Fluminense 3 x 3 Cruzeiro – Futebol moderno

A preguiça do Cruzeiro diante do Santa Rita, no duelo de volta pelas oitavas da Copa do Brasil, foi tal que o time não chutou uma única bola sequer no primeiro tempo contra o gol alagoano, e ainda sofreu um gol por puro desleixo na rebatida para fora da área de um escanteio. Diante de um Santa Rita aplicado, em duas linhas de quatro, e que só queria ganhar o jogo pois sabia que a classificação era difícil, o Cruzeiro só fez o suficiente no segundo tempo pra vencer.

Mas isso foi um ponto fora da curva. Até compreensível, pela vantagem que tinha no confronto e pelo fato de ser um time alternativo. Mas no jogo seguinte, a postura tinha que ser outra — e foi. Fluminense e Cruzeiro protagonizaram um duelo moderno, com muita intensidade na marcação no meio-campo e na frente, e com velocidade na troca de passes para tentar sair dessa marcação.

Formações

Os dois times no 4-2-3-1: equilíbrio nos duelos invidivuais e marcação intensa no meio-campo

Os dois times no 4-2-3-1: equilíbrio nos duelos invidivuais e marcação intensa no meio-campo

Os dois treinadores lançaram suas equipes no 4-2-3-1. Marcelo Oliveira definiu o time com Fábio no gol, Mayke e Samudio nas laterais direita e esquerda, e Dedé e Léo no miolo de zaga. Sem Lucas Silva, na Seleção sub-20, Nilton foi o companheiro de Henrique na proteção. Marlone, como ponteiro direito, e Júlio Baptista, como meia central, foram os escolhidos para as vagas dos selecionáveis Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart. Willian ocupou sua faixa pela esquerda normalmente e Moreno foi o jogador mais avançado.

Já o bom Cristóvão Borges armou o Fluminense com Kléver no gol, Henrique e Elivélton na zaga, com Bruno fechando pela direita e Chiquinho pela esquerda. Diguinho e Jean fizeram a dupla volância atrás do trio formado por Cícero na direita, Conca centralizado e Wagner pela esquerda. Na frente, Fred.

Equilíbrio

O jogo começou bem intenso no meio-campo. Os times marcavam muito bem e chegavam poucas vezes perto da área adversária. Tanto que, após o primeira tentativa de Conca logo a um minuto de jogo, não houve mais finalizações até o pênalti cometido por Cícero em Samudio e convertido por Júlio Baptista. O lance evidencia o posicionamento, onde Cícero tinha a função de espetar pela direita quando o Fluminense tinha a bola e acompanhar Samudio quando este ia para o apoio.

O mesmo Júlio Baptista, porém, seria o responsável pela desatenção no gol de empate. Era ele quem marcava Wagner, mas no desvio de cabeça Júlio largou o meia do Fluminense, que ficou sozinho pra completar para as redes. E no segundo gol dos cariocas, o discutível lance entre Dedé e Fred seria o fator determinante. Com o zagueiro caído, a zaga ficou com um buraco, e foi exatamente esse o espaço por onde Cícero — aquele mesmo que deveria ter sido expulso pela voadora em Samudio no lance do pênalti — se infiltrou e finalizou.

Troca forçada

Antes deste gol, Samudio sentiu um problema muscular e teve que ser trocado. Sem Egídio, Marcelo só podia colocar Ceará, lateral direito com o pé trocado. O incidente com o paraguaio viria a ser um ponto chave da partida posteriormente.

Uma partida que seguia equilibrada, com muita marcação e poucas chances de parte a parte. O Cruzeiro tinha um pouco mais a bola, mas errava mais passes no terço final do campo. Mas isso era puramente uma questão de estilo. O Cruzeiro é um time que tem por característica arriscar os passes agudos ao invés de ficar rodando com a bola até encontrar um espaço maior. Por serem tentativas de passe mais difíceis, a taxa de erros de passes ofensivos era levemente maior.

Já do outro lado, Conca foi bem vigiado na função de pensar o jogo e só foi perigoso quando se infiltrou na área, talvez inspirado por Ricardo Goulart. Assim, o Fluminense preferia trocava passes no meio-campo mas só espetava quando o Cruzeiro abria uma rara brecha. Coisa que aconteceu aos 42, quando Fred recebeu dentro da área e finalizou. Fábio tocou levemente para que ela explodisse no poste esquerdo e sobrasse para Conca do outro lado. O argentino finalizou a menos de 3 metros da linha fatal, mas não contava que Fábio já estivesse ali para salvar o terceiro.

Como os deuses do futebol não brincam, praticamente no lance seguinte Júlio Baptista acertou um rebote fraco fora do alcance de Kléver e empatou a peleja. Um 2 x 2 digno do que foi o jogo.

Segundo tempo

Normalmente no segundo tempo é um jogo diferente. Se não há alterações, há pelo menos ajustes táticos feitos pelos treinadores com os 11 titulares. Mas nesse caso foi uma exceção. Cruzeiro e Fluminense mantiveram suas formações, posturas e estratégias. Aos poucos, o Fluminense foi sentindo a pressão de ter que vencer em casa e cada vez mais subia a pressão na marcação no campo de ataque. Mas era uma pressão quebrada, da qual o Cruzeiro saía facilmente e criava contra-ataques velocíssimos.

Assim foi o terceiro gol: um contra ultrarrápido que teria entrado para a história do jogo como uma chance desperdiçada por Mayke, na marca do pênalti, frente a frente com Kléver. Teria, se Moreno não fizesse um voleio espetacular no rescaldo do lance para virar o jogo para o Cruzeiro.

O lado “menos forte”

No fim, Cristóvão espetou Kenedy e deslocou Jean para a direita pra jogar em cima de Ceará; Marcelo respondeu com W. Farias para reforçar a marcação no setor

No fim, Cristóvão espetou Kenedy e deslocou Jean para a direita pra jogar em cima de Ceará; Marcelo respondeu com W. Farias para reforçar a marcação no setor

A partir daí o jogo se tornou mais tático. Com a vantagem no placar e sabendo que seria pressionado, Marcelo colocou Marquinhos na vaga de Júlio Baptista, lançando-o na direita e trazendo Marlone para a faixa central. Willian foi mantido na esquerda. A intenção era explorar a velocidade nas oportunidades de contra — ou seja, foi apenas uma oficialização do que já estava em curso na partida.

Por sua vez, Cristóvão parecia gostar do que via, pois não dava sinais de mudança. Já a torcida do Fluminense pedia Walter nas arquibancadas. Até que teve uma epifania, provavelmente se lembrando do lance em que Ceará, lateral direito na esquerda, errou um cruzamento com o pé ruim numa das raras vezes em que subiu pro apoio. Ali era o mapa da mina. Colocou o jovem Kenedy para atacar o setor, mas para não perder Cícero, deslocou-o para a faixa central junto a Conca e recuou Jean para a lateral direita, sacando Bruno. Era um 4-2-3-1 mas com cara de 4-3-3, com Cícero e Conca de meias centrais.

O jogo se desenhou conforme queriam seus treinadores. O Cruzeiro com ótimas oportunidades de fazer o quarto gol e matar a partida em contra-ataques, e o Fluminense atacava insistentemente pela direita. Kenedy deu muito trabalho para o Ceará, que ainda teve que lidar com as subidas corajosas de Jean deixando Willian para trás. Percebendo isso, Marcelo trocou de Willian: saiu o bigode e entrou o Farias. Ao contrário do que se pode pensar, o sistema não se alterou. Continuou sendo um 4-2-3-1, mas com um volante aberto na direita. A intenção era clara em reforçar a marcação daquele lado. E ia dando muito certo.

A seleção de passes do Fluminense após a entrada de Kenedy no minuto 75 mostra bem como o time abandonou o lado esquerdo e forçou em cima de Ceará

A seleção de passes do Fluminense após a entrada de Kenedy no minuto 75 mostra bem como o time abandonou o lado esquerdo e forçou em cima de Ceará

Ia, porque faltando pouco para uma vitória que seria maiúscula, Fred disputou um lançamento na grande área, Ceará fechou e o desarmou, mas a bola sobrou exatamente para Kenedy. O garoto conseguiu acertar um belo chute de fora da área, longe do alcance de Fábio, para dar números finais ao jogo.

Capricho nos detalhes

Em partidas onde os dois times se propõem a jogar, o capricho nos detalhes é o que costuma fazer a diferença. Particularmente no duelo do Maracanã, estes detalhes foram: 1- a improvisação forçada de Ceará na esquerda, o que certamente diminuiu levemente a capacidade do Cruzeiro de se defender e de atacar por aquele lado; 2- o capricho no último passe nos vários contra-ataques que o Cruzeiro teve quando o jogo ainda estava 3 a 2; 3- as pequenas falhas de marcação que acabaram por definir dois dos três gols do Fluminense: a de Júlio largando Wagner e a de Ceará que largou Kenedy, embora este último tenha feito isso para ganhar a bola de Fred.

Entretanto, em que pese o gosto amargo de ter sofrido o empate bem no finzinho do jogo, o Cruzeiro foi um time maduro em campo. Ciente de sua capacidade e responsabilidade, mesmo com os muitos desfalques, que certamente mudam a característica do time. Jogou com autoridade de líder que é, e não se intimidou em nenhum momento. Ponto positivo, diante de um Fluminense que jogou a vida pela última chance de tentar um improvável título.

Essa é, em última análise, a diferença do Cruzeiro para seus perseguidores mais próximos: joga o mesmo tipo de futebol, em qualquer lugar, contra que adversário for, e mesmo que as peças mudem de uma partida pra outra. É o motivo pelo qual o Cruzeiro mantém a folga na liderança, enquanto os outros times se revezam como candidatos a concorrentes.

Fruto de longevidade e de manutenção de elenco. E que continue assim por muitas temporadas, amém.



Cruzeiro 1 x 0 Fluminense – Blasé

O Cruzeiro voltou a vencer. Mas não da mesma forma que vencia antes no Mineirão, envolvendo e acuando o adversário, bombardeando o goleiro visitante com finalizações de todos os lados, construídas com jogadas de aproximação e toques curtos e rápidos pelo meio. Foi uma vitória simples, com um gol de puro faro de centroavante, e com o time numa rotação abaixo do que se espera dele. O desgaste da temporada parece estar cobrando seu preço.

Não foi sem correr riscos, no entanto. O Fluminense teve chances e só não empatou porque Samuel, por incompetência, e Fábio, por excelência, não deixaram.

Formações

No início, ambos os times no 4-2-3-1 encaixado, mas com o Cruzeiro levando vantagem pela direita em cima de Ailton

No início, ambos os times no 4-2-3-1 encaixado, mas com o Cruzeiro levando vantagem pela direita em cima de Ailton

Marcelo Oliveira poupou Ceará e escalou Mayke em seu lugar na lateral direita do 4-2-3-1 usual. O goleiro Fábio capitaneou o time que tinha a defesa formada por Léo e Bruno Rodrigo, com Mayke do lado direito e Egídio pela esquerda. NA proteção, Nilton e Lucas Silva mais uma vez fizeram parceria, com o segundo chegando mais próximo do trio articulador formado por Éverton Ribeiro à direita, Ricardo Goulart de central e Willian à esquerda. Na frente, Borges duelava com os zagueiros cariocas.

Diferente do confronto no primeiro turno, quando mandou um losango a campo, Vanderlei Luxemburgo escalou o Fluminense no mesmo 4-2-3-1. A meta de Kléver foi defendida por Bruno na lateral direita, Gum e Leandro Euzébio centralizados e Aílton à esquerda. Mais à frente, Edinho e Jean davam suporte a Rafinha na ponta direita, Wagner mais centralizado e Rafael Sóbis mais agudo à esquerda, próximo de Samuel.

 

 

Ataque pela direita

Tanto o mapa de calor da Footstats quanto o indicador do WhoScored confirmam: o Cruzeiro adorou procurar o lado direito neste jogo (veja as imagens abaixo). Tudo porque Luxemburgo estava sem laterais esquerdos de origem e optou por Aílton naquele lado da defesa, mas o jovem foi mal defensivamente. A troca de posições entre os três meias, uma característica imprescindível para um 4-2-3-1 ofensivo como é o do Cruzeiro funcionar — e que, por sinal, tem acontecido menos do que em partidas anteriores — acabou por confundir a marcação de Ailton.

O mapa de calor da Footstats mostra o Cruzeiro com mais posse pela direita; o índice de ataques do WhoScored.com diz que quase metade dos ataques foram por aquele lado

O mapa de calor da Footstats mostra o Cruzeiro com mais posse pela direita; o índice de ataques do WhoScored.com diz que quase metade dos ataques foram por aquele lado

E após um começo nervoso, com muitos erros de passe pela ansiedade em contra-atacar, o Cruzeiro aproveitou o quarteto ofensivo encaixou alguns passes e abriu o placar com Borges. O passe de Éverton Ribeiro, aqui aparecendo de central, teve como alvo Ricardo Goulart, às costas de Aílton. Goulart avançou cortando pra dentro, mas se enrolou com a bola, que sobrou na entrada da área. Borges foi mais esperto que a cobertura de Bruno e colocou no canto direito de Kléver.

Fluminense muda

Wagner se lesionou e deu seu lugar ao veterano Felipe. Com isso, Luxemburgo reorganizou a equipe no 4-4-2, mandando Felipe para a ponta esquerda para proteger Aílton e dando liberdade a Rafael Sóbis para circular. Funcionou em certa medida, já que Sóbis causou problemas do lado esquerdo da defesa celeste, principalmente com Egídio tendo dificuldades de marcação. Daquele lado, o atacante finalizou uma vez, com certo espaço, e deu uma assistência para Samuel errar o gol dentro da pequena área. Sorte.

Mas se a marcação do lado esquerdo ficou reforçada com Felipe, necessariamente ela foi diminuída em algum outro setor da equipe. E esse setor era o meio-campo ofensivo. Sem um meia central, Nilton e Lucas Silva ficaram sem perseguidores diretos — Jean optava por recuar próximo a Edinho para ter uma sobra no meio-campo. Não por acaso, os volantes celestes tiveram liberdade para avançar e chutar, uma vez cada um.

Luxa queima a regra três

Insatisfeito, Luxemburgo usou de um expediente que lhe é bem característico: queimar todas as substituições no intervalo. Rhayner entrou na vaga de Rafinha para jogar na mesma ponta direita, mas com mais ofensividade; e Igor Julião, lateral direito de origem, entrou na lateral esquerda no lugar de Aílton, mal no primeiro tempo. Além disso, Luxemburgo soltou Jean de vez, que chegava ao ataque com frequência. Vendo que poderia ter problemas com o amarelo que Egídio levou ainda no finzinho do primeiro tempo, Marcelo diminuiu os riscos tirando o camisa 6 e mandando Ceará a campo, novamente na lateral esquerda.

O jogo ficou morno, com o Cruzeiro se contentando em defender a vantagem e o Fluminense arriscando o mínimo possível para não sofrer contra-ataques. Marcelo agiu novamente, tirando Borges e lançando Dagoberto na partida. O camisa 11 foi para a direita, centralizando Ribeiro e mandando Goulart para o ataque — uma substituição que este blogueiro particularmente não gosta, como dito em outros textos. Mas o fato é que Goulart passou a finalizar vária vezes, mas sempre para fora. Talvez pelo fato de não ser um centroavante típico e se movimentar mais, Goulart tenha confundido os zagueiros cariocas.

Sóbis no chuveiro: nada mudou

Com a lesão de Wagner, Luxemburgo repaginou o Fluminense num 4-4-2 reforçando o lado esquerdo com Felipe e dando liberdade para Sóbis, que causou problemas até a expulsão

Com a lesão de Wagner, Luxemburgo repaginou o Fluminense num 4-4-2 reforçando o lado esquerdo com Felipe e dando liberdade para Sóbis, que causou problemas até a expulsão

De toda forma, a partida começou a ficar perigosa demais, já que o Cruzeiro claramente dava indícios de que não iria correr mais do que estava correndo para ampliar o placar. O Fluminense se soltou de vez, chegando com perigo: Fábio chegou a salvar espetacularmente um cabeceio de Samuel, em cruzamento de Bruno da direita.

Mas o ímpeto de empatar acabava dando mais espaço ao Cruzeiro, que contra-atacava. E em um destes contra-ataques, puxado por Dagoberto, Rafael Sóbis fez falta para o segundo amarelo. Parecia que o jogo tinha acabado ali, já que com um a menos o Fluminense parecia não ter mais como reagir. E nos primeiros minutos do novo 4-4-1, o Cruzeiro até ensaiou uma pressão para ampliar, mas esbarrou nas más finalizações de Goulart novamente.

Marcelo Oliveira tentou aproveitar a vantagem numérica e promoveu a reestreia de Élber depois de longo tempo lesionado, na vaga de Willian. Entretanto, a expulsão de Sóbis fez mal ao Cruzeiro, que relaxou demais, e Élber quase não teve tempo na bola. Os jogadores do Fluminense conseguiram perceber este relaxamento e se soltaram novamente, enquanto o Cruzeiro se contentava em deixar o tempo passar. Teria sido uma atitude imperdoável, não fosse Samuel ter perdido mais uma vez um gol dentro da pequena área após chegada pela esquerda.

O lance pareceu ter selado o destino da partida. Mesmo correndo riscos, o Cruzeiro deixou o tempo passar, e sem ser incomodado pelo Fluminense, se reencontrou com a vitória.

O físico e o psicológico

Este blog é sobre tática, mas é claro que esta parte do futebol é também influenciada por outros fatores, e dentre eles estão a questão física e a mental. O desgaste dos jogos em sequência claramente tem emperrado a atuação de alguns jogadores. Além disso, os dois resultados ruins em sequência causaram uma certa ansiedade nos atletas, que por sua vez afetou a parte técnica — muitos erros de passe na ânsia de marcar gols logo e quebrar a sequência negativa. O próprio Marcelo Oliveira mencionou isto.

Entretanto, esses fatores não podem servir de desculpa para o relaxamento celeste no segundo tempo. Com a vitória, este aspecto pode ter ficado em segundo plano para muita gente, mas não aos olhos deste escriba. Claro que o importante era vencer novamente para retomar o caminho do título. Mas o risco de deixar de ganhar três pontos foi grande demais, mesmo em vantagem numérica.

É preciso retomar o futebol de outrora para que a torcida celeste não passe tanto sufoco. Quem sabe agora, com os jogos sendo somente aos fins de semana — exceto contra o Vitória na 34ª rodada — a questão física deixe de ser um fator e o Cruzeiro mostre a intensidade ofensiva que encantou o Brasil no primeiro turno.

A confiança no título segue inabalável, mas o Cruzeiro pode sim jogar mais do que o que jogou. Basta fazer, literalmente, um pequeno esforço a mais.



Fluminense 1 x 0 Cruzeiro – Sem capitalização

Em uma das crônicas do excelente Zonal Marking, blog de análise tática do jornalista Michael Cox, li que um dos times analisados pecou por não ter “capitalizado” o domínio que teve no primeiro tempo, e por isso perdeu a partida. Gostei do termo, e por isso replico no título desta análise, pois foi exatamente isso o que aconteceu na estreia cruzeirense no novo Maracanã contra o Fluminense.

Capitalizar é, a grosso modo, juntar mais dinheiro ao dinheiro investido. Também tem o sentido de agrupar, reunir. Traduzindo para o futebol, o “investimento” seria dominar a posse da bola e finalizar bastante, e o “retorno”, ou os “juros”, seriam os gols. Pois mesmo asfixiando o time carioca no seu próprio campo com a intensidade que lhe é característca na recomposição, o Cruzeiro não conseguiu vencer Diego Cavalieri — ou a trave — quando finalizou no primeiro tempo, e depois, com a partida já mais equilibrada, sofreu um gol que definiu a partida.

Escretes e sistemas

Contra o losango do Flu, o 4-2-3-1 cruzeirense teve muito espaço pelas laterais, e compensava a inferioridade no centro com intensidade na recomposição

Contra o losango do Flu, o 4-2-3-1 cruzeirense teve muito espaço pelas laterais, e compensava a inferioridade no centro com intensidade na recomposição

Marcelo Oliveira repetiu o time das últimas partidas e mandou a campo o seguinte onze: Fábio no gol, Dedé e Bruno Rodrigo no miolo da linha defensiva, com Mayke e Egídio fechando pelas laterais direita e esquerda. Nilton e Souza se alinharam à frente da zaga, dando suporte para Ricardo Goulart no centro do meio-campo ofensivo, que ainda tinha Everton Ribeiro pela direita e Luan pela esquerda, todos tendo como alvo o garoto Vinicius Araújo à frente. Ou seja, o mesmo 4-2-3-1 se sempre.

Já o Fluminense do estreante Vanderlei Luxemburgo abandonou o 4-2-3-1 que Abel Braga implantou durante dois anos no time carioca, e se postou no esquema preferido de Luxa: o 4-3-1-2 losango. Foi com este esquema que ele venceu a Tríplice Coroa em 2003 (um tempo bom, que voltará). O goleiro Diego Cavalieri teve Jean na direita, Carlinhos na esquerda e Gum e Leandro Euzébio na zaga. Edinho era o volante plantado, com Wagner pela esquerda levemente mais avançado e Diguinho pela direita, mais combatendo do que saindo pro jogo. Tudo isso para liberar Deco, o meia armador, com Rafael Sóbis se movimentando à frente e Fred como referência na área.

Encaixes

Tipicamente, no encontro de um 4-2-3-1 contra um losango, um dos times tem mais amplitude no ataque, dominando as ações pelos lados, enquanto o outro tem mais número na faixa central e por isso domina a posse de bola no setor. Na prática, porém, o Cruzeiro dominou os lados como esperado, mas também o meio-campo, com uma postura bem enérgica principalmente na transição defensiva, também conhecida como recomposição — uma das quatro fases do jogo, sendo as outras três posse de bola, posse do adversário e transição ofensiva, o famoso contra-ataque.

Além disso, sem jogadores abertos no ataque, o Fluminense deu liberdade aos laterais cruzeirenses, que são atualmente a melhor saída de bola do time. Na tentativa de frear estas ações — e talvez por estar acostumado a jogar no 4-2-3-1 duranto muito tempo, como o próprio Luxemburgo disse — Wagner e Diguinho abriam, saindo do meio-campo central, tirou a vantagem numérica que o Fluminense teoricamente teria por ali. Assim, o Cruzeiro não só teve melhor saída como também teve mais posse de bola.

O grande perigo seria Deco. Solto, o meia poderia sempre dar uma opção de passe para que o Fluminense saísse construindo o jogo de trás, e uma vez recebida a bola, achar um companheiro mais colocado. Porém, não só Deco não conseguia receber a bola devido à intensidade na marcação sobre a bola dos homens de frente do Cruzeiro, como também não tinha boas opções quando de fato tinha a posse em seus pés. Portanto, ou ele fazia um passe sem verticalidade ou errava o passe.

Tudo isso foi deixando o time da casa nervoso e o Cruzeiro mais à vontade, criando bastante e finalizando com frequência, mas sem eficiência. Um perigo neste tipo de jogo, onde o adversário tem qualidade mas está passando por um mau momento. Um gol no primeiro tempo — que seria merecido pelo que aconteceu na partida — deixaria o Cruzeiro muito mais tranquilo e o Fluminense bem mais pressionado.

Felipe

O domínio durou até os 35 minutos, quando ainda no primeiro tempo Deco deu seu lugar a Felipe. A princípio pensava-se ser por opção técnica, mas depois saiu a informação de lesão na coxa do luso-brasileiro. Conveniente, pois a substituição melhorou o Fluminense, equilibrando um pouco mais a partida. O Cruzeiro ainda era melhor, mas já não dominava as ações com facilidade.

O Fluminense melhorou porque Wagner foi ser o vértice avançado e Felipe o esquerdo do losango de meio-campo. Basicamente, o principal passador do time, que antes era Deco, havia sido deslocado pra trás, com Felipe. Com uma opção melhor já no primeiro passe, o Fluminense conseguiu trocar mais bolas e chegar à frente pelo chão com mais frequência. Também, ao perder a bola, Wagner ia bater com Mayke, abandonando o meio-campo central, enquanto Sóbis abria pela direita para frear Egídio, encaixando a marcação com Nilton, Souza e Goulart no triângulo de volantes cariocas — o losango se transformava num 4-3-3 ao defender.

Porém, o Cruzeiro ainda tinha mais intensidade na recomposição, e por isso ainda era um pouco melhor na partida. Mas o zero a zero persistiu, e o resultado só não foi mais injusto porque o pênalti inexistente sobre Wagner foi defendido brilhantemente por Fábio, vencendo Fred duas vezes.

Segundo tempo

Sem trocas, o jogo seguiu mais equilibrado após o intervalo. Como é natural, o Cruzeiro já não pressionava tanto o homem da bola como no início do jogo. Aos 17, Marcelo começou o jogo de xadrez contra Luxa, tirando Luan para lançar William. O recém-chegado da Ucrânia foi, a princípio, jogar no mesmo local, pela faixa esquerda. O estilo, porém, é bem diferente: enquanto Luan é mais físico e brigador, William é mais veloz e driblador. Além disso, William não faz tão bem a marcação do lateral quanto Luan.

Após as trocas, a marcação ficou mais "encaixada", mas os ponteiros cruzeirenses não acompanhavam os laterais do Fluminense, que ainda tinha mais qualidade de passe no meio-campo com Jean e Felipe

Após as trocas, a marcação ficou mais “encaixada”, mas os ponteiros cruzeirenses não acompanhavam os laterais do Fluminense, que ainda tinha mais qualidade de passe no meio-campo com Jean e Felipe

E foi nisso que Luxemburgo apostou quando, quatro minutos depois, tirou Diguinho do meio, colocou o garoto Igor Julião na lateral direita e avançou Jean para a sua posição original. O Fluminense, que já ganhava o meio-campo a essa altura, teve ainda mais qualidade no passe, já que Jean tem bem mais criatividade que Diguinho, um jogador praticamente apenas de combate. E na lateral, o garoto Julião foi bem voluntarioso, ultrapassando pela direita e dando opção no ataque sem medo de deixar William às suas costas.

O jogo ficou aberto e chances apareceram de lado a lado, a mais perigosa numa jogada de dribles rápidos de Egídio — o que vem sendo sua especialidade. O lateral avançou até o círculo central com a bola, dando de calcanhar para Everton Ribeiro que chutou no cantinho, para boa defesa de Cavalieri.

Luxemburgo quis dar ainda mais consistência a seu lado direito, colocando o garoto Kennedy aberto por aquele lado no lugar de Wagner e invertendo Rafael Sóbis para a esquerda, oficializando o 4-3-3 (ou 4-1-2-3). Marcelo respondeu com Lucca na vaga de Vinicius Araújo, avançando Ricardo Goulart para o ataque e centralizando Everton Ribeiro — Lucca e William passaram a alternar pelos flancos.

O feitiço contra o feiticeiro

Mas Everton Ribeiro, William e Lucca não guardavam suas posições, tentando naturalmente confundir a marcação carioca. De certo modo funcionava, mas compromentendo a recomposição. Com Felipe e Jean no meio, o Fluminense inverteu as jogadas de lado com mais facilidade e por várias vezes Carlinhos e Julião, os laterais adversários, tiveram campo para avançar e ajudar no ataque — numa inversão do que acontecia no início da partida. O castigo veio exatamente em passe de Felipe para Carlinhos totalmente livre na esquerda, já que Mayke estava compondo com os zagueiros dentro da área. O cruzamento foi errado, mas a defesa celeste errou ao deixar tanto Kennedy quanto Fred sem marcação — o primeiro errou a finalização mas acabou passando sem querer a Fred, que concluiu de cabeça para o gol.

Logo depois desse momento, Carlinhos apareceria na imagem para receber o passe de Felipe, mas sem William em seu encalço

Logo depois desse momento, Carlinhos apareceria na imagem para receber o passe de Felipe, mas sem William em seu encalço

E, da mesma forma que no primeiro tempo um gol traria tranquilidade ao Cruzeiro, o Fluminense se acalmou e se contentou e fechar as investidas celestes, que já não eram tão perigosas. O cabeceio de Ricardo Goulart sozinho dentro da área, completando escanteio da direita, foi pra fora, decretando a segunda derrota injusta do Cruzeiro neste campeonato.

Só no futebol

É claro que perder é ruim em qualquer circunstância. Porém, diferentemente dos últimos dois anos, a derrota foi um capricho do futebol, o famoso “quem não faz leva” — que se não fosse um pouco verdadeiro não seria um chavão — e não porque o adversário foi superior. Parece loucura dizer uma coisa dessas, mas o mais importante não foi o placar, e sim que o time demonstrou consistência tática, tanto defensiva quanto ofensivamente.

Bom, pelo menos enquanto os titulares estiveram em campo. As mexidas de Marcelo Oliveira desta vez não funcionaram tão bem, principalmente a saída de Luan, que afrouxou um pouco a marcação pela esquerda. Talvez aqui tivesse faltado um pouco de variação tática, quem sabe um 4-3-1-2 losango ou um 4-3-3 clássico, pra anular um pouco a qualidade de passe que o meio-campo do Fluminense ganhou com a entrada de Felipe. Luxemburgo venceu o duelo desta vez, pois fez uma melhor leitura da partida.

Mas pedir variações táticas dentro da mesma partida, e ainda com jogadores que jogaram pouquíssimo junto com os titulares — Lucca voltando de contusão e William recém-chegado — de um time ainda eu seu primeiro ano talvez seja demais. Assim, a confiança ainda permanece. Afinal, a derrota veio em uma circunstância da partida, que poderia ser totalmente diferente se o domínio no primeiro tempo fosse transformado em gols.

Enfim, esse é o futebol: nele, e só nele, o melhor pode perder uma partida.



Seis pontos que não empolgam

Neste fim de campeonato, o Cruzeiro já não tem maiores pretensões, nem corre mais riscos. Isso somado ao fato de já estar anunciado aos quatro ventos que Celso Roth não será o técnico celeste em 2013, faz este blogueiro perder um pouco do entusiasmo em analisar taticamente a equipe. Nem há novidades táticas ou experimentações, nem vale para fazer uma previsão de uma base tática para o ano que vem.

Assim, analisarei por alto as duas últimas partidas do Cruzeiro, surpreendentemente, duas vitórias, mas que também não dizem nada.

Cruzeiro 3 x 1 Bahia

No que me parece uma contradição, justo quando Montillo está fora, o time vai a campo num 4-2-3-1. Tinga pelo centro da linha de três armadores não é novidade, visto que o volante jogou assim contra o Palmeiras no primeiro turno. A novidade mesmo foi a escalação de Leandro Guerreiro na zaga — não como um líbero, como o volante fez em algumas partidas deste ano, mas como zagueiro de área mesmo, em dupla com Thiago Carvalho. Momento técnico fraco dos zagueiros cruzeirenses ou falta de persistência de Celso Roth? Nunca saberemos.

O certo é que Sandro Silva e Marcelo Oliveira foram escalados na dupla volância, e Fabinho entrou pelo lado direito, com Martinuccio pela esquerda e Anselmo Ramon na referência. A marcação encaixou com o 4-2-3-1 baiano, mas com Marcelo Oliveira tendo mais liberdade para subir a apoiar o ataque, o que transformava o Cruzeiro momentaneamente em um 4-3-3 clássico, ou 4-1-2-3. Em “casa” (entre aspas porque o Independência não é a casa de verdade do Cruzeiro), o time celeste teve mais a bola, mas o domínio era somente nesse quesito. Anselmo não conseguia concatenar as jogadas e Tinga estava visivelmente tendo dificuldades para ser o ponto de rotação da equipe.

Os abundantes erros de passe geravam inúmeros contra-ataques da equipe visitante. Isso aliado ao mau posicionamento na transição defensiva (recomposição quando o time perde a bola) fez com que Fábio salvasse algumas vezes o gol, mas sem conseguir evitar que ele acontecesse, numa falha de marcação que deixou Fahel totalmente livre dentro da pequena área.

O time foi para o vestiário sob fortes vaias da torcida, que pegava mais no pé de Sandro Silva e Fabinho. Mas Celso foi teimoso — como nosso presidente — e mandou o mesmo time de volta. Com vantagem no placar, o Bahia cedeu mais campo ao Cruzeiro e tentou somente se defender, mas Martinuccio não deixou. Em escanteio pela esquerda, a bola é desviada por Anselmo Ramon e acha o argentino, livre de marcação, na direita da pequena área, para mandar um bico e ver a bola rebater no amontoado de jogadores do Bahia que protegia a linha do gol e entrar.

Com o empate, o Cruzeiro foi pra cima, mas pecava demais no último passe e no excesso de cruzamentos — velho problema. Para se ter uma ideia, o Cruzeiro é o segundo time que mais cruza bolas na área (média de pouco mais de 21 por jogo), mas é somente o 14º em aproveitamento destes cruzamentos: apenas 1 a cada 5 chega até o jogador, e nem todos são garantia de finalização.

A virada só viria num contra-ataque, em que estranhamente o zagueiro do Bahia desistiu de roubar a bola de Anselmo Ramon após o centro-avante receber de costas e proteger. Com o espaço cedido, Anselmo esperou até o momento certo para mandar a bola por cima para Martinuccio, que partia em velocidade. O argentino pegou de primeira e fez um golaço.

Sandro Silva, o mesmo que a torcida pegou no pé no intervalo, fez duas faltas para amarelo em minutos de diferença. A torcida ainda iria sofrer um pouco mais. Após a expulsão, deu pra ver da arquibancada Everton e Fábio conversando sobre o posicionamento. Everton postou as duas mãos uma na frente da outra, com o polegar guardado: duas linhas de quatro. Diego Renan, Leandro Guerreiro, Thiago Carvalho e Everton protegiam a área, e à frente William Magrão (que entrou no lugar de Tinga), Marcelo Oliveira e Martinuccio. Anselmo Ramon permanecia à frente para fazer retenção da bola no novo 4-4-1.

O Bahia bem que tentou. Rodou a bola, inverteu as jogadas e tentou abrir a defesa, mas não chegou nem perto de ameaçar Fábio. Eu diria que a postura defensiva do Cruzeiro com dez homens em campo foi exemplar. Até que veio o lance da expulsão de Mancini em um lance com Souza. Com a igualdade numérica, o jogo ficou mais franco, e veio ser definido num lance improvável. Jogada pela direita, Souza passa a William Magrão meio sem querer e o volante finaliza por cima, encobrindo Marcelo Lomba e fazendo um belo gol.

Não foi a melhor atuação cruzeirense, mas uma das mais sólidas. Detalhe que essa foi apenas a segunda virada do Cruzeiro no Brasileiro deste ano — a primeira tinha sido contra o Botafogo no Engenhão, ainda no início do campeonato. É difícil relacionar a melhora psicológica à mudança do esquema, mas acredito que a nova formação possa ter dado a confiança necessária, e assim a equipe conseguiu virar o jogo, mesmo sob pressão da torcida.

Cruzeiro 2 x 0 Fluminense

Com Montillo de volta, Celso Roth voltou ao 4-3-1-2 losango. No lugar de Martinuccio, fora por força de contrato, entrou o jovem garoto Élber. A suspensão de Sandro Silva abriu espaço para Charles ser o vértice baixo do losango de meio, com Marcelo Oliveira pela esquerda e Tinga pela direita. Ceará voltou à lateral direita e Guerreiro foi mantido na zaga.

O Fluminense, já campeão, entrou no mesmo 4-2-3-1 de sempre. Sem Wellington Nem, Abel escalou Rafael Sóbis, Deco e Thiago Neves atrás de Fred. Mas a letargia pelo título antecipado e a festa que viria após o jogo, com a cerimônia de entrega da taça — como foi em 2003, quando Alex ergueu o Campeonato Brasileiro diante de um Mineirão lotado, contra o mesmo Fluminense — talvez tenha feito os jogadores do Fluminense não se doarem tanto.

Mesmo assim, há que se destacar que o Cruzeiro fez uma partida sólida defensivamente. O time da casa não conseguiu espaço para jogar, mesmo tendo Deco para desafogar o meio. O luso-brasileiro não conseguiu levar vantagem sobre a marcação de Charles. Sóbis apagado do lado esquerdo e Thiago Neves igualmente do lado direito. Sem ser abastecido, Fred não foi ameaça, e assim, o 1 a 0 com o pênalti sofrido por Anselmo Ramon e convertido por Montillo era o placar mais justo.

Na segunda etapa, o Cruzeiro ampliou a vantagem logo no início, e não deu chances de reação ao Fluminense. Em contra-ataque rápido puxado por Montillo, Élber ganhou de dois marcadores meio atabalhoadamente e ficou cara a cara com Diego Cavalieri, que não alcançou a finalização no cantinho do garoto. Com isso, o Cruzeiro passou a usar a mesma arma que o Fluminense usou durante todo o campeonato: esperou em seu próprio campo e partia na transição ofensiva, popularmente conhecida como contra-ataque.

No fim, o Fluminense veio pra cima e tentou marcar o gol de honra, mas Rafael mostrou que quando Fábio não está disponível, nada temos a temer. Fez grandes defesas, parando inclusive o artilheiro Fred, e garantiu o zero no placar adversário.

Coritiba e Atlético/MG

As últimas notícias dão conta de que Celso Roth vai escalar Montillo e Martinuccio num 4-2-3-1, com Fabinho fazendo o lado direito atrás de Wellington Paulista (Anselmo Ramon está suspenso). Diego Renan deve entrar na lateral esquerda, para poupar Everton de receber o terceiro cartão e ficar fora do clássico. Mas isso pode acabar sendo uma boa, já que Diego é mais defensivo que Everton e isso ajudará Martinuccio no trabalho defensivo, ao perseguir o lateral adversário.

Ainda não é o que eu gostaria, já que eu colocaria Montillo aberto na esquerda e Martinuccio na direita — insisto nos ponteiros de pés invertidos. Mas só de ter a linha de três com os dois argentinos já acredito que será uma das melhores partidas do Cruzeiro no ano. Estarei vendo de perto, quem sabe pela última vez no Independência. Ano que vem é Mineirão.



Cruzeiro 1 x 1 Fluminense – Fail

Jogando de igual para igual contra um elenco superior, o Cruzeiro mostrou evolução tática mas não conseguiu segurar a vitória contra o Fluminense no Independência na noite de quarta. Uma falha de cada defesa — mais algumas da arbitragem — sacramentaram o primeiro empate com gols do Cruzeiro na competição.

O onze inicial do Cruzeiro num 4-3-1-2 losango que variava para um 4-2-3-1 com o avanço de Everton e a cobertura de Leandro Guerreiro na esquerda na caça à Thiago Neves

Oficialmente, o Cruzeiro entrou em campo num 4-3-1-2 losango, a mesma formação da vitória contra o Bahia, mas com uma modificação no meio. Debaixo das traves, Fábio teve Ceará pela destra, Léo, Thiago Carvalho centralizados e Everton — escalado ao invés de Diego Renan no lugar de Marcelo Oliveira — na canhota de sua defesa. A entrada da área era protegida por Leandro Guerreiro, que tinha Charles pela direita e Lucas Silva pela esquerda — uma inversão em relação ao jogo em Pituaçu, provavelmente para dar mais segurança ao lado esquerdo da defesa. No topo do losango, Montillo pensava para Fabinho, mais aberto pela direita, e Wellington Paulista na referência.

Vendo o diagrama, é possível pensar que o lado esquerdo do ataque ficaria abandonado, fazendo as ações ofensivas ficarem previsíveis e facilitando a marcação adversária. A entrada de Everton ao invés de Diego Renan, porém, explica: Leandro Guerreiro perseguia Thiago Neves, que caía constantemente pela direita do ataque. Com isso, Guerreiro fechava a defesa pela esquerda, “empurrando” Everton à frente para fazer a linha de 3 com Montillo por dentro e Fabinho à direita, atrás de WP, e Lucas Silva e Charles faziam uma dupla de volantes com bom passe. Estava configurado um 4-2-3-1.

Abel Braga, para surpresa deste blogueiro, armou o Fluminense num estreito 4-2-2-2. O goleiro Diego Cavalieri viu Gum e Leandro Euzébio à sua frente, flanqueados por Wallace à direita e Carlinhos do lado oposto. Edinho e Jean protegiam a defesa e suportavam a dupla criativa Thiago Neves e Wagner (aquele mesmo). Na frente, Fred era a referência e tinha Samuel caindo pelos lados. Quando tinha a bola, Thiago Neves abria pela direita, deixando Wagner pensar mais o jogo pelo outro lado, fazendo um híbrido de 4-2-1-3 e 4-3-3 com triângulo alto no meio-campo, com o avanço de um dos volantes.

O Cruzeiro começou numa intensidade incrível já desde os primeiros minutos. Logo aos três, Montillo carregou a bola em um contra-ataque velocíssimo, atraindo a marcação, e depois passando a Fabinho, que concluiu assim que entrou na área. A bola passou por Cavalieri, beijou sua trave esquerda e a zaga do Fluminense afastou para a lateral. Na cobrança, Ceará mandou direto para a área, e a zaga do Fluminense ficou olhando WP dominar meio com a cabeça meio com a mão, e completar pro gol. Os jogadores do Fluminense foram reclamar com o assistente de fundo, mas o árbitro confirmou o gol, e mesmo se WP de fato tiver dominado com a mão, isso não justifica a falha da zaga carioca no lance, que deixou um lateral ser cobrado diretamente para um atacante dentro da pequena área — ainda que o gol não acontecesse.

A intensidade continuou após o gol. O Cruzeiro atacava por ambos os lados e dificultava muito a marcação adversária, e algumas chances foram criadas, com Montillo saindo de dois adversários e concluindo mal, e Fabinho chutando para fora ao ficar de frente para Cavalieri dentro da pequena área, tendo Everton e WP como alvos para passar a bola.

A coisa estava tão feia para o Fluminense, que em um lance de atendimento médico, consegui ver da arquibancada atrás do gol alguns jogadores se reunindo próxmo ao círculo central, discutindo e apontando com a mão para algumas regiões do campo. Estavam certamente tentando entender o que havia de diferente e o que precisava ser corrigido. Deve ter funcionado, pois a partir da metade do primeiro tempo, a intensidade cruzeirense foi diminuindo — nenhum time no mundo conseguiria manter ritmo tão forte durante os noventa minutos — e o jogo ficou mais equilibrado. O Cruzeiro escolheu uma estratégia de partir em contra-ataques velozes ou usar bolas longas, como no lance de pênalti não marcado de Wallace sobre Everton, o que poderia ter ampliado a vantagem e dar outra cara ao jogo. O Fluminense passou a ter mais volume e foi se aproximando da área de Fábio aos poucos, e começava a criar chances. Fred, por duas vezes, foi parado por Fábio, mas em uma jogada ensaiada não conseguiu pará-lo pela terceira vez no finzinho da primeira etapa: bola parada, cobrança de falta para a direita da área onde Thiago Carvalho marcava Gum. O zagueiro carioca cabeceou para dentro da pequena área, onde estava Fred, que completou para o gol praticamente em cima da linha. Quem marcava o jogador era Ceará, e Fábio não saiu do gol. Falha geral da defesa celeste.

Os times voltaram os mesmos do intervalo, mas pareciam totalmente diferentes. Parecia que nenhuma das duas equipes queria se arriscar demais para não dar campo para o adversário. O Cruzeiro levantava muitas bolas na área, mas na maioria das vezes elas eram seguras por Cavalieri ou iam para fora. Já o Fluminense pouco ameaçava, e Abel Braga resolveu mexer duplamente: trocou Carlinhos por Tiago Carleto, sem alteração na formação, e um atacante por outro, o lento Samuel por um Matheus Carvalho um pouco mais móvel. Mas somente cinco minutos se passaram até que Matheus Carvalho se desentendesse com Charles dentro da área cruzeirense e o juiz mandasse os dois pra fora.

Uma possível formação do Cruzeiro após a dupla expulsão: sem atacante de referência e Wallyson e Fabinho fechando os flancos, para chamar o Fluminense e usar os contra-ataques. Mas Celso preferiu manter WP em campo

Sem Charles, Guerreiro voltou ao meio-campo, e Everton recuou para a lateral esquerda. No Fluminense, nenhuma alteração. O que significava ambos os times no 4-2-2-1. Celso Roth demorou a mexer no time, aos 35, e ainda assim trocando um velocista por outro, Fabinho por Wallyson. Wallyson era sim a opção correta, mas o jogador a sair era WP, com dois jogadores velozes combinando com Montillo para tentar a velocidade em um campo com muito espaço. Talvez o comandante celeste tenha ficado receoso de perder a referência na área, mas era exatamente isso que faria nos ganhar o meio-campo com um homem a mais numa espécie de 4-2-3-0, causando sobra redundante na defesa adversária.

Rafael Sóbis entraria no lugar de Wagner para configurar de vez o 4-2-3 suicida do Fluminense. A ideia era reter a posse de bola, mas os volantes do Cruzeiro conseguiam fazer isso com mais qualidade e o Cruzeiro acabou avançando mais e mais, mas sem sucesso no último passe. Ceará saiu para Diego Renan, por cansaço, sem configurar alterações táticas, e só bem no fim Souza entrou no lugar de Montillo, também cansado. Nem deu muito tempo do meia tocar na bola e o juiz já havia apitado o fim do jogo.

O primeiro empate com gols poderia vir de duas formas: com o Cruzeiro saindo atrás no placar e empatando ou vice-versa. Infelizmente foi do segundo modo, quebrando a escrita de sempre vencer quando fazia o primeiro gol. Poderíamos considerar isso um mau sinal, em uma primeira análise, mas a verdade é que o Fluminense tem um dos elencos mais qualificados do campeonato, o time joga junto há bem mais tempo e por isso mesmo está bem mais maduro. O Cruzeiro jogou de igual para igual e até melhor do que os cariocas em determinados momentos do jogo, portanto há mais coisas positivas a se destacar do que negativas nesta partida.

Mais uma vez, Everton demonstrou que pode ser um bom ponteiro esquerdo, desde que esteja devidamente protegido em sua defesa. Talvez um bom teste seria escalá-lo do lado direito, com Montillo de ponteiro esquerdo e tendo Souza ou Tinga por dentro no 4-2-3-1. A dupla Charles e Lucas Silva também foi muito bem, e pode ser útil quando o time precisar sair para o abafa tendo dois volantes passadores no meio. Lucas Silva, em particular, fez sempre jogos consistentes nas três oportunidades que teve, contra Portuguesa, Bahia e Fluminense.

A nota negativa desta partida fica por conta da demora de Roth em mudar o time após as expulsões. É claro que ele não tem o elenco que gostaria, com uma miríade de opções no banco, mas os jogadores que lá estavam poderiam sim dar uma outra cara ao jogo naquele momento. Além disso, quando fez as substituições, fez trocas conservadoras. Alguns torcedores chamaram o treinador de “burro” atrás de mim na arquibancada naquele momento.

Contra o Coritiba, que é o time que mais joga pela direita do campeonato, o time terá de ter um lado esquerdo forte defensivamente. Charles, Léo e Everton estão suspensos, com Lucas Silva e Rafael Donato entrando nos lugares dos dois primeiros, mas com a dúvida na lateral esquerda: Marcelo Oliveira ou Diego Renan? O primeiro tem mais poder de marcação que o segundo, mas sai bem menos para o jogo, e o segundo é lateral de ofício, apesar de não estar em boa fase. Para mim, Marcelo é a melhor opção em termos táticos.

Seria excelente voltarmos com a vitória de Curitiba para termos moral no clássico. E num clássico, confiança é fundamental.