Cruzeiro 1 x 0 Santos – Retomadas

Voltar a vencer após uma sequência ruim de resultados foi importante. Não sofrer gols em casa na Copa do Brasil, ainda mais. Mas o primordial foi retomar o velho estilo, ainda que por pouco tempo, para mandar um recado a todos os outros times do país, para a própria torcida a para si mesmo: o Cruzeiro ainda sabe ser Cruzeiro, e deve ser temido.

O desgaste físico é inegável, mas enquanto teve pernas, o Cruzeiro foi infinitamente superior ao Santos, tanto com a bola quanto sem ela, e construiu o resultado nesse período. Depois, quando foi obrigado a “descansar”, controlou o jogo, perdeu o controle e o retomou novamente, e ainda foi prejudicado pela arbitragem — elementos que certamente veremos nas últimas partidas do ano.

Escretes

As duas equipes entraram no 4-2-3-1; Cruzeiro muito mais intenso, com movimentação do quarteto ofensivo e Mayke sem ser perseguido por Robinho

As duas equipes entraram no 4-2-3-1; Cruzeiro muito mais intenso, com movimentação do quarteto ofensivo e Mayke sem ser perseguido por Robinho

Marcelo Oliveira mandou o costumeiro 4-2-3-1 a campo, mesmo sem ter Marcelo Moreno 100% fisicamente. Júlio Baptista foi o escolhido para ficar à frente do trio de meias, formado por Éverton Ribeiro à direita, Ricardo Goulart centralizado e Willian à esquerda. No suporte, a dupla dinâmica Henrique e Lucas Silva, e protegendo o goleiro Fábio, a última linha tinha Mayke à direita, Egídio à esquerda, e Dedé e Léo no miolo.

O Santos de Enderson Moreira também entrou num 4-2-3-1. O goleiro Aranha teve Cicinho na lateral direita, Edu Dracena e David Braz pelo meio e Mena aberto à esquerda. Mais à frente, Alisson ficava mais plantado liberando Arouca, que se juntava ao trio formado por Rildo à direita, Lucas Lima como central e Robinho pelo lado esquerdo, com Gabriel sendo o homem mais avançado.

Cruzeiro sendo Cruzeiro

O temor era que Júlio Baptista, sem ritmo, quebrasse um pouco a intensidade que o Cruzeiro sempre aplica no início das partidas, mas isso não aconteceu (muito). A movimentação e troca de posições que Willian, Ribeiro e Goulart impunham desorganizava a marcação santista, com o maior exemplo sendo o lance do gol. Naquele momento, Willian estava à direita, Ribeiro estava do outro lado e Júlio era o meia central, com Goulart sendo o centroavante. Tudo invertido.

A bola saiu da esquerda para Júlio, e de Júlio foi a Willian, totalmente livre do lado direito. O bigode chutou, a bola voltou e em um lance técnico maravilhoso, bateu com o lado do pé esquerdo, que não é o bom, aplicando uma curva de fora pra dentro que saiu totalmente do alcance de Aranha e fazendo a bola bater na bochecha da rede. Golaço.

Ponteiros x laterais

Além da movimentação ofensiva, havia outro fato que causava o grande domínio de posse de bola e territorial do Cruzeiro: a passagem dos laterais. Se pelo lado esquerdo Rildo tentava voltar com Egídio até a própria linha de fundo — e mesmo assim perdendo o duelo, do outro lado Robinho não fazia o mesmo com Mayke. Mena teve problemas em lidar com o jovem lateral e o ponteiro que caía por ali.

No meio do primeiro tempo, Enderson inverteu os lados para fazer Robinho ficar em Egídio e Rildo acompanhar Mayke, uma medida que teve um certo sucesso — mas num período do jogo em que o Cruzeiro já não estava mais tão intenso, como explicado nos parágrafos abaixo.

Pressão alta

Além disso, o Cruzeiro não era intenso só na movimentação ofensiva. Quando o ataque não se completava, o Cruzeiro sufocava a saída do Santos, sem deixar os jogadores respirarem. Lucas Silva e Henrique marcavam na intermediária de ataque; o ponteiro do lado da bola e o meia central faziam pressão no homem da bola e o ponteiro oposto fechava para o centro para recuperar um possível rebote, e o centroavante fechava as linhas de passe para os zagueiros e goleiros. Uma coordenação de time bem treinado, e que gerou muitas roubadas de bola já no campo de ataque.

Esse é o estilo deste Cruzeiro. Porém, toda essa intensidade vem sendo usada há dois anos. Nenhum time consegue aplicar essa velocidade defensiva e ofensiva durante os 90 minutos, que dirá durante duas temporadas inteiras. E agora, no fim da temporada, os jogadores estão cansando e naturalmente tendo que dosar. Após o gol, o time começou a preferir esperar o Santos já a partir da linha de meio-campo.

Mas não tive certeza quanto ao motivo: seria cansaço ou estratégia, uma vez que o placar era favorável? Ou ainda, seria o Santos que conseguiu concatenar mais passes? As duas primeiras opções me parecem mais prováveis, e foi assim que acabou o primeiro tempo: com o Cruzeiro “descansando” com a bola e às vezes sem ela, mas controlando o jogo. Fábio sequer sujou o uniforme.

Após o intervalo

Diferente do que alguns analistas da mídia disseram, o segundo tempo começou igual ao primeiro. Nada havia mudado: a vantagem no placar permitia ao Cruzeiro se posicionar mais pragmaticamente, fechando os espaços em seu próprio campo. Isso obrigava os zagueiros do Santos a trocarem passes entre si, sem encaixar uma bola mais aguda. E mesmo quando isso acontecia, o recebedor do passe imediatamente recebia pressão e era obrigado a voltar a bola para a última linha.

Numa dessas ocasiões, Willian subiu o bote em David Braz e roubou a bola, partindo num contra-ataque de três contra dois. Edu Dracena correu de costas até a grande área, e quando parou para dar o bote, Willian passou a Júlio na esquerda. O meia bateu para rebote de Aranha que Goulart completou para as redes. Mas o gol, bem construído, foi mal anulado pelo bandeira, que deu impedimento de Júlio no primeiro lance.

Perigo de gol

O segundo gol sem dúvida teria um impacto psicológico e na estratégia de ambos os times. O Cruzeiro passaria a proteger o resultado com mais calma, e o Santos tentaria se expor um pouco mais para tentar marcar ao menos um gol fora de casa, devido à abominável regra do gol qualificado. O gol anulado manteve as coisas como estavam, o que acabou sendo pior para o Cruzeiro no decorrer do segundo tempo.

Já sem muito vigor físico, o Cruzeiro começou a ceder espaços importantes no meio-campo ofensivo. Arouca começou a se sentir à vontade para se juntar à construção, e não era marcado por nenhum dos meias celeste. Além disso, Lucas Lima começou a voltar para pegar a bola nos pés dos zagueiros — um movimento que Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart repetem constantemente no Cruzeiro — e também não era perseguido. Com liberdade, o meia começou a encaixar passes nas costas dos laterais para os ponteiros, que geraram lances muito perigosos. Só não aconteceu o gol porque os jogadores santistas finalizaram muito mal.

Trocas

Com o Cruzeiro já cansado e mais espaçado em campo, Lucas Lima e Arouca tentaram aproveitar os buracos da marcação, mas a entrada de Damião travou o time, e a partir daí o Cruzeiro controlou melhor a posse com Goulart mais fixo na faixa central tendo Moreno à sua frente

Com o Cruzeiro já cansado e mais espaçado em campo, Lucas Lima e Arouca tentaram aproveitar os buracos da marcação, mas a entrada de Damião travou o time, e a partir daí o Cruzeiro controlou melhor a posse com Goulart mais fixo na faixa central tendo Moreno à sua frente

Marcelo foi obrigado a lançar Dagoberto na vaga de Willian, que havia sofrido uma fratura na costela ainda no primeiro tempo e continuou jogando por mais um tempo. Dagoberto entrou inicialmente pelo lado direito, invertido com Éverton Ribeiro, mas logo isso se desfez. Já Enderson Moreira trocou o opaco Gabriel por Serginho. Com isso, Robinho passou ao centro do ataque e Serginho passou ao lado esquerdo.

O jogo não mudou muito, com o Santos ainda com mais posse de bola. Visando uma melhor recomposição e também numa tentativa de colocar sangue novo na sua equipe, Marcelo Oliveira colocou Marlone na vaga de Éverton Ribeiro. Dessa vez, Marlone jogou na sua posição “original”, que é o lado do campo. Se ofensivamente não contribuiu para equilibrar a posse de bola, taticamente foi importante para fechar os espaços a Mena pelo lado esquerdo.

Centroavantes

Por fim, Júlio Baptista, ainda sem ritmo, não aguentou os 90 minutos e Marcelo Moreno entrou em seu lugar. Mais fixo à frente, Moreno fazia com que Ricardo Goulart ficasse mais fixo como meia central, passando a organizar melhor o ataque celeste. Enderson respondeu com Jorge Eduardo na vaga do Rildo e também com Leandro Damião na vaga de Robinho, mas as trocas não deram certo, pois Damião travou o time e facilitou a marcação da defesa celeste.

As duas coisas somadas — Goulart fixo como meia central e Damião fixo como centroavante — acabaram por reequilibrar a posse de bola e a disputa no meio-campo. Com ambas as equipes cansadas e taticamente iguais, a melhor técnica dos jogadores celestes começou a aparecer e o Cruzeiro ainda criaria boas chances de aumentar, principalmente em cruzamentos de Mayke pela direita, mas o placar permaneceu inalterado.

Chover no molhado

O jogo foi importante para reafirmar, não só para todo o Brasil como também para si mesmo, que o Cruzeiro ainda é o melhor time do país. E foi isso o que Marcelo Oliveira e seus comandados buscaram na primeira meia hora de jogo: amassando o Santos, o Cruzeiro foi muito superior e teve azar nas finalizações. Mas o fim de temporada cobrou seu preço, e já no primeiro tempo o Cruzeiro teve que dosar o ritmo.

E é isso que devemos esperar para todos os jogos até o fim do ano. Dificilmente o Cruzeiro jogará com a intensidade que lhe é característica durante mais de 30 minutos por jogo, e em alguns casos não vai fazer isso em nenhum momento das partidas. Em 2014, o Cruzeiro já fez 3 partidas a mais que em 2013, e não há como negar que isso tem um impacto.

Sim, todos os outros times também estão desgastados, mas o estilo de jogo que o Cruzeiro prefere usar faz com que os jogadores se desgastem mais. Então é seguro concluir que isso afeta mais ao Cruzeiro que a outros times. No entanto, agora é a hora de se superar. Apesar do desgaste, falta pouco agora. Longas viagens sempre cansam, mas quando se está perto do destino, sabendo que falta tão pouco, um ânimo surge do nada para que demos um último gás e completemos a jornada.

Dez jogos, talvez menos, para dois títulos. Seguiremos confiantes como nunca.



Cruzeiro cauteloso: escolha ou desgaste?

Problemas técnicos impediram este blog de publicar análises mais aprofundadas sobre os dois últimos jogos pelo Brasileirão. Inclusive, estive in loco no empate sem gols contra o Sport na Arena Pernambuco. De volta à ativa, darei portanto breves pitacos nestas partidas e também na partida de ontem contra o ABC pela Copa do Brasil.

Há no futebol (e no esporte em geral) uma velha máxima: a melhor defesa é o ataque. Em alguns casos, de fato: se você está atacando, o adversário não está te atacando e, portanto, você nem precisa defender. Mas essa é uma visão muito simplista. O correto é dizer: a melhor defesa, em alguns casos, é o ataque. Ou melhor: a melhor defesa nem sempre é o ataque.

Depois da derrota no clássico, o Cruzeiro jogou três partidas. E pelo menos um aspecto houve em comum em todas elas, ocasionado por diferentes razões: o Cruzeiro foi mais cauteloso. Quando tinha a bola, preferia cadenciar em vez de atacar com muita intensidade, como fez bastante em 2013, para diminuir as chances de um passe errado que gere contra-ataques. Sem a posse, a equipe preferiu esperar na linha divisória, compactada em bloco médio, em vez de pressionar alto e forçar o erro do adversário.

Coritiba 1 x 2 Cruzeiro

No Paraná, o Cruzeiro fez um dos melhores primeiros tempos que vi neste ano defensivamente. O Coritiba – armado numa espécie de 4-3-3 que variava para 4-3-1-2 de acordo com o posicionamento de Alex (leia mais aqui) – teve tempo na bola, mas não conseguia entrar nas linhas celestes. Alex, ídolo nos dois clubes, não conseguia receber a bola em espaços perigosos porque o Cruzeiro os ocupava. Isso forçava o craque a voltar até na linha de zagueiros para receber a bola e tentar ver o jogo. Sem alvos, acabava devolvendo para outro zagueiro ou um volante e voltava a correr pra frente.

Tudo isso porque a postura defensiva do Cruzeiro estava diferente. Não foi o time que joga e deixa jogar: o Cruzeiro procurou primeiro destruir – ou no caso esperar o erro do adversário – para depois construir. Com a bola recuperada, aplicou velocidade suficiente pelos lados para criar as jogadas dos dois gols: um escanteio que gerou o pênalti em Nilton e um lançamento para Ceará, que avançou até achar Éverton Ribeiro livre do lado esquerdo.

No segundo tempo, o Cruzeiro relaxou um pouco, talvez pelo desgaste físico, e o Coritiba chegou mais perto da área, até pela entrada de Martinuccio no time na vaga de um dos volantes. Mas o Cruzeiro não quis explorar os novos espaços e se contentou em absorver a pressão do time da casa, que até marcou um gol, mas depois esbarrou no eficiente sistema de marcação celeste.

Sport 0 x 0 Cruzeiro

Nesta partida, pude observar de perto esta nova postura. Contra um Sport armando no mesmo 4-2-3-1 que o Cruzeiro, eu torcia constantemente para que Moreno avançasse em cima de um dos zagueiros pernambucanos e que os meias subissem a marcação atrás dele, mas isso não acontecia. Em um momento, consegui enxergar todos os dez jogadores de linha em um espaço de não mais que 15 metros: uma compactação que não deixava o Sport jogar e que deu tranquilidade a Fábio. Não sofrer gols foi uma consequência natural.

Atacando, o Cruzeiro até que teve algumas chances, mas da arquibancada eu sentia pouca aproximação entre os três meias, tão costumeira. O desgaste físico da viagem de Curitiba para Recife, e com jogos em espaço de tempo tão curto, parece mesmo ter feito alguma diferença. Sem essa proximidade, o jogo do Cruzeiro não fluía com a mesma intensidade, e o time pernambucano tinha seu trabalho de marcação facilitado.

Mesmo assim, foi o Cruzeiro quem criou mais chances, teve mais a bola nos pés e chutou mais a gol, principalmente no segundo tempo. Mas não foi suficiente para tirar o outro zero do placar.

Cruzeiro 1 x 0 ABC

O cansaço acusado pelos jogadores no Recife forçou Marcelo Oliveira a lançar mão de seu bom elenco, mandando a campo uma formação alternativa para o jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. Aqui, a razão para a falta de intensidade ofensiva e defensiva era a falta de ritmo e entrosamento. Borges, Dagoberto, Marlone e Willian não conseguiam muito se achar em campo, permanecendo muito estáticos em suas respectivas faixas do campo, sem as trocas costumeiras.

Some-se a isso o fato de que o time potiguar veio para perder de pouco, como esperado, e mal se aventurou no ataque para não ceder espaços. Com o time todo atrás, cabia a Nilton e Willian Farias iniciarem a construção. Mas ambos são volantes mais marcadores que passadores e tiveram certa dificuldade. No segundo tempo, Ricardo Goulart, que estava sendo poupado, entrou e, como mágica, o time instantaneamente melhorou. É impressionante como Goulart praticamente força seus companheiros a se mexerem, saindo do centro e caindo pelas pontas. Assim, quem está nas pontas procura o meio e isso acaba confundindo a marcação.

O Cruzeiro teve bem mais volume de jogo e tentou chutar mais vezes, mas o ABC continuou se defendendo bem. Faltava o capricho no último passe – sempre ele. Assim, o time potiguar não permitiu que o Cruzeiro criasse muitas chances: duas finalizações certas, sendo que só a de Egídio no primeiro tempo foi com bola rolando. A outra foi o gol de Léo, num escanteio.

Na parte defensiva, o Cruzeiro não foi tão seguro, cometeu alguns erros, mas também teve a mesma estratégia: não pressionar os zagueiros adversários no alto do campo. O ABC porém preferia entregar a bola para o Cruzeiro e tentar especular nos contra-ataques. Fábio não fez nenhuma defesa no jogo todo.

Diagnóstico: novo padrão ou resguardo?

Como vimos, nas três partidas o Cruzeiro optou por uma postura mais cautelosa defensivamente. Contra o Coritiba, fechou as linhas e esperou o adversário errar; contra o Sport, o desgaste pareceu ser o fator principal na falta de intensidade; e contra o ABC, o time reserva estava mais descansado, mas a falta de ritmo não permitiu a marcação alta.

Esta postura foi mais acentuada nas últimas partidas, mas o fato de o Cruzeiro atacar um pouco menos já podia ser visto no número de finalizações, se comparado ao do ano passado. É uma equipe que ainda ataca muito, mas menos do que antes. Duas possíveis causas: o respeito dos adversários, o que faz com que eles se armem todos atrás dificultando as ações ofensivas; e a maturidade do time, que está preferindo dosar o ritmo para não se desgastar. No fim das contas, provavelmente é uma mistura das duas coisas.

Dados da Footstats do Campeonato Brasileiro mostram: Cruzeiro finaliza menos este ano do que no ano passado

Dados da Footstats do Campeonato Brasileiro mostram: Cruzeiro finaliza menos este ano do que no ano passado

Fica a pergunta: seria este comportamento do sistema defensivo celeste uma nova forma de jogar ou é apenas temporária devido ao desgaste da temporada? Só saberemos de fato nas próximas partidas.



Cruzeiro 5 x 0 Santa Rita – Tinha que ser de mais

Todo mundo sabia que seria o duelo mais desigual das oitavas da Copa do Brasil. Afinal, tratava-se do atual campeão e melhor time do país, enfrentando uma equipe que não joga nenhuma das quatro divisões do nacional. Talvez por isso havia a expectativa de que o Cruzeiro jogaria sem correr tanto, sem marcar pressão, deixando o tempo passar e resolvendo sem pressa. Mas não foi isso o que aconteceu.

O Cruzeiro entrou em campo como se estivesse jogando contra um time de Série A. E isso foi a maior demonstração de respeito ao modesto Santa Rita, antigo Corinthians Alagoano. O Cruzeiro marcou, correu atrás da bola e não deixava os jogadores do time visitante trocarem passes tranquilamente. E assim construiu o placar, que poderia ser ainda maior não fosse uma certa displicência dos finalizadores.

Escalações

O 4-3-1-2 losango do Santa Rita sofreu para segurar o 4-2-3-1 celeste, principalmente pelos lados com Mayke e Samudio tendo muita liberdade

O 4-3-1-2 losango do Santa Rita sofreu para segurar o 4-2-3-1 celeste, principalmente pelos lados com Mayke e Samudio tendo muita liberdade

O Cruzeiro entrou em campo com peças diferentes, mas manteve o 4-2-3-1 tradicional. O gol de Fábio foi protegido por Dedé e Manoel, com Mayke fechando a linha defensiva pela direita e Samudio do outro lado. Henrique e Lucas Silva fizeram a proteção, ajudando o ponteiro direito Alisson, o central Júlio Baptista e o ponteiro esquerdo Dagoberto. Na frente, sempre ele, Marcelo Moreno. Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart foram poupados.

Já o Santa Rita foi armado por Eduardo Neto num 4-3-1-2 losango. O goleiro Jeferson teve sua última linha formada por Edir na lateral direita, Júnior Carvalho e Selmo Lima no miolo e Jeanderson na esquerda. Na frente da área, Adriano, Edson Magal e Cristiano Fontes fizeram a tríplice volância, deixando Lucas na ligação para Rafael Silva, mais pela esquerda, e Reinaldo Alagoano, na frente.

Superioridade técnica e tática

A saída era do time visitante. Tão logo apitou o juiz uma horda de azuis partiu pra cima dos adversários querendo a bola a todo custo. Para surpresa deste, os jogadores do Santa Rita conseguiram tocar a bola e sair da marcação pressão, ficando mais tempo com a bola do que nas outras oportunidades de posse. E ainda finalizou primeiro, um chute pra fora de Lucas aos 3 minutos. Porém, o time de Alagoas só finalizaria pela segunda vez 75 minutos depois.

O domínio celeste foi flagrante, mas as razões não são puramente técnicas. Primeiro porque o Santa Rita deixava espaço entre o sistema defensivo e os três homens de frente, exatamente onde o Cruzeiro jogava. O Santa Rita até tinha mais jogadores no setor, mas Lucas não fazia muito o trabalho defensivo e assim ficou três contra três. Só que os três celestes tinham muito mais técnica e velocidade e ocupavam melhor os espaços, ganhando a posse de bola facilmente.

Além disso, um sistema sem jogadores abertos, como é o 4-2-3-1 losango, expõe os laterais. Dessa forma, o Cruzeiro fazia dois contra um dos dois lados: Mayke e Alisson em cima de Jeanderson e Samudio e Dagoberto pra cima de Edir. Não foi à toa que os gols saíram em jogadas pelo lado. O primeiro numa falta sofrida na esquerda que Moreno cabeceou pro gol; o segundo num escanteio conseguido após jogada de Alisson pela direita; e o terceiro em cruzamento de Mayke.

Mas o Cruzeiro teve chance pra fazer muito mais. Moreno acertou a trave duas vezes, Dagoberto concluiu jogada de Mayke dentro da pequena área mas parou em Jeferson, que também defendeu um chute certeiro de Lucas Silva do meio da rua. Isso sem falar nas bolas que foram pra fora. Talvez esse tenha sido o único pecado do Cruzeiro na noite de ontem: finalizar mal. Fazer 3 gols em 45 minutos foi ótimo mas não traduziu a superioridade celeste, foi pouco.

Segundo tempo

Do intervalo em diante, o Santa Rita marcou num 4-2-3-1, fechando os lados mas abrindo o meio: melhor para os volantes celestes

Do intervalo em diante, o Santa Rita marcou num 4-2-3-1, fechando os lados mas abrindo o meio: melhor para os volantes celestes

Nenhum treinador mudou peças no intervalo, mas o Santa Rita voltou marcando diferente. Edson Magal saiu da linha dos volantes e centralizou entre os meias. Lucas abriu pela direita e Rafael Silva oficializou seu posicionamento na esquerda: estava formado um 4-2-3-1.

A mexida deu certo — por assim dizer. No segundo tempo, Mayke e Samudio já não tinham tanta liberdade assim e apoiaram bem menos do que na etapa inicial. Além disso, as linhas ficaram ligeiramente mais próximas, diminuindo um pouco o espaço no meio. Mas isso foi “compensado” com menos gente no centro do meio-campo. Se com três volantes o Cruzeiro já era bem superior, com dois volantes ficou ainda mais fácil. Tanto que Lucas Silva arriscou do meio da rua, Jeferson rebateu pra frente e Moreno não perdoou.

O quarto gol deu a tranquilidade necessária para rodar o elenco. Marcelo tirou Moreno e lançou Marlone, e depois, a pedidos da torcida, estreou o garoto Neílton no lugar de Alisson. Neílton veio para a direita, Marlone ficou centralizado, Dagoberto passou à esquerda e Júlio avançou para o ataque. Com Marlone e Neílton, a intensidade, que naturalmente já começava a cair, voltava com a necessidade de mostrar serviço. Neílton deu velocidade mas não conseguia passar pelos marcadores, perdendo bolas sem falta. E Marlone participou bastante da construção mas chegou pouco à área, papel fundamental para um central. Na vez em que chegou, mandou um balaço no travessão.

Já as mexidas do Santa Rita não mudaram o sistema até o fim do jogo. Assim, o Cruzeiro continuou dominando o meio-campo com facilidade. O maior sinal disso era a posição dos volantes: Willian Farias, que entrou na vaga de Lucas Silva, aparecia pra jogar bem próximo da grande área adversária, quase como um meia armador. Já Henrique estava dentro da área quando marcou o quinto e último gol.

 

Sobre as conclusões

O placar foi dilatado, mas poderia ter sido ainda mais. O Cruzeiro concluiu a gol nada menos do que 30 vezes, sendo 16 delas (53,33%) certas e 5 gols (16,67%). É uma taxa de acerto e de conversão maior do que as do time no Brasileirão até a 17ª rodada (44,59% e 14,86% respectivamente), mas o que deixa com a pulga atrás era a qualidade das chances. Contando somente as três bolas na trave e um cabeceio de Júlio Baptista pra fora, sozinho dentro da pequena área, já seriam mais quatro gols. Isso sem falar nos vários chutes fracos em cima do goleiro e pra fora em posições muito boas de chute.

O mapa de finalizações mostra como o domínio foi maior que o placar final mostrou: 30 chutes a gol, 16 certos (Footstats)

O mapa de finalizações mostra como o domínio foi maior que o placar final mostrou: 30 chutes a gol, 16 certos (Footstats)

Mas isso me parece cornetar demais. De toda forma, o resultado largo permite agora ao Cruzeiro poupar jogadores na partida de volta em Alagoas. Chance para rodar ainda mais o elenco e dar ritmo, pois confirmada a classificação às quartas, a próxima possibilidade de semana livre será somente entre os dias 26 de outubro e 2 de novembro — isso se o Cruzeiro não se classificar para as semifinais da Copa do Brasil.

Como ninguém quer isso, é quarta e domingo até dezembro — por isso, rodar o elenco não será importante: será uma necessidade.