Resende 1 x 2 Cruzeiro – O preço da preguiça

Bem consciente de sua superioridade sobre o adversário — o que pode ser bem perigoso no esporte bretão — o Cruzeiro venceu mais uma. Mas num lance de falta de sorte com uma pitada generosa de preguiça, terá de jogar a partida de volta contra o Resende no Mineirão.

Apesar de Marcelo Oliveira colocar o que é considerado o time titular em campo, à exceção de Ceará, o time claramente se poupou, pois sabia que o adversário era inferior. Mas o Resende, por sua vez, também sabia disso, e tratou de fechar todos os espaços possíveis para poder visitar o Mineirão. E não teriam conseguido se o Cruzeiro tivesse jogado com um pouco mais de afinco.

O Cruzeiro entrou no 4-2-3-1 usual, mas sem velocidade e movimentação dos homens de frente, imporantíssimos neste sistema

O Cruzeiro entrou no 4-2-3-1 usual, mas sem velocidade e movimentação dos homens de frente, importantíssimos neste sistema

O treinador do time da casa, Eduardo Allax, escalou o Resende num 4-3-1-2, mas diferente do comum para este sistema, o meio-campo não era um losango. A linha defensiva do goleiro Mauro era composta pelos zagueiros Marcelinho e Thiago Sales, Filipi Souza fechando pela direita e Kim na lateral esquerda. Os três volantes formavam uma parede na frente da área, com Dudu por dentro, Léo Silva na direita e Denilson na esquerda. Hiroshi ficava mais à frente e com a responsabilidade de puxar os contra-ataque, e era ladeado por Geovane Maranhão e Elias.

Já o Cruzeiro foi escalado por Marcelo Oliveira no mesmo padrão que você, caro leitor assíduo deste blog, já está acostumado a acompanhar. De trás pra frente e da direita pra esquerda: Fábio no gol; Mayke (na vaga de Ceará), Léo e Bruno Rodrigo e Everton na linha defensiva; Leandro Guerreiro e Nilton na volância; e Everton Ribeiro, Diego Souza e Dagoberto atrás de Borges. Nenhuma novidade.

Bloqueio pelo centro

O treinador Eduardo Allax talvez tenha entrado neste blog e lido sobre a facilidade que Diego Souza teve na entrada da área na primeira semifinal contra o Villa (sim, eu sei que não). Isso porque plantou os três volantes fazendo uma muralha contra Diego Souza. O camisa 10, sem imprimir mesma movimentação de jogos anteriores, ficou sumido na primeira etapa. Além disso, Allax plantou os laterais para fazer a cobertura dos volantes de lado, que saíam à caça dos meias cruzeirenses e ainda fazia seus atacantes recuarem pelos flancos com Mayke e Everton. Quase um 4-5-1.

O Cruzeiro ficou muito com a bola nos pés (quase 70%) mas era previsível, lento, sem intensidade. Não tentou achar espaços entre as linhas, não tentou se movimentar para confundir a marcação carioca. O 4-2-3-1 estava lá, rígido, sem nenhuma maleabilidade. E aqui esbarramos num velho problema: a volância pouco criativa. Leandro Guerreiro e Nilton são bons marcadores, mas não os vejo fazendo mais do que entregar para um meia ou lateral quando têm a bola nos pés.

E basicamente foi isso o que aconteceu no primeiro tempo, um jogo modorrento, moroso, como o próprio Marcelo Oliveira definiu em entrevista após a partida. A melhor ilustração sobre isso, no entanto, é o “narrador” do tempo real da ESPN Brasil no site: “Fulano está fora do jogo”, “Cruzeiro toca a bola”, “O jogo está equilibrado”, “O Cruzeiro fez 18 gols nos últimos jogos”. Pouco era sobre o que acontecia dentro de campo, o que, ironicamente, era de fato o que acontecia em campo.

Leve pisada no acelerador

No intervalo, Allax lançou o veteraníssimo Acosta na vaga de Geovane Maranhão. Foi quase um seis por meia dúzia, tirando o fato de que Acosta, pela experiência, tinha mais qualidade para fazer a retenção da bola longa e esperar os companheiros mais rápidos — e jovens — chegarem para a trama ofensiva. O treinador do Resende pode ter pensado que o Cruzeiro ficaria naquela passividade o jogo todo, mas não. Com o mesmo time do primeiro tempo, o Cruzeiro entrou mais intenso e não demorou a causar problemas. A movimentação dos meias — principalmente de Dagoberto — e a velocidade nos passes foram determinantes, e o Cruzeiro chegou ao primeiro gol justamente assim: jogada rápida para Dagoberto pela esquerda, que partiu para o drible veloz e cruzou forte. A zaga rebateu pra frente e Éverton Ribeiro, presente no meio da área, pegou o rebote fatal.

Logo depois, Nilton ampliaria em chutaço de fora da área, o que ilustra bem o que acabei de dizer ali em cima. Nilton não é um jogador criativo mas tinha bastante espaço para avançar. Então, usou sua melhor arma ofensiva: o chute. Com um volante com mais qualidade de passe, mais visão de jogo, muito provavelmente algum defensor teria de deixar a formação para encurtar a marcação neste volante, e isso consequentemente abriria mais espaços em outros setores que estavam congestionados, dando mais liberdade para os meias.

Mudança tática num time, psicológica no outro

Após o gol, Eduardo Allax tirou seu lateral direito Filipi Souza e lançou Guto, que foi jogar na meia direita. Uma tímida tentativa de alcançar um gol que provocaria a partida de volta. Com isso, o volante Léo Silva foi puxado para a lateral e o Resende agora estava num típico 4-2-2-2, mas ainda com a maioria dos jogadores com atribuições defensivas. Já o Cruzeiro voltou a fritar o jogo depois do placar “necessário” construído. Quis se poupar e ficar com a bola, confiando na sua própria capacidade de manter o time adversário longe de seu próprio gol.

Marcelo Oliveira pressentiu o placar perigoso e lançou Ricardo Goulart na vaga de Everton Ribeiro, tanto para “energizar” o time como para poupar o camisa 17, que jogava com um torcicolo homenageado na hora do gol. Depois entrou Élber na vaga de Diego Souza, e Goulart foi para o centro, com Élber na direita.

Não deu muito tempo pra avaliar. Num ataque despretensioso, a bola sobrou para Guto na entrada da área. Nilton estava perto e podia ter tentado bloquear o chute, mas não foi com aquela vontade (veja aos 02:10 neste vídeo na repetição por trás do gol). A bola saiu torta, pegou em Léo no meio do caminho e matou o goleiro Fábio. Era a morosidade cobrando o seu preço no futebol.

O gol animou o time da casa, que tentou vir pra cima na vontade, mas faltou qualidade. O Cruzeiro também não mostrou vontade de eliminar o jogo de volta, e com isso, dia 22, no Mineirão, tem mais.

Pecados futebolísticos

É claro que os jogadores do Cruzeiro tinham plena consciência de que eram superiores, bem como os do Resende. Não há dúvida que se o Cruzeiro aplicasse a mesma vontade de vencer que teve contra o Atlético no primeiro jogo da temporada, por exemplo, venceria por goleada. Mas os jogadores se pouparam e acharam que fariam o gol quando bem entendessem. Bem, isto até aconteceu, mas os deuses do futebol cobram seu preço. O gol de Guto foi uma punição para a preguiça demonstrada em campo.

Mesmo assim, o gosto amargo do jogo de volta poderia ter sido evitado se tivéssemos mais qualidade na volância, algo que venho falando já há alguns posts. Com um volante chegando como um quarto homem, com bom passe e boa visão de jogo, certamente o Resende teria sofrido mais gols e provavelmente não feito nenhum.

Mas nem tudo são espinhos. Se olharmos por outro ponto de vista, o Cruzeiro venceu uma equipe semifinalista de Taça Rio — superando inclusive equipes da série A — sem jogar o seu melhor futebol, e simplesmente porque não quis fazer isto. Então, quando quiser jogar tudo que sabe, podemos esperar algo de muito bom. Talvez eu esteja um pouco otimista demais, mas o Cruzeiro deu mostras em outras partidas que que pode ir muito longe nesta temporada. O melhor início de ano da história do Cruzeiro, superando até 2003, é um indício. Sim, o nível dos adversários enfrentados não foi dos melhores, mas o Cruzeiro enfrentou este mesmo nível de oposição nos anos anteriores e não teve o mesmo desempenho. Portanto, o otimismo é justificado.

O Campeonato Mineiro foi bem usado por Marcelo Oliveira para encaixar o time. O resultado: 95% de aproveitamento, que provavelmente será aumentado no próximo jogo contra o Villa, em ritmo de treino.

Um número melhor que qualquer outro time no Brasil tem — nem o “badalado” rival. Então é hora de colocar este número à prova.



Quatro jogos e perspectivas

Antes de mais nada, este blogueiro pede desculpas aos leitores por ter ficado tanto tempo ser dar satisfações. Entrei em um momento de mudança na vida — literalmente — e por isso fiquei sem infra-estrutura necessária para escrever os posts (leia-se: internet e computador).

Então, para não deixar de falar sobre nenhum dos jogos passados, aqui vão notas rápidas sobre os quatro últimos jogos.

Villa Nova 2 x 4 Cruzeiro

Em alguns jogos, o equilíbrio entre as equipes é simplesmente uma questão de número no centro do meio-campo. Que o Cruzeiro tem um elenco superior ao do Villa Nova todos sabemos, mas neste jogo o Villa tinha um quarteto no centro do campo, com o seu 4-3-1-2 losango frente ao 4-2-3-1 do Cruzeiro. Os dois volantes e Tchô, o meia central, se deram melhor em relação a Leandro Guerreiro e Nilton, que não conseguiam marcar os três. A partida tendeu para o domínio do time da casa no primeiro tempo simplesmente por isso.

Já no segundo, Marcelo Oliveira lançou Tinga para fazer um 4-1-2-3 que acertou a marcação: Guerreiro ficou responsável apenas por Tchô, e mesmo perdendo o duelo algumas vezes, como no gol de empate do Villa Nova, conseguiu tirar a liberdade que o camisa 10 adversário tinha na primeira etapa.

Mas com a mudança, Diego Souza foi jogar aberto do lado direito, deixando o time sem um meia central. Com isso, o time equilibrou o centro do meio-campo, mas criou pouco. A entrada de Ricardo Goulart aconteceu justamente para resolver este problema. Com ambos os times com meio-campo em losango, a qualidade técnica fez diferença e o Cruzeiro marcou mais dois gols.

Em suma: quando tinha apenas 2 meio-campistas (já que Diego Souza marca pouco) contra 4 do adversário, o Cruzeiro foi dominado. Com Tinga, o 3 x 4 equilibrou, e com Goulart, o número de meio-campistas se igualou, e aí o Cruzeiro se sobressaiu.

América 1 x 4 Cruzeiro

O América do técnico Paulo Comelli quis jogar de igual para igual contra o Cruzeiro no Mineirão. E foi amplamente dominado, principalmente porque, diferente dos outros times do campeonato, foi um time que tentou sair para o jogo e deu espaço para os jogadores de frente do Cruzeiro.

Também num 4-2-3-1, o time de Paulo Comelli foi facilmente repelido pela linha defensiva celeste. Com Rodriguinho, o meia central, encaixotado entre os volantes, Fábio Júnior tinha que sair muito da área, e Fábio quase não viu a cor da bola.

Já o Cruzeiro, desta vez com Ricardo Goulart na vaga do suspenso Dagoberto, imprimiu movimentação e confundiu a marcação americana. Já aos 16 minutos o Cruzeiro vencia por dois a zero, em jogadas de bola áerea. Depois disso apenas controlou as ações, repelindo as investidas do América com propriedade. Ainda sofreria um gol em falha de Leandro Guerreiro na cobrança de escanteio, mas matou o jogo logo em seguida com excelente trama pela direita com Everton Ribeiro e Ceará e a conclusão de Borges.

O 4-2-3-1 foi mantido do início ao fim. Apesar do placar e do domínio, os volantes ainda tiveram pouca participação ofensiva e uma certa dificuldade na marcação. Acredito ser o setor mais frágil da equipe no momento, ao contrário da maioria dos comentaristas e torcedores que dizem ser a defesa.

CSA 0 x 3 Cruzeiro

Eliminar o segundo jogo era esperado. Mas o futebol apresentado, preguiçoso, não. Era quase como se o Cruzeiro soubesse que tinha que fazer pouca força para avançar de fase, e assim foi. Já o CSA jogava a vida, provavelmente o jogo de maior visibilidade que o time terá no ano, e por isso foram pra cima, com muita velocidade.

A defesa do Cruzeiro jogava bem alta, longe de sua própria área, para compactar o time. Mas isso só funciona se os jogadores de frente também fizerem marcação avançada, o que não acontecia. Assim, o CSA tocava a bola e o Cruzeiro esperava, deixando espaços atrás de sua própria defesa. E time da casa, num moderno 4-1-2-3, jogava bolas longas para jogadores rápidos que tinha abertos, nas costas dos nossos laterais. Para nossa sorte, a pontaria deles não estava boa e pelo menos três chances reais foram mandadas pra fora.

Ofensivamente, o Cruzeiro parecia, de fato, bem preguiçoso. Os gols aconteceram mais por bobeira da defesa do time alagoano do que por mérito celeste. O primeiro numa bola longa de Dagoberto, na direita, para Diego Souza. A defesa estava mal posicionada e deixou o camisa 10 entrar livre. O segundo em um pênalti cometido atabalhoadamente pelo zagueiro. Somente o terceiro pode ser considerado superioridade técnica: Ricardo Goulart recebeu o passe final de uma trama rápida de passes, driblou um marcador, ganhou na força do segundo e concluiu sem chances para o goleiro.

O jogo provou a força do elenco cruzeirense, que mesmo jogando com pouca vontade, mostrou ser forte o suficiente para construir o placar. Entretanto, a mesma preguiça causou dificuldades desnecessárias. Portanto, não foi um jogo bom para se tirar alguma conclusão.

Cruzeiro 5 x 0 Nacional

Ah, goleadas. Como elas têm o poder de enganar o torcedor. Basta fazer uma grande soma de gols num mesmo jogo e automaticamente tudo fica bem, a torcida se empolga e tal. Felizmente, não era esse o caso.

É claro que se deve levar em conta a fragilidade do Nacional, que está brigando para sobreviver no Módulo I do Campeonato Mineiro. Mas é justamente contra estes é que o poderio do time mais capacitado tem que aparecer. E assim foi feito: o Cruzeiro jogou como se fosse um jogo decisivo (não, confirmar a liderança na primeira fase do estadual não dá esse caráter à partida). Ricardo Goulart entrou na vaga do suspenso Diego Souza e promoveu a mesma intensa movimentação de jogos anteriores, e foi o senhor da partida.

O Nacional se entrincheirou numa espécie de 4-3-3 defensivo, contra o 4-2-3-1 costumeiro de Marcelo Oliveira. Os três da frente estreitavam e bloqueavam a saída pelo meio, mas deixavam as laterais livres. Além disso, os volantes cruzeirenses não eram pressionados e buscavam a bola no pé dos zagueiros para iniciar o jogo, quase sempre jogando para um dos laterais. E dali, a bola circulava tranquilamente para os três armadores, trocando de posição a todo momento.

Sem a bola, o Cruzeiro pressionava no alto do campo, com muita sede de roubar a bola. Foi a pressão alta mais intensa até aqui no ano. Quando o Nacional tinha a bola, não tinha muito tempo pra pensar, pois o quarteto ofensivo do Cruzeiro encurtava os espaços dos zagueiros, obrigando ao chutão ou passe errado. Os gols saíram naturalmente, em erros do Nacional provocados pela marcação intensa do Cruzeiro e ataques velocíssimos.

Todos os quatro jogadores de frente participaram dos dois primeiros gols: no primeiro, o tiro de meta ruim veio parar nos pés de Goulart, que de letra achou Everton Ribeiro, que finalizou de fora da área. No segundo, Borges se desloca e tabela com Dagoberto, deixando o companheiro na cara do gol. Já o terceiro foi uma jogada dos defensores: Nilton a Bruno Rodrigo, que de peito passou a Leo dentro da área. O zagueiro cruzeirense ainda marcaria mais um de cabeça em bola parada, ainda no primeiro tempo.

No segundo, o time desacelerou, naturalmente. Mesmo assim, Élber completaria a goleada “roubando” a bola na jogada individual de Ricardo Goulart, tamanha a facilidade que o Cruzeiro criou na partida, muito devido à sua própria atuação.

Outro ponto a se destacar é que, nas raras vezes em que era marcado em seu próprio campo, o Cruzeiro evitava ao máximo a bola longa para o ataque. O objetivo era manter a bola nos pés e construir a jogada de trás. É uma mudança sutil de postura, mas que revela como Marcelo Oliveira quer sua equipe.

Perspectivas

Notadamente, existe uma preocupação da torcida e da crítica em geral com o setor defensivo do Cruzeiro. Quase todos localizam a instabilidade nos zagueiros, mas este blogueiro pensa que o problema está na volância. Leandro Guerreiro e Nilton são bons marcadores, mas não estão com funções definidas. Não sabemos quem sai mais e quem fica mais (pense em Paulinho e Ralf, por exemplo).

Mas, Dedé chegou. E com ele a segurança na zaga que a torcida precisava. Porém, estou esperando muito mais os testes de Henrique ou Lucas Silva no meio para ver como se encaixam neste time. Aparentemente, Lucas Silva jogará neste domingo contra o Tupi, mas não será um 4-2-3-1 e sim num 4-3-1-2 losango ao lado de Tinga, com Nilton no suporte e Diego Souza na ligação. Terá liberdade para atacar. Sorte para o garoto.

Ademais, o time está se encaixando mais rápido do que esperávamos, e não só o time titular. O Cruzeiro hoje tem mais do que 11 titulares, e isso é um luxo que poucos times no Brasil podem ter. O esquema base está definido, variações estão sendo treinadas e têm dado certo em determinadas situações de jogo. Podemos esperar, sim, um bom ano em 2013.