Flamengo 3 x 0 Cruzeiro – Supresa desagradável

Você já viu algumas vezes aqui neste blog explicações pelos “atrasos” nas análises pós-jogo. No caso do último domingo, porém, as mesmas razões de sempre acabaram por ajudar. Afinal, a atuação celeste foi de dar raiva, e assim como jogadores e treinadores de sangue quente após a partida tem grandes chances de falar asneiras, também este blogueiro sofreria do mesmo mal. O tempo foi bom para poder analisar os fatos de maneira fria.

Pela primeira vez no Brasileirão, o Cruzeiro perdeu duas vezes seguidas. E nesta segunda derrota, não é preciso ser expert para saber que o problema principal da foi o excesso de erros defensivos individuais. Mas como este blog fala de tática, o novo sistema que Marcelo Oliveira foi obrigado a usar também foi, na opinião deste, um dos motivos do revés.

A surpresa

O surpreendente 4-1-4-1 celeste com Nilton entre as linhas teve dificuldade de dar a volta no 4-4-2 em linha do Flamengo, pois não tinha força criativa central

O surpreendente 4-1-4-1 celeste com Nilton entre as linhas teve dificuldade de dar a volta no 4-4-2 em linha do Flamengo, pois não tinha força criativa central

Diante da indisponibilidade de TODOS os centrais do elenco – Éverton Ribeiro na seleção e Ricardo Goulart, Júlio Baptista e Tinga lesionados – e da atuação insegura de Marlone na função diante do Corinthians, Marcelo Oliveira fez uma coisa inédita em todo o seu tempo de Cruzeiro. Iniciou uma partida num esquema diferente do 4-2-3-1 usual.

Nilton foi o escolhido para entrar na equipe, e assim o Cruzeiro se armou num 4-1-4-1. A meta de Fábio foi protegida por Mayke à direita, Egídio à esquerda e Dedé e Manoel na zaga central. Nilton ficou à frente da área, com Henrique e Lucas Silva ligeiramente mais à frente, completando a trinca de volantes. Marquinhos fechou o lado direito, com Alisson pelo outro lado e Moreno fazendo a referência na frente.

Já o Flamengo de Vanderlei Luxemburgo entrou no mesmo 4-4-2 que jogou na última partida. Luxemburgo não tinha João Paulo, e optou pelo estreante Anderson Pico na lateral esquerda. À frente do goleiro Paulo Victor, Marcelo e Wallace fizeram a dupla de zaga, e o veterano Léo Moura fechou o lado direito da defesa. A segunda linha começava à direita com Márcio Araújo, mais contido, próximo a Canteros e Cáceres, liberando um pouco mais Éverton pelo outro lado. Na frente, Eduardo da Silva e Alecsandro.

Dificuldade de criar

Ciente das limitações de seu time, e do poderio celeste, Luxa optou pela estratégia de dar a bola ao Cruzeiro e tentar parar o ataque celeste e partir em contragolpes, mesmo em casa. Portanto, cabia ao Cruzeiro, enquanto time que tinha a posse de bola, encontrar espaços ou criá-los a partir da movimentação ofensiva – nenhuma novidade para o time de Marcelo.

Porém, a tarefa do Flamengo foi facilitada diante de um Cruzeiro pouco acostumado a jogar no novo sistema. Sem um jogador central ocupando o espaço entre os volantes cariocas, e com Marquinhos e Alisson presos pelos lados do campo, caiu nos pés de Lucas Silva e Henrique a tarefa de criar e aparecer na frente para concatenar as jogadas ofensivas. E por mais que Lucas e Henrique saibam bem o que fazer com a bola nos pés, ainda são volantes. A função deles é marcar e dar o primeiro passe. Mas quando é deles a responsabilidade de construir a jogada propriamente dita, encontrando companheiros e boas posições de finalizar ou de dar o último passe, a jogada não flui.

Os erros defensivos

Diante disso, e de um Flamengo feliz em apenas repelir as tentativas celestes, o primeiro tempo tinha tudo pra terminar com o placar em branco. Mas isso não aconteceu, porque Egídio errou o drible e perdeu a bola para Márcio Araújo, que imediatamente acionou Alecsandro exatamente no espaço em que Egídio deveria estar. O cruzamento foi ruim, e Fábio faria a defesa tranquilamente, se Dedé não “intervisse”.

O gol deu uma certa tranquilidade ao Flamengo, que parou de pressionar no alto do campo. O Cruzeiro lentamente tentou se recuperar, e até conseguiu criar algumas chances, a mais clara delas a inversão para Egídio já dentro da área, que assistiu Moreno de cabeça. A bola ficou um pouquinho longe, e Moreno se esticou e conseguiu desviar, mas não com força suficiente.

Mudanças de sistema, mas…

Depois do intervalo, o Cruzeiro voltou ao 4-2-3-1 diante de um Flamengo no 4-1-4-1, e teve mais volume, mas cometeu mais dois erros defensivos individuais e matou o seu próprio jogo

Depois do intervalo, o Cruzeiro voltou ao 4-2-3-1 diante de um Flamengo no 4-1-4-1, e teve mais volume, mas cometeu mais dois erros defensivos individuais e matou o seu próprio jogo

Mesmo tendo mais posse de bola e mais finalizações que o Flamengo, o Cruzeiro ficou longe do volume ofensivo que normalmente tem. Por isso, Marcelo voltou para o 4-2-3-1 com Willian na vaga de Nilton. Com isso, o Cruzeiro agora tinha Alisson como meia central. Luxemburgo, querendo explorar ainda mais as subidas de Egídio, e ao mesmo tempo “fechar a casinha”, entrou com Gabriel na direita, centralizando Márcio Araújo ao lado de Canteros e recuando Cáceres para a frente da zaga – um novo 4-1-4-1. Os sistemas se inverteram.

Naturalmente, o Cruzeiro se avolumou, roubando as segundas bolas após as tentativas repelidas pelo Flamengo e continuando a pressão. Mas nenhum sistema tático ou estratégia resiste a mais um erro defensivo capital. A falha de comunicação entre Manoel e Fábio definiu o jogo logo aos 12 minutos do segundo tempo. E, como se não bastasse, poucos minutos depois, em mais um chutão da zaga carioca, Manoel perdeu dividida para Alecsandro pelo alto e demorou a se recuperar para acompanhar Éverton. Alecsandro avançou pela esquerda sem ser incomodado, já que Egídio estava no campo de ataque, e cruzou para Éverton, sozinho dentro da área e longe de Manoel, completar sem chances para Fábio.

Substituições inúteis

Marcelo Oliveira bem que tentou. Mas o jogo já estava 3×0 quando Marlone entrou na vaga de Marquinhos, novamente jogando Alisson para a ponta esquerda e invertendo Willian. Depois, uma troca direta, Moreno por Borges. Mas pouco adiantou. Ironicamente, Marlone foi o único jogador que obrigou Paulo Victor a fazer uma defesa – todas as outras finalizações foram bloqueadas pela zaga carioca ou para fora.

Luxemburgo simplesmente gastou sua última troca – já havia trocado seis por meia dúzia ainda no primeiro tempo, com Wallace por Chicão – para lançar Muralha na vaga de Márcio Araújo. O Flamengo facilmente repeliu as investidas celestes, garantindo o zero no placar celeste.

Não é só Ribeiro e Goulart

É claro que o Cruzeiro sentiu falta dos selecionáveis, que fariam falta em qualquer time do Brasil. Mas não foi apenas a ausência de Ribeiro e Goulart que minou o poderio ofensivo celeste. Todos os jogadores da mesma posição não estavam disponíveis, e isso obrigou Marcelo a mudar o sistema, sem ter tempo pra treiná-lo.

Não dá pra botar a culpa da derrota na mudança de sistema. Mas talvez a história fosse outra se o Cruzeiro iniciasse o jogo na formação em que está acostumado a jogar. Fosse um 4-2-3-1, o Cruzeiro certamente teria mais volume, como teve já no início do segundo tempo, e a chance e ir para os vestiários com pelo menos um gol seria maior.

Apesar da maior posse de bola, o Cruzeiro só deu um chute na direção do gol -- no finzinho e bem de longe

Apesar da maior posse de bola, o Cruzeiro só deu um chute na direção do gol — no finzinho e bem de longe

Mas, como disse no texto, não há sistema que resista a erros defensivos individuais como os cometidos por Dedé e Manoel. Na coletiva pós-jogo, Marcelo Oliveira disse que não estava muito preocupado, porque o Cruzeiro não foi massacrado. De fato, teve posse de bola, mais finalizações, principalmente no primeiro tempo, mas não foi capaz de sequer ameaçar a meta de Paulo Victor.

Portanto, o blog discorda de Marcelo. Pois mesmo que o Cruzeiro não tenha sido dominado, teve desequilíbrio ofensivo, com pouca produção, e defensivo, com erros em demasia. E isso é, sim, sinal de preocupação.



Cruzeiro 2 x 1 Internacional – Correr, construir, controlar

Cruzeiro e Internacional protagonizaram grandes duelos no passado, principalmente na década de 70, quando o Cruzeiro se vingou da derrota na final do Brasileiro com uma vitória na Libertadores do ano seguinte, que culminaria no título. E o jogo deste sábado não ficou pra trás, disputado e tecnicamente agradável.

Mas além destes fatores, houve também um duelo tático interessantíssimo entre os dois treinadores. Abel Braga fez o primeiro movimento e complicou muito o jogo, mas Marcelo Oliveira respondeu à altura e garantiu o resultado.

Escalações iniciais

Domínio total do Cruzeiro no 1º tempo de muita intensidade, contra um 4-1-4-1 frágil pelos lados e com volantes celestes livres e com tempo na bola

Domínio total do Cruzeiro no 1º tempo de muita intensidade, contra um 4-1-4-1 frágil pelos lados e com volantes celestes livres e com tempo na bola

Com Ricardo Goulart e Júlio Baptista lesionados, era natural que Marcelo optasse por Éverton Ribeiro como meia central do 4-2-3-1 costumeiro. Com isso, o gol de Fábio foi protegido por Dedé e Manoel, com Mayke e Egídio fechando os lados da defesa. Protegendo a área, Henrique e Lucas Silva formavam o meio-campo com Marquinhos à direita, Ribeiro central e Willian pelo lado esquerdo, atrás do centroavante Moreno.

Já Abel Braga não tinha Eduardo Sasha, e criou-se uma expectativa pelo substituto do ponteiro esquerdo. O treinador do Internacional optou por Valdívia mais surpreendeu, tirando Alex do time e armando um 4-1-4-1, com Dida no gol, Gilberto na lateral direita, Paulão e Juan na zaga central e Fabrício fechando o lado esquerdo da defesa. Willians ficou entre a defesa e segunda linha formada, da direita para a esquerda, por D’Alessandro aberto, Aranguiz e Wellington mais centralizados e Valdívia na outra ponta. Na frente, Rafael Moura duelava com os zagueiros celestes.

Volantes livres

Diferentemente do que anunciara durante a semana, Abel postou seu time marcando a partir da linha do meio-campo, tentando tirar a velocidade que o Cruzeiro queria impor. A ideia era parar o ataque do Cruzeiro e acionar Valdívia e D’Alessandro pelos lados para os contra-ataques. Ou seja, a mesma coisa que quase todos os times que vieram ao Mineirão tentaram. Eis o respeito que quase dois anos de bom futebol impõem.

Mas, ao contrário de vários outros times, o Internacional não se preocupou com a marcação de Lucas Silva e Henrique. Os próprios volantes do Internacional ficavam muito próximos à própria área, distantes dos volantes celestes. Assim, ambos tiveram bastante tempo na bola e liberdade para levantar a cabeça e iniciar a construção, alavancando as estatísticas de posse de bola celeste.

Dois contra um

Com isso, D’Alessandro e Valdívia acabavam por tentar ajudar, indefinindo a marcação: ou fechavam nos volantes ou perseguiam os laterais subirem livres. Não dúvida, não fizeram nenhuma das duas coisas bem, e o resultado foi que tanto Egídio quanto Mayke subiam e faziam dois contra um junto com Willian e Marquinhos em cima de Gilberto e Fabrício.

Em um determinado lance, foi possível ver D’Alessandro perto de Egídio, preparado para acompanhar o lateral celeste caso ele subisse, mas a bola chegou nos pés de Lucas Silva, livre. O argentino então decidiu centralizar para marcá-lo, e bastaram dois passes para que a bola chegasse nos pés de Egídio, sem marcação e já numa posição avançada do campo, fora do alcance de D’Alessandro.

Marquinhos do lado “errado”

E outro fator que contribuiu para o desmoronamento da estratégia gaúcha foi o posicionamento de Marquinhos. Normalmente, o ponteiro joga pela esquerda, mas nesse jogo Marcelo optou por invertê-lo de lado com Willian para que ele pudesse marcar Fabrício, o mais ofensivo dos dois laterais adversários. Marquinhos cumpriu bem a função e ainda jogou bem com a bola, como visto no segundo gol.

Tudo isso contribuía para que o jogo fosse totalmente dominado pelo Cruzeiro no primeiro tempo: intensidade ofensiva e defensiva, volantes com liberdade, laterais sem marcação quando apoiavam.

A marcação no alto do campo, pressionando o homem da bola, gerou o primeiro gol, em que Moreno bloqueia o passe de Aranguiz, a bola sobra para Willian, que limpa o marcador com um drible, mas o próprio Moreno “rouba” a conclusão de Willian para vencer Dida. E em jogada pelo lado esquerdo, onde o Cruzeiro tinha superioridade numérica, cruzamento de Éverton Ribeiro para Marquinhos, livre do lado contrário, marcar o segundo.

Com Alex, Internacional mudou para um 4-2-3-1 e  tinha superioridade numérica com o movimento do meia da direita para o centro, causando problemas para Lucas Silva e Henrique

Com Alex, Internacional mudou para um 4-2-3-1 e tinha superioridade numérica com o movimento do meia da direita para o centro, causando problemas para Lucas Silva e Henrique

Inferioridade numérica no centro

O Cruzeiro voltou para o segundo tempo mais cadenciador, tentando descansar com a bola. Já o Internacional fez o contrário: começou a correr e querer roubar a bola de qualquer forma. Mas foi a alteração de Abel no intervalo que mudou o panorama da partida. Wellington deu seu lugar a Alex, que entrou pela esquerda do ataque; Valdívia foi pro outro lado, D’Alessandro centralizou e Aranguiz recuou para perto de Willians, formando o novo 4-2-3-1.

Com a bola, Alex centralizava e se aproximava de D’Alessandro, causando problemas na marcação para Lucas Silva e Henrique. Tanto na jogada que gerou a falta que bateu na trave quanto no gol, Alex e D’Alessandro se encontravam em posições centrais, e no lance do gol especificamente, os dois meias tabelaram e deram a volta na marcação dos volantes celestes.

A resposta de Marcelo

Marcelo Oliveira não estava gostando do que estava vendo e demorou a achar uma solução, mas achou. De uma só vez, tirou Éverton Ribeiro e Willian, lançando Nilton e Dagoberto, formando um 4-1-4-1 que remediava a inferioridade numérica no meio, mas perdia em capacidade de criação.

Marcelo Oliveira respondeu com Nilton e Dagoberto, configurando um 4-1-4-1 que encaixou a marcação e corrigiu o problema de inferioridade numérica no centro

Marcelo Oliveira respondeu com Nilton e Dagoberto, configurando um 4-1-4-1 que encaixou a marcação e corrigiu o problema de inferioridade numérica no centro

O jogo reequilibrou e o Internacional não conseguia mais chegar com facilidade. Até ficava mais com a bola, mas com a marcação encaixada, os volantes e zagueiros adversários, agora com tempo pra pensar, não tinham opções de passe. O Internacional parou de ameaçar a meta de Fábio, e o Cruzeiro controlava o jogo sem ter a bola em seus pés.

Outras trocas

Sem alternativas, Abel tentou mais velocidade com Leandro na vaga de Valdívia, sem sucesso, e depois abrindo o time de vez com Alan Patrick na vaga de Willians. Aranguiz passou a ser o volante único, mas o tiro saiu pela culatra e quem passou a dominar o meio-campo foi o Cruzeiro, já que o Internacional também arrefeceu o ritmo. A partir de então teve mais chances reais de ampliar do que sofrer o empate.

Borges ainda entrou na vaga de Moreno, mas apenas para fazer o tempo passar e garantir a vitória e aumentar a diferença para o vice-líder para impressionantes nove pontos.

A linha do tempo mostra as quatro fases distintas do jogo: 1- Cruzeiro arrasador até o 1ª gol; 2- Cruzeiro menos intenso mas ainda dominando até o fim do primeiro tempo; 3- Internacional tentando contra Fábio até a entrada de Nilton; 4- controle do jogo sem a bola até o final.

A linha do tempo mostra as quatro fases distintas do jogo: 1- Cruzeiro arrasador até o 1º gol; 2- Cruzeiro menos intenso mas ainda dominando até o fim do primeiro tempo; 3- Internacional tentando contra Fábio até a entrada de Nilton; 4- controle do jogo sem a bola até o final.

Maturidade para dosar o esforço

No último texto, questionei se a falta de intensidade do Cruzeiro nas últimas partidas havia sido uma coisa pensada ou se era um resultado natural do cansaço pelas partidas em sequência. A resposta veio nesse jogo, e foi um pouco das duas coisas: a temporada desgastante fez com que Marcelo usasse conscientemente uma estratégia mais cautelosa para diminuir o cansaço dos jogadores. Tudo visando os jogos mais importantes, como este contra o Internacional, o perseguidor mais próximo.

Ao que parece, a estratégia funcionou bem e os jogadores deram o máximo durante os primeiros 45 minutos, construíram o placar e apenas controlaram no segundo tempo, ainda que o Internacional tenha tido um domínio devido à entrada de Alex no time. Isso é sinal de um time maduro, que sabe em que momentos deve acelerar ou cadenciar o jogo. E mais: sabe também em que momentos da temporada deve se poupar para poder usar mais gás nas partidas decisivas.

E, com a reta final da temporada começando, o fator desgaste pesa ainda mais, para todas as equipes. Saber dosar o esforço será fundamental. E até nisso o Cruzeiro parece sair na frente.



Cruzeiro cauteloso: escolha ou desgaste?

Problemas técnicos impediram este blog de publicar análises mais aprofundadas sobre os dois últimos jogos pelo Brasileirão. Inclusive, estive in loco no empate sem gols contra o Sport na Arena Pernambuco. De volta à ativa, darei portanto breves pitacos nestas partidas e também na partida de ontem contra o ABC pela Copa do Brasil.

Há no futebol (e no esporte em geral) uma velha máxima: a melhor defesa é o ataque. Em alguns casos, de fato: se você está atacando, o adversário não está te atacando e, portanto, você nem precisa defender. Mas essa é uma visão muito simplista. O correto é dizer: a melhor defesa, em alguns casos, é o ataque. Ou melhor: a melhor defesa nem sempre é o ataque.

Depois da derrota no clássico, o Cruzeiro jogou três partidas. E pelo menos um aspecto houve em comum em todas elas, ocasionado por diferentes razões: o Cruzeiro foi mais cauteloso. Quando tinha a bola, preferia cadenciar em vez de atacar com muita intensidade, como fez bastante em 2013, para diminuir as chances de um passe errado que gere contra-ataques. Sem a posse, a equipe preferiu esperar na linha divisória, compactada em bloco médio, em vez de pressionar alto e forçar o erro do adversário.

Coritiba 1 x 2 Cruzeiro

No Paraná, o Cruzeiro fez um dos melhores primeiros tempos que vi neste ano defensivamente. O Coritiba – armado numa espécie de 4-3-3 que variava para 4-3-1-2 de acordo com o posicionamento de Alex (leia mais aqui) – teve tempo na bola, mas não conseguia entrar nas linhas celestes. Alex, ídolo nos dois clubes, não conseguia receber a bola em espaços perigosos porque o Cruzeiro os ocupava. Isso forçava o craque a voltar até na linha de zagueiros para receber a bola e tentar ver o jogo. Sem alvos, acabava devolvendo para outro zagueiro ou um volante e voltava a correr pra frente.

Tudo isso porque a postura defensiva do Cruzeiro estava diferente. Não foi o time que joga e deixa jogar: o Cruzeiro procurou primeiro destruir – ou no caso esperar o erro do adversário – para depois construir. Com a bola recuperada, aplicou velocidade suficiente pelos lados para criar as jogadas dos dois gols: um escanteio que gerou o pênalti em Nilton e um lançamento para Ceará, que avançou até achar Éverton Ribeiro livre do lado esquerdo.

No segundo tempo, o Cruzeiro relaxou um pouco, talvez pelo desgaste físico, e o Coritiba chegou mais perto da área, até pela entrada de Martinuccio no time na vaga de um dos volantes. Mas o Cruzeiro não quis explorar os novos espaços e se contentou em absorver a pressão do time da casa, que até marcou um gol, mas depois esbarrou no eficiente sistema de marcação celeste.

Sport 0 x 0 Cruzeiro

Nesta partida, pude observar de perto esta nova postura. Contra um Sport armando no mesmo 4-2-3-1 que o Cruzeiro, eu torcia constantemente para que Moreno avançasse em cima de um dos zagueiros pernambucanos e que os meias subissem a marcação atrás dele, mas isso não acontecia. Em um momento, consegui enxergar todos os dez jogadores de linha em um espaço de não mais que 15 metros: uma compactação que não deixava o Sport jogar e que deu tranquilidade a Fábio. Não sofrer gols foi uma consequência natural.

Atacando, o Cruzeiro até que teve algumas chances, mas da arquibancada eu sentia pouca aproximação entre os três meias, tão costumeira. O desgaste físico da viagem de Curitiba para Recife, e com jogos em espaço de tempo tão curto, parece mesmo ter feito alguma diferença. Sem essa proximidade, o jogo do Cruzeiro não fluía com a mesma intensidade, e o time pernambucano tinha seu trabalho de marcação facilitado.

Mesmo assim, foi o Cruzeiro quem criou mais chances, teve mais a bola nos pés e chutou mais a gol, principalmente no segundo tempo. Mas não foi suficiente para tirar o outro zero do placar.

Cruzeiro 1 x 0 ABC

O cansaço acusado pelos jogadores no Recife forçou Marcelo Oliveira a lançar mão de seu bom elenco, mandando a campo uma formação alternativa para o jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. Aqui, a razão para a falta de intensidade ofensiva e defensiva era a falta de ritmo e entrosamento. Borges, Dagoberto, Marlone e Willian não conseguiam muito se achar em campo, permanecendo muito estáticos em suas respectivas faixas do campo, sem as trocas costumeiras.

Some-se a isso o fato de que o time potiguar veio para perder de pouco, como esperado, e mal se aventurou no ataque para não ceder espaços. Com o time todo atrás, cabia a Nilton e Willian Farias iniciarem a construção. Mas ambos são volantes mais marcadores que passadores e tiveram certa dificuldade. No segundo tempo, Ricardo Goulart, que estava sendo poupado, entrou e, como mágica, o time instantaneamente melhorou. É impressionante como Goulart praticamente força seus companheiros a se mexerem, saindo do centro e caindo pelas pontas. Assim, quem está nas pontas procura o meio e isso acaba confundindo a marcação.

O Cruzeiro teve bem mais volume de jogo e tentou chutar mais vezes, mas o ABC continuou se defendendo bem. Faltava o capricho no último passe – sempre ele. Assim, o time potiguar não permitiu que o Cruzeiro criasse muitas chances: duas finalizações certas, sendo que só a de Egídio no primeiro tempo foi com bola rolando. A outra foi o gol de Léo, num escanteio.

Na parte defensiva, o Cruzeiro não foi tão seguro, cometeu alguns erros, mas também teve a mesma estratégia: não pressionar os zagueiros adversários no alto do campo. O ABC porém preferia entregar a bola para o Cruzeiro e tentar especular nos contra-ataques. Fábio não fez nenhuma defesa no jogo todo.

Diagnóstico: novo padrão ou resguardo?

Como vimos, nas três partidas o Cruzeiro optou por uma postura mais cautelosa defensivamente. Contra o Coritiba, fechou as linhas e esperou o adversário errar; contra o Sport, o desgaste pareceu ser o fator principal na falta de intensidade; e contra o ABC, o time reserva estava mais descansado, mas a falta de ritmo não permitiu a marcação alta.

Esta postura foi mais acentuada nas últimas partidas, mas o fato de o Cruzeiro atacar um pouco menos já podia ser visto no número de finalizações, se comparado ao do ano passado. É uma equipe que ainda ataca muito, mas menos do que antes. Duas possíveis causas: o respeito dos adversários, o que faz com que eles se armem todos atrás dificultando as ações ofensivas; e a maturidade do time, que está preferindo dosar o ritmo para não se desgastar. No fim das contas, provavelmente é uma mistura das duas coisas.

Dados da Footstats do Campeonato Brasileiro mostram: Cruzeiro finaliza menos este ano do que no ano passado

Dados da Footstats do Campeonato Brasileiro mostram: Cruzeiro finaliza menos este ano do que no ano passado

Fica a pergunta: seria este comportamento do sistema defensivo celeste uma nova forma de jogar ou é apenas temporária devido ao desgaste da temporada? Só saberemos de fato nas próximas partidas.



Cruzeiro 2 x 1 Bahia – Vice-versa

Com algum atraso, eis as notas táticas da difícil partida contra o Bahia no Mineirão. Depois de um primeiro tempo sem intensidade ofensiva e com problemas na marcação pela direita, o Cruzeiro reagiu já no início da segunda etapa, mesmo antes da expulsão. É verdade que o pênalti e o cartão vermelho diminuíram a dificuldade da virada, mas ninguém pode dizer que o Cruzeiro não venceria mesmo se esses lances não tivesse acontecido.

No fim, o time celeste ainda correu um risco desnecessário ao acelerar demais a partida mesmo tendo um homem a mais — a cadência, para proteger a bola e não dar chances a contras, seria o mais indicado. Felizmente, o Bahia não conseguiu sequer chutar a gol nesses momentos.

Escretes iniciais

No primeiro tempo, o 4-1-4-1 do Bahia se aproveitou do posicionamento avançado demais de Mayke no 4-2-3-1 do Cruzeiro para chegar por ali; ofensivamente, Cruzeiro foi lento

No primeiro tempo, o 4-1-4-1 do Bahia se aproveitou do posicionamento avançado demais de Mayke no 4-2-3-1 do Cruzeiro para chegar por ali; ofensivamente, Cruzeiro foi lento

Com a volta dos selecionáveis, Marcelo Oliveira tinha todos os jogadores à disposição, exceto os dois laterais esquerdos e o suspenso Dedé. Assim, seu 4-2-3-1 teve Ceará pela esquerda na linha defensiva, com Manoel e Léo no miolo e Mayke à direita, protegendo o gol de Fábio. Henrique e Lucas Silva reeditaram a parceria titular na proteção, atrás de Éverton Ribeiro na ponta direita, Ricardo Goulart por dentro e Marquinhos pela esquerda, todos procurando o centroavante Marcelo Moreno.

Já o Bahia do técnico Gilson Kleina tinha três atacantes na formação, mas se postava em um 4-1-4-1 sem a bola. Do gol, Marcelo Lomba viu Lucas Fonseca e Titi ficarem na zaga central, com Railan fechando pela direita e Guilherme Santos pelo outro lado. Fahel ficou à frente da zaga, entre as duas linhas de quatro. Rafinha protegia o lado direito, Léo Gago e Rafael Miranda ficavam mais centralizados e Rhayner ocupava a ponta esquerda. Solitário à frente ficava Maxi Biancucchi.

O setor direito

O Cruzeiro iniciou o jogo já tentando se impor, como sempre faz quando joga no Mineirão. Com o meio lotado por três volantes, o caminho natural era procurar os lados. Na esquerda, não só por estar improvisado mas também por fazer melhor a composição da linha, Ceará não avançava muito, tendo o bloqueio de Rafinha à sua frente. Mas do lado direito, Mayke foi ao fundo com bastante ousadia. Naturalmente, o Cruzeiro procurou o jogo por aquele setor, com Éverton e Goulart se achando por ali mas esbarrando na bem postada defesa baiana.

O problema, porém, era que Mayke deixou muitos espaços às suas costas. Por vezes, a formação celeste parecia ter três zagueiros, pois Mayke ficava muito avançado e Manoel acabava abrindo para fazer a cobertura. Não por acaso, foi por esse setor que o Bahia criou suas poucas chances no primeiro tempo: numa delas, a bola cruzou a extensão da área e sobrou para Rafael Mirando completar do outro lado e abrir o placar.

 

Os mapas de calor no primeiro tempo mostra: Mayke avançou demais e desguarneceu o lado direito da defesa, obrigando Manoel a fazer a cobertura

Os mapas de calor no primeiro tempo mostra: Mayke avançou demais e desguarneceu o lado direito da defesa, obrigando Manoel a fazer a cobertura

Com a bola

Quando perdia a bola, a estratégia do Bahia era de pressionar alto para tirar a saída veloz do Cruzeiro, e assim que o time fosse recomposto no 4-1-4-1, recuar as linhas e esperar. Em outras palavras, tirar a velocidade do jogo, cadenciar o ritmo do adversário. Cabia ao Cruzeiro acelerar a transição para pegar a defesa do Bahia desarrumada, mas não foi isso que o time celeste fez. Entrou na estratégia do time visitante e cadenciou. Recomposta, a defesa do Bahia não dava espaços e fez um bom primeiro tempo.

As duas bolas na trave no primeiro tempo parecem contradizer o descrito no parágrafo acima, mas o cabeceio de Manoel e o tirambaço de Lucas Silva foram lances de bola parada. Só no final do primeiro tempo o Cruzeiro aceleraria o suficiente para um contra que Marcelo Moreno chutou pra fora.

Segundo tempo

Marcelo Oliveira trocou Marquinhos por Alisson, numa tentativa de dar a intensidade que o Cruzeiro precisava com a bola. E deu muito certo. Nos primeiros minutos, o Bahia mal tocou na bola até o pênalti bem discutível cometido por Guilherme Santos em Goulart. Por reclamação exagerada, Titi levou dois amarelos no mesmo lance e foi expulso. Éverton converteu e igualou o marcador.

Com 11 contra 10, pareceria um jogo mais fácil, mas não foi. Gilson Kleina simplesmente recuou Fahel para a zaga e recompôs o time num 4-4-1, refazendo as duas linhas de quatro. O Cruzeiro continuou em cima, mas tinha dificuldade de dar o passe final. Marcelo, então, fez a sua variação tática mais comum nessa situação: tirou Henrique e lançou Dagoberto, recuando Éverton para armar de trás e chegar, e ao mesmo tempo avançando Ricardo Goulart para bem próximo de Moreno. Sem a bola, o 4-2-3-1 com Éverton como segundo volante, e atacando, um 4-1-3-2 com dois jogadores abertos e dois na área.

O time da virada tinha Goulart bem próximo a Moreno e dois ponteiros, com Éverton armando de trás, sufocando o 4-4-1 baiano

O time da virada tinha Goulart bem próximo a Moreno e dois ponteiros, com Éverton armando de trás, sufocando o 4-4-1 baiano

O efeito foi rápido. Entre a troca e o gol da virada, houve um espaço de 9 minutos em que Moreno e Goulart chutaram contra o gol de Marcelo Lomba nada menos do que 7 vezes. Uma delas foi o gol, com assistência de Moreno fazendo o pivô.

Gilson Kleina reagiu imediatamente e fez as três trocas quase sem sequência. Os três dianteiros deram seus lugares a Branquinho, William Barbio e Alessandro. Mas não houve alteração tática, eram apenas pernas mais descansadas para usar velocidade nos contras. Mas com dez homens é mais difícil, pois após os ataques celestes repelidos, a bola sempre acabava sobrando nos pés cruzeirenses — uma consequência natural de se ter um homem a mais.

Com a vantagem no placar, Marcelo reequilibrou o time, sacando Goulart para poupá-lo de levar o terceiro amarelo e ficar fora do jogo contra o São Paulo, e lançando Nilton. Com isso, Éverton Ribeiro voltou a ser o meia central.

Vice-versa

Se no primeiro tempo o Cruzeiro precisava acelerar para encontrar os espaços na defesa baiana antes que fossem preenchidos, após a virada e com vantagem numérica em campo, o Cruzeiro precisava fazer o contrário: cadenciar, para reter a posse de bola e também para encontrar os espaços que certamente se abririam no sistema defensivo do Bahia com um homem a menos.

Entretanto, o Cruzeiro fez o contrário: acelerou. Mal recuperava a bola e já partia para o ataque, às vezes tentando um passe mais arriscado e concedendo a posse de bola, sem necessidade. Isso deu ao jogo um certo ar de dramaticidade para este que vos fala, pois o jogo não estava decidido ainda. Felizmente, o Bahia não conseguiu chutar a gol, mas o Cruzeiro correu um risco desnecessário ao tentar marcar o terceiro de maneira afobada. Tanto é que após o gol, o Cruzeiro ainda chutou mais onze vezes, completando 31 finalizações no total — recorde do campeonato.

Nada menos do que TODOS os jogadores de linha do Cruzeiro tentaram chutar pelo menos uma vez, somando 31 finalizações, recorde do BR 14 até aqui

Nada menos do que TODOS os jogadores de linha do Cruzeiro tentaram chutar pelo menos uma vez, somando 31 finalizações, recorde do BR 14 até aqui

Perspectivas para domingo

Agora, é o duelo contra o São Paulo no Morumbi, o jogo que certamente será o mais difícil até aqui. O time paulista tem jogado bem, mas não tão bem quanto a mídia paulista — obviamente — quer fazer parecer. Os comandados de Muricy sofreram no jogo contra o Botafogo: o time carioca tinha uma defesa frágil e sofreu três gols, mas mesmo assim marcou dois gols e Wallyson ainda teve duas chances cara a cara com Rogério Ceni e perdeu. O São Paulo só deslanchou após a expulsão infantil de Aílton, pisando na cabeça de Pato.

Já o Cruzeiro teve este problema defensivo com Mayke, que tem que ser corrigido, e ainda teve pouca velocidade ofensiva para superar a forte marcação baiana. Mas no segundo tempo, já era bem superior até mesmo antes do pênalti e da expulsão de Titi. É até seguro dizer que, mesmo sem o cartão vermelho para o zagueiro do Bahia, provavelmente o Cruzeiro teria conseguido a virada.

O duelo de domingo, no entanto, se desenha diferente. O São Paulo vai atacar, e com a posse de bola, como é sua característica. Ganso e Kaká vão cadenciar e tentar encontrar Kardec e Pato. O Cruzeiro pode ser ver defendendo mais do que o normal. Mas o time paulista também vai deixar espaços que o Bahia não deixou, exatamente por se lançar à frente. E diferente de seu rival, o Cruzeiro não tem o estilo de tocar a bola e ter muita posse — é bem mais vertical e veloz. Portanto essa é uma característica quase certa do jogo: São Paulo com a bola, e Cruzeiro agudo e eficiente.

Não considero “final antecipada”, pois em finais o vencedor normalmente sai campeão. Não é o caso aqui — nem mesmo se for uma vitória azul. É só um bom jogo.



Cruzeiro 3 x 0 Santos, Cruzeiro 1 x 0 Grêmio – Desmantelando muros

O calendário corre. Se o Cruzeiro, como todos queremos, chegar à final da Copa do Brasil, será quarta e domingo até dezembro — a próxima semana livre seria apenas entre a penúltima e a última rodada do Brasileirão. Com isso, o blogueiro também fica sem tempo. Por isso, abaixo seguem textos mais curtos sobre as partidas em casa contra Santos e Grêmio, antes de começar a rodada 17.

Com espaço

Cruzeiro 3 x 0 Santos

Para compensar a falta de trabalho defensivo de Robinho, volantes ficavam recuados para a cobertura e abriam espaço no meio, que o trio de meias celestes aproveitou

Na partida contra o Santos, ambos os times entraram num 4-2-3-1. Marcelo Oliveira manteve Mayke na lateral direita, e por isso todos esperavam o duelo com Robinho. Isso porque o santista joga normalmente pelo lado esquerdo do ataque, mas nessa partida, Oswaldo de Oliveira optou por escalá-lo do outro lado, provavelmente para explorar os espaços que Egídio deixa ao subir para o ataque.

Teria funcionado se esse movimento não ocasionasse um efeito cascata. Mesmo com Robinho, Egídio não deixou de apoiar, e Robinho não voltava com ele. Pra evitar o dois contra um em cima de Cicinho, os volantes do Santos iam para a cobertura, principalmente Alan Santos. Isso abriu uma cratera no meio campo, por onde os meias celestes tinham espaço para jogar. O Cruzeiro dominou todo o primeiro tempo, dando chances apenas quando errava os passes e as coberturas nos contra-ataques. Destaque para a atuação de Henrique, senhor do meio-campo, com 5 desarmes.

Na etapa final, Osvaldo entrou com Rildo na vaga de Damião, centralizando Robinho no ataque. A ideia era dar mais movimento e velocidade pelos lados, já que os contra-ataques entraram no primeiro tempo, mas o gol logo no início da segunda etapa acabou com os planos do time paulista. Este gol é fruto da total inteligência tática de Ricardo Goulart e merece destaque.

Depois de troca rápida de passes pela esquerda, Egídio acionou Willian. O bigode já estava longe do alcance de Cicinho, obrigando Edu Dracena a sair na cobertura. Assim que Edu abandona a área para dar o combate, Ricardo Goulart percebe o espaço nas costas do zagueiro e o ocupa, recebendo o passe e finalizando bem. É importante ressaltar que Goulart só faz isso porque Edu Dracena saiu do seu posicionamento. Se o zagueiro continuasse mantendo a linha, é bem provável que Goulart continuasse na frente da área esperando o passe lateral. Isso é inteligência tática: perceber os espaços, ir até eles e saber o que fazer quando chegar lá.

Com 2 x 0, o jogo assentou. O Cruzeiro apenas controlava o ritmo e o Santos tentou dar velocidade. Rildo, que havia entrado como ponteiro esquerdo, começou a levar perigo em cima de Mayke, que já havia levado o amarelo. Marcelo aproveitou a troca por Ceará para lançar também Júlio Baptista na vaga de Moreno, para segurar a posse no meio e dar cadência, tirar a velocidade do jogo que naquele momento favoreceria ao Santos. Goulart foi fazer a função na frente, mas logo depois sentiria um incômodo e seria trocado por Dagoberto, fazendo Éverton Ribeiro ser o central, com Dagoberto na direita e Júlio na referência.

Oswaldo até tentou colocar Leandrinho na vaga de Alan Santos, abrindo o time num 4-3-3 com um volante só para tentar diminuir. Mas o Cruzeiro ensaiou duas vezes o contra-ataque, errando sempre o último passe. No terceiro, Éverton passou a Júlio Baptista, que com um drible mágico tirou do carrinho de Dracena antes de completar pro gol e matar o jogo.

Sem espaço

Cruzeiro 1 x 0 Grêmio

Já na partida contra o Grêmio, o 4-3-2-1/4-5-1- de Felipão fechou o meio, e o único espaço disponível era o setor de Lucas Silva e Henrique

Na partida contra o Grêmio, porém, a postura do adversário foi diferente. Contra um Cruzeiro sem Moreno por força de contrato e com Júlio Baptista em seu lugar, Felipão fez o que devia ter feito no jogo contra a Alemanha e escalou três volantes, fechando todos os espaços no meio-campo. Além disso, Dudu e Luan, os meias, jogavam abertos em cima dos laterais e voltavam com eles. Apenas o jovem Ronan ficava à frente da linha do meio-campo, fazendo uma espécie de 4-5-1 com o meio em linha sem a bola. A consequência era que os meias celestes não tinham o mesmo espaço que tiveram na partida contra o Santos, dificultando muito as ações ofensivas.

Com 9 homens atrás da bola, o espaço para jogar se encontrava entre a linha divisória e a intermediária ofensiva. Assim, o Cruzeiro chegou mais quando os meias recuavam até este espaço para iniciar a construção, ou quando Henrique e Lucas Silva, que naturalmente jogavam por ali, faziam este primeiro passe. Lucas, no entanto, não estava em um bom dia e errou muitos passes, gerando os contra-ataques perigosíssimos do Grêmio que paravam nas mãos de Fábio. O primeiro tempo terminou com o placar em branco muito por conta da atuação do capitão celeste.

Na volta, Marcelo mandou Alisson a campo na vaga de Willian, que não fez bom primeiro tempo, errando muitos passes e interrompendo a construção do ataque. Alisson tinha a missão de não só manter a intensidade e dar profundidade do lado esquerdo. Do lado oposto, Felipão trocou Riveros por Edinho, por lesão. Agora o sistema parecia bem mais um 4-1-4-1, com Edinho bem próximo da defesa e fixo entre as linhas.

Com 3 minutos, Edinho foi amarelado, mas Lucas Silva e Henrique também foram — um sinal de um jogo brigado no meio. Temendo o vermelho, Marcelo mandou Nilton na vaga de Lucas, e depois queimou a regra três aos 17 minutos, com Dagoberto na vaga de Júlio Baptista. Goulart avançou para a referência, Éverton Ribeiro foi ser o central e Dagoberto entrou pela direita. O jogo continuou encardido, e só aí Felipão sentiu segurança para tentar algo mais. Tirou Ronan e lançou Fernandinho, ex-rival, como ponteiro. Com isso, Luan foi ser o centro-avante. A tentativa era a clássica: dar velocidade nos contras.

Mas as alterações não mudaram a partida. O Cruzeiro continuou tendo a posse da bola, e o Grêmio continuou fechadinho. A equipe gaúcha parecia feliz por empatar sem gols com o melhor time do Brasil fora de casa — de fato, teria sido um grande resultado. Teria, se Dedé não fizesse jogada de lateral e acertasse um dos dois cruzamentos certos do Cruzeiro em toda a partida. Dagoberto, que naquele momento era o ponteiro esquerdo, cabeceou fora do alcance de Grohe e fez o gol que valeu 5 pontos de folga na liderança. Felipão ainda tentou lançar Alan Ruiz, meia, na vaga de Riveros, mas a área de Fábio não foi mais ameaçada.

Demolição de muros

Tanto Santos como Grêmio mostraram formas de se tentar jogar contra o Cruzeiro no Mineirão. Oswaldo confiou em Robinho para decidir, pois abriu o meio-campo para deixá-lo sem responsabiliade defensiva. Arriscou e perdeu, pois Robinho não fez boa partida e o espaço fornecido foi fundamental na vitória por 3 a 0. Portanto, o Santos foi um bom exemplo de como não se portar.

Já Felipão não quis arriscar. Usou a política do “erro zero” na defesa, para pelo menos deixar o placar em branco e quem sabe conseguiu um gol na frente. Quase um anti-futebol, onde o importante é não perder. Considerando que o Cruzeiro impõe respeito, é compreensível. E apesar do resultado não ter sido favorável, a postura gaúcha na partida de quinta à noite abre um precedente perigoso para que outros treinadores tentem fazer o mesmo.

Existe uma máxima no futebol que diz: por mais que uma equipe seja inferior técnica e taticamente a outra, pelo menos uma ou duas chances de gol ela terá. E no livro “Os Números do Jogo” é mostrado, por análises estatísticas, que a chance de vitória aumenta mais quando se evita sofrer o primeiro gol do que quando se marca o primeiro gol. Esses dois fatos corroboram com a teoria do “erro zero”: defender-se bem e marcar nas poucas chances que aparecerem é uma estratégia válida.

É claro que nem todos os adversários terão a qualidade defensiva que o Grêmio teve, nem jogadores técnicos e rápidos o suficiente para ameaçar em contra-ataques. Mas esse futebol negativo, de reação, é o que podemos esperar de quase todos os adversários do Cruzeiro no Mineirão, e até de alguns outros times na sua própria casa.

E o Cruzeiro, como melhor time do Brasil, tem a obrigação de desmantelar esses muros — para o bem do futebol brasileiro.