Tinga derivava para o meio-campo e o Cruzeiro teve pouca profundidade pela direita. Teve até mais posse de bola, mas só ameaçou de verdade em conclusão de fora da área de William Magrão que explodiu no travessão.

Defensivamente, o Cruzeiro passava por dificuldades quando o Internacional imprimia velocidade. Victorino em particular, porque não é um zagueiro rápido, tem mais característica de ser zagueiro da cobertura. Mas Damião jogava em cima do camisa 4 deixando Mateus na sobra. Além disso, o time da casa já está muito mais acostumado a jogar com três meias ofensivos, e as premissas básicas desse esquema são inversões de posicionamento e movimentação constante, coisa que o Internacional fez muito bem, confundindo a marcação azul.

Para ilustrar isto, justamente quando o Cruzeiro parecia equilibrar as ações, Dagoberto aprontou mais uma vez. Desta vez aparecendo pelo meio, o camisa 20 do Internacional recebeu um passe de ligação direta que Damião conseguiu ganhar, girou e conseguiu enfiar uma bola pela direita, entre Victorino e Léo, devolvendo para o atacante da Seleção ganhar do uruguaio na corrida e chutar cruzado para aumentar. Dagoberto ainda teria a chance do terceiro, quando recuperou bola perdida e no primeiro toque driblou Léo, tocando cruzado. A bola caprichosamente foi para fora.

Na volta do intervalo, Dagoberto foi entrevistado e disse que o primeiro tempo foi uma surpresa, pois eles achavam que o Cruzeiro iria jogar contra-atacando e o Inter é que seria propositivo, mas na verdade foi o contrário. Um bom resumo. O time da casa aproveitou as poucas chances que teve com muita qualidade técnica e, principalmente, tática.

Celso Roth sacou Victorino, talvez temendo que o uruguaio perdesse mais duelos para Damião. Léo voltou ao miolo de zaga e William Magrão foi fazer a lateral direita, com Wallyson entrando no jogo na ponta direita. Com isso, Tinga recuou para o meio de vez. O sistema se tornava um 4-2-1-3, já que Fabinho e Wallyson voltavam pouco pelas alas: a ideia era pressionar o Inter em seu campo para conseguir um gol cedo e partir para o empate.

Mas foi o Internacional quem segurou mais a bola. Sob marcação intensa do time celeste, a equipe mandante tocava a bola em sua intermediária mas não conseguia chegar além disso. Também uma clara estratégia de diminuir o ritmo intenso que o Cruzeiro tentava impor na partida. Quando recuperava a bola, o Cruzeiro partia para tentar resolver. Logo aos 4 minutos, em boa jogada de Wallyson — desta vez pelo lado esquerdo — com Anselmo Ramon — que mais uma vez fez um bom pivô no comando do ataque — Everton apareceu debaixo das traves, na cara de Muriel para concluir… por cima.

A postura defensiva do Internacional continuava da mesma forma que no primeiro tempo: bem posicionados, os jogadores bloqueavam os flancos com muitos jogadores e dificultavam o jogo azul. O Cruzeiro passou a ter mais posse de bola, e o Internacional se contentava em repelir as investidas visitantes. Roth então sacou Fabinho e mandou Souza a campo, e o time passou a ter Souza e Tinga armando para Montillo pela direita, Anselmo na referência e Wallyson pela esquerda. Um 4-3-3 clássico.

A recompensa veio minutos depois. Em escanteio cobrando pela direita, Leandro Guerreiro dividiu com o zagueiro do Internacional e a bola sobrou limpa para Léo dentro da pequena área. O zagueiro girou numa linda bicicleta para diminuir.

O time que terminou o jogo, com Montillo caindo mais pela direita num clássico 4-3-3, que abusou dos cruzamentos na área

O Cruzeiro ainda teria metade do segundo tempo para tentar empatar o jogo, e foi o que fez, com Diego Renan no lugar de Everton, alteração feita antes do escanteio. Tentou de todas as formas, abusando dos cruzamentos na área adversária (foram 7 acertos e 22 erros, de acordo com números da Footstats publicados pela ESPN Brasil). Dagoberto e D’Alessandro sairiam para as entradas de Marcos Aurélio e Jajá, e o time se postaria num 4-4-1-1 que segurar o Cruzeiro até o fim, que só ameaçou em alguns chutes de fora da área. Bolatti ainda entraria no lugar de Oscar para ganhar tempo.

Os erros cometidos na partida demonstram que o Cruzeiro é claramente um time ainda em formação, apesar de ter conseguido 4 vitórias seguidas. Só com o tempo é que o entrosamento de fato fará a diferença, como fez neste jogo para o lado dos gaúchos: os ataques celestes pelos flancos eram frequentemente sobre-povoados pelo adversário, e o ataque produzia movimentos interessantes que bagunçaram a linha defensiva celeste. É por essa razão que, contra jogadores experientes e técnicos, que sabem aproveitar estes espaços criados, o defesa cruzeirense têm tido problemas.

Ofensivamente também existe espaço para evoluir. Com a tendência de Tinga de ser atraído para o meio-campo, a escalação do meia — sim, ele é um meia de origem — pela direita no 4-2-3-1 inicial só faz sentido se tivermos um lateral-direito ofensivo, para que o time tenha profundidade por aquele lado. Léo não é este jogador, e o Cruzeiro acabou sendo um time “torto”: foi a equipe que mais investiu pelo lado esquerdo na rodada, novamente de acordo com números do site da ESPN Brasil:

Para o próximo jogo, contra o Grêmio em casa, Diego Renan provavelmente voltará à lateral direita. Nesse caso sim Tinga seria uma boa opção para a meia-direita, já que os times de Vanderlei Luxemburgo, técnico do time gaúcho, costumam jogar no 4-3-1-2 losango, ou seja, com um maior número de jogadores centrais no meio-campo. A movimentação de Tinga pode resolver este problema, e ao mesmo tempo dar mais amplitude no setor.

Assim, é preciso provar que conseguimos não tomar gols contra equipes técnicas e experientes, e ao mesmo tempo atacar o adversário por todos os lados, sendo menos previsível.

Que Luxemburgo seja a próxima vítima.