Cruzeiro 4 x 2 Chapecoense – Nota 10

Quem acompanha este espaço há mais tempo sabe que às vezes uso referências do site WhoScored.com, um site especializado em estatísticas futebolísticas e que usa dados gerados pela Opta Sports. Lá, eles possuem um sistema que dá uma nota para cada jogador em uma determinada partida de acordo com a influência no resultado.

O título deste texto é em homenagem à nota que Mayke recebeu nesta partida. Em quase dois anos acompanhando o site, este blogueiro nunca tinha visto tal número. As três assistências falam por si só, mas o jovem lateral foi muito mais do que isso. Sua atuação foi decisiva principalmente por explorar bem o único espaço que o adversário cedeu na partida: os lados do campo.

Esquemas

A "árvore de natal" (4-3-2-1) da Chapecoense que marcou o 4-2-3-1 do Cruzeiro com meias centralizados, encaixotando Goulart e dando espaço pelos lados

A “árvore de natal” (4-3-2-1) da Chapecoense que marcou o 4-2-3-1 do Cruzeiro com meias centralizados, encaixotando Goulart e dando espaço pelos lados

Depois de poupar os selecionáveis Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart, Marcelo Oliveira voltou com a força máxima para este duelo, tendo apenas que escalar Samudio na vaga de Egídio. O outro lado da linha defensiva do goleiro Fábio tinha Mayke, com Dedé e Léo novamente na parceria de miolo de zaga. Lucas Silva e Henrique protegiam a última linha e ajudavam Éverton Ribeiro — partindo da direita para dentro, Ricardo Goulart — do centro para a frente, e Willian na esquerda, procurando Marcelo Moreno na área.

Já o técnico da Chapecoense, Celso Rodrigues, mandou a campo um sistema pouco comum, um 4-3-2-1 com os meias bem centralizados. O gol de Danilo foi protegido pelos zagueiros Jaílton e Rafael Lima, com Ednei fechando pela direita e Neuton pela esquerda. Wanderson ficou à frente da zaga, muito plantado, quase formando uma linha de cinco. Dedé e Abuda eram os volantes de lado, mas bem próximos do central. Mais à frente, Camilo e Zezinho perseguiam a dupla de volantes do Cruzeiro, deixando Bruno Rangel solitário à frente.

Espaço pelos flancos

A ideia do técnico visitante era muito provavelmente lotar o setor por onde o Cruzeiro é mais perigoso: a intermediária ofensiva. Para isso colocou cinco jogadores praticamente cercando Ricardo Goulart, para garantir a superioridade numérica no setor e não perder a posse de bola. Por conta disso, Goulart participou pouco do jogo no primeiro tempo, e Éverton Ribeiro não tinha com quem dialogar e nem espaço para conduzir no meio. O passe para Willian ficou distante, porque a bola não conseguia transitar por ali.

Mas, como sempre acontece, isso deixa outros setores descobertos, e esses eram as laterais. Com cinco jogadores centralizados, os corredores ficaram livres. O bloco de meio-campistas até se movimentava lateralmente para fechar o espaço, mas deixava o outro descoberto. E Lucas Silva e Henrique conseguiam recuperar o passe de retorno e mudar de lado com qualidade. Assim, trocando passes e com paciência, o Cruzeiro chegou com facilidade pelos lados até a área da Chapecoense. Não raro víamos dois contra um nos laterais do time catarinense e um jogador celeste aparecia ao lado da área com a posse da bola.

A partir daí, o problema foi outro. Sem ângulo para chutar e sem opção de passes rasteiros, a solução foi levantar a bola na área. Havia alvos, é verdade, mas a qualidade dos cruzamentos não foi boa. Por vezes, era muito forte e saía por cima ou chegava do outro lado da área; por vezes muito fechado em cima do goleiro. Quando o cruzamento saía na medida, os zagueiros da Chapecoense conseguiam tirar. Nas contas do Squawka (com dados da Opta Sports), ao todo foram 31 cruzamentos na área, sendo apenas 5 certos, e desses, 2 só foram computados como certos porque chegaram em um companheiro do outro lado da área.

Os cruzamentos do Cruzeiro no 1º tempo foram excessivos e ineficientes, indicando facilidade de chegar pelos lados mas ansiedade para definir

Os cruzamentos do Cruzeiro no 1º tempo foram excessivos e ineficientes, indicando facilidade de chegar pelos lados mas ansiedade para definir

Defendendo

Quando perdia a bola, o Cruzeiro fazia a velha e boa pressão alta. Com intensidade, obrigou os jogadores da Chapecoense a tomarem decisões precipitadas e entregarem a posse, seja em erro de passe, seja em perda de bola. O time catarinense tentou exatamente 100 passes no primeiro tempo, o que já é pouco, e ainda completou apenas 57 deles, novamente de acordo com o Squawka/Opta. Uma taxa de acerto baixíssima.

O gol foi apenas a segunda finalização do time no primeiro tempo, e também a última. A destacar apenas que o Dedé, o autor do chute original, teve muita liberdade para arriscar, mesmo sendo de longe. E isso pode decidir uma partida. Felizmente, não foi o caso.

O mapa de passes mostra como o Cruzeiro obrigou a Chapecoense a se precipitar nos passes: apenas 57% de acerto nas poucas tentativas

O mapa de passes mostra como o Cruzeiro obrigou a Chapecoense a se precipitar nos passes: apenas 57% de acerto nas poucas tentativas

Alisson e Mayke

Este blogueiro apostava numa alteração ousada, tirando um dos volantes se recuando Éverton para pensar o jogo de trás, fora da área do quinteto de meias da Chapecoense. Mas Marcelo Oliveira optou por Alisson na vaga de Willian, principalmente para dar profundidade do lado esquerdo em cima do lateral Ednei. Já Celso Rodrigues trocou um volante por outro. Abuda, amarelado, deu lugar a Diones, mantendo o sistema que deu tão certo no primeiro tempo.

O jogo recomeçou e víamos o Cruzeiro ligeiramente menos afobado, chegando novamente com facilidade pelos lados mas tentando fazer algo diferente. Lucas Silva e Mayke arriscaram chutes de longe. E se na etapa inicial o Cruzeiro acertou poucos levantamentos, no segundo tempo a primeira bola alçada, de Alisson, achou a cabeça de Léo para empatar o jogo. E aí começou o show de Mayke.

Enquanto teve liberdade, o jovem lateral foi muito acionado e não fugiu à responsabilidade. Apoiou o ataque sem medo e com velocidade, tendo o suporte de Samudio do outro lado — o paraguaio se limitou à marcação no segundo tempo. Primeiro, um levantamento que achou Moreno sem marcação na área, com Goulart fazendo um papel importante de atrair o zagueiro. Depois, outro levantamento que achou Alisson livre na segunda trave, atrás da defesa.

Mudança e resposta rápida

Após o quarto gol, Cruzeiro deu ritmo a Nilton e Dagoberto; Chapecoense voltou ao modo com três volantes mas com Zezinho central e Tiago Luís aberto pela esquerda

Após o quarto gol, Cruzeiro deu ritmo a Nilton e Dagoberto; Chapecoense voltou ao modo com três volantes mas com Zezinho central e Tiago Luís aberto pela esquerda

Com 3 a 1, o Cruzeiro se tranquilizou, mas seguiu atacando e tentando roubar a bola, sem deixar a Chapecoense respirar. Digno de aplausos, pois a maioria dos times se daria por satisfeito com uma vantagem dessas e naturalmente se pouparia. Mas o Cruzeiro de Marcelo Oliveira sempre quer mais.

Celso Rodrigues então tentou algo. Tirou o volante Dedé e lançou o atacante Tiago Luís, que foi jogar aberto do lado esquerdo, dando trabalho a Mayke. Nesse momento o sistema da Chapecoense parecia um 4-2-2-2 meio torto para a esquerda. E o atacante deu trabalho, sendo o principal responsável pela jogada do segundo gol, em tabela com Camilo e assistência para Bruno Rangel.

Os jogadores catarinenses nem tiveram tempo de comemorar. Na jogada seguinte, Mayke combinou com Éverton Ribeiro e achou Moreno novamente na área. Nono gol do boliviano, o que o coloca ao lado de Goulart como artilheiro do certame. Se ter o goleador do campeonato não é pra qualquer equipe, imagine ter dois.

A resposta rápida fez o ritmo da partida arrefecer. Celso Rodrigues voltou ao modo com 3 volantes para evitar mais gols, colocando Ricardo Conceição na vaga de Camilo e remontando o 4-3-2-1, mas desta vez com um jogador aberto pela esquerda. Já Marcelo Oliveira, ciente de que perderia jogadores para a Seleção, optou por dar ritmo aos prováveis substitutos. Moreno deu seu lugar a Dagoberto — centralizando Éverton Ribeiro e avançando Goulart — e depois Lucas Silva saiu para a entrada de Nilton, mas o jogo já tinha terminado.

Sintonia fina e cuidados

Esta foi uma partida atípica. Diante de um sistema incomum e atrás no placar por um acaso típico do futebol, o Cruzeiro chegou a demonstrar certa ansiedade para empatar ainda no primeiro tempo, e o excesso de cruzamentos foi um sintoma disso.

Porém, Marcelo demonstrou ter mais uma vez o grupo na mão, e, conforme revelou na coletiva pós-jogo, acalmou o time e ficou ajustando o destino dos cruzamentos na área. Uma sintonia fina que indica o quanto este time do Cruzeiro está encaixado e entrosado. Enquanto outros treinadores acertariam posicionamento, dariam broncas ou mexeriam no sistema do time, Marcelo apenas se preocupou com detalhes.

Esse é uma das razões pelas quais o Cruzeiro caminha firme rumo ao tetra. As próximas rodadas, entretanto, serão o trecho mais perigoso da campanha, com duelos diretos com todos os perseguidores mais próximos: Fluminense (19ª), São Paulo (21ª), Internacional (26ª) e Corinthians (27ª). Os quatro têm oscilado e perdido pontos para os times de baixo, mas ao jogar contra o líder darão aquele algo a mais — exatamente por se tratar de um confronto direto e que pode mudar o rumo do campeonato.

Portanto, a vantagem é enorme, mas, mais do que nunca, todo cuidado é pouco.



Chapecoense 1 x 1 Cruzeiro – O pasto e as vacas magras

A péssima condição do gramado da Arena Índio Condá, em Chapecó, não escondeu a atuação ruim do Cruzeiro no empate de 1 tento com a Chapecoense. Walter empatou usando a arma do adversário, a bola aérea, muito porque o gramado não deixava a bola rolar e prejudicava a equipe mais técnica. Mesmo assim o Cruzeiro teve mais chances de fazer o gol.

A formação inicial do Cruzeiro, desta vez com Everton na esquerda, que tende a centralizar mais, e DR na direita sendo atrapalhado pela má atuação de WP

Vágner Mancini escalou o Cruzeiro no 4-2-1-3 habitual, mas com uma mudança nas laterais: provavelmente devido à má atuação no Superclássico, Marcos foi sacado para dar lugar a Everton, mudando Diego Renan de lado. Com a alteração, o técnico esperava diminuir a desvantagem numérica no meio-campo, com Everton tendendo a centralizar mais e deixar Wallyson mais aberto. A Chapecoense lotou o meio com 6 homens num 3-4-2-1, com João Paulo à frente de Athos e Neném.

No encaixe de marcação, o lateral direito William ficou responsável por vigiar Wellington Paulista, e por isso ficou mais plantado, enquanto Eliomar teve mais liberdade, batendo com Everton; os três zagueiros marcavam Wallyson e Anselmo Ramon; Wanderson perseguia Montillo em qualquer lugar do campo; os dois meias, Athos e Neném, observavam mais de longe os volantes cruzeirenses; e João Paulo tentava sair da marcação de Léo com Victorino na sobra. Diogo Roque, volante da Chapecoense, não tinha a quem marcar e muito menos tinha marcação, por isso ficou à vontade com a bola.

Do lado do Cruzeiro, esse homem era Diego Renan pela direita. O lateral até tentou apoiar, mas foi impedido de ter uma atuação melhor por causa de Wellington Paulista, que fez um péssimo primeiro tempo. o camisa 9 não conseguiu ganhar praticamente nenhuma bola de William, e quando Diego Renan ou outro jogador aparecia para ajudar, ele nunca passava a bola. Foi uma surpresa ele não ter sido substituído já no intervalo. Do outro lado, Wallyson recuava e abria para sair da marcação de Fabiano. Mas o jogo não fluiu pelo lado direito no primeiro tempo, pois os Leandro Guerreiro e Marcelo Oliveira estavam preferindo o setor central, abusando das bolas longas.

Mesmo com inferioridade numérica no meio-campo, o Cruzeiro acabou criando mais chances de gol que o adversário. A pontaria dos atacantes, principalmente de Anselmo Ramon, no entanto, não estava ajudando. A Chapecoense conseguiu seu gol numa jogada de bola parada, chuveirinho na área – e todos no Cruzeiro disseram que sabiam que esse era o ponto forte do time do Sul. Falha de marcação de Marcelo Oliveira, que era o responsável pela marcação no zagueiro Souza, autor do gol. Ele nem chegou a subir para disputar a bola.

A entrada de Walter no lugar de Wallyson no intervalo foi uma surpresa. Não pela entrada de Walter, mas sim pelo jogador substituído: o homem certo a deixar o campo seria Wellington Paulista. Mancini justificou após o jogo que, como o campo era ruim, o jogo passou a ser muito aéreo e de força, ao invés de técnica, o que desfavorecia o camisa 7 cruzeirense. Discordo, pois na verdade o Cruzeiro é que escolheu não jogar pelo setor esquerdo, onde Wallyson ficava livre de marcação quando recuava.

Com Walter, Anselmo Ramon passou para a esquerda e disputava espaço com o lateral direito Rafael Mineiro, que tinha substituído William, amarelado, no intervalo. Com Neném recuando para a terceira linha pela esquerda, a Chapecoense efetivamente fez as famosas duas linhas de quatro, com Athos articulando para João Paulo no 4-4-1-1. No Cruzeiro, Walter foi para a referência, e o Cruzeiro passou a jogar mais pela canhota. Do outro lado, Diego Renan teve mais liberdade, pois Neném não é bom marcador, é mais articulador. Ele recebeu uma bola pelo alto de Léo, explorando espaço aberto por WP, que recuou puxando a marcação – um dos poucos acertos dele na partida. O lateral tinha a opção de servir o camisa 9, mas (talvez sabiamente) optou por cruzar a bola diretamente na área. Walter apareceu no meio dos zagueiros da Chapecoense para empatar. Muito se falou sobre a estatura e a força dos zagueiros catarinenses antes e durante a partida, mas este gol prova que posicionamento conta mais do que estatura.

Depois de mais uma jogada errada de WP, Mancini finalmente percebeu o óbvio e tirou o atacante do jogo, lançando Roger. O esquema tinha mudado para 4-2-2-2, mas com dois homens de área. Roger não jogou como volante como nas partidas iniciais do Campeonato Mineiro, mas sim como um meia de ligação. O jogo ficou mais truncado, com o Cruzeiro com mais posse mas sem conseguir penetrar nas duas barreiras catarinenses, e a Chapecoense ameaçando com Athos, o jogador mais lúcido do time. Vágner Mancini lançou, então, Élber no lugar de Diego Renan, plantou Leandro Guerreiro à frente da zaga e deslocou Marcelo Oliveira para a direita, para cobrir as investidas do garoto. Era uma espécie de losango super ofensivo, montado para pressionar e buscar a vitória.

Após as alterações, o 4-2-2-2 com Elber cuidando de todo o setor direito e MO cobrindo seus avanços; após a expulsão de Leo, LG na zaga e Élber mais plantado

Mas a expulsão de Léo, com cartão vermelho direto, atrapalhou os planos. Élber ficou bem mais plantado do que o planejado pela lateral direita, e Leandro Guerreiro foi para a zaga ao lado de Victorino. Marcelo Oliveira teve a companhia de Roger, e Montillo voltou a ficar sozinho na criação. O 4-2-1-2 cruzeirense levou sustos, pois Élber não é lateral e muito menos marcador, e por ali a Chapecoense deu um certo trabalho para Fábio. Mas não produziu gols, e forçou o segundo jogo com um empate na bagagem.

É fato que o campo atrapalhou, mas a atuação ruim de WP e a boba expulsão de Léo atrapalharam ainda mais. A qualidade do campo não pode servir de desculpa, e nem esconder que o Cruzeiro não fez uma boa atuação. Fosse a Chapecoense um pouco mais ofensiva e não tão previsível, sairia do jogo com uma vitória. Ainda há muito o que melhorar: WP precisa voltar a jogar e parar de reclamar; Anselmo Ramon, como homem de referência, não pode perder tantos gols; as marcações individuais têm conseguido diminuir o poder de ataque de Montillo, que parece desinteressado; e os atacantes abertos têm que ajudar mais na recomposição, já que Montillo praticamente não volta.

Mesmo num pasto, o jogo foi de vacas magras. Mas a continuar assim, talvez as vacas fiquem magras durante toda a temporada.